Total de visualizações de página

ARTIGOS MAIS RECENTES

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Os monges do Mosteiro de Santa Madalena do Barroux transmitem o seu Ofício cantado todos os dias, conforme descrito em sua página.

  • Barroux
Os monges do Mosteiro de Santa Madalena do Barroux transmitem o seu Ofício cantado todos os dias, conforme descrito em sua página. Para os que não o podem ouvir nas horas desejadas, em particular para aqueles que não moram nas regiões com fusos horários europeus, este projeto busca gravar as Horas automaticamente e disponibilizá-las para carregamento. 

Excelências da Santa Missa


Segunda Excelência – O Sacrifício da Santa Missa tem por Sacerdote o Próprio Jesus Cristo

DEPOIS DE DIZER que o Sacrifico da Missa é o mesmo Sacrifício da Cruz, e não uma cópia, era de imaginar que não se poderia encontrar prerrogativa melhor. O que o torna, entretanto, mais sublime é o fato de ter como Sacerdote o próprio Deus feito homem(!).

Três coisas, certamente, são para considerar no santo Sacrifício: o Sacerdote que oferece; a Vítima oferecida; a Majestade divina, a Quem se oferece. Ora, três considerações: o Sacerdote, que oferece, é um Homem-DEUS, JESUS CRISTO: a vítima é a Vida de um DEUS; e não se oferece a outrem senão a DEUS...

** Ler o artigo completo

363 Cardinals and Bishops Who’ve Said the Latin Mass Since Summorum Pontificum

 


His Excellency, the Auxiliary Bishop of Chicago says the Traditional Mass, the Mass of the Ages

NOTE: THIS IS AN UPDATE TO MY PRIOR POST FROM 2012.

Since the Motu Proprio, Summorum Pontificum of Pope Benedict XVI was put into effect in 2007 the following Bishops and Cardinals have celebrated the Immemorial Mass of All Ages. The Spanish blog Acción Litúrgica has compiled the following list.  H/T to The Eponymous Flower.

Some past articles of this blog covered the celebration of these Masses.  In those instances, I have linked the item below to the post with news, photos, and/or video of that Mass.

GERMANY: Cardinal Brandmüller (President Emeritus of the Pontifical Council for Historical Sciences).  Bishop Ackermann  (Bishop of Trier), Bishop Dick (Auxiliary Bishop Emeritus of Cologne), Bishop Hanke (Bishop of Eichsttät), König (Auxiliary Bishop of Paderborn), Bishop Mixa (Bishop of Augsburg),  Ostermann (Auxiliary Bishop Emeritus of Münster), Overbeck (Bishop of Essen), Zdarsa (Bishop of Augsburg), and Ziegelbauer (Auxiliary Bishop of Augsburg) . 

ARGENTINA: Baseotto  (Bishop Emeritus Military of Argentina), Fenoy (Bishop of San Miguel), Laise (Bishop Emeritus of San Luis) and Sánchez Sorondo (Chancellor of the Pontifical Academy of Sciences). 

AUSTRALIA: Cardinal Pell (Archbishop of Sydney). Archbishops Coleridge (Archbishop of Brisbane), Hart (Archbishop of Melbourne), Hickey (Archbishop of Perth) and Wilson (Archbishop of Adelaide). Bishops Elliot (Auxiliary Bishop of Melbourne), Grech (Bishop of Sandhurst, +2010), Jarrett (Bishop of Lismore), Long (Auxiliary Bishop of Melbourne), Mathys (Bishop of Armidale), Porteus (Auxiliary Bishop of Sydney), Prowse (Bishop of Sale) and Tomlinson (Bishop of Sandhurst). 

AUSTRIA: Cardinal Stickler (Archivist Emeritus of the Vatican, +2007). Bishop Laun (Auxiliary Bishop of Salzburg). 

BELGIUM: Archbishop Leonard (Archbishop of Brussels and Primate of Belgium). Bishop Harpigny (Bishop of Tournai). 

BENIN: Bishop N'Koue (Bishop of NATITINGOU). 

BRAZIL: Archbishops Pena (Archbishop of Niterói, Emeritus in 2011), Rezende Dias (Archbishop of Niterói), Taveira Correa (Archbishop of Belem do Pará) and Tempesta (Archbishop of Rio de Janeiro, created cardinal in 2014). Areas raffle Bishops (Bishop Apostolic Administration of St. John Vianney Marían), Bergamin (Bishop of Nova Iguaçu), Canindé Palhano (Bishop of Senhor do Bomfim), Costa Souza (Auxiliary Bishop of Sao Sebastiao do Rio de Janeiro), Da Silva ( Auxiliary Bishop Emeritus of Fortaleza), Da Silva Brito (Auxiliary Bishop of Rio de Janeiro) Forge Peace (Bishop of Campos dos Goytacazes), Homem De Castro (Auxiliary Bishop of Rio de Janeiro), Fontes de Matos (Bishop of Palmira dos Indios ) Guimarâes Gomez (Bishop Emeritus of Campos dos Goytacazes) Gouvêa Matosso (Bishop of Nova Friburgo), Marchiori (Bishop of Apucarana), Monteiro Guimarães (Bishop of Garanhuns), Lopes de Faria (Bishop Emeritus of Diamantina, +2009) Paixao (Auxiliary Bishop of Salvador-Bahía), Pestana Filho (Bishop Emeritus of Annapolis, +2011), Romer (Auxiliary Bishop Emeritus of Rio de Janeiro), Silva Matthes (Bishop Emeritus of Franca), Sivieri (Bishop of Propriá-Sergipe) Soares da Costa (Auxiliary Bishop of Aracaju) Stringhini (Bishop of Franca, now Bishop of Mogi das Cruzes), Ubiratan Lopez (Bishop of Itaguaí). 

CANADA: Cardinals Collins (Archbishop of Toronto) and Lacroix (Archbishop of Quebec and Primate of Canada). Archbishops Roussin (Archbishop of Vancouver, Emeritus in 2009), Miller (Archbishop of Vancouver), Prendergast (Archbishop of Ottawa). Bishops Blais (Auxiliary Bishop of Quebec), Daniels (Bishop of Grand Falls), Fabbro (Bishop of London, Ontario), LaRocque (Bishop Emeritus of Alexandria-Cornwall, Ontario),   Lemay (Auxiliary Bishop of Quebec [Now Bishop of Amos]). 

CHILE: Cardinal Medina Estévez (Prefect Emeritus of Worship). Archbishop Piñera Carvallo (Archbishop Emeritus of La Serena). Duarte Garcia de Cortazar Bishops (Bishop of Valparaíso), Gleisner Wobbe (Auxiliary Bishop of La Serena), and González Errazuriz (Bishop of San Bernardo). 

CHINA: Cardinal Tong Hon (Bishop of Hong Kong), Cardinal Zen (Bishop Emeritus of Hong Kong). 

COLOMBIACardinal Castrillón Hoyos (em. President of the Ecclesia Dei Commission) Bishops Hurtado López (Bishop of Girardot) and Ramírez Gómez (Bishop Emeritus of Garzón, President of the Ecclesiastical Court). 

CROATIA: Bishop Pozaic (Auxiliary Bishop of Zagreb). 

DENMARK: Bishop Kozon (Bishop of Copenhagen). 

ECUADOR : Bishop Pine Castle (Auxiliary Bishop of Portoviejo). 

SLOVAKIA: Bezák Archbishop (Archbishop of Trnava). 

SLOVENIA: Cardinal Rode (Prefect for Consecrated Life). 

SPAIN: Cardinal Cañizares Llovera (Prefect for Divine Worship), Martínez Sistach (Archbishop of Barcelona), Herranz Casado (President Emeritus of the Council for Legislative Texts), and Navarrete Cortés (Rector Emeritus of the Pontifical Gregorian University, +2010). Archbishops Rodríguez Plaza (Archbishop of Toledo and Primate of Spain), and Ureña Pastor (Archbishop of Zaragoza). Bishops: Arrieta Ochoa de Chinchetru (Secretary of the Pontifical Council for Legislative Texts) Cases Andreu (Bishop of Canarias), Fernández González (Bishop of Córdoba), Iceta Gavicagogeascoa (Bishop of Bilbao), Martínez Camino (Auxiliary Bishop of Madrid and Secretary the Spanish Episcopal) Conference and Yanguas Sanz (Bishop of Cuenca). 

UNITED STATES: Cardinals Baum (Major Penitentiary Emeritus), Burke (Prefect of the Apostolic Signatura), DiNardo (Archbishop of Galveston-Houston), Egan (em. Archbishop of New York), Foley (Grand Master of the Order of the Holy Sepulchre, + 2011), George (Archbishop of Chicago), Levada (Prefect of the Congregation for the Doctrine of the Faith, Emeritus in 2012), O 'Malley (Archbishop of Boston) and Wuerl (Archbishop of Washington). Archbishops Apuron (Archbishop of Agana), Aquila (Archbishop of Denver), Brown (Titular Archbishop of Aquileia and Papal Nuncio in Ireland), Brunett (Archbishop of Seattle, Emeritus in 2010), Carlson (Archbishop of Saint Louis), Coakley (Archbishop of Oklahoma), Di Noia (Vice President of the Pontifical Commission Ecclesia Dei), Hugues (Archbishop Emeritus of New Orleans), Kurtz (Archbishop of Louisville), Lucas (Archbishop of Omaha), Myers (Archbishop of Newark), Nienstedt ( Archbishop of Sain Paul and Minneapolis), Pilarczyk (Archbishop Emeritus of Cicinnati), Sartain (Archbishop of Seattle), Vigneron (Archbishop of Detroit) and Wenski (Archbishop of Miami). Bishops Backer (Bishop of Birmingham), Bambera (Bishop of Scranton), Barber (Bishop of Oakland), Barres (Bishop of Allentown) , Bevard (Bishop of Saint Thomas), Blair (Bishop of Toledo, Ohio), B oyea (Bishop Lansing), Bruskewitz (Bishop of Lincoln, now emeritus), Burbidge (Bishop of Raleigh), Caggiano (Bishop of Bridgeport), Callahan (Bishop of LaCrosse), Conley (Auxiliary Bishop of Denver, now Bishop of Lincoln), Conlon ( Bishop of Jolliet) Cordileone (Bishop of Oakland, appointed Archbishop of San Francisco in 2012), Cotta (Auxiliary Bishop of Sacramento), Cummins (Bishop Emeritus of Oakland), D'Arcy (Bishop of Fort Wayne-South Bend), Dewane (Bishop of Venice), Di Lorenzo (Bishop of Richmond), DiMarzio (Bishop of Brooklynn), Doran (Bishop of Rockford, Emeritus in 2012), Elizondo (Auxiliary Bishop of Seattle), Etienne (Bishop of Cheyenne), Farrell (Bishop Dallas), Finn (Bishop of Kansas City), Foley (Bishop Emeritus of Birmingham), Foys (Bishop of Covington) Gainer (Bishop of Lexington, appointed Bishop of Harrisburg in 2014), García (Bishop of Monterey), Gelineau ( Bishop Emeritus of Providence), Hanchon (Auxiliary Bishop of Detroit), Hermann (Auxiliary Bishop of Saint Louis), Hying (Auxiliary Bishop of Milwaukee), Hurley (Bishop of Grand Rapids), Jugis (Bishop of Charlotte), Keleher (Bishop Emeritus Kansas City), Kicanas (Bishop of Tucson), Libasci (Bishop of Manchester), Loverde (Arlington Bishop), Madera Uribe (Bishop Emeritus of Fresno), Matano(Bishop of Burlington, in 2014 Bishop of Rochester), McFadden ( Bishop of Harrisburg, +2013), McManus (Bishop of Worcester), Morlino (Bishop of Madison), Mulvee (Bishop Emeritus of Providence), Murphy (Bishop of Rockville Centre), Nevares (Auxiliary Bishop of Phoenix), O'Connell ( Bishop of Trenton), Olmsted (Bishop of Phoenix), Paprocki (Bishop of Springfield, Illinois), Parkes (Bishop of Pensacola-Tallahassee), Perry (Auxiliary Bishop of Chicago), Provost (Bishop of Lake Charles), Reiss (Auxiliary Bishop Detroit), Rhoades (Bishop of Harrisburg, now Fort Wayne-South Bend), Rice (Auxiliary Bishop of Saint Louis), Ricken (Bishop of Green Bay), Sample (Bishop of Marquette, now Bishop of Portland), Serratelli ( Bishop of Paterson), Silva (Bishop of Honolulu), Slattery (Bishop of Tulsa), Timlin (Bishop Emeritus of Scranton), Tobin (Bishop of Providence), Waltersheid (Auxiliary Bishop of Pittsburgh), and Van Johnston (Bishop of Springfield, Missouri). 

PHILIPPINES: Archbishops Argüelles (Archbishop of Lipa), Lagdameo (Archbishop of Jaro), and Palma (Archbishop of Cebu). Escaler Bishops (Bishop Emeritus of Ipil), De Gregorio (Administrator of the Prelature of Batanes) Hobayan (Bishop Emeritus of Cazarman), Tobias (Bishop of Novaliches) and Vergara (Bishop of Pasig). 

FRANCE: Cardinal Barbarin (Archbishop of Lyon), Ricard (Archbishop of Bordeaux) and Ving-Trois (Archbishop of Paris and President of the French Episcopal Conference). Archbishops Aubertin (Archbishop of Tours), Bacque (Nuncio in Holland), Carré (Archbishop of Montpellier), Cattenoz (Archbishop of Avignon), D'Ornellas (Archbishop of Rennes), Le Gall (Archbishop of Toulouse), Madec (Archbishop Emeritus Toulon), Maillard (Archbishop of Bourges), Thomazeau (Archbishop of Montpellier, retired in 2011) and Wintzer (Archbishop of Poitiers). Aillet Bishops (Bishop of Bayonne), Aumonier (Bishop of Versailles), Bagnard (Bishop of Belley-Ars), Batut (Auxiliary Bishop of Lyon), Beau (Auxiliary Bishop of Paris), Benoît Gonnin (Bishop of Beavois, Noyon and Senlis), Boivineau (Bishop of Annecy), Bonfils (Bishop Emeritus of Apostolic Administrator of Nice and Ajaccio), Brouwet (Auxiliary Bishop of Nanterre, appointed Bishop of Tarbes-Lourdes in 2012), Castet (Bishop of Luçon), Centene (Bishop Vannes), De Dinechin (Auxiliary Bishop of Paris), De Germay (Bishop of Ajaccio), De Kerimel (Bishop of Grenoble), Delmas (Bishop of Angers), Dubost (Bishop of Evry), Dufour (Bishop of Limoges) Fikart (Auxiliary Bishop Emeritus of Paris), Fort (Bishop of Orleans), Gaschignard (Bishop of Aire and Dax), Ginoux (Bishop of Montauban), Fréchard (Bishop Emeritus of Auch), Gaidon (Bishop Emeritus of Cahors, +2011) Guillaume (Bishop Emeritus of Saint-Dié), Herbreteau (Bishop of Agen), Kalist (Bishop of Limoges), Kratz (Auxiliary Bishop of Strasbourg), Le Bègue Germiny (Bishop of Blois), Lebrun (Bishop of Saint-Etienne ), Mathieu (Bishop of Saint-Dié), Nahmias (Auxiliary Bishop of Paris, now Bishop of Meaux), Pansard (Bishop of Chartres), King (Bishop of Frejus-Toulon), Riocreux (Bishop of Pontoise), Scherrer (Bishop Laval) and Séguy (Bishop Emeritus of Autun). 

GABON: Mvé Engone Archbishop (Archbishop of Libreville). Bishop Madega Lebouankenham (Bishop of Mouila). 

EQUATORIAL GUINEA: Bishop Nsué Edjang (Bishop of Ebebiyin). 

HAITI: Gayot Archbishop (Archbishop Emeritus of Cap-Haitien, +2010). 

HUNGARY: Bishops Farhat (Nuncio to Austria) and Lajos Varga (Auxiliary Bishop of Vác).

ITALY: Cardinal Antonelli (Archbishop of Florence, retired in 2008), Bagnasco (Archbishop of Genoa), Bartolucci (Choirmaster Emeritus of the Sistine Chapel), Caffarra (Archbishop of Bologna), De Paolis (Prefect of Economic Affairs), Piovanelli (Archbishop Emeritus of Florence), Poggi (Librarian Emeritus of the Holy See, +2010), Scola (Archbishop of Venice). Archbishops Accerbi (Prelate of the Order of Malta), Appignanesi (Archbishop Emeritus of Potenza), Bassetti (Archbishop of Perugia, created cardinal in 2014), Berloco (Apostolic Nuncio in Belgium), Betori (Archbishop of Florence), Boccardo (Archbishop of Spoleto-Norcia), Brugnaro (Archbishop of Camerino-San Severino), Crepaldi (Archbishop of Trieste), De Magistris (Major Penitentiary Emeritus), Fisichella (Titular Archbishop of Vicohabentia and President of the Pontifical Council for Promoting the New Evangelization ), Molinari (Archbishop of L'Aquila), Negri (Archbishop of Ferrara) and Pozzo (Secretary of the Pontifical Commission Ecclesia Dei and Titular Archbishop of Bagnoregio). Bishops Ambrose (Bishop of Piacenza), Cancian (Bishop of Città di Castello), Cerrato (Bishop of Ivrea), Fisichella (President of the Pontifical Academy for Life), Giovanetti (Bishop of Fiesole, retired in 2010), Giusti (Bishop Livorno), Lambiasi (Bishop of Rimini), Miglio (Bishop of Ivrea, now Archbishop of Cagliari), Mistrorigo (Bishop emeritus of Treviso), Oliveri (Bishop of Albenga-Imperia), Rabitti (Bishop of Ferrara), Raspanti (Bishop Acireale), Ravignani (Bishop Emeritus of Trieste), Reali (Bishop of Porto-Santa Rufina), Scanavino (Bishop of Orvieto), Sciacca (Secretary to the Government of the Vatican State, now Deputy Secretary of the Apostolic Signatura), Sigismondi (Bishop Foligno), Tardelli (Bishop of San Miniato), Zenti (Bishop of Verona) and Zuppi (Auxiliary Bishop of Rome). 

IRELANDMartin (Archbishop of Dublin). Bishop Magee (Bishop of Cobh) and Moriarty (Bishop Emeritus of Kildare and Leighlin). 

KAZAKHSTAN: Bishop Schneider (Auxiliary Bishop of Astana). 

LIECHTENSTEIN: Haas Archbishop (Archbishop of Vaduz). 

LITHUANIA: Bishop Bartulis (Bishop of Siauliai). 

MEXICO: Cardinal Sandoval Iñiguez (Archbishop Emeritus of Guadalajara). Archbishop Suárez Inda (Archbishop of Morelia). Bishops González González (Auxiliary Bishop of Guadalajara) and Gutiérrez Valencia (Auxiliary Bishop of Guadalajara). 

MONACO: Archbishop Barsi (Archbishop of Monaco). 

NIGERIA: Cardinal Arinze (Prefect Emeritus of the Congregation for Divine Worship). Ochiagha Bishops (Bishop Emeritus of Orlu), and Tochukwu Ukwuoma (Bishop of Orlu).

NEW ZEALAND: Bishop Basil Meeking (Bishop Emeritus of Christchurch). 

NETHERLANDS: Bishop Punt (Bishop of Haarlem-Amsterdam), and Van Burgsteden (Bishop Emeritus of Haarlem-Amsterdam). 

PARAGUAY: Bishop Livieres (Bishop of Ciudad del Este). 

POLAND: Cardinal Dziwisz (Archbishop of Krakow) and Nycz (Archbishop of Warsaw). Archbishops Golebiewski (Archbishop of Wroclaw, Emeritus in 2013), and Zycinski (Archbishop of Lublin, + 2011). Bishops Balcerek (Auxiliary Bishop of Poznań), Cieslik (Auxiliary Bishop of Koszalin-Kolobrzeg), Czaja (Bishop of Opole), Depo (Bishop of Zamosc-Lubaczow, since 2012 Archbishop of Czestochowa ), Dziuba (Bishop of Lowicz) Gorny ( Bishop of Rzeszów, Emeritus in 2013), Malysiak (Auxiliary Bishop Emeritus of Krakow), Mizinski (Auxiliary Bishop of Lublin), Pieronek (Auxiliary Bishop Emeritus of Sosnowieck), Rys (Auxiliary Bishop of Krakow), Stobrawa (Auxiliary Bishop of Opole) , Szkodon (Auxiliary Bishop of Krakow) and Watroba (Bishop of Rzeszów) .

PORTUGAL: Faria Bishop (Bishop Emeritus of Funchal).

PUERTO RICO: Bishops Corrada del Rio (Bishop of Mayagüez), and Torres Oliveira (Bishop Emeritus of Ponce, +2012).

UK: Cardinal O'Brien (Edinburgh Archbishop and Primate of Scotland, retired in 2013). Archbishops Conti (Archbishop of Glasgow), Longley (Archbishop of Birmingham), McDonald (Archbishop Emeritus of Southwark) and Stack (Archbishop of Cardiff). Bishops Arnold (Auxiliary Bishop of Westminster, London), Brain (Bishop of Salford), Brainey (Bishop of Middlesbrough), Campbell (Bishop of Lancaster), Cunnigham (Bishop of Hexham and Newcastle), Davies (Bishop of Shewsbury), Doyle (Bishop of Northampton), Drainey (Bishop of Middlesbrough), Egan (Bishop of Portsmouth), Gilbert (Bishop of Aberdeen), Hopes (Auxiliary Bishop of Westminster, London), Kenney (Auxiliary Bishop of Birmingham), McGough (Auxiliary Bishop of Birmingham), McMahon (Bishop of Nottingham), Moran (Bishop of Aberdeen), Pargeter (Auxiliary Bishop Emeritus of Birmingham), Sherrington (Auxiliary Bishop of Westminster, London), and Williams (Auxiliary Bishop of Liverpool).

CZECH REPUBLIC: Bishop Baxant (Bishop of Litomerice).

RUSSIA: Archbishop Pezzi (Archbishop of the Diocese of Mary Mother of God).

SINGAPORE: Archbishop Goh Seng Chye (Archbishop of Singapore).

SRI LANKA: Cardinal Ranjith (Archbishop of Colombo).

SWITZERLAND: Bishops Farine (Auxiliary Bishop of Lausanne), Genoud (Bishop of Lausanne and Fribourg, +2010), Huonder (Bishop of Chur) and Perisset (Nuncio in Germany).

domingo, 21 de setembro de 2014

Um novo mosteiro beneditino tradicional em Fréjus-Toulon que celebra a Sagrada Liturgia de acordo com as antigas e clássicas formas dos ritos romano e monástico.

Em dezembro de 2011, mons. Dominique Rey, bispo Fréjus-Toulon no Sul da França, erigiu o Monastère Saint-Benoît, uma nova comunidade monástica que segue a Regra de São Bento e celebra a Sagrada Liturgia de acordo com as antigas e clássicas formas dos ritos romano e monástico. O superior, Dom Aidan, deu esta entrevista – a qual, pelo que sei, é a primeira dada por essa comunidade monástica.
Nosso agradecimento a um caro amigo pela gentileza de nos enviar esta tradução.
NLM: Dom Prior, o senhor nos poderia falar sobre as origens deste mosteiro?
A origem do nosso mosteiro jaz no nosso antigo desejo de viver a vida monacal de acordo com a Regra de São Bento. Alguns dentre nós éramos já monges beneditinos formados e professos, mas que nos encontrávamos frustrados em não viver nossa vocação por circunstâncias que escapavam ao nosso controle. Outros, também, experimentavam essa dificuldade, mas desejavam ainda ser monges. O tempo passado fora da vida monástica, por doloroso que fosse, concentrou nosso desejo de viver a vida monacal tradicional e experimentar, a cada dia, sua harmonia natural com os ritos litúrgicos e ofícios monásticos clássicos. Através de circunstâncias que foram verdadeiramente providenciais, pudemos expressar esse desejo ao bispo mons. Rey.
O bispo nos recebeu como um verdadeiro pai. Nossa consulta iniciou um período de discernimento e preparação prática que envolveu a equipa do próprio bispo, nós, meu bispo (o qual demostrou, também, grande solicitude paternal, afabilidade e generosidade) e o apoio e generosidade de muitos amigos – sem mencionar as calorosas boas-vindas dos habitantes de La Garde-Freinet. Um tanto que para nosso – ainda que feliz – assombro, foi possível dar início a um completo horarium monástico já para o primeiro domingo do Advento e celebrar nossa ereção canónica nas Solenes Primeiras Vésperas da Imaculada Conceição, dezembro último.
NLM: Que apoio vocês receberam da Diocese de Fréjus-Toulon e de seu bispo?
O bispo e a diocese foram, e permanecem, completamente favoráveis. A abordagem de mons. Rey é a de perguntar sempre como ele, como bispo, pode encorajar e promover o crescimento da Igreja. Ele quer colocar-se a si e a sua diocese por trás de iniciativas que ele acredita ampliarão o Reino de Deus na terra. Ele busca por soluções, não problemas. Do mesmo modo, age a sua equipa – desde o vigário geral, seus secretários e canonistas, seu diretor financeiro etc. Todos trabalham juntos a fim de edificar a Igreja – de maneira segura, em bases financeiras e canónicas também!
Foi-nos dado o uso de um presbitério bastante largo (que já estamos na feliz situação de nos preocupar acerca de ser muito pequeno) próximo à igreja paroquial. Foi-nos dado o uso da igreja para todos os nossos ofícios litúrgicos. O cura, que nos recebeu calorosamente, vive em outra vila, da qual é cura também, e celebra três missas aqui a cada semana para a pequena e muito empenhada comunidade local. Esta “partilha” da igreja funciona bem e provém a Missa e o Ofício aqui cada dia em acréscimo às já existentes Missas paroquiais.
O bispo deu-nos, ainda, generosamente, auxílio financeiro para começarmos –os custos só do seguro de saúde na França são astronómicos – mas nós precisamos trabalhar para nos tornar financeiramente autossuficientes rapidamente.
Suporte prático e financeiro nos chegou de toda a diocese e, de fato, do clero e povo local, que, assim como o encorajamento, proveu-nos com muito do material necessário a essa grande casa. Um mosteiro é algo diferente e novo, mas a sua chegada foi felicitada com a hospitalidade e abertura pelas quais o povo e o clero desta diocese são conhecidos.
NLM: Vocês são parte da Confederação Beneditina mundial?
Embora dois de nós tenhamos completado válidos noviciados beneditinos e sido monges professos da Confederação, nossa comunidade foi estabelecida pelo bispo e é da diocese. Isso não quer dizer que nós estejamos isolados: muitos monges da Confederação são bons amigos e nós temos a felicidade de receber encorajamentos fraternos e ajuda. Um amigo que é abade aceitou o convite a nos assistir a ambos, a comunidade e o bispo, enquanto nós crescemos. Nós pedimos ao abade para dar especial assistência na formação dos noviços. Assim, embora sejamos independentes da Confederação, mantemos fortes laços com seus monges e apreciamos muito suas visitas, seu suporte e a sabedoria e a experiência que eles dividem conosco.
NLM: Conte-nos sobre o horarium e a vida litúrgica do mosteiro.
Nosso horarium é simples, começa com as matinas às 4:00 da manhã e termina com as completas às 8:00 da noite. Inclui todos os ofícios cantados de acordo com o Breviarium monasticum (1963) e a Missa conventual de acordo com o usus antiquior. O horarium não é um artifício publicitário nem uma fantasia – ele é real – e deve ser dito que, embora exigente, é um gozo a viver.
Na nossa vida litúrgica nós “ousamos fazer o máximo que nós podemos” como impelia Santo Tomás de Aquino. Posto que somos pequenos, é por vezes necessariamente modesta. Mas cantar fielmente todo o ofício monástico cada dia não é uma tarefa pequena. Quanto mais crescemos, mais se torna possível, e cada nova vocação é um dom da Divina Providência permitindo a toda a família monástica louvar a Deus mais plenamente na sagrada liturgia.
Com certeza a vida litúrgica é a vida do mosteiro. Isso é nossa razão de ser. Estamos aqui primeira e principalmente para prestar culto a Deus, para “não colocar nada antes do trabalho de Deus” como ensina São Bento. Isto nos dá uma clara identidade e ordena o nosso dia e, de novo, é um gozo. É uma particular alegria que, graças à visão e legislação do Santo Padre (a qual é, de todo coração, compartilhada, apoiada e promovida por mons. Rey), o uso dos antigos ritos litúrgicos não é um problema. Não há controvérsia em gastarmos nossos dias e noites cantando os louvores do Senhor ou oferecendo o Santo Sacrifício da Missa do modo como os monges fizeram por séculos, como, aliás, não deve haver!
NLM: Como o senhor enxerga o mosteiro participando e advogando pelo novo movimento litúrgico querido pelo Papa Bento?
Nós somos uma pequena comunidade monástica vivendo a vida litúrgica tão completa e fielmente quanto nos é possível. Nós buscamos dar a Deus Todo-poderoso o culto que Lhe é de direito e, agindo assim, aprofundar nossa própria conversão de vida em conformidade com os Seus caminhos. Assim, como nós entendemos, o “novo movimento litúrgico” é primeiro sobre tornar-me litúrgico a mim mesmo, sobre mergulhar na sagrada liturgia, deixa-la formar quem eu sou e como eu vivo, permitindo-lhe trazer aquela conversão de vida que é o coração mesmo da Regra de São Bento.
Não temos nenhuma pretensão de fazer alguma grande contribuição em larga escala. Mas se, a cada dia, nós pudermos fiel e generosamente viver a vida litúrgica, isso mesmo fará sua própria pequena diferença na Igreja e no mundo. Na Divina Providência, nós tomaremos parte neste aprofundamento do novo movimento litúrgico.
Obviamente, nós oferecemos um testemunho monástico e litúrgico e isso tem seus efeitos. Nossa inauguração foi celebrada com as solenes primeiras vésperas da Imaculada Concepção – inteiramente cantada de acordo com o rito monástico. Amigos, clérigos eparoquianos locais e alguns que não adentravam uma igreja por um bom tempo, juntaram-se para a oração das vésperas – muitos pela primeira vez – e eles cantaram muito bem! A liturgia da Igreja, resplendente na plenitude da tradição monástica, tocou muitos corações aquele entardecer. Se nós pudermos continuar fazendo isso – e nós podemos –, isso, também, fará sua contribuição.
NLM: O que um homem que pensa em entrar na vida monástica deve esperar se ele pede para juntar-se à sua comunidade?
Ele seria bem-vindo para uma curta visita a fim de experimentar um pouco da nossa vida: falar é uma coisa, outra é experimentar a vida em primeira mão, o que é necessário. Depois disso, uma visita mais longa para um maior aprofundamento seria apropriada – normalmente, ao menos, um mês. Se, então, ele desejar requerer a entrada no mosteiro, teriam lugar os procedimentos de entrada seguido pelo postulantado (o qual, usualmente, dura ao menos três meses, mas que é flexível) e, então, pelo noviciado (o qual dura um ano ou um ano e meio).
NLM: E que formação se seguiria?
Durante o postulantado e noviciado a formação é centrada na vida monástica e oração: a Regra, história monástica, sagrada liturgia e salmodia etc. Latim e, dada a nossa localidade, francês podem ser estudados, também. Depois da profissão simples, a formação é de acordo com os dons pessoais e as necessidades do mosteiro. Alguns tomarão o caminho dos estudos para a ordenação enquanto outros desenvolverão suas habilidades em outras áreas – nossa família monástica tem lugar para todos aqueles que Deus Todo-poderoso envia, sejam eles o que usualmente se chama “irmãos leigos” ou “monges de coro”. Estudos mais avançados são, também, algo que desejamos incentivar onde o indivíduo tem os dons necessários e onde eles podem servir ao mosteiro e à Igreja.
Mas para tudo isso, a maior formação para qualquer postulante ou noviço é esforçar-se para ser fiel às muitas demandas do nosso cotidiano com seus desafios e, por vezes, verdadeiras dificuldades. Perseverar através disso habilita os vocacionados ao monacato àquela conversão de vida que é nossa vocação e a experimentar algumas de suas delícias, junto com seus irmãos numa fraternidade ordenada, uma “escola do serviço do Senhor”. É difícil de explicar, mas para aqueles chamados a isso, é real, sustentável, uma verdadeira graça e privilégio. Como cantamos na prima de domingo, “Viam mandatorum tuorum cucurri, cum dilatasti cor meum.” (“Corri pelo caminho dos teus mandamentos, quando dilataste o meu coração.” – Psalmus CXVIII, 32)
NLM: Vocês têm noviços atualmente?
No momento nós não tivemos, sequer, tempo para correr o tempo de um postulantado! Nós temos dois sérios candidatos ao noviciado e, Deus o queira, eles serão investidos no decorrer desse ano. Há outros candidatos planejando fazer mais extensas visitas. É importante não apressar o discernimento e permitir a cada candidato o tempo, espaço e liberdade necessários para dar os passos certos no tempo certo.  Nós preferimos não falar muito sobre quem e quando e assim por diante a fim de proteger a liberdade: eles – e também os monges – têm direito a sua privacidade.
NLM: O mosteiro é inteiramente anglófono?
Não exclusivamente. Embora nós certamente falemos inglês, cada um de nós deve aprender francês. Estamos abertos a todos que Deus enviar. De fato, nosso bispo confiou-nos recentemente a formação final de um seminarista e ele não é um falante de inglês – assim, nosso francês está se aperfeiçoando o tempo todo! Quando nós pregamos, usamos ambos o francês e o inglês – muitos dentre o povo local são falantes nativos da língua inglesa.
NLM: Que ofícios os membros da comunidade fazem?
Nosso primeiro ofício é a oração e nossa conversão de vida. Depois, há o trabalho necessário de discernimento e formação de candidatos. Depois disso, seguem todas as tarefas administrativas e domésticas, como cozinhar, limpar, responder correspondências e pagar contas.
Nós ainda cuidamos de uma pequena loja e produzimos nós mesmos algumas das coisas vendidas lá, assim como imprimimos cartões e outros itens. Esperamos fazer algumas publicações. Temos o uso de uma pequena terra para produzir alimentos. Algumas vezes tutoramos pessoas nas áreas académica ou litúrgica ou fazemos outro trabalho intelectual. Acolhemos convidados e retirantes e provemos algum cuidado pastoral de pessoas nos antigos ritos. De tempos em tempos assistimos o bispo em diferentes projetos.
Além do básico, nosso trabalho será uma resposta às oportunidades, talentos e necessidades que a Divina Providência nos enviar, cuidando para que tudo isso não eclipse o trabalho de Deus.
NLM: Onde vocês estão situados? É possível às pessoas visitarem?
Estamos numa vila no alto da cadeia de montanhas “des Maures”, entre Fréjus e Toulon, na Provença. Estamos a pouco mais de 10 quilômetros do mar mediterrâneo, e 20 quilômetros ao norte de Saint-Tropez. É uma região excepcionalmente bonita, e nossa vila usufrui dos benefícios de ser pequena e quieta. Tem esplêndidas vistas, com muitos caminhos montanhosos – ideal para pessoas em retiro. Nós colocamos algumas fotos em nosso website.
E sim, visitantes são sempre bem-vindos, seja para participar do Ofício ou da Missa (os quais são abertos ao público), seja para ficar alguns dias em descanso ou retiro. Homens que queiram ficar no mosteiro devem sempre nos contatar antecipadamente, é claro, mas a hospitalidade é uma importante parte da nossa vocação.
Querendo chegar aqui, há alguns ônibus que vêm da vila – mais nos finais-de-semana e verão – e há uma grande estação ferroviária (Les Arcs) não muito distante. Todavia, automóvel é o mais conveniente meio de transporte e há uma boa estrada até desde a costa e uma outra desde a grande rodovia provençal (A8). Nós estamos a menos de trinta minutos de carro.
NLM: Como as pessoas podem ajudar o mosteiro?
Primeiro, eu devo recordar nossa gratidão aos muitos benefícios, pequenos e grandes, que recebemos até aqui. Nós temos nos movimentado continuamente através da bondade da Divina Providência trabalhando através de tantos corações generosos. Que nós tenhamos podido começar bem nossa vida aqui é em não menor parte devido à caridade desses indivíduos – cujos atos são conhecidos por Deus Todo-poderoso – e por quem nós rezamos a cada dia e oferecemos a Missa a cada mês.
Como eu disse antes, sim, nós precisamos nos tornar financeiramente independentes rapidamente. Com a chegada de novas vocações essa necessidade não é menor. Auxílio e benefícios são sempre bem-vindos, e são uma verdadeira bênção. Embora nosso website mencione várias maneiras de nos ajudar – adquirindo bens através dos nossos links na Amazon, enviando algo da nossa lista de desejos na Amazon (nós necessitamos real e especialmente construir nossa biblioteca), comprando da loja do nosso mosteiro, fazendo uma doação, enviando intenções de Missa etc. – nós somos cônscios de que precisamos dar duro e desenvolver indústrias e a nós mesmos. Isto requer tanto pessoal quanto capital – mas a Divina Providência não faltará desde que sejamos fiéis à nossa vocação monástica.
NLM: Vocês têm algum programa de oblatos?
Sim, e nós tivemos a alegria de fazer a tomada de hábito de nosso primeiro oblato-noviço, um padre diocesano e grande amigo do mosteiro, logo depois de nossa inauguração. Oblatos são a extensão de nossa família, e assim sendo, compartilham dos frutos espirituais de nossas orações bem como nós nos beneficiamos de sua fraternidade e auxílio. Homens e mulheres católicos interessados na oblação devem consultar nosso website.
NLM: Dom Aidan, o que o futuro reserva para o Mosteiro de São Bento?
Ele reserva o próximo ofício monástico, a próxima oportunidade de exercer a caridade fraterna com os irmãos, a próxima ocasião de suportar o sofrimento em fé e esperança, a próxima oportunidade de acolher como ao Cristo a pessoa que vem ao mosteiro e talveznão esteja sequer ciente da necessidade de buscar a Deus. E se eu sou fiel ao que a Regra demanda em cada uma dessas circunstâncias, o futuro reserva – não, ele promete – que Deus seja louvado e encontrado, e então, eu serei mais conformado a Ele.
Certamente, temos esperanças e planos, mas a Providência embaralhá-los-á e dividi-los-á de acordo com um Plano maior. Nós veremos o que o futuro reserva. Mas se essa comunidade for fiel à Regra e atenta à voz de Deus, o futuro, seja qual for, será de Deus.
Deus vos abençoe a ti e a teus leitores!
* * *
Para mais informações acerca do mosteiro:
Monastère Saint-Benoît
2, rue de la Croix
83680 La Garde-Freinet
France
Website: www.msb-lgf.org
© Monastère Saint-Benoît 2012


 

Rettifiche in merito alla presentazione del libro di p. S.M. Lanzetta a Firenze


Ricevo e pubblico.

Su diversi siti internet nelle ultime ore sono apparsi alcuni interventi originati da un recente scambio epistolare tra l’avvocato Ascanio Ruschi [qui], presidente dell’Associazione "Comunione Tradizionale", e Sua Eminenza il Signor Cardinale Giuseppe Betori, Arcivescovo di Firenze [qui], in relazione ad una eventuale Santa Messa in Rito antico da celebrarsi in occasione della presentazione del mio libro, Il Vaticano II, un Concilio pastorale. Ermeneutica delle dottrine conciliari, Cantagalli, Siena 2014.

In merito a tali interventi, non volendo entrare nella questione di principio, non posso tuttavia non fare alcune dovute precisazioni, essendo la mia persona, se non la stessa materia del contendere, un elemento non marginale di tutta la vicenda.

Devo affermare che sono sinceramente dispiaciuto per il fatto che la presentazione del mio libro sia divenuta occasione di polemica e dell’inasprimento di toni nei confronti di Sua Eminenza il Card. Betori, nella cui Diocesi ho avuto il privilegio di svolgere il mio ministero pastorale per lunghi anni e che sempre ho considerato e sentito come Pastore e Padre.

Inoltre, debbo far presente che, come si evince dalla lettera dell’Avv. Ruschi, la mia presenza era dagli stessi organizzatori considerata incerta e, aggiungo, molto improbabile, avendo necessità di un permesso scritto da parte dei superiori per recarmi in Italia: permesso che non solo non avevo chiesto, ma che preferivo non chiedere, al fine di evitare quanto temevo che si realizzasse e che i fatti hanno confermato.
Mi dissocio, pertanto, da ogni polemica, di qualunque segno, la quale non mi appartiene.

In tale contesto, tuttavia, non posso nascondere neppure di essere profondamente addolorato per quanto espresso da Sua Eminenza il Card. Betori sul mio conto, pensieri che apprendo da una lettera indirizzata a terzi, e solo dopo aver lasciato da quasi un anno l’Arcidiocesi.

Non posso certo fare la mia apologia, ma vorrei solo attestare che nel mio lavoro teologico ho sempre cercato in coscienza, con rispetto di tutte le sensibilità, di servire la Verità, e la Verità non conosce polemica, non conosce fazioni.

Per questo non posso e non voglio permettere che la mia persona e la mia opera teologica, che ha un taglio esclusivamente scientifico, divengano bandiere di partiti da difendere o da abbattere “ideologicamente”. Se ho scritto qualcosa di errato, sono felice di rivedere il mio pensiero e di correggermi, qualora qualcuno me lo facesse notare. Ma prego chiunque avesse da rimproverarmi eventuali sviste, errori, o addirittura eresie, di volersi basare su quanto ho scritto, e non su mie presunte intenzioni.
p. Serafino M. Lanzetta

sábado, 20 de setembro de 2014

Dominica XV. post Pentecosten

Dominica XV. post Pentecosten
Introitus: Ps. 85, 1.2.3.4 Inclina, Domine (3m13.7s - 3030 kb) 
Graduale: Ps. 91, 2 V. 3 Bonum est confiteri (2m58.7s - 2795 kb) 
Alleluia: Ps. 94, 3 Quoniam Deus(2m44.7s - 2577 kb) 
Offertorium: Ps. 39, 2.3.4 Exspectans exspectavi (1m38.7s - 1545 kb) 
Communio: Io. 6, 51 Panis, quem ego dedero (56.5s - 887 kb) 


http://www.christusrex.org/www2/cantgreg/trid_dXVpostPentecosten.html

Series of workshops recently held in Poland at the Basilica of Our Lady of Licheń the largest Marian shrine in the country.


Ars Celebrandi Workshops in Poland



Reader Dawid Gospodarek very kindly sent us an account of a series of workshops recently held in Poland at the Basilica of Our Lady of Licheń(Lee-chen; ch pronounced as in German), the largest Marian shrine in the country. The event has its own website, http://arscelebrandi.pl/, with anenormous gallery of high quality and very beautiful photographs of the various events. (My experience is that the translation feature of the Chrome browser works quite well with Polish.) There are also a large number of photos available on theirfacebook page.

First Mass in the Basilica
Solemn Vespers
On Sunday, August 24, a series of workshops on the Ars Celebrandi began at the Basilica of Our Lady of Licheń, the largest Marian shrine in Poland, with the blessing of Bishop Wieslaw Mering of Wloclawek. The participants came from all parts of Poland, but also the Czech Republic, Lithuania, Latvia and France, totaling nearly 150 people, including almost 30 priests.

The Ars Celebrandi Workshops are a response to the invitation of Benedict XVI’s motu proprio Summorum Pontificum, and its encouragement to “preserve the riches which have developed in the Church’s faith and prayer, and to give them their proper place”.

The workshops cover all the elements that make up the beauty of the liturgy in the traditional Roman rite: priests learn to celebrate and to serve in various functions (as deacon, subdeacon and assistant priest), altar servers learn to serve in all the different roles, and scholas learn how to accompany the liturgy.

The musical part of the workshops was lead by Joanna Orzeł, Magdalena Krzywda-Krzysteczko, Marcin Bornus-Szczyciński, Robert Pożarski (Gregorian chant) and Paweł Bębenek (Baroque polyphony).

The highlight of each day was the celebration of the Holy Mass in the Extraordinary Form of the Roman Rite, whether solemn, sung or low. At one of the morning Masses, the faithful could also sing traditional Polish devotional songs. The order of every day was defined by canonical hours, which on certain days were celebrated in a solemn way.

On Tuesday, the feast of Our Lady of Czestochowa, after the Mass a solemn procession took place. Wednesday was a day of penance, devoted primarily to prayers for the dead. A solemn Requiem Mass was celebrated for Pope Sixtus V on the anniversary of his death.

Masses in the Dominican Rite were also celebrated daily, on Wednesday a sung Mass, with the participation of a women’s schola, and on Thursday a particularly important event, a Dominican Solemn Mass. This was only the third time that such a liturgy was celebrated in Poland after the post-Conciliar liturgical reforms. The schola was led by experts in Dominican chant, Marcin Bornus-Szczyciński and Robert Pożarski.

On Friday the main Mass was celebrated in the Basilica of Our Lady of Licheń; this was also the first solemn Mass celebrated by Fr. Peter Wulgaris. The schola, led by Paweł Bębenek, sang a polyphonic Mass by Orlando di Lasso. All sung and solemn Masses were enriched by the organ music played by Robert Hugo, an outstanding musician, organist of the Holy Savior Academy church in Prague, the head and founder of Capella Regia Praha, which gives concerts all over the Europe and overseas.

The organizers of the workshop are priests and faithful working in the diocesan chaplaincies and communities of the Latin tradition in Poland, in cooperation with Foundation of St. Gregory the Great and other organizations of the faithful attached to the traditional form of the liturgy. The event was under the official patronage of the Una Voce Polonia Federation.

Absolution over the Catafalque
Preparation of the chalice at Dominican Solemn Mass
Singing of the Gospel at Dominican Solemn Mass
Eucharistic Procession on the feast of Our Lady of Czestochowa

http://www.newliturgicalmovement.org/

Firenze. Il Cardinale Betori vieta la celebrazione della Messa Antiquior a padre Serafino Lanzetta


Vi sto sommergendo - ma io stessa rischio di esserne sommersa - di notizie che, mio malgrado, non ci danno il tempo di soffermarci, approfondire e assimilare i contenuti, di grande interesse, che ci si propongono.
Seleziono al massimo la cronaca che però, di fatto, diventa incalzante come non mai e foriera di difficoltà sempre ulteriori per chi ama la tradizione. Urgono altre soluzioni. Urge coesione massima. Urgono sacerdoti e vescovi che ci supportino e ci guidino. Che il Signore ci ascolti per intercessione potente della Sua e nostra Madre...
Apprendo che il Cardinale Giuseppe Betori ha negato a Padre Serafino Lanzetta la possibilità di celebrare pubblicamente la Santa Messa usus antiquior a Firenze, dove, il 25 settembre prossimo venturo, sarà presentato il suo libro «Il Vaticano II, un Concilio pastorale. Ermeneutica delle dottrine conciliari» [vedi programma], da noi già annunciato [qui e qui]. Gli organizzatori, infatti, per iniziativa dell’Associazione Comunione Tradizionale, intendevano far precedere l’evento dalla Santa Messa celebrata da padre Serafino. 
Ma l’Arcivescovo di Firenze non ha accolto la richiesta con la motivazione [qui] che

LES ENSEIGNEMENTS DE JÉSUS CONFIÉS À GERTRUDE : UN CATÉCHISME DE LA VIE MYSTIQUE



LES ENSEIGNEMENTS DE JÉSUS CONFIÉS À GERTRUDE

UN CATÉCHISME DE LA VIE MYSTIQUE
Présentation du Livre 4
L’auteur du Livre 4 écrit:
Ce quatrième livre contient plusieurs révélations salutaires qui peuvent instruire le lecteur et le former à la perfection chrétienne. On y voit en outre de quelle manière nous devons honorer Jésus-Christ et les saints, comment encore nous pouvons obtenir facilement par ce très doux Médiateur les grâces que nous avons à demander, soit pour nous, soit pour les autres, comment suppléer abondamment à tout ce qui nous manque, et enrichir notre indigence des richesses de sa vie et de sa Passion. Toutefois une âme dévote pourra se servir de ces exercices pour son propre bien et pour celui du prochain.
L’auteur dit aussi:
Bien des choses sont exprimées par des comparaisons et des images, parce que cette vierge[1] sainte, (l’auteur véritable de ces confidences) malgré la plénitude de la lumière divine qui l'éclaira, n'a pu traduire autrement et faire saisir à notre intelligence, les choses spirituelles qu’elle-même n’aurait pu comprendre sans ces paraboles, ces comparaisons et ces images.
Quelle est, en effet, la valeur des symboles dans les visions de Gertrude d’Helfta?
Gertrude se demandait pourquoi le Seigneur l'instruisait par des images matérielles. Il lui dit:
— Comme les prophètes ont vu d'avance l'ordre et le mode de l'Incarnation, de la Passion et de la Résurrection, sous des symboles mystiques, des formes et des images, de même les choses invisibles et spirituelles ne peuvent encore maintenant être exprimées à l'entendement humain que par des images connues. C'est pourquoi il ne faut pas rejeter ce qui est révélé sous des formes matérielles, mais s'efforcer plutôt de goûter les délices spirituelles cachées sous le symbole des choses sensibles. (Livre 4 Ch. 12)
Enfin ce livre, dit encore l’auteur du Livre 4, comme tous les autres, exhale le merveilleux parfum de cette douceur divine avec laquelle le Seigneur aime si tendrement ses élus, les gouverne avec tant de sagesse, les rappelle à lui s'ils s'égarent, les attire lorsqu'ils reviennent et les reçoit dans son sein, montrant que sa Providence divine ne manque jamais aux vœux de ses élus et qu'elle supplée à leur indigence par le trésor de ses propres mérites.
Et l’auteur du Livre 4 ajoute, en guise de conclusion: ces révélations au sujet des mystères du Seigneur ou des mérites des saints furent accordées à Gertrude, particulièrement pendant ses maladies, à chaque fête de l'année, lorsque sa faiblesse l'empêchait de suivre dans leur rigueur les observances de l'Ordre.
Et nous, chrétiens du XXIème siècle, quels bénéfices, quels enseignements pouvons tirer des instructions que le Seigneur Lui-même, et quelques-uns de ses saints nous ont données, par l’intermédiaire de sainte Gertrude?
Les saints mystiques sont relativement peu appréciés de nos jours. C’est dommage, car nous nous privons ainsi de vérités, certes difficiles  à comprendre, mais essentielles pour enrichir notre vie spirituelle. C’est dommage, car le bon sens qui se dégage des paroles de Jésus à Gertrude, paroles qui d’ailleurs nous sont destinées, a souvent de quoi surprendre même les plus méfiants en matière de mystique.
Pour rendre plus accessibles les conseils de Jésus à Gertrude, ou ses révélations, nous n’en avons retenu que les plus importants, en omettant généralement les répétitions. Les divers thèmes abordés par Jésus, dispersés dans l’ensemble du Livre 4, ont été classés et présentés comme un catéchisme sous la forme de questions-réponses. D’où le titre de ce grand chapitre: Le Catéchisme de la Vie Mystique.
NOTA: Nous rappelons que toutes les citations du “Héraut” sont en italique.

1-La prière

Tous les fidèles de toutes les religions prient. Pourquoi? La prière est-elle tellement nécessaire? “Le Héraut de l’Amour divin” ne répond pas directement à cette question, mais il montre que Dieu est Père et qu’Il aime ses enfants, tous ses enfants. Malheureusement les hommes ont péché, et pour revenir à Dieu, ils doivent, humblement reconnaître leurs fautes et, avec confiance, implorer sa grâce. Alors, purifiés, ils peuvent de nouveau entrer dans l’intimité de Dieu, et trouver leur joie dans l’adoration. La prière des hommes, c’est tout cela.
Gertrude d’Helfta théologienne, religieuse, croyait en Dieu; nous n’insisterons pas sur ce point qui paraît évident. Mystique fervente, elle rencontrait souvent Dieu dans sa prière, et cela personne n’a jamais pu le nier. Mais comment priait-elle? Et nous, comment devons-nous prier? Les réponses de Gertrude d’Helfta sont nombreuses; mais sachons qu’avant de prier nous devons nous préparer. Gertrude insiste beaucoup sur la nécessité de bien se préparer avant d’entrer dans la prière.

1-1-Comment se préparer à prier

Prier Dieu, c’est-à-dire chercher à Le rencontrer, désirer L’aimer comme Il le désire, Lui demander ses grâces en vue d’orienter nos actions humaines selon les desseins de son amour, est le seul moyen dont les hommes disposent pour atteindre le véritable but de l’humanité. Mais, pour bien prier, il faut d’abord se préparer et, humblement, se mettre en présence de Dieu. C’est ce qu’une vision de sainte Gertrude                   va nous enseigner.
C’était la nuit qui précèdait une Vigile de la très sainte Nativité du Seigneur. Gertrude vit que des personnes qui se préparaient à célébrer la fête prochaine montaient vers lui comme de légères vapeurs. Le Seigneur Jésus, plein de charme et de jeunesse, envoyait de son Cœur divin une admirable lumière sur toutes ces petites nuées, et la lumière semblait leur tracer le chemin pour arriver jusqu'à Lui:
            Tandis que par cette voie elles montaient vers Dieu, Gertrude vit en esprit les âmes qui s'étaient humblement recommandées aux prières des autres, marcher vers Dieu sans dévier, illuminées par la clarté de son Cœur divin: elles paraissaient conduites par la main sur une voie directe garantie à droite et à gauche.
            Celles qui ne comptaient que sur leurs propres efforts et leurs prières pour se disposer à célébrer la fête, quittaient la route et s'égaraient quelque temps, puis revenaient dans le chemin et s'approchaient du Seigneur à la faveur de la lumière divine.LIRE...