quarta-feira, 4 de março de 2015

Padre Zlatko Sudac - GUIA PARA UNA BUENA CONFESION



 


Padre Zlatko Sudac - GUIA PARA UNA BUENA CONFESION

Padre Zlatko Sudac - Guía para una buena Confesión

He traducido al castellano este sermón del Padre croata Zlatko Sudac, les aconsejo que aumenten de tamaño la pantalla para leerlo mejor.

El Padre detalla uno por uno cada Mandamiento de Dios tratando de hacernos entender nuestros pecados y faltas para lograr una buena Confesión, y nos habla de este Sacramento.

SERMÓN DEL PADRE ZLATKO SUDAC
ACERCA DEL SACRAMENTO DE LA CONFESIÓN

Los mensajes primarios del Padre Zlatko Sudac son muy simples: El amor tiene que ser la base de todo lo que hacemos, y si vivimos en el amor, entonces, vivimos con Dios. Debemos dejarnos morir nosotros por completo, para que Dios pueda llenarnos de El. Debemos ser personas completamente normales, con los pies bien plantados en la tierra, pero seamos conscientes que mientras vivimos en este mundo, no estamos fuera de El (de Dios).
El padre Zlatko Sudac constantemente anuncia en sus seminarios: “Si ustedes vienen aquí por mí, entonces ustedes cometen un error, pero si ustedes vienen aquí por Jesucristo, entonces quédense.”
“Yo mismo me experimento como sandalia que Dios se coloca y que EL pisará de modo que a través de ellas (las sandalias) EL pueda acercarse a su gente que intenta alcanzar”
El Padre Zlatko Sudac es muy cercano a Nuestra Santa Madre. El dice: “Ella es mi amada madre. Todas las fuerzas del Mal caen delante de ELLA. Uno solo puede orar a ELLA con un corazón puro y le estaré agradecido por su protección hasta el final de mi vida”
“Yo me he consagrado al Inmaculado Corazón de María. Nuestra Madre es realmente el dulce rostro de nuestra espiritualidad. En esta técnica y ruda sociedad, hemos perdido a Nuestra Madre de la Dulzura”
Padre Zlatko Sudac
Quiero empezar con la Señal de la Cruz
En el Nombre del Padre, del Hijo y del Espíritu Santo. Amén
Dejemos ingresar honestamente, la Bendita y Verdadera TRINIDAD DE DIOS en nuestros corazones
Les doy la bienvenida desde el fondo de mi corazón
Estoy muy contento de regresar a Novalja, CROATIA
Este es el lugar donde todo comenzó
Es por eso que tengo muy especiales sentimientos y recuerdos que me hacen sentir muy apegado a esta Parroquia.
Este es el proyecto a seguir para esta Renovación Espiritual:
Estaba pensando un poco cuando estaba en casa
Que ahora tenemos seminarios de manera más frecuente en nuestra Parroquia
Y no son pequeños grupitos de 50, 60 o 100 personas sino Iglesias llenas de personas, justo como en esta donde estamos ahora
¿De qué debo hablarles? ¿Qué cosa es importante para hablarles acerca de eso el día de hoy?
¿Cómo voy a hacer destacar este día?
Yo mantengo muchos seminarios muy lejos y hablamos acerca de la Contemplación, Meditación y muchísimas cosas más
Yo siento que la gente no entiende ninguna de estas cosas
Yo siento que es importante empezar por el principio
Y revivir y despertar la importancia de los Sacramentos en nuestra Iglesia
Voy a hablarles acerca de los Fundamentos Básicos de Nuestra Fe
Voy a hablarles acerca de Satanás, acerca del Mal y voy a resaltar otras importantes cosas que la gente difícilmente habla de eso hoy en día
También he notado algo más
En realidad puedo ver personas hablando y ofreciendo “Meditación” a la gente
A la gente que no vive sus vidas en la Fe, ¿Cómo puedo yo liderarlos yo fuera del peligro?
Hoy en día ustedes pueden encontrar “Meditación” y “Ayuda Espiritual” en cada esquina
Existe una desfiguración de la Iglesia Católica, comparando a la Iglesia Católica con “Ayuda Espiritual” y esas falsas tendencias modernas
Es como si quisiéramos competir con ELLA o superarla
En estos tiempos donde cada uno de ustedes se compite por estos falsos ofrecimientos que están alrededor nuestro
Nosotros no tenemos que competir con nadie, nosotros no tenemos que probarnos a nosotros mismos
Nosotros tenemos a Jesucristo, ¡VIVO Y PRESENTE DESDE HACE 2000 AÑOS!
Nosotros tenemos los Sagrados Sacramentos, que nos colocan directamente frente a Nuestro Padre
Nuestra Doctrina Cristiana y nuestra Edificación es FIRME Y SÓLIDA
Nosotros no tenemos que competir con nadie
Nosotros solamente tenemos que vivir la vida que tenemos
Nosotros solamente tenemos que ser testigos de lo que somos
Es por esto que yo quiero comenzar este día con el Sacramento de la Confesión
¿Cuál es el beneficio de la lectura de la Biblia y la Meditación si ustedes no han confesado sus pecados?
Sólo hay cinco sacerdotes aquí y ustedes son muchos
Por eso voy a hablarles un poquito, algo muy corto pero muy conciso
Porque hablar de Dios durante la Confesión no significa ser sabio se trata de tu vida actual
Y cuando se habla durante la Confesión tienes que ser breve y conciso
Es por eso que después de esta conversación ustedes podrán tener la oportunidad de hacer una Confesión
Hay aquí cinco sacerdotes quienes están dispuestos a recibir sus Confesiones
Y si tenemos que estar aquí toda la noche, nos quedamos toda la noche
Vengan a hacer su Confesión y Confiesen sus pecados
Pero hay algo muy importante que decirles
Las personas no siempre saben cómo hacer una buena Confesión
Las personas no tienen ni idea de qué es el Sacramento de la Confesión
Es por eso que yo prefiero comenzar por el principio
Tengo el sentimiento y la impresión que necesitamos empezar desde el principio
Desde el Antiguo Testamento, en otras palabras, desde los Diez Mandamientos de Dios.
Por favor escuchen muy cuidadosamente lo que les voy a decir.leer...

DIFUSÃO DA MISSA GREGORIANA NO MUNDO

Misa pontifical y consagración de Cálices

5022015
Los seminaristas del Seminario de San Pedro en Wigratzbad, Baviera (Alemania), de la Fraternidad Sacerdotal de San Pedro, han recibido recientemente la visita de S. E. Mons. Vito Huonder, obispo de Coira (Suiza). Durante la misma, Mons. Hounder  ha oficiado la Santa Misa Tridentina Pontifical y ha consagrado los Cálices, como se observa en las imágenes.
Fuente: Catholicus

Ordenación Sacerdotal por el Rito Romano antiguo.

 
ordenacion-toulon-ordination
-
-
Extraído del blog Catholicvs :
El pasado martes 11 de noviembre, festividad de San Martín, Mons. Dominique Rey, obispo de Fréjus-Toulon, confirió el sacramento del Orden Sacerdotal, en el Rito Romano tradicional, al ya sacerdote diocesano P. Stéphane Morin, en la catedral de Notre-Dame, Toulon – Francia – .

Confirmaciones

 
CATHOLICVS-Confirmaciones-San-Diego-Confirmations-1
CATHOLICVS-Confirmaciones-San-Diego-Confirmations-5
CATHOLICVS-Confirmaciones-San-Diego-Confirmations-3
Extraído del blog Catholicus:
Mons. Salvatore Cordileone, Arzobispo de San Francisco, ha visitado recientemente la iglesia de Santa Ana de San Diego, California (EE.UU.), a cargo de la Fraternidad Sacerdotal de San Pedro, con el fin de administrar el sacramento de la Confirmación a los jóvenes de la parroquia. A continuación, ofició la solemne  Misa Pontifical con la Forma Extraordinaria del Rito Romano.

III Peregrinación Summorum Pontificum


Con cierto retraso, publicamos las imágenes de la reciente peregrinación Populus Summorum Pontificum,que ha tenido lugar en Roma.
Jueves 24 de octubre.
Solemnes Vísperas Pontificales, en el Rito Romano tradicional, presididas por S. E. R. Mons. Guido Pozzo, Secretario de la Pontificia Comisión Ecclesia Dei. Iglesia de la Santísima Trinidad de los Peregrinos.
Viernes 25 de octubre.
Santa Misa Tridentina por el X Aniversario de “Juventutem”.Iglesia de la Santísima Trinidad de los Peregrinos. Roma.
Sábado 26 de octubre.
Solemne Misa Pontifical – Forma Extraordinaria – oficiada por el Cardenal Raymond Leo Burke. Basílica de San Pedro del Vaticano.

La filiale resistenza di san Bruno di Segni a Papa Pasquale II

La filiale resistenza di san Bruno di Segni a Papa Pasquale II

san-Bruno
(di Roberto de Mattei) Tra i più illustri protagonisti della riforma della Chiesa dell’XI e del XII secolo, spicca la figura di san Bruno, vescovo di Segni e abate di Montecassino. Bruno nacque attorno al 1045 a Solero, presso Asti, … Continua a leggere

Cardinal Sarah : Bisogna anche condurre le persone alla bellezza della liturgia, alla sua sacralità. L'Eucaristia non è una «cena con amici» è un mistero sacro.


Cardinal Sarah : « Il Vaticano II non ha mai chiesto di abbandonare la Messa di S. Pio V »

Dall'edizione francese di Aleteia [qui]. L'intervista tocca molti 'punti caldi'. Per ora stralcio quello sulla Liturgia. Luci e ombre... che ne dite?
Dovete credermi, mi sento male ad esprimere quel che dirò perché è duro farlo nei confronti dei pastori. Ma pensate si possa e si debba tacere su quanto ha a che fare con la nostra appartenenza e fedeltà al Signore? Se sbaglio, vi prego di correggere le mie osservazioni.
Non dimentichiamo che coloro che hanno applicato la Riforma liturgica, e di fatto vietato la Messa Tradizionale, sono gli stessi che hanno pilotato il Vaticano II. Dobbiamo molta gratitudine a Benedetto XVI, ma il Summorum è una delle questioni che gli hanno causato tra le più dure opposizioni finché non è stato in qualche modo costretto alle dimissioni per molteplici ragioni, alcune note perché emerse, e chissà quante altre sconosciute. E il card. Sarah sembra ignorare che la «guerra» è in un'unica direzione: contro il Rito Antiquior. Nessuno di noi - o solo qualche frangia di duri e puri - si oppone al NO. Anche se, l'ho ripetuto più volte, non si è mancato di sottolinearne pecche e diminutio in diversi studi, com'è prassi in ogni contesto che voglia rimanere vivo attraverso il connubio fede-ragione. Pecche peraltro riconosciute anche da Benedetto XVI quando ha detto letteralmente:
...accadde qualcosa di più: si fece a pezzi l'edificio antico e se ne costruì un altro, sia pure con il materiale di cui era fatto l'edificio antico e utilizzando anche i progetti precedenti. Non c'è alcun dubbio che questo nuovo messale comportasse in molte sue parti degli autentici miglioramenti e un reale arricchimento, ma il fatto che esso sia stato presentato come un edificio nuovo, contrapposto a quello che si era formato lungo la storia, che si vietasse quest'ultimo e si facesse in qualche modo apparire la liturgia non più come un processo vitale, ma come un prodotto di erudizione specialistica e di competenza giuridica, ha comportato per noi dei danni estremamente gravi.[...] (La mia vita, Ed San Paolo 1997, pag.114)
È vero quel che leggiamo di seguito nelle parole del cardinale sul mistero e anche sul fatto che nella Liturgia non c'è alcun posto per l'odio e il risentimento. Negli studi in cui accenno sopra non c'è alcun risentimento, ma solo dolorosa consapevolezza. Il risentimento e il disprezzo, insieme a capziose ragioni di ostinato rifiuto, lo incontriamo in molti vescovi e sacerdoti ogni volta che mendichiamo un Altare per le nostre celebrazioni.
E non manca, in queste parole - possiamo forse darlo per scontato? - l'accenno chiaro al Sacrificio di Cristo, oltre che all'incontro con Dio? Non c'è Cena senza il Sacrificio, non c'è mensa senza altare: è solo il Sacrificio di Cristo che ci rende commensali di Dio, figli redenti nel Figlio che, in Lui, offrono come lode e ringraziamento - sì a Sua gloria - le loro vite, partecipi del grande mistero della Creazione della caduta della redenzione e della rigenerazione nella Resurrezione. Cos'è, altrimenti, il cristianesimo?

Né politichese né lingua di legno. Colloquio esclusivo di Aleteia col cardinale della Guinea Robert Sarah, in visita in Francia.
La guerra Liturgica, le critiche del Papa, Manif pour tous, Islam e islamismo, grandezza dell'Africa ... Presente a Parigi per alcuni giorni in occasione della pubblicazione del suo libro Dio o nulla, [ne abbiamo parlato qui e qui] redatto in collaborazione con lo scrittore Nicolas Diat, il nuovo prefetto della Congregazione per il Culto Divino e la Disciplina dei Sacramenti ha risposto alle domande di Aleteia.
Eminenza, nel suo libro Dio o nulla, lei evoca più volte la «guerra liturgica» che divide i cattolici da decenni. Guerra particolarmente deplorevole, lei dice che su questa questione, essi dovrebbero essere particolarmente uniti. Come uscire ora queste divisioni e riunire tutti i cattolici intorno al culto reso a Dio?
Cardinale Robert Sarah: il Vaticano II non ha mai chiesto di respingere il passato e abbandonare la Messa di San Pio V, che ha generato molti santi, e neppure di abbandonare il latino. Bisogna d'altronde promuovere la riforma liturgica voluta dal Concilio stesso. La liturgia è il luogo dell'incontro con Dio faccia a faccia, per portarGli tutta la nostra vita, il nostro lavoro; e fare di tutto ciò un'offerta alla sua gloria. Non possiamo celebrare la liturgia in armi; e indossare una corazza d'odio di lotta, di rancore. Gesù stesso ha detto: «Prima di presentare la tua offerta, riconciliati con il tuo fratello». In questo «faccia a faccia» con Dio, il nostro cuore deve essere puro, privo di ogni odio, di ogni rancore. Ognuno deve rimuovere dal suo cuore ciò che può oscurare questo incontro. Ciò presuppone che ognuno sia rispettato nella sua sensibilità.

Non è forse proprio ciò che voleva Benedetto XVI?
Cardinale Sarah: Sì, questo è il significato del motu proprio Summorum Pontificum (luglio 2007, ndr) Benedetto XVI ha posto molte energie e speranze in questo impegno. Ahimè, non è riuscito del tutto in quanto sia gli uni che gli altri si sono «aggrappati» al loro rito escludendosi a vicenda. Nella Chiesa, tutti dovrebbero celebrare secondo la propria sensibilità. È una delle condizioni della riconciliazione. Bisogna anche condurre le persone alla bellezza della liturgia, alla sua sacralità. L'Eucaristia non è una «cena con amici» è un mistero sacro. Se la si celebra con fervore e bellezza, si arriva a una riconciliazione, è ovvio. Tuttavia, non dobbiamo dimenticare che è Dio che riconcilia, e questo richiederà tempo.
[...]
[Intervistato per Aleteia da Elizabeth Baldwin - Traduzione a cura di Chiesa e post concilio]
http://chiesaepostconcilio.blogspot.pt/

terça-feira, 3 de março de 2015

There are at least as many different means and styles of practicing the way of the heart as there are means and styles of enjoying music.


Mar032015

This piece is dedicated to my dear friends and brothers, Justin Glosson and Matt Smithey, and to all others who, like them, are musicians on the way of the heart.
Practice is another one of those words that gets used a lot when describing the mystical or contemplative life. It makes no sense to speak of “achieving” the contemplative life, let alone “completing” it. The contemplative life is like an art, something that we craft, that we experiment with, practicing and practicing, and thus becoming more skillful and having it flow more naturally. Yet we never get to a place where something has been attained so that we no longer need to practice, but how we practice may change significantly. In fact, a genuine music lover is simply driven to some form of practice as part of enjoying both the experience and the expression of music. In the process, one naturally refines the ability to let the music flow, and to flow with it, as freely and beautifully as possible. For contemplatives, the “music” we love is the ever flowing presence of Being Itself, of Love Itself, in all Its diversified unity. Our practices are therefore quite diverse, and so it is that there are at least as many different means and styles of practicing the way of the heart as there are means and styles of enjoying music. Just as every music lover must love music as one is most moved to do so – whether playing an instrument, writing music, singing, dancing, or simply listening deeply – so must each of us on the way of the heart practice somewhat uniquely. However, just as all ways of enjoying music have some things in common, so do all forms of contemplative practice.
St. Cecilia with Two Angels
The way of the heart, like music, urges us toward wholeness in the moment, to be willing to give ourselves over to it, fully present, deeply attentive and alive with a harmony of both focus and fluidity, of both intentionality and spontaneity. It requires awareness and acceptance of the moment just as it is, most importantly including ourselves, just as we are, with all our talent and skill, as well as our apparent lack of talent and skill; with all our knowledge and understanding, as well as our apparent lack of knowledge and understanding; with all our patience and perseverance, as well as our apparent lack of patience and perseverance; with all our peace and joy, as well as our apparent lack of peace of joy; with all our awareness and acceptance, as well as our apparent lack of awareness and acceptance. When we play, or dance, or sing along with music in this spirit, with this attitude, we become aware of mysterious depths in which we intuitively realize our oneness with the music. This unity inspires and informs the unique experience and expression of it in the moment, and therefore even what might have been regarded as a mistake can be experienced as a delightful quirk, if not the creative spark of some entirely new expression of music. So it is with the contemplative way of the heart in lovingly realizing, experiencing, and expressing our oneness with the One and All. Finally, just as the love of music has both solitary and interpersonal dimensions, so does contemplative practice. In music and the contemplative life, greater development and enjoyment of one’s potentials comes through practice in private as well as in companionship with others. Both dimensions are part of the whole love we are experiencing and expressing.

Agape

segunda-feira, 2 de março de 2015

Beata Maria: visões da santa palestina sobrea França e o mundo


O Vaticano anunciou a canonização
da Beata Maria
de Jesus Crucificado O.C.D.

No dia 14 de fevereiro,
coincidindo com um Consistório
Público Ordinário,
a Santa Sé aprovou a canonização
da Bem-aventurada Maria
de Jesus Crucificado
(nascida Mariam Baouardy).
A canonização terá lugar no dia
domingo 17 de maio de 2015,
segundo informou o site do Vaticano.
www.vatican.va

Beata Maria: visões sobre a França – A santa palestina (4)



 


A santa palestina recebeu numerosas comunicações a respeito da Franca. Em La Salette, também Nossa Senhora focaliza especialmente o futuro da “filha primogênita da Igreja” 

Quando a Beata Maria e suas irmãs de religião viajavam para a fundação na Índia, as carmelitas fizeram etapa em Marselha, quando aproveitaram para ir rezar no santuário de Notre-Dame-de-la-Garde.

Ali a Beata teve uma visão cuja linha central concorda com o porvir da França segundo La Salette, em função da cólera punitiva de Nosso Senhor e da intercessão misericordiosa de Nossa Senhora segurando o braço justiceiro de seu Divino Filho. E, por fim o triunfo desse país tão amado por Deus:

“Eu rezei muito pela França. Durante minha oração, eu vi um homem diante de mim: esse homem tinha em sua mão uma nuvem muito negra e muito densa.

“Eu vi uma Virgem que rezava muito para que essa nuvem caísse num outro local que não fosse a França. O homem tinha na outra mão uma nuvem branca, mas ele queria jogar a nuvem negra antes da branca, e ele disse:

Poliptico do Apocalipse, detalhe. Jacobello Alberegno (... – 1397)
Poliptico do Apocalipse, detalhe. Jacobello Alberegno (... – 1397)
‘Após ter passado por terríveis provações, a França triunfará e será a rainha dos Reinos’” (Pe. Estrate, op. cit., p. 206)

Na primeira semana da Quaresma de 1876, a santa carmelita teve uma visão análoga que, além de concordar com La Salette, insiste no pedido de penitência feito pela Mãe de Deus em Lourdes e Fátima: 

“Nosso Senhor tinha em suas mãos um monte de fogo; Ele olhava para a França com uma espécie de compaixão e amor; o fogo escorria e caía entre seus dedos, estava prestes a cair por inteiro, mas o Senhor dizia e repetia: “Pede perdão, pede perdão!”

—“Pobre França, acrescentava ela, pobre França, se ela soubesse, se ela compreendesse, e sobretudo, se ela quisesse! Deus a ama tanto!“ (Pe. Estrate, op. cit., p. 291)

Durante a oitava de Nossa Senhora do Monte Carmelo desse mesmo ano, Sóror Maria interrogava Nosso Senhor sobre a França, indagando o porquê de Ele não dar a vitória aos bons enquanto os ruins agiam em liberdade. 

O Senhor lhe respondeu que era Ele próprio que tinha disposto assim as coisas. E ela acrescentou: 

—“Eis a comparação que Ele me apresentou: ‘vês esse belo jardim, há toda espécie de frutos e de flores, mas vêm os insetos e toda espécie de animais. Eles picam as flores e a doença toma conta das árvores. É porque Ele encomendou a seus anjos arrancar todas essas árvores” (Pe. Estrate, op. cit., p. 291-292).

Entrementes, Jesus Cristo lhes fez notar que os castigos que iriam cair sobre a França haviam sido atenuados pela justiça divina em atenção aos sacrifícios praticados pelos bons franceses. 

No mês de agosto de 1875, Sóror Maria mencionou a corajosa luta dos jovens católicos franceses que combateram dando suas vidas no exército pontifício para evitar que os revolucionários invadissem Roma: 

Pio IX abençoa o exército pontifício, onde muitos eram jovens franceses,
que vai sair para defender Roma do assalto revolucionário. Na Praça de São Pedro
— “Na semana passada, Nosso Senhor me prometeu uma coisa consoladora para a França: que a prova não seria tão ruim como Ele tinha dito, por causa da caridade que a França praticou em favor do Santo Padre [Pio IX].

“Foi a Ele próprio que foi feita, e é por causa disso que Ele poupará os golpes sobre a França. Isso acontecerá, mas não será tão ruim, e só visará purificar a França”. (Pe. Estrate, op. cit., p. 299)

A degradação dos costumes, a invasão do igualitarismo, a expansão do desejo desordenado do gozo da vida que marcavam o período da Belle Époque, a alegria de uma vida irresponsável estavam fazendo aproximar uma catástrofe que os franceses não queriam ver.

Em 1868, a piedosa carmelita anunciava a guerra franco-prusiana que viria em 1870, cobrindo de luto e vergonha a França e dando azo à explosão comunista da Comuna de Paris: 

Durante um longo êxtase em que ela falou do nada da vida, da cegueira dos pecadores, da perda das almas e dos males da Igreja, disse chorando: 

— “Senhor, tende piedade de nós! Santa Virgem, afastai as desgraças que nos ameaçam. Rezai pela Igreja. A guerra chegará logo, como eu vou rezar pela Igreja!“ (Pe. Estrate, op. cit., p. 81)

Em 6 de julho de 1870, Nosso Senhor lhe mostrou a trama das forças secretas que querem aniquilar Roma enquanto cabeça da Cristandade e destruir a Igreja. 

Paris em chamas. O movimento comunista dito "Commune"
mandou incendiar os principais monumentos igrejas e palácios
— “Eu estava sozinha num jardim, subitamente ouvi uma voz que me dizia: Reza, reza e faz rezar.

“Eu vi imediatamente soldados que saiam como de um jardim fechado; eram muitos e passavam diante meu. Eu vi outros soldados sair de um outro jardim, eles vinham combater contra os primeiros.

”A mesma voz me disse pela segunda vez: ‘Reza e faz rezar’.


“No mesmo instante, eu vi Roma diante de mim, e vi os inimigos de Roma que diziam: enquanto os outros combatem, matemos Roma, afoguemo-la, joguemos água fervendo sobre ela, matemos pequenos e grandes.

“Eu vi ao mesmo tempo uma lâmpada no céu: saíam dessa lâmpada dois raios que formavam como que escadas. Um desses raios descia sobre a Itália e o outro sobre a França.

Também em La Salette, Nossa Senhora alertou
contra os procedimentos falsos do imperador Napoleão III
“E eu vi um homem que parecia ser o próprio Deus, ele tinha duas crianças como ele, uma à sua direita, a outra à sua esquerda. Uma dessas crianças era negra e trabalhava para fazer um grande buraco, a outra preparava um prato branco sobre a terra.

“O homem disse aos inimigos da Igreja que bradavam ‘joguemos água fervendo sobre Roma’:

— “Essa água fervendo será para vós eternamente. Eu declaro que nenhum desses homens que combatem por meu nome haverá de sofrer o menor julgamento, ainda que eles tenham cometido todos os pecados. A esses homens que terão dado sua vida combatendo, eu darei a paz e a vida eterna.

“Ao mesmo tempo, Ele se voltou para a França e disse ao imperador: ‘Se vós seguirdes a luz, eu estarei convosco. Eu vos prometo quatro vitórias, se combaterdes pela minha glória, para que todo o mundo saiba que vós combateis em Meu nome; Eu estou em vós e vós estais em Mim. Eu vos prometo em seguida uma boa morte e uma eternidade bem-aventurada” (Pe. Estrate, op. cit., p. 199-200).

Dessa maneira Nosso Senhor prometia então a Napoleão III um prêmio nesta terra e depois na eternidade, ligado à presença das tropas francesas defendendo Roma. 

Porém, Napoleão III optou pelo rumo diametralmente oposto. E a promessa de salvação se transformou em garantia de perdição, segundo interpreta o biógrafo Pe. Estrate. 

Com efeito, no dia 5 de agosto, após a anterior visão, a Beata contou: 

— “Eu sentia uma grande tristeza e angústia. Parecia-me que Roma ia perecer e a França também. Eu senti um gládio atravessar meu coração, e ele ali ficou.

“O sofrimento impediu-me de dormir a noite toda. Pela manhã, eu estava tão contristada e acabrunhada quanto na véspera. Passei o dia na angústia, na tristeza, no sofrimento.

“Pela tarde eu vi o imperador diante de mim. Ele parecia todo negro, triste, quase furioso: uma grande nuvem negra tinha descido sobre ele.

“Eu vi a Santíssima Virgem que veio com sua mão afastar essa nuvem e isso me consolou um pouco. Mas eu compreendi que a nuvem ia por cima de Roma.

“No dia seguinte, na Missa, durante a elevação, eu vi um velho crucificado, e a seus pés o imperador triste e humilhado, e eu vi o sangue do ancião crucificado cair sobre ele.

“Eu não sei se a luz que eu tinha visto diante do imperador e de cuja fidelidade dependem as quatro vitórias consistia em não retirar as tropas de Roma.

“Mas, depois do que ele fez [retirar as tropas francesas que protegiam Roma], eu o vi durante três dias consecutivos triste e humilhado aos pés do ancião crucificado cujo sangue se derramava com abundância sobre ele, sobre sua família e sobre aqueles que o rodeavam”.

Segundo o Pe. Estrate, ela via o sangue do ancião do Vaticano cair como vingança sobre o Imperador e os seus. “A morte tão trágica do príncipe imperial dez anos depois ainda está presente diante todos os espíritos e confirma de modo terrível a verdade desta profecia”, acrescenta (Pe. Estrate, op. cit., p. 200-201).

Beata Maria: visões da santa palestina sobre o mundo (5)


 



Da mesma maneira que Nossa Senhora em La Salette, quando anunciou castigos não só para a França e para a Itália, mas para o mundo todo, também Deus falou no mesmo sentido à Beata Maria de Jesus Crucificado, “a santa palestina”: 

— “Pequenos cordeiros, não tenhais medo de Deus. Ele vai ferir a Terra, haverá terremotos. Não temais nada, recorrei exclusivamente a Deus, permanecei n’Ele, depositai n’Ele vossa confiança e não temais. 

“Sua misericórdia é imensa. Ele quereria espalhá-la sobre todos os homens, mas a justiça bloqueia a misericórdia. Os homens têm medo de Jesus, eles O olham como a um carrasco e, entretanto, seus olhos estão tão cheios de paternalidade!... Ele é mais branco que a neve! Ele está louco pelo homem!... Ele ama os pequenos, os débeis, Ele não ama os grandes... (...)

“Quando Jesus olha seus eleitos, seu olhar faz derreter o coração... Oh! esse olhar!... Não, a terra não viu Jesus!... A terra esta coberta de crimes!... O Senhor quereria ferir e seu coração não pode!...” (Pe. Estrate, op. cit., p. 378).

O Pe. Estrate conta que um dia Nosso Senhor mostrou à Beata que sua cólera prestes a explodir. E a jovem religiosa exclamou: 

— “Senhor, poupai os homens. Jogai-me no fogo, mas não deixeis cair o raio de vossas mãos. Os homens mal compreendem o que fazem, eles são cegos”.

E acrescentava:

Nosso Senhor lhe fazia sentir que os homens se perdem por vontade própria.
No quadro: cena da Revolução Francesa que preparou a Revolução Comunista.
— “A palavra de Deus faz tremer o céu e a terra. Jesus diz: ‘Não sou eu que escolho o inferno para vós, vós mesmos fazeis essa escolha. Não há uma alma que se perca sem que Eu lhe tenha falado mil vezes ao coração. Eu vim para a Terra, Eu me revesti de vossa natureza, Eu me fiz criancinha, obediente, pobre, humilhada. Eu sofri tudo por vós. Não sou Eu que vós perde, sois vós mesmos que vos perdeis’”.

E ela repetia:

— “Senhor, salvai o mundo, deixai de amar só a mim; jogai-me no fogo para salvar os homens”, e ela chorava e soluçava (op. cit., p. 61-62)

Numa carta ao Pe. Lazare, carmelita, que foi seu confessor em Mangalore, escrita no Carmelo do Sagrado Coração de Pau em 7 de janeiro de 1873, ela avisou: 

— “Pois bem, meu padre, agora a fé está debilitada, a religião e até as comunidades mais santas estão debilitadas; a fé está debilitada, tenhamos nós a fé de nossos pais, que se debilita por toda parte.” (op. cit., p. 370)

— ”Agora o inimigo reina sobre seu trono. Ele tem um poder muito grande” (op. cit., p. 376).

— “As sociedades secretas têm seus fundamentos no inferno, seus associados têm seus pés no inferno, da mesma maneira que os justos têm seus fundamentos e seus pés no Céu.

Por que o Senhor está irritado contra a Terra? Por que castigar a Terra? Por que castigar os reinos? Porque cada um deles não se contenta com Seu reinado, eles vão à procura de outros...” (op. cit., p. 382)



Entretanto, ela via que depois dos castigos que viriam, Deus abriria espaço para sua misericórdia. Então aconteceria uma restauração da humanidade e da Igreja. 

Em carta a Mons. Lacroix, bispo de Bayonne, escrita no Carmelo de Mangalore em setembro de 1871, a Beata Maria fala a propósito da adesão do bispo ao dogma da infalibilidade pontifícia: 
“Monsenhor, (...) Como sois feliz por ter compreendido a verdade! Sim, a infalibilidade enfureceu todo o inferno! Satanás estrebucha. Eu vos digo, caro e bem-amado pai, eu rezo muito, mas muito pelo triunfo da Santa Igreja e pela França.

“Não acrediteis que o momento da misericórdia de Deus esteja muito longe... Toda a Terra ficará espantada com o poder de Deus três vezes Santo...” (Pe. Estrate, op. cit., p. 368).
continua no próximo post: Beata Maria, a santa palestina: visões sobre a Igreja e o clero