Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Esta Obra trata da Mística Cidade, onde Deus fez morada, a Virgem Maria Mãe de Deus

 FONTE

6
E LA VIDA Y SACRAMENTOS DE LA REINA DEL CIELO, Y LO QUE EL ALTÍSIMO OBRÓ EN ESTA PURA CRIATURA DESDE SU INMACULADA CONCEPCIÓN HASTA QUE EN SUS VIRGÍNEAS ENTRAÑAS TOMÓ CARNE HUMANA EL VERBO, Y LOS FAVORES QUE LA HIZO EN ESTOS PRIMEROS QUINCE AÑOS, Y LO MUCHO QUE POR SÍ MISMA ADQUIRIÓ CON LA DIVINA GRACIA.                     INTRODUCCIÓN A LA VIDA DE LA REINA DEL CIELO
De la razón de escribirla y otras advertencias para esto. 
1. Quien llegare a entender —si por dicha lo entendiere alguno—que una mujer simple, por su condición la misma ignorancia y flaqueza y por sus culpas más indigna; en estos últimos siglos, cuando la santa Iglesia nuestra madre está tan abundante de maestros y varones doctísimos, tan rica de la doctrina de los santos padres y doctores sagrados; y en ocasión tan importuna, cuando debajo del santo celo de las personas prudentes y sabias se hallan las que siguen vida espiritual turbadas y mareadas y este camino mirado del mundo como sospechoso y el más peligroso de todos los de la vida cristiana;  pues quien en tal coyuntura considerare a secas y sin otra atención que una mujer como yo se atreve y determina a escribir cosas divinas y sobrenaturales, no me causara admiración si luego me condenare por más que audaz, liviana y presuntuosa; si no es que en la misma obra y su conato halle encerrada la disculpa, pues hay cosas tan altas y superiores para nuestros deseos y tan desiguales a las fuerzas humanas que el emprenderlas o nace de falta de juicio o se mueve con virtud de otra causa mayor y más poderosa.  

2. Y como los fieles hijos de la Iglesia santa debemos confesar que todos los mortales, no sólo con sus fuerzas naturales, pero aun juntas con las de la gracia común y ordinaria, son insuficientes, ignorantes y mudos para empresa tan dificultosa como explicar o escribir  los  escondidos  misterios  y  sacramentos   que  el poderoso brazo del Altísimo obró en aquella criatura que, para hacerla Madre suya, la hizo mar impenetrable de su gracia y dones y depositó en ella los mayores tesoros de su divinidad; y qué mucho se reconozca por incapaz la ignorancia de nuestra flaqueza, cuando los mismos espíritus angélicos hacen lo mismo y se 

 7 
confiesan tartamudos para hablar cosa tan sobre sus pensamientos y capacidad; y por esto, la vida de esta fénix de las obras de Dios es libro tan cerrado que no se hallará de las criaturas en el cielo ni en la tierra quien dignamente pueda abrirle; bien claro está que sólo puede hacerlo el mismo poderoso Señor que la formó más excelente que todas las criaturas, y también la misma Señora, Reina y Madre nuestra, que fue capaz de recibir tan inefables dones y digna de conocerlos; y para manifestarlos cuanto y cuando y como fuere su Unigénito Hijo servido, en su mano está elegir proporcionados instrumentos y que para su gloria fueren más idóneos. 

3. Bien juzgara yo que lo fueran los maestros y varones santos de la Iglesia católica o los doctores de las escuelas, que todos nos han enseñado el camino de la verdad y luz. Pero los juicios del Altísimo y sus pensamientos se levantan sobre los nuestros como el cielo dista de la tierra (Is., 55, 9), y nadie conoció su sentido ni en sus obras le puede dar consejo (Rom., 11, 34). El es quien tiene el peso (Ap., 6, 5) del santuario en su mano y pondera los vientos (Job., 28, 25), comprende todos los orbes en sus palmas (Is., 40, 12) y con la equidad de sus santísimos consejos dispone todas las cosas en peso y medida (Job 11, 21), dando a cada una oportuno lugar y tiempo. El dispensa la luz de la sabiduría (Eclo., 24, 37) y por su justísima bondad la distribuye, y nadie puede subir al cielo para traerla (Bar., 3, 29), ni sacarla de las nubes, conocer sus caminos, ni investigar sus ocultas sendas (Bar., 3, 31). Y él solo la guarda en sí mismo y, como vapor y emanación de su inmensa caridad (Sab., 7, 25), candor de su eterna luz, espejo sin mancha e imagen de su bondad eterna (Sab., 7, 26), la transfunde por las almas santas a las naciones, para hacer con ella amigos del Altísimo y constituir profetas (Ib. 27). El mismo Señor sabe por qué y para qué a mí, la más vil criatura, me despertó, llamó y levantó, me dispuso y encaminó, me obligó y compelió, a que escriba la Vida de su digna Madre, Reina y Señora nuestra. 

4. Y no puede caber en prudente juicio que, sin este movimiento y fuerza de la mano poderosa del Altísimo, viniera tal pensamiento en corazón humano, ni determinación semejante en mi ánimo, que me reconozco y confieso por mujer débil y sin virtud. Pero así como no pude por mi juicio pensarlo, tampoco debo con pertinacia resistirlo por sólo mi voluntad. Y porque de esto se pueda hacer juicio recto, contaré con 
 8 
sencilla verdad algo de lo que sobre esta causa me ha sucedido. 

5. El año octavo de la fundación de este convento, a los veinte y cinco de mi edad, me dio la obediencia el oficio, que hoy indignamente tengo, de prelada de este convento; y hallándome turbada y afligida con gran tristeza y cobardía, porque mi edad y deseo no me enseñaba a gobernar ni mandar sino a obedecer y ser gobernada, y el saber que para darme el oficio se había pedido dispensación, y otras justas razones, aumentaban mis temores;  con que el Altísimo ha tenido toda la vida crucificado mi corazón con un pavor continuo que no puedo explicar de si mi camino es seguro, si perderé o tendré su amistad y gracia. 

6. En esta tribulación clamé al Señor de todo mi corazón para que me ayudase y, si era su voluntad, me librase de este peligro y carga. Y aunque es verdad que Su Majestad algún tiempo antes me tenía prevenida mandándome la recibiese y, excusándome yo con encogimiento, siempre me consolaba y manifestaba ser esto su beneplácito, con todo eso, no cesé en mis peticiones, antes las multiplicaba. Porque  entendía y veía en el Señor una cosa bien digna de consideración, y era que, no obstante lo que Su Majestad me mostraba de ser aquella su santísima voluntad y que yo no la podía impedir, con todo eso entendía juntamente me dejaba libre para que yo me retirase y resistiese, y haciendo lo que como criatura flaca debía reconociendo cuán grande era mi insuficiencia de todas maneras; que tan prudentes son las obras del Señor con nosotros. Y con este beneplácito que conocía, hice muchas diligencias para excusarme de peligro tan evidente y poco conocido de la naturaleza infecta y de sus  resabios y desconcertada  concupiscible.  Repetía siempre el Señor ser ésta su voluntad y me consolaba por sí ,y por los santos ángeles y me amonestaba a que obedeciese. 

7. Acudí con esta aflicción a la Reina, mi Señora, como a refugio singular de todos mis cuidados y, habiéndola manifestado mis caminos y deseos, se dignó de responderme y me dijo estas suavísimas razones: Hija mía, consuélate y no turbe tu corazón el trabajo, prepárate para él, que yo seré tu madre y prelada a quien obedecerás y también lo seré de tus subditas y supliré tus faltas, y tú serás mi agente por quien obraré la voluntad de mi Hijo y mi Dios; en todas tus tentaciones y trabajos acudirás a mí para conferirlas y tomar mi consejo, que yo te le daré en todo;  obedéceme, que yo te 
 9 
favoreceré y estaré atenta a tus aflicciones.—Estas son las palabras que me dijo la Reina, tan consolatorias como provechosas para mi alma, con que se alentó y confortó en su tristeza. Y desde este día, la Madre de misericordia aumentó las que hacía con su esclava, porque de allí adelante fue más íntima y continua la comunicación con mi alma, admitiéndome, oyéndome y enseñándome con inefable dignación y dándome consuelo y consejo en mis aflicciones y llenando mi alma de luz y doctrina de vida eterna y mandándome renovar los votos de mi profesión en sus manos. Y al fin, desde aquel suceso, se desplegó más con su esclava esta amabilísima Madre y Señora nuestra, corriendo el velo a los ocultos y altísimos sacramentos y misterios magníficos que en su vida santísima están en cerrados y encubiertos a los mortales. Y aunque este beneficio y luz sobrenatural ha sido continua, y en los días de sus festividades especialmente y en otras ocasiones en que conocí muchos misterios, pero no con la plenitud, frecuencia y claridad que después me los ha enseñado, añadiendo el mandarme muchas veces que como los entendía los escribiese y que Su Majestad me los dictaría y enseñaría. Y señaladamente un día de estas festividades de María Santísima me dijo el Altísimo que tenía ocultos muchos sacramentos y beneficios que con esta divina señora, como Madre suya, había obrado cuando era viadora entre los mortales, y que era su voluntad manifestarlos para que yo los escribiese como ella misma me enseñaría. Y esta voluntad he conocido continuamente por espacio de diez años que resistí en Su Majestad altísima, hasta que empecé la primera vez a escribir esta divina Historia. 

8. Y confiriendo este cuidado con los santos príncipes y ángeles que el Todopoderoso había señalado para que me encaminasen en esta obra de escribir la Historia de nuestra Reina y manifestándoles mi turbación y aflicción de corazón, cuán tartamuda y enmudecida era mi lengua para tan ardua empresa, me respondieron repetidas veces era voluntad del Altísimo que escribiese la Vida de su purísima Madre y Señora nuestra, Y especialmente un día que yo les repliqué mucho, representando mi dificultad, imposibilidad y grandes temores, me dijeron estas palabras: Con razón, alma, te acobardas y turbas, dudas y reparas en causa que los mismos ángeles lo hacemos, como insuficientes para declarar cosas tan altas y magníficas como el brazo poderoso obró en la Madre de piedad y nuestra Reina. Pero advierte, carísima, que faltará el firmamento y la máquina de la tierra y todo lo que tiene ser dejará de tenerle, antes que falte la palabra del Altísimo —y muchas veces la tiene dada a sus criaturas y en su Iglesia se halla en las santas Escrituras— que el obe
 10 
diente cantará victorias de sus enemigos (Prov., 21, 28) y no será reprensible en obedecer. Y cuando crió al primer hombre y le puso el precepto de obediencia que no comiese del árbol de la ciencia, entonces estableció esta virtud de la obediencia y jurando juró para más asegurar al hombre; que el Señor suele hacerlo, como con Abrahán cuando le prometió que de su linaje descendería el Mesías y se le daría con afirmación de juramento (Gén., 22 16). Así lo hizo cuando crió al primer hombre asegurándole que el obediente no erraría, y también repitió este juramento (Lc., 1, 73) cuando mandó que su Hijo santísimo muriese y aseguró a los mortales que quien obedeciese a este segundo Adán, imitándole en la obediencia con que restauró lo que el primero perdió por su desobediencia, viviría para siempre y en sus obras no tendría parte el enemigo. Advierte, María, que toda la obediencia se origina de Dios, como de principal y primera causa, y nosotros, los ángeles, obedecemos al poder de su divina diestra y a su rectísima voluntad, porque no podemos ir contra ella, ni la ignoramos, que vemos el ser inmutable del Altísimo cara a cara y conocemos es santa, pura y verdadera, rectísima y justa. Pues esta certidumbre, que los ángeles tenemos por la vista beatífica, tenéis los mortales respectivamente y según el estado de viadores en que estáis con aquellas palabras que dijo el mismo Señor de los prelados y superiores: Quien a vosotros oye, a mí oye y quien a vosotros obedece, a mí obedece (Lc., 10, 16). Y en virtud de que se obedece por Dios, que es la principal causa y superior, le compete a su providencia poderosa el acierto de los obedientes cuando lo que se manda no es materia pecable; y por todo esto lo asegura el Señor con juramento, y dejará de ser antes —siendo esto imposible por ser Dios— que falta su palabra (Mt., 24, 35). Y así como los hijos proceden de los padres y todos los vivientes de Adán, multiplicados en la posterioridad de su naturaleza, así proceden de Dios todos los prelados como de supremo Señor, por quien obedecemos a los superiores: la naturaleza humana a los prelados vivientes y la angélica a los de superior jerarquía de nuestra naturaleza, y unos y otros en ellos a Dios eterno. Pues acuérdate, alma, que todos te han ordenado y mandado lo que dudas y si, queriendo tú obedecer, no conviniera, hiciera el Altísimo con tu pluma lo que con el obediente Abrahán cuando sacrificaba a su hijo Isaac, que nos mandó a uno de sus espíritus angélicos detuviésemos el brazo y cuchillo; y no manda detengamos tu pluma, sino que con ligero vuelo la llevemos, oyendo a Su Majestad, y rigiéndote alumbremos tu entendimiento y te ayudemos. 

9. Estas razones y doctrina me dieron en aquella ocasión mis santos ángeles y señores. Y en otras muchas, el príncipe san Miguel me ha 
 11 
declarado la misma voluntad y mandato del Altísimo y, por continuas ilustraciones, favores y enseñanzas de este gran arcángel y príncipe celestial, he entendido magníficos misterios y sacramentos del Señor y de la Reina del cielo. Porque este santo arcángel fue uno de los que la guardaban y asistían con los demás que, para su custodia, fueron diputados de todos los órdenes y jerarquías, como en su lugar diré (Cf. infra n. 202-207), y siendo justamente patrón y protector universal de la Iglesia Santa, por todo fue especialmente testigo y ministro fidelísimo de los misterios de la encarnación y redención; y así lo tengo muchas veces entendido de este santo arcángel, de cuya protección he recibido singulares beneficios en mis trabajos y peleas y  me  ha  prometido  asistirme  y  enseñarme  en  esta  obra. 

10. Y sobre todos estos mandatos, y otros que no es necesario referir, y lo que adelante diré (Cf. Infra intr.. n. 16) el mismo Señor por sí inmediatamente me ha mandado y declarado  su beneplácito muchas veces, contenido en las palabras que ahora sólo diré. Un día de la Presentación de María Santísima en el templo me dijo Su Majestad:  Esposa mía, muchos misterios hay en mi Iglesia militante manifiestos de mi Madre y de los santos, pero muchos están ocultos, y más los interiores y secretos, que quiero manifestarlos y que tú los escribas como fueres enseñada, y en especial de María purísima. Yo te los declararé y mostraré, que por los ocultos juicios de mi sabiduría los he tenido reservados, porque no era el tiempo conveniente ni oportuno a  mi  providencia;   ahora  lo es,  y  mi  voluntad  que  los escribas; obedece, alma. 

domingo, 14 de julho de 2019

A Mística Cidade de Deus Vida da Virgem Maria de Sor Maria de Jesus de Agreda

A Mística Cidade de Deus
Vida da Virgem Maria
de Sor Maria de Jesus de Agreda

Rubens-Assumption

Image6  
 Caixa de texto: Este Resumo está completo. 
Mas não totalmente finalizado.
 

BÊNÇÃO ESPECIAL   

Quem não leu esta Obra, pouco sabe da Virgem Maria!


ÍNDICE
 Prefácio deste Resumo 
(Caracterização da mística escritora 
(Caracterização da Obra 
 Introdução a este Resumo 
 Índices Completos da Obra 
Resumo Geral 
Resumo Detalhado 
 Início da Obra 
 CONCLUSÕES 

 Prefácio deste Resumo  

Atrevo-me a dizer que quem ainda não leu esta Obra, Mística Cidade de Deus - Vida da Virgem Maria, sabe muito pouco da santidade, virtudes, poder e vida da Virgem Maria e que pouco ou nada sabe da História da Salvação.
Esta Obra trata da Mística Cidade, onde Deus fez morada, a Virgem Maria Mãe de Deus.
A vida da Virgem Maria ficou oculta até a data em que foi escrita esta Obra no século XVII, por Vontade da Santíssima Trindade, claramente expressa pela própria Virgem Santíssima, através da orientação dada aos 4 Evangelistas, para que omitissem as Maravilhas que nEla foram operadas, por assim ser mais conveniente para a Obra da Redenção, e para o mais harmonioso crescimento da Igreja.
Toda a Santidade e Poder da Virgem Maria, só foram revelados à humanidade através desta Obra, para estes últimos séculos, por determinação da Santíssima Trindade.
Foi escolhida para escrever esta Obra, uma religiosa, Sor Maria de Jesus de Agreda, que viveu e morreu em odor de santidade, em espírito de obediência aos seus superiores e à própria Virgem Maria, que sempre a orientou no exercício das Virtudes que Ela mesma lhe transmitiu.

(Caracterização da mística escritora 

http://www.amen-etm.org/Criacao_ficheiros/image033.jpg
Sor Maria de Jesus de Agreda
Autora: Venerável Sor Maria de Jesus de Agreda
Nacionalidade da Autora: Espanhola                            Estado civil: Freira e Madre Superiora Conventual
Data de Nascimento: 2 de Abril de 1602             Data da morte: 24 de Maio de 1665, com 63 anos

http://www.amen-etm.org/Criacao_ficheiros/image035.jpg
Corpo incorrupto de Maria de Jesus de Agreda
Ordem da Autora: Concepcionistas Franciscanas, fundada por Santa Beatriz da Silva
Site Oficial da Autora: http://mariadeagreda.org Tem todas as informações sobre a vida e obras.
Notas: Foi através da Aprovação da Igreja da obra “Mística Cidade de Deus”, dos casos místicos que ocorreram na Sua vida e da obediência total e absoluta aos seus directores espirituais Franciscanos, que lhe valeram o título de Venerável e a abertura do Processo de Beatificação que decorre.
“Mística Cidade de Deus” é uma espantosa Obra literária, de inspiração Divina, e que considero estar no mesmo patamar de excelência da Obra de Maria Valtorta - “O Evangelho como me foi revelado” (“O Poema do Homem Deus”), e que considerei como o 7º Milagre dos 8 Grandes Milagres sobre a Terra.

http://www.amen-etm.org/Criacao_ficheiros/image039.jpg
Sor Maria de Jesus de Agreda e Sua obra
Sor Maria de Jesus de Agreda foi das figuras mais notáveis do século XVII e distinguiu-se pelas suas Virtudes e atributos excepcionais de Santidade:
Fenómenos místicos de Êxtases e Levitações, testemunhados por quantos frequentavam o seu convento.
Obediência absoluta aos seus directores espirituais, sacerdotes Franciscanos.
Submissão total à Hierarquia da Igreja Católica.
Excelente condução do convento em que foi Madre Superiora.
Recebeu Revelações Divinas e infindas Visões, todas elas monitorizadas pelos seus directores espirituais.
Dom da Escrita e de Conhecimento.
Intenso relacionamento escrito e de aconselhamento com o Rei de Espanha Filipe IV, o qual tinha por ela grande estima e admiração, seguindo seus múltiplos conselhos, mesmo em matérias de estado.
Enorme Amor e Admiração de todos quantos a conheciam.
Validação da Sua vida e obra pelo Tribunal da Inquisição.

(Caracterização da Obra 
Local em que foi escrita: Ágreda, Soria, Espanha     Língua do texto original: Espanhol
Data em que foi escrita: Entre 1623 e 1647                  Dimensão da obra: 1614 páginas

http://www.amen-etm.org/Criacao_ficheiros/image037.jpg
Folha do título original da obra
Mística Cidade de Deus
 Outras Obras: Centenas de outras importantes Obras
Apreciação da Igreja: A Obra foi Aprovada pela Igreja Católica e pela Inquisição e teve acompanhamento de directores espirituais Franciscanos durante toda a Sua vida.
Mística Cidade de Deus foi das três obras mais publicadas no século XVII em conjunto com as de São Luís de Monfort e Santo Afonso Maria de Ligório.
Mística Cidade de Deus, em espanhol, está publicada num grosso volume de capa acolchoada vermelha, impressa em papel tipo bíblia, e consta de 105 páginas explicativas/introdutórias e mais 1509 páginas da obra propriamente dita.

20140630_165450-Reduzida
Obra original em Espanhol
A Obra está dividida em:
3 Partes.
8 Livros. Cada Livro está dividido em Capítulos.
- Parágrafos. Cada Capítulo está dividido em Parágrafos, numerados sequencialmente do princípio ao fim de cada Parte.
Para situar, pois, qualquer trecho, bastará indicar a Parte e o Parágrafo. Exemplo: MCD-1-26 Parte 1, Parágrafo 26.
- A versão Espanhola está disponível num único Tomo. Li na íntegra e aconselho a Sua leitura.
- Há uma tradução Brasileira da Obra completa em 4 Tomos. É desta tradução que vou extrair grande parte dos textos deste Resumo. A bem dizer, não considero esta tradução brasileira uma verdadeira tradução, mas uma história relatada com base no original Espanhol, de tão grosseira e pobre que resultou.
- Há uma tradução Portuguesa só do Livro 1 de 8 e já publicada. Li esta tradução do Livro 1 e encontrei muitos erros ortográficos e mesmo de tradução incorrecta de termos e palavras. Pode ser lida sem perigo doutrinário, já que os erros encontrados não são graves, a não ser em 3 passagens.
 As transcrições que vou usar, neste Resumo, são:
 A versão original Espanhola.
  A versão Portuguesa do Livro 1, com revisão da minha responsabilidade
  A versão Portuguesa com tradução integral e fiel feita por mim.
Estas duas versões serão sinalizadas com a seguinte advertência:
O seguinte texto é uma tradução para Português, fiel ao estilo erudito original espanhol.

 A versão Brasileira, com revisão da minha responsabilidade.
Esta versão será sinalizada com a seguinte advertência:
O seguinte texto é uma tradução livre para Brasileiro, não fiel ao estilo erudito original espanhol.

Mística Cidade de Deus A vida de Maria Santíssima contada por ela mesma

Mística Cidade de Deus
A vida de Maria Santíssima contada por ela mesma
Tomos 1, 2, 3 e 4.

Atrevo-me a dizer que quem ainda não leu esta Obra, Mística Cidade de Deus - Vida da Virgem Maria, sabe muito pouco da santidade, virtudes, poder e vida da Virgem Maria e que pouco ou nada sabe da História da Salvação.

Esta Obra trata da Mística Cidade, onde Deus fez morada, a Virgem Maria Mãe de Deus. A vida da Virgem Maria ficou oculta até a data em que foi escrita esta Obra no século XVII, por Vontade da Santíssima Trindade, claramente expressa pela própria Virgem Santíssima, através da orientação dada aos 4 Evangelistas, para que omitissem as Maravilhas que nela foram operadas, por assim ser mais conveniente para a Obra da Redenção, e para o mais harmonioso crescimento da Igreja.

Toda a Santidade e Poder da Virgem Maria, só foram revelados à humanidade através desta Obra, para estes últimos séculos, por determinação da Santíssima Trindade.

Foi escolhida para escrever esta Obra, uma religiosa, Sor Maria de Jesus de Ágreda, que viveu e morreu em odor de santidade, em espírito de obediência aos seus superiores e à própria Virgem Maria, que sempre a orientou no exercício das Virtudes que Ela mesma lhe transmitiu.

Sor Maria de Jesus de Ágreda foi das figuras mais notáveis do século XVII e distinguiu-se pelas suas Virtudes e atributos excepcionais de Santidade:
- Fenômenos místicos de Êxtases e Levitações, testemunhados por quantos frequentavam o seu convento.
- Obediência absoluta aos seus diretores espirituais, sacerdotes Franciscanos.
- Submissão total à Hierarquia da Igreja Católica.
- Excelente condução do convento em que foi Madre Superiora.
- Recebeu Revelações Divinas e infindas Visões, todas elas monitorizadas pelos seus diretores espirituais.
- Dom da Escrita e de Conhecimento.
- Intenso relacionamento escrito e de aconselhamento com o Rei de Espanha Filipe IV, o qual tinha por ela grande estima e admiração, seguindo seus múltiplos conselhos, mesmo em matérias de estado.
- Enorme Amor e Admiração de todos quantos a conheciam.
- Validação da Sua vida e obra pelo Tribunal da Inquisição.

Link dos PDFs: Tomo 1Tomo 2Tomo 3Tomo 4 (quase 200M cada, são grandes, demora)

Links diretos para a primeira versão em português existente e dividida em 4 tomos: Google Drive
Fonte: www.amen-etm.org (Exército de Maria)

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Monastère de Chevetogne Comunidade Visita guiada Ofícios Hospitalidade Tópico Galeria fotográfica Contato Loja

Please click here or on your language to enter our site
Cliquez ici ou sur votre langue pour accéder à notre site

Francais Nederlands English Deutsch Italiano Español Portugues Russian Romana Украї́нська мо́ва


Ecumenical Vocation

Vocação ecuménica

Desde a sua fundação em 1925, por Dom Lambert Beauduin (1873-1960), um pioneiro do ecumenismo na igreja católica, a abadia de Chevetogne quer ser um lugar de oração, de encontro e de trabalho teológico, para a unidade dos cristãos de todas as denominações.

Os monges repartem-se em dois grupos litúrgicos, um celebrando segundo a tradição do Ocidente, o outro segundo a tradição do Oriente bizantino, como aliás se fez algumas vezes noutros mosteiros, ao longo da história. A especificidade do projeto monástico de Chevetogne deve-se ao facto de que os dois ritos foram adotados por razões ecuménicas, tendo em vista a reconciliação do Oriente e do Ocidente cristãos, para lá das ruturas confessionais. Querem dar corpo à primazia da oração. É ela que, num laborioso caminho de conversão, unifica cada pessoa, tal como prepara as nossas comunidades e as nossas Igrejas, para receberem plenamente o dom da unidade.

Se é verdade que não nos podemos apreciar sem nos conhecermos, o primeiro passo para a reconciliação é aprender do outro quem ele é. A comunidade de Chevetogne colocou-se, desde a sua origem, na escola do Oriente cristão, e da ortodoxia russa em particular.

O ofício bizantino é celebrado em Chevetogne em eslavo, enquanto que a divina liturgia (eucaristia) é, por vezes, celebrada também em grego.
As relações mantidas com as antigas igrejas orientais, mas também com a Comunhão anglicana e as igrejas saídas da Reforma, permitem à comunidade abraçar, na sua súplica, todos os discípulos de Cristo e apresentar o desejo de comunhão das igrejas.


Igreja latina

A igreja latina, dedicada ao Santo Salvador, foi construída entre  1981 e 1988. Inspira-se no plano basilical (atrium, nave e santuário). A primeira pedra, proveniente do Monte Sião, em Jerusalém, foi colocada em 2 de Novembro de 1981 pelo arcebispo de Cantorbéry, o Dr R. Runcie, e o cardinal G. Danneels, arcebispo de Malines. A consagração, por Mgr. A.- M. Léonard, bispo de Namur, assistido por Mgr Ph. Bär, bispo emérito de Roterdão, teve lugar em  11 de Maio de 1996.
A igreja está decorada com dois frescos de inspiração romana, da autoria do monge iconógrafo russo, o arquimandrita Zénon. Um, no atrium, representa Jerusalém celeste e o outro, na abside, é um Maiestas Domini (Cristo em Majestade). No chão do atrium, um labirinto simboliza a busca humana de Deus.



Igreja bizantina

igreja bizantina do mosteiro de Chevetogne (1958-1960), construída no estilo de Novgorod e dedicada à Exaltação da Santa Cruz, foi edificada para ser um sinal permanente da oração pela unidade das igrejas e testemunhar as riquezas espirituais do Oriente cristão.
Uma igreja, na tradição bizantina, quer oferecer, pela arquitetura e decoração interior, como que uma condensação do cosmos, um espaço onde se unem harmoniosamente as realidades visíveis e invisíveis da fé. A ação litúrgica encontra aí um lugar apropriado.
O fiel que entra na igreja atravessa primeiro o nártex exterior e o nártex. Atrás da grade em ferro forjado descobre o templo propriamente dito, a nave, encimada por uma cúpula. Atrás da iconóstase encontra-se, finalmente, o santuário. Esta progressão em quatro etapas, do mundo até ao santuário, faz pensar nas quatro partes do templo de Salomão: o pátio exterior, o pátio interior, o Santo e o Santo dos Santos.
nártex é a antecâmara da igreja; aí estão representadas cenas do Antigo Testamento: a Criação do primeiro homem, o Pecado de Adão e Eva e a sua expulsão do Paraíso, a arca de Noé, o Sacrifício de Abraão, Moisés batendo no rochedo; e, do outro lado: o Sonho de Daniel, o Velo de Gedeão, a Unção de David, a Assunção de Elias, a Visão de Isaías, Jonas saindo do peixe prefigurando Cristo a sair do túmulo.

templo, constituído pela nave encimada por uma cúpula, simboliza a imagem do céu sobre a terra. A cúpula hemisférica evoca a abóbada dos céus, a circularidade do cosmos, enquanto que a linha fechada da circunferência, não tendo nem princípio nem fim, evoca o infinito de Deus. Por oposição, a superfície quadrangular da nave sugere um espaço bem definido e limitado, o do mundo criado, o da terra. A igreja é, pois, o céu sobre a terra, o universo restaurado e, o fiel que transpõe o seu limiar, é convidado a «abandonar todo o cuidado do mundo» e a participar nos louvores que toda a criação, desde toda a eternidade, apresenta ao seu Criador.

Os frescos da cúpula e da nave exprimem a descida do Céu à humanidade.
Na claraboia da cúpula, o Cristo Pantocrator (Cristo Todo-Poderoso) domina toda a história, da qual Ele é o princípio e o fim, o Criador no início dos tempos e o Juiz supremo no fim do mundo, o Salvador que desce à terra para tomar toda a humanidade e a levar de volta com Ele até ao trono do Pai.
A nave simboliza a terra. Os frescos aí retratam, portanto, a vida de Cristo, a estadia do Verbo na terra, desde o Nascimento à Ressurreição. Às cenas do Batismo e da Transfiguração (abside sul) correspondem o Sepultamento de Cristo e a Descida aos Infernos (abside norte), a Morte e Ressurreição do Salvador sendo prefiguradas pelo aviltamento no Jordão e a glorificação luminosa do Tabor.

Santuário encerra os mais altos sinais da presença divina.
O altar é considerado como o trono do Verbo e o Evangeliário aí repousa em permanência. Por cima do altar a Sagrada Reserva está suspensa numa pomba de bronze dourado, que lembra o Espírito Santo, por quem nos vem toda a santificação.
O lugar mais elevado de todo o edifício é o trono do bispo, situado no fundo da abside. Simboliza o trono de Deus Pai, o «trono elevado» da visão de Isaías (Is.6,1). É diante deste trono que Cristo se oferece sobre o altar e é para este trono que se dirige toda a oração.
O Santuário está ladeado, à direita, pelo Diakonikon, lugar de serviço ou espécie de sacristia e, à esquerda, pelo Prothesis, lugar de preparação do pão e do vinho. É aí que o padre, com a ajuda duma faca em forma de lança, talha, num pão redondo, o quadrado do «cordeiro», uma incisão em forma de cruz tal como Cristo foi trespassado. Imediatamente a seguir deita no cálice o vinho e a água, como o sangue e a água que jorraram do lado de Cristo.
No momento da transferência dos dons, o pão e o vinho serão levados em procissão e depositados sobre o altar como imagem da deposição de Cristo no túmulo. As portas e o véu da iconóstase serão fechadas tal como a pedra foi rolada sobre o túmulo.
Durante a anáfora (a oração eucarística) o padre implora a Deus que envie o seu sopro de vida, isto é, o Espírito Santo, sobre os fiéis, bem como sobre o pão e o vinho, pra que estes se tornem o corpo vivo do Ressuscitado e para que os fiéis, comungando, se tornem um só corpo em Cristo.
iconóstase é a parede que separa o santuário do resto da igreja. Esta separação, desenvolvimento do cancelo das igrejas antigas, tão caraterístico do rito bizantino, tomou a forma atual a partir do séc. IX, quando os defensores das imagens triunfaram dos iconoclastas: pretenderam expor as imagens e afirmar a legitimidade do seu culto.
A iconóstase está perfurada com três aberturas: no centro as portas santas, nas quais estão representados a Anunciação, enquanto acontecimento que abriu as portas da Salvação, bem como os quatro Evangelistas. Por cima das portas santas encontra-se a santíssima Trindade e a Comunhão dos Apóstolos.
Nas portas laterais da iconóstase, dos lados norte e sul, estão representados os santos Arcanjos Miguel e Gabriel, guardando, por assim dizer, as portas desse Paraíso que é o santuário.

cripta é dedicada ao Espírito Santo e são-lhe consagrados três frescos: sobre o arco triunfal, o Espírito de Deus pairando sobre as águas; à direita, três Anjos, os três visitantes de Abraão, nos quais a tradição reconhece o símbolo da Santíssima Trindade; à esquerda, o Segundo Concílio ecuménico, reunido em Constantinopla, em 381, onde foi proclamado o dogma da divindade do Espírito Santo. A iconóstase da cripta, em madeira esculpida, data do séc. XIX.

Pintores. A iconóstase da igreja foi pintada por Georges Morozoff. Os frescos do santuário e o Pantocrator são obra de Léon Raffin. Todos os outros frescos da igreja e os da cripta são de dois pintores gregos, Rallis Kopsidis e Georges Chochlidakis.

Webcast

 

Mosteiro

A hospedaria destinada aos hóspedes masculinos está situada no interior da clausura do mosteiro. Podem ser aí acolhidas umas catorze de pessoas.

Contacto: hotelier.monastere@monasterechevetogne.com

Betânia

O nome de Betânia é uma reminiscência muito concreta do Evangelho. Betânia, a curta distância de Jerusalém, era uma aldeia onde viviam Lázaro, amigo de Jesus, e as suas duas irmãs, Marta e Maria, em casa de quem Jesus se hospedava. Estas pessoas, na complementaridade que têm entre elas, são símbolos do acolhimento que o mosteiro deseja oferecer aos seus hóspedes.
As características destes três habitantes de Betânia surgem na sua relação com Jesus. Enquanto que Marta é aquela que se preocupa com o bom acolhimento e o serviço, Maria, sentada aos pés do Senhor, bebe as suas palavras. Lázaro, por sua vez, sentado à mesa com Cristo, o seu amigo, é o verdadeiro objetivo da visita do Senhor a Betânia, visita que dá também sentido à actividade de Marta e Maria, porque, anterior ao serviço e à escuta, há a comunhão na presença, cuja origem é o conhecimento, o respeito e o amor recíproco (Lc 10, 38 - 42; Jn 11, 36; Jn 12, 1 - 2).

Contacto: hotelier.bethanie@monasterechevetogne.com


terça-feira, 9 de julho de 2019

"Um homem em um mosteiro não deve sofrer de falta de oxigênio espiritual"

fonte

Hieromonk Daniel (Konstantinov)
Não importa onde o mosteiro esteja localizado - uma ilha distante da agitação do mundo, ou no meio de uma cidade multimilionária, monásticos em qualquer ponto do globo sabem o que é guerra interna. E como é importante, especialmente para a nova irmandade, as novas irmãs, ver um número de pessoas que são um exemplo de verdadeiro monasticismo. Sobre isso, bem como sobre algumas etapas da formação espiritual do mosteiro, localizado a poucas centenas de metros da Praça Vermelha da capital, conversamos com o governador interino do Monastério Stavropegic Zaikonospassky Hieromonk Daniel (Konstantinov).

As pessoas dizem: "A ortodoxia não está provada, mas parece".

Pai, é provavelmente muito difícil escolher um mosteiro localizado em uma das ruas mais movimentadas da capital para a salvação da alma, e então humildemente suportar uma vizinhança tão difícil para um monge ano após ano?
Como eu disse em meu relatório na mesa redonda “Características da dispensação da vida monástica nos mosteiros urbanos” (São Petersburgo, agosto de 2017), viemos atraídos pela personalidade do padre Peter (Afanasev). Meu conhecimento com ele aconteceu no pátio de Moscou do Mosteiro de Valaam. Eu me formei no Instituto Florestal, consegui trabalhar como engenheiro florestal. Então meu bom amigo, pouco antes de meu chamado ao exército, me convidou para trabalhar neste pátio, recentemente retornou à Igreja. Todos nós subornamos o fato de que o pai estava interessado no próprio homem. Ele se aproximou e perguntou sinceramente: “O que você tem? Como você está? ”Ele ajudou a lidar com questões complexas, a perceber problemas importantes. Ninguém foi privado de atenção. Quando servi na Divisão de Tanques de Kantemirovskaya, o padre Peter (então padre Alexander) chegou de trem em Naro-Fominsk. O comandante do batalhão deu sua "UAZ" para que pudéssemos encontrar o padre. Nós o conhecemos e juntos fomos para a unidade. Lembro-me que naquele momento o pensamento veio à minha mente: como foi surpreendente que um homem da idade (55 anos, pareceu-nos muito) tenha entrado no trem elétrico, depois se mudado para a "UAZ" para ver os soldados, conversar com eles. Naquela época eu não sabia que nosso convidado tinha sido o diretor artístico e musical da Sociedade Filarmônica do Estado de Moscou por muitos anos, ele recebeu o título de professor, honrado artista da Rússia e sua autoridade no mundo da arte é extremamente alta. Mais tarde, quando descobri, tornou-se para mim um exemplo claro do fato de que uma pessoa de fé profunda pode deixar a glória mundana para o serviço de Cristo. Vou pular os estágios intermediários e dizer: já tendo chegado ao mosteiro - aqui, na rua Nikolskaya, onde muitas vezes cafés, restaurantes, lojas para turistas, GUM, música e muitas tentações, nós vimos como nosso pai-governador vive. No mosteiro até hoje, devido a circunstâncias objetivas, não há nenhum abade em casa ou, digamos, um quarto para o padre. O pai vivia em uma cela modesta. Ele ouviu as pessoas, ajudou-as a resolver algumas questões espirituais, confessou-as na sala de entrada, diante da qual sempre havia uma multidão de pessoas. Que humildade era necessário ter!
Quais são as qualidades dos irmãos Pedro hoje?
Atenção para a pessoa, assim como exigência e rigor. Pai Pedro foi por vezes dura, nos repreendeu, humilhado, mas sentimos que isso é feito não por paixão, não com irritação, como muitas vezes acontece no mundo, e é ditada pelo amor. Hoje posso dizer com certeza: tínhamos certas qualidades que exigiam tal abordagem. Não é suave, mas estrito.
Houve outro exemplo de verdadeiro monasticismo diante dos meus olhos. O Padre Peter muitas vezes me enviou para seu pai espiritual, Archimandrite Naum (Bayborodin). Lembrando-se do pai de Naum, o Metropolita de Astrakhan e Kamyzyaksky Nikon notaram em uma das conferências monásticas que o ancião não aconselhava nada que ele próprio não fizesse. Isso se referia à vida estatutária geral no mosteiro e à vida de oração interna. O padre Naum nos deu uma imagem animada de um monge, disse Vladyka Nikon. Eu mesmo vi o padre constantemente, enquanto estudava no Seminário Teológico de Moscou em tempo integral. Todos vimos que o pai nunca perde a regra fraternal da manhã. Para nós, os seminaristas, ele levou a sério, estava atento ao nosso estado interior. Eu devo muito ao padre Naum. A compreensão da vida espiritual aconteceu graças a ele e àqueles que estavam perto dele. Este é o abade Panteleimon (Berdnikov), que agora dirige o Departamento Missionário da Academia Teológica de Moscou; Arquimandrita Efrem (Elfimov), reitor do Pokrovsky Skete da Trindade Sergius Lavra na aldeia de Saburovo; Clérigo do Convento Stavropegial Pokrovsky Khotkovsky do Hieromonk John (Korchukov); Dom John Domodedovo, Vigário de Sua Santidade o Patriarca, Governador do Mosteiro Stavropegico de Novospassky em Moscou; Bispo de Arseniev e Dalnegorsky Guri. Fomos criados em uma única família, o que, é claro, é inesquecível. Ele se lembrou do Arquimandrita Matthew (Mormyl) - uma pessoa muito amável por natureza, com seu sorriso gentil e cativante que ele disse sobre nós: naumovichi ... Clérigo do Convento Stavropegial Pokrovsky Khotkovsky do Hieromonk John (Korchukov); Dom John Domodedovo, Vigário de Sua Santidade o Patriarca, Governador do Mosteiro Stavropegico de Novospassky em Moscou; Bispo de Arseniev e Dalnegorsky Guri. Fomos criados em uma única família, o que, é claro, é inesquecível. Ele se lembrou do Arquimandrita Matthew (Mormyl) - uma pessoa muito amável por natureza, com seu sorriso gentil e cativante que ele disse sobre nós: naumovichi ... Clérigo do Convento Stavropegial Pokrovsky Khotkovsky do Hieromonk John (Korchukov); Dom John Domodedovo, Vigário de Sua Santidade o Patriarca, Governador do Mosteiro Stavropegico de Novospassky em Moscou; Bispo de Arseniev e Dalnegorsky Guri. Fomos criados em uma única família, o que, é claro, é inesquecível. Ele se lembrou do Arquimandrita Matthew (Mormyl) - uma pessoa muito amável por natureza, com seu sorriso gentil e cativante que ele disse sobre nós: naumovichi ...

Muitos testemunham que o padre Nahum tinha o dom de educar os monásticos. Sabe-se que o ancião abençoou todo o exército de pessoas pelo monaquismo. Você pediu sua bênção?
Então veio uma história interessante. Em 2001 minha consagração diácono teve lugar, em 2003 - sacerdotal. Eu era celibatário. Uma petição de tonsura monástica foi iniciada no início de 2005, mas foi perdida em algum lugar. O padre Peter disse: "Vá ao padre Naum, peça sua bênção para o monasticismo". Fui a Lavra, encontrei o padre, contei sobre sua decisão e ouvi em resposta: “Você vai viver como um monge?” Confesso que fiquei surpreso. Por muitos anos, pai Naum me conhece - eu estava na frente dele, ele me deu algumas instruções! Mais tarde, veio a ser entendido que isso, como parecia naquele momento, uma abordagem inesperada da minha decisão tinha a intenção de me ajudar a me livrar da percepção rósea do monasticismo e, em certo sentido, da sua compreensão encantadora. Então a questão não era supérflua. "Eu vou tentar, pai!" Eu respondi ao velho depois de um certo problema. A Quaresma de 2006 levou meus votos monásticos. E todos esses anos eu tento viver uma monástica, tendo em mente queridos imagens desses incansáveis ​​trabalhadores no campo de Cristo, que nos dirigiu, apoiou, ajudou a tornar-se idealista no melhor sentido da palavra, e esforçar-se para a solidão interior, mesmo se as janelas células de frente para a rua cheio de turistas.

Para que a vizinhança pesada não impeça a atmosfera de unidade

Pai, diga-me, os irmãos ainda moram em quartos com vista para a incessante Rua Nikolskaya? Nada mudou ao longo do ano após o seu discurso na mesa redonda em São Petersburgo?
Você sabe, hoje nós temos um evento extremamente feliz. Apenas quando estamos falando com você, os habitantes do mosteiro se mudam para um novo corpo fraterno. Anteriormente, ele foi ocupado pela Universidade Estadual Russa para as Humanidades (antigo instituto histórico-arquivístico). Em abril, as instalações do mosteiro foram transferidas para a Igreja, em agosto - para o mosteiro. Agora, a maioria das celas vai para o pátio do mosteiro. Mas ainda assim, parte deles vai para o outro lado, onde o restaurante é "The Old Tower". Você se lembra das duas outras criações do pai de Peter - os monastérios femininos Stavropegic de Shostya, Nikolsky e Akatovsky Trinity Communion - e você pensa: há campo, floresta, silêncio. Fui, por exemplo, cogumelos posobiral. Há ar fresco, água de um poço ou de um poço. A diferença é grande. Mas você entende que isso é para nós humilharmos - um bairro tão difícil.
E os jovens irmãos estão no mosteiro?
Graças a Deus lá. Hoje, 16 habitantes vivem no mosteiro. Destes, dois jovens monges e dois hierarcas, há jovens noviços. Todos eles, poder-se-ia dizer, idealistas - chegaram ao mosteiro, que fica naquele lugar onde, em essência, a vida monástica, em seu sentido tradicional, pareceria impossível. E ainda existe! E no século XVII houve, e no século XXI renasce. Recentemente, nós pegamos o número de habitantes de dois caras. Conduzindo uma entrevista com eles, o arcebispo de Sergiev-Posad Theognost, o presidente do Departamento Sinodal para os mosteiros e monaquismo, o vigário da Trindade-Sergius Lavra disse-me no final: “Bons rapazes! Cuide deles! ”E o irmão mais velho tenta proteger os jovens irmãos. Uma pessoa em um mosteiro não deve sofrer de falta de oxigênio espiritual. Lembrando muito bem como o padre Peter nos tratou em seu tempo, Também tentamos prestar atenção aos jovens, apesar de nossa carga de trabalho de obediência e vários tipos de assuntos. Sem isso, eles podem desaparecer, e isso já será nosso pecado. Embora a essência não seja mesmo em pecado. Tudo o que fazemos para os jovens irmãos, fazemos pelo amor dela. Com a bênção de Sua Santidade o Patriarca Kirill, começamos a prestar serviços fraternos na igreja local em homenagem a São Nicolau, o Wonderworker, localizado um pouco mais distante de nosso mosteiro, na China Town, no Mosteiro Nikolsky. Há uma oportunidade de rezar separadamente dos paroquianos. Os irmãos servem, cantam no coro. Nesses momentos, a atmosfera da unidade é especialmente sentida, o que é igualmente importante para os irmãos mais velhos e para os novos. Quando você sente que algum tipo de fermento começa na alma de um jovem rapaz (talvez ele tome algo acima de seus poderes), então você começa a se comunicar mais com ele, praticar com mais frequência. Muitas vezes enviamos uma pessoa para o Pokrovsky Skete na região de Ryazan, para que ele possa descansar da pressão da vida urbana moderna e se sentir isolado. Aos domingos, em nossos cultos, é especialmente lotado - até 150-200 paroquianos, e sabemos que o inimigo nunca dorme, e muitas vezes as tentações vêm de onde você não as espera. Portanto, enviamos os irmãos dos jovens aos domingos para a nossa igreja paroquial perto de Ruza, onde há alguns zemlyamki - você pode servir e trabalhar fisicamente ao ar livre. Não esqueça que o Senhor trouxe todos aqui. que o inimigo nunca dorme e muitas vezes as tentações vêm de onde você não as espera. Portanto, enviamos os irmãos dos jovens aos domingos para a nossa igreja paroquial perto de Ruza, onde há alguns zemlyamki - você pode servir e trabalhar fisicamente ao ar livre. Não esqueça que o Senhor trouxe todos aqui. que o inimigo nunca dorme e muitas vezes as tentações vêm de onde você não as espera. Portanto, enviamos os irmãos dos jovens aos domingos para a nossa igreja paroquial perto de Ruza, onde há alguns zemlyamki - você pode servir e trabalhar fisicamente ao ar livre. Não esqueça que o Senhor trouxe todos aqui.
Em poucos meses, haverá três anos, como o arquimandrita Pedro disse ao Senhor - o pai que construiu, criou e cuidou espiritualmente dos monásticos de três mosteiros e muitos leigos. Mas o curso do tempo não pode ser interrompido - a vida continua, o mosteiro se desenvolve. Padre Daniel, o que você pode dizer sobre o mosteiro Zaikonospassky de hoje?
Pai realmente era o centro da vida monástica, ele nos levou junto. E depois de sua morte veio um novo estágio. As relações que começaram a se formar entre nós gradualmente adquiriram algum outro caráter. Talvez nem todos estivessem preparados para o fato de que deveria haver obediência aos irmãos mais velhos em posições - um reitor, uma economia, um tesoureiro. Porém, era necessário e é agora. Começamos a levar uma vida mais próxima do dormitório monástico, nos relacionando, aprendendo a mostrar respeito um pelo outro. Afinal, o monasticismo é uma irmandade, é amor. Teoricamente, muitos de nós percebem o amor como algo tão alegre, radiante. De fato, isso não é inteiramente verdade. “Vestem-se uns aos outros e cumpram a lei de Cristo”- o santo apóstolo Paulo nos diz na Epístola aos Gálatas (Gl 6: 1-2). Aprenda a tolerar um ao outro, respeite um ao outro - tente fazer isso! Vou desenhar algum tipo de paralelo. Aqueles que serviram no exército sabem que às vezes foi muito difícil, e foi nessas circunstâncias que foi revelado que tipo de pessoa ao seu lado. Aqui, como no exército, deveria ser, carregando a cruz da vida monástica diária, escolher conscientemente o caminho do bem. Isto é, sacrificar algo para tornar mais fácil para os outros. Caso contrário, a vida monástica não terá alguma plenitude.
Pegue os livros espirituais. Tudo é maravilhosamente pintado neles - os mais jovens devem obedecer aos mais velhos. Mas, na realidade, isso nem sempre é o caso. Uma pessoa geralmente chega a um mosteiro com seu "conjunto" de paixões. Ele tenta lutar com eles, superar a si mesmo e nós, os mais velhos, temos que suportar. Houve alguns momentos difíceis em que perguntamos com toda a severidade: Você entende por que está aqui? Por que você está agindo assim? Houve até situações em que uma pessoa percebeu que ele estava errado, mas não podia fazer nada consigo mesmo. Nós toleramos ele. Acredito que, graças a essa paciência, nosso colega, mais cedo ou mais tarde, entendeu que mostramos misericórdia para com ele, o que ele não viu no mundo. E tendo entendido isso, ele se tornou justo nos trilhos ... Paciência das fraquezas um do outro no mosteiro (e na vida familiar, eu me atrevo a dizer que

O componente missionário também está desenvolvendo ...


Batyushka, quantas vezes você viu: a rua Nikolskaya está fervendo, os turistas estão emocionalmente e em voz alta trocando impressões, de repente um sino está tocando da torre do sino do mosteiro - a atmosfera muda diante dos nossos olhos. As pessoas levantam a cabeça para o céu e, como um dos seus habitantes disse, eles entendem que estão em um país ortodoxo. Sinos são monásticos?

Há também monges, mas principalmente leigos que são treinados nos sinos da chamada do mosteiro. Na torre do sino, eles estão praticando. Também temos festivais de sinos "torre sineira Zaikonospasskaya". A propósito, esta é uma das obediências puramente monásticas, então no futuro será necessário prestar atenção ao fato de que mais de nossos habitantes estudaram esse tipo de arte da igreja.
No mosteiro, além dos cursos de campainhas, existem várias outras estruturas estabelecidas com a bênção do arquimandrita Pedro (Afanasev). Estes são os cursos teológicos mais elevados de Znamensky, cujos alunos recebem conhecimento para ensinar nas escolas dominicais e “Os fundamentos da cultura ortodoxa” - nas escolas secundárias. Estes são o Centro da Juventude Spassky e a Sociedade Eslava-Ortodoxa Coreana. Os irmãos têm alguma coisa a ver com eles?
Padre Alexander Son, um clérigo do mosteiro Zaikonnospassky, lida com a sociedade eslava-coreana ortodoxa. As atividades do Centro da Juventude Spassky são supervisionadas por nossos dois hierarquicos. Mas a Irmandade está diretamente conectada com os Cursos Teológicos Maiores de Znamensky - ensina liturgia, patrologia, canto da igreja. Parece que é importante para os ouvintes dos cursos ouvirem algumas coisas espirituais dos lábios de pessoas que tentam passar tudo isso por si mesmas, tendo a dispensação interna correta e a educação teológica. No futuro, várias pessoas mais entre os habitantes do mosteiro podem se juntar às fileiras de professores de cursos. Nesta fase, eu diria, há alguma compreensão de nossas atividades à luz da história do monastério de Zaikonospassky, desde que a Academia Latino-Latino-Eslava foi estabelecida nele no século XVII, e depois da transferência da Academia Teológica para a Trindade-Sergius Lavra, o Seminário Teológico de Moscou foi aqui e mais tarde - a Escola Teológica. O mosteiro foi justamente chamado de ensino. Portanto, o componente missionário aqui deve ser requerido. Seu Patriarca de Santidade, Kirill, também prestou atenção a isso. Ele nos perguntou: “Como você pode oferecer desenvolvimento missionário?” Conversamos sobre os cursos teológicos com um curso de cinco anos, sobre os cursos de campainhas, o centro juvenil, o centro eslavo-coreano. Informamos também a Sua Santidade que queremos criar um museu monástico dedicado à história do mosteiro, começando com a época da Academia Eslava-Greco-Latina e terminando hoje (o status do mosteiro na era pós-soviética foi obtido em 2010). Antes de tal possibilidade não era - pelo menos por causa da falta de espaço. Mas agora quando os prédios monásticos estão sendo lentamente devolvidos para nós, é hora de começar nossos planos. Esperamos que o nosso museu seja de interesse para muitas pessoas - crentes e incrédulos. E, provavelmente, alguém de não-crentes, tendo visto exposições, relíquias, tendo ouvido a história do guia, virá a Deus. De fato, de maneiras diferentes, o Senhor leva uma pessoa à fé: algumas através da história ou da arte, enquanto outras mudam suas almas ao contemplar a beleza do mundo ao seu redor. E alguém, talvez, acontecerá depois de uma visita ao museu do mosteiro. alguns através da história ou da arte, enquanto outros mudam a alma ao contemplar a beleza do mundo circundante. E alguém, talvez, acontecerá depois de uma visita ao museu do mosteiro. alguns através da história ou da arte, enquanto outros mudam a alma ao contemplar a beleza do mundo circundante. E alguém, talvez, acontecerá depois de uma visita ao museu do mosteiro.
Voltando ao início da nossa conversa, quero perguntar a você, pai, é isso. Muitos dos filhos espirituais do padre Peter dizem que depois de sua morte ficaram órfãos. O que você sente sem um mentor espiritual?
Lembro-me de um momento da vida de St. Paisius Svyatogorts. No mosteiro, onde o futuro santo trabalhou como noviço, ele encontrou um monge com uma boa e apropriada dispensação da alma. Como dizemos - um servo de Deus. O pai Paissy não precisava ler livros espirituais, provar algo aos outros, explicar-lhes algo sobre questões de fé. Só de ver esse monge, sem palavras, ficou claro: esse é o jeito de viver. Olhando para o nosso pai, Peter, também ficou claro como viver. Batyushka, sendo já idoso, com enfermidades e enfermidades, foi até o fim de seus dias, ele foi para todos os lugares. Ele não saiu sem o cuidado paternal das irmãs na aldeia de Shost em Ryazan e na aldeia de Akatovo na região de Moscou, onde os mosteiros do Patriarca foram transformados em monastérios stavropegic. Ele continuou a construir um monastério masculino e a reunir uma comunidade monástica no centro de Moscou. É necessário ser imensamente grato ao Senhor que, uma vez jovem, procurando por Deus, o pai tentou dar uma imagem de monasticismo externo, em paralelo enchendo-o de conteúdo. Que ele nos ajudou a compreender o significado mais profundo das palavras dos santos Padres: “Dá sangue e recebe o Espírito”. Com esses pensamentos, eu vivo hoje, até certo ponto, assumindo o lugar do pai: eu tenho a obediência do governador interino do mosteiro de Zaikonospassky, que se tornou nossa pátria espiritual.
Entrevistado por Nina Stavitskaya 
Foto: Vladimir Khodakova 
Imagens dos arquivos do mosteiro também são apresentadas