Arquivo do blog

sábado, 4 de janeiro de 2020

ESTRELA DA ESPIRITUALIDADE . DON DIVO BARSOTTI


FONTE

ESTRELA DA ESPIRITUALIDADE


Considero esta a expressão mais apropriada para nomear este espaço bibliográfico, que desta vez queremos dedicar a um dos espíritos mais elevados do nosso tempo, como testemunhou Carlo Bo: Don Divo Barsotti. Na estranha ironia de Deus, parece quase como se o papel proeminente que ele teria assumido na vida espiritual cristã já estivesse escrito em seu nome batismal! Porque este homem foi e continuará a ser recordado verdadeiramente como uma grande "estrela" e mestre de espiritualidade, provocadora e mordaz das consciências pelo simples facto de ter vivido e testemunhado a fé em Cristo na vida quotidiana e na simplicidade, longe do reconhecimento e das honras, de querer ser a primeira mulher, defeito tão presente hoje também na Madre Igreja. Don Divo Barsotti nasceu a 25 de Abril de 1914 em Palaia, na província de Pisa. Teólogo e poeta, ele escreveu centenas de livros sobre hagiografia, literatura e misticismo. Ele morreu a 15 de Fevereiro passado. Da sua vida como dos seus escritos brilha a contínua e premente aspiração a uma vida de união com Deus, ele tem uma vida na qual Deus deve ter verdadeiramente o primado. Don Divo é um dos maiores comentadores exegéticos-espirituais da Sagrada Escritura e alguns de seus comentários são uma obra-prima de beleza interior. Desde a sua juventude tinha uma vocação contemplativa, sentia o desejo de viver em silêncio e de ir em missão para ser, na contemplação, um sacramento da presença de Deus para os homens que não O conheciam. Para responder à necessidade da vida contemplativa, que é própria de todo cristão, - porque ele disse: o cristão deve ser sempre um contemplativo, porque o fundamento da vida cristã é a fé, e a fé é a virtude teológica que nos educa para a visão de Deus - ele fundou um grande movimento religioso chamado "Comunidade dos Filhos de Deus". É um movimento que se articula em quatro graus, que expressa a vida familiar, a vida religiosa no século, a vida monástica no mosteiro, a vida monástica no mosteiro, a vida monástica no mosteiro.
vida de solidão e silêncio. Com grande simplicidade e humildade, os membros querem percorrer o caminho da perfeição para o qual, em virtude do baptismo, são chamados, para ajudar aqueles que partilham o seu desejo, para descobrir e viver em plenitude o mistério da adopção filial. Em primeiro lugar, portanto, às virtudes teologais, à contemplação, à oração. Don Divo era uma voz desconfortável e perturbadora na Igreja, as suas palavras foram muitas vezes ao coração da crise do cristianismo de hoje: hoje parece não haver mais nenhuma diferença específica entre o Povo de Deus e o mundo; a Igreja parece quase fazer parte do mundo, os cristãos hoje não se sentem diferentes dos outros homens, que não têm esperança. Em vez disso, a diferença é infinita. Em suma, pode haver milhares de professores, advogados ou estudantes, mas os gestos e o trabalho de um trabalhador ou estudante cristão transmitem algo infinitamente maior. Através deles Cristo opera a salvação, a transfiguração do cosmos, para prepará-lo para a Glória. Na mudança do mundo, nem mesmo o Presidente dos EUA e da URSS pode fazer o que o último dos cristãos pode. Mas este Povo de Deus, como disse Paulo VI, não deve ser vendido ao mundo. E tinha palavras muito duras contra os teólogos que parecem querer criar um magistério paralelo: a situação é grave. Os teólogos correm o risco de se tornarem idólatras, que se limitam aos conceitos. Mas Deus não é conhecido na Ideia, mas como uma presença experimentável; o Mistério que encerra o cosmos e a história se entregou ao homem. Além disso, não é por acaso que os grandes teólogos que realmente anteciparam o Conselho, como Von Balthasar, ou que o viveram, como Ratzinger, são considerados hoje, pela voz mundana, "reacionários". Estávamos em 1985! Não pense, lendo estas declarações, que você está diante de um fundamentalista cristão. Como um bom místico, este padre está, se é que há algo, do lado de um cristianismo integral. Estes são apenas alguns sinais retirados das intervenções de Don Divo recolhidos num livro publicado por São Paulo e editado por Paolo Canal: Divo Barsotti. Os cristãos querem ser cristãos. Intervenções do pai desde os anos 50 até aos dias de hoje. O interesse que este texto pode suscitar não é só porque oferece a possibilidade de tirar luz e força das palavras cheias de riqueza interior, mas também porque ajuda a aprender uma visão da história da Igreja e do homem em relação ao mistério salvífico de Deus de um homem que "tinha o eterno no coração", para recordar o autor russo Dostoevsky tão amado por Don Divo Barsotti.
Marie Louise