Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

domingo, 13 de outubro de 2019

writings of saint Theodore the Studite

About 59 results (0.49 seconds)
orthodoxinfo.com/praxis/homilies.aspx
The Catechetical Homilies and Testament of StTheodore the Studite. HOMILY 47. On Wednesday of the First Week. Concerning Fasting, Dispassion, and Purity .
orthodoxinfo.com/ecumenism/sttheo_canon.aspx
StTheodore of Studios on the Sacred Canons and Schism. These excerpts are taken from the single best work available in English on StTheodore: Theodore ...
orthodoxinfo.com/phronema/reading_arena.aspx
First of all, books written for cenobitic monks should be read, such as: The Instructions of St. Dorotheus, the Catechetical Sermons of StTheodore the Studite, ...
orthodoxinfo.com/inquirers/inq_veneration.aspx
Apologia of St. John Damascene Against Those Who Decry Holy Images. This is the classic ... (See On the Holy Icons, by StTheodore the Studite. St. Vladimir's ...
orthodoxinfo.com/.../anti-patristic-stance-old-calendarist-zealots.aspx
Jun 17, 2007 ... This admittedly contradicts at least two Lives of StTheodore the Studite. For example, The Synaxarion published by the Holy Convent of the ...
orthodoxinfo.com/general/orth_icon.aspx
In the second stage of the iconographic controversy, as we shall subsequently see, StTheodore the Studite elucidated this profound relationship between ...
orthodoxinfo.com/ecumenism/kelliotes.aspx
Feb 7, 2007 ... ... we learned that when the Faith is endangered we are all held accountable if we are silent and shrink back, as StTheodore the Studite says.
orthodoxinfo.com/praxis/pr_fasting.aspx
The Catechetical Homilies and Testament of StTheodore the Studite, Homilies 47 (Concerning Fasting, Dispassion, and Purity) and 48 (Concerning Now We ...
orthodoxinfo.com/praxis/stpaisy_fast.aspx
Saint Theodore the Studite praises such ones in his instruction on the Friday of the first week of the Great Fast, where he cites in confirmation of his words the ...
orthodoxinfo.com/praxis/sttheodore_fasting.pdf
File Format: PDF/Adobe Acrobat
A HOMILY ON FASTING AND DISPASSION. Spoken at the beginning of the Great Fast by St Theodore the Studite. Brethren and fathers, the season of Lent, ...
1
2
3
4
5
6

The Catechetical Homilies and Testament of St. Theodore the Studite


source

HOMILY 47

On Wednesday of the First Week

Concerning Fasting, Dispassion, and Purity
Fathers and Brethren: The present days of the holy fast are, among the other periods of the year, a calm haven to which all gather and find spiritual serenity; not only monastics, but laymen as well, the small and the great, those in authority and those in submission, kings and priests; for this period is beneficial and salvific for every country and age of mankind. At this time every disruption and disorder comes to a halt, and doxology and hymnody are multiplied, charities and prayer by means of which our good God is moved to compassion and is propitiated to grant peace to our souls and forgiveness of sins; if only we shall sincerely turn to Him with all our heart, falling down before Him with fear and trembling, and promising to cease from every bad habit which we might have. But Christians living in the world have their teachers, that is, their bishops and pastors who guide and instruct them. For even as warriors and soldiers need stimulation, so do festers require the encouragement and consolation of teachers. And since I find myself desired among you in the place of leadership and abbacy, then it is my obligation to say unto you a few words concerning this soul-saving fast.
Brethren, fasting is the renewal of the soul, for the Apostle says insofar as the body weakens and withers from the podvig (ascetic labor) of fasting, then so much is the soul renewed day by day and is made beauteous and shines in the beauty which God originally bestowed upon it. And when it is purified and adorned with fasting and repentance, then God loves it and will live in it as the Lord has said: "I and the Father will come and make Our abode with him" (John 14.23). Thus if there is such value and grace in fasting that it makes us into habitations of God, then ought we to greet it with great rejoicing and gladness, and not despond because of the meagerness of the food, knowing that when our Lord Jesus Christ blessed the five loaves in the wilderness He fed five thousand people with bread and water. He could, if He so desired, command all sorts of manifestations to appear; but He gave us an example of restraint, so that we might be concerned only for that which is necessary. Now at the beginning the fast seems to us a difficult labor, but if we shall apply ourselves from day to day with ardor and discipline, then with the help of God it will be made easier. At the same time, if we desire that the fast be for us a true one and acceptable unto God, then together with abstaining from food, let us restrain ourselves from every sin of soul and body, as the sticheron instructs us in which it is said, "Let us keep the Fast not only by refraining from food, but by becoming strangers to all sinful passions" (First sticheron of the Aposticha, Tuesday Vespers of the First Week of Lent). Let us guard ourselves from sloth and carelessness concerning our cell rule and church services, and even more from vainglory and envious zeal, from malice out of spite, and from enmity, and secret passions such as these, which kill the soul; let us guard against ill temper and self-assertion, that is, let us not appropriate things for ourselves and indulge our self-will. For nothing is so loved of the devil as to find a person who has not forgiven another and has not taken advice from those able to instruct him in virtue; then the enemy easily deludes the self-assertive and traps him in all that he does and reckons as good.
Let us vigilantly attend to ourselves, especially in regard to the desires of the flesh; for it is just now, when we fast, that the chameleon serpent-devil fights us with bad thoughts. Beauteous in appearance and pleasant to the taste is the fruit of sin, but in reality it is not so. Thus sometimes the outside of the apple seems nice, but when it is cut open rot is found within; so the desires of the flesh seem to have within them delights, yet when a sin has been committed, it is bitter to the stomach like a two-edged sword. Our forefather Adam suffered this when he was deceived by the devil and tasted of the fruit of disobedience and hoped to receive life from it, but found death. Thus do all from that time to this suffer who are deceived by the ancient serpent with bad desires of the fleshly passions. For the devil is darkness that takes the semblance and appearance of an angel of light. So the inventor of evil, Satan, makes evil to appear as good; and bitter to appear as sweet; and dark, as light; and the ugly, beautiful; and he represents death as life, and thus deludes the world and tortures it. But let us, Brethren, pay special heed so that he will not trap us with his many and evil snares and we suffer like birds that fall from the bait into the nooses and nets. Let us be careful to scrutinize our mind for the craftiness of evil, and in eve~y instance be aware of evil, where it is concealed, and shun it. Above all, let us be ardent and careful in the chanting of the psalms and services of the Church; let us strive to keep our minds attentive to what is being read. For as the body, when nourished by bread, grows stronger, so also does the soul when fed by the word of God. Let us every hour of the day do prostrations, each according to his strength and as much as he is required; let us be occupied with our handiwork; for he that does nothing, according to the word of the Apostle, is not worthy even of food (II Thess. 3:10). Let us be helpful to one another, for one alone is weak, while another is strong; let us not be quarrelsome, but do only what is good; let us be gentle of speech, peaceful, gracious, kind, meek, subm~ssive, filled with mercy and good fruit. And may the peace of God preserve our hearts and minds, and may He vouchsafe us the heavenly kingdom of Christ Jesus our Lord, to Whom is due glory and dominion with the Father and the Holy Spirit, now and ever, and unto the ages of ages. Amen.

HOMILY 48

On Friday of the First Week

Concerning Now We Should Adorn Our Eternal Habitation with Virtue
Brethren and Fathers! If anyone who is a layman wishes to construct a large and magnificent home, then he gives himself no rest either day or night, but labors, worries, and endures deprivation until he finishes the building of the house. They have such zeal and diligence in this work that their minds and thoughts, day and night, are occupied with nothing else but only with how the roof might be finished more beautifully and excellently, and so that all below and all the rest might be adorned and done so that anyone who might see it would like to have such a home. And if anyone should desire to keep them from this work, then this would be for them so painful that it would be as if they suffered a great offense.
What is it that I wish to say to your love, respected Brethren? Since each of us builds and sets up for his soul not a house that is tangible and corruptible, which is made of stone and wood, but a heavenly dwelling that is incorrupt and eternal, which is composed of the virtues and gifts of the Holy Spirit, then tell me, shall we be actually less concerned and more slothful in constructing it than we would be in constructing a temporal house? Would not the loss of it be hard for us to bear? And the more so, since a house that is corruptible and temporal receives people of the flesh and thereafter when the house has had many owners, it itself grows old, goes to ruin and collapses, but our spiritual house, which is built of the virtues, receives the Holy Spirit, as the Apostle says, "Ye are the temple of the living God, and the Spirit of God dwelleth in you" (I Cor. 3:16). And when the time comes for us to leave this world, He also follows us into heaven, and we shall be there eternally.
The beginning of building the virtues is the fear of God, as the Divine Scriptures say, "The fear of the Lord is the beginning of wisdom" (Ps. 110:9). And thereafter the four great virtues, that is, wisdom, courage, chastity, and righteousness, and the others with them, each linked to another and forming a union of love, will grow into a holy temple of the Lord. Let us then, Brethren, build this habitation and adorn it with the virtues so that we might have within us the Holy Spirit, and so that we may bring joy to the holy angels and be of benefit to mankind through the accomplishment of the virtues. And since temperance is one of the greatest virtues which we struggle to attain, then let us render glory unto God for having vouchsafed us to complete the span of one holy week. Our faces have changed and become pale, but there shines in us the grace of temperance. From the gall that arises as a result of the fast, we feel in our mouths a bitterness, but our souls are sweetened by the hope and grace of salvation. For these two, that is, the soul and body, by nature battle against one another, and when one grows stronger, the other becomes weaker. And so we shall rejoice, Brethren, in that we have made the better aspect, that is, the soul, much stronger.
It may be that someone will say: Will not eating once a day ruin the perfection of temperance? No, we need not fear this, for if it were so, then Christ would not have commanded us in the prayer "Our Father" to ask for our daily bread; nor would the raven have brought to the Prophet Elias food each day, and likewise the divine Paul of Thebes; and Anthony the Great would not have considered it better to eat a little each day rather than to remain fasting for three, four, or seven days. And it seems to me that the cause for this is as follows: since our bodies are exhausted and weakened from daily work, that God, Who created us as He designed, might strengthen them by daily rations and we might fulfill the commandments of God, and would not be like a man paralyzed, as happens with those who fast for two or three days. They cannot accomplish prostrations, nor become experienced in readings and chanting, as they should, nor fulfill properly the other services; we will not mention what is supernatural. Thus the daily use of nourishment, according to the rule and order indicated, is not something imperfect, but something quite perfect, since all that has been instituted for us by the Holy Fathers is good and pleasing to God. O would that the Lord grant us still more health and strength of soul and body in order to serve the living and true God, and gain the reward that awaits us in the last day, in which may you, with all the saints from the ages, shine like the sun, having received an inheritance in the heavenly kingdom of Christ our Lord, to Whom is due glory and dominion with the Father and the Holy Spirit, now and ever, and unto the ages of ages, Amen.
From Orthodox Life, vol. 38, no. 1 (Jan.-Feb., 1988), pp. 4-7.

MONK REVEALS A SECRET ABOUT THE BENEFIT OF FASTING

source

March 23, 2019
The superior (abbot) of the famous Studite Lavra (Monastery) of the Dormition, Fr. Makariy, shares some thoughts on fasting as we find ourselves making the journey of Lent - the Great Fast. Some might see in his observations positions that of a truly monastic outlook. However, as Fr. Makariy points out, we each must make our own decision as to how deeply we want to enter into the fast and enter into the spiritual life...

FASTING, SERIOUS FASTING CAN REVEAL NEW INSIGHTS INTO THE SPIRITUAL LIFE

We now [find ourselves] in the period of the Great Fast (Lent). For Christians, this fast is very important. Our Lord Jesus Christ Himself gave us the example of fasting. Before going out to proclaim the Good News - the Gospel - to all people, Jesus Christ fasted for 40 days and 40 nights. St. Basil the Great says that the practice of fasting is as ancient as mankind itself. Still in the Old Testament the prophets fasted, as did the righteous men and all the patriarchs - Abraham, Isaac, Jacob. Ancient philosophers also maintained a fast, because fasting for them was a type of internal force, an interior strength. Because, truly during a fast a person feels a closer connection with God.
When reading the lives of the Saints, we often come upon accounts about people that fasted prior to a difficult task in life, so that the Lord would grant them a more profound strength. Even great warriors would keep a strict fast before a great battle in order that the Lord might accord them greater strength.
Presently, people are given a different sense of fasting. A fast often carries a purely symbolic characterization. Some people decide, for example, to not eat meat with the intention that their mother would recover from an illness or to have success in studies or for work. The holy Fathers used to employ fasting as a means to enhance the fervour of their prayer so that their prayer would become more pleasing and fervent before God. With such a method of fasting and prayer before God they asked for various gifts.
Often the holy Fathers said, "offer the flesh in sacrifice and receive the spirit". Besides the spiritual factor, the nature of regular human psychology is also at work. When we deny ourselves something bodily, we can be certain to discover something of a spiritual nature.

Fasting must be connected with our faith in God. Otherwise what we are dealing with is a regular diet.

Many Christians, before a fast begins, resolve to abstain from certain foods or from some practices that they believe they abuse in their daily lives. This is also important. Because by doing so we acknowledge our weaknesses. But what is most important during a fast is that a person feels the special state of spirit - of having drawn closer to the Lord.

A fast will not be authentic without physical abstinence.

I can tell you from my own experience that after the second or third week of a strict fast, spiritual gifts begin to appear. A person will not experience this if the practice is merely to not eat meat a couple of times a week. Yes, the Church does not direct modern man to maintain a strict fast. This is a choice that each person must make. However, if a person does not choose a stricter fast, the person will not fully experience the glories and beauty of Lent.
I will share something of my own experience. From young childhood I was taught to fast. At home, during the Great Fast, we never ate fast food. For ten years, during the Great Fasts - [40 days before] Christmas and Easter - I completely abstained from food, living only on liquid nourishment.
I can assure you, that it is then that great internal strength comes to light. One's interior nature begins to reveal itself in a different way. It happened for me that after a couple weeks of fasting when one of the priests would preach a homily or speak on a spiritual topic, tears would start to emanate as though something was released from within me. These were not tears of sadness or sorrow of some kind, but rather of joy that is difficult to explain in words. It can only be experienced.
It's sort of odd that a person abstains from meat, but yet eats fish. Such a fast really doesn't make a lot of sense, because the person will not experience the desired result. After all, to open up a different spiritual state, one must become a bit physically weakened.
The [Roman] Catholic Church asks its faithful to maintain a fast only on Fridays. While according to the [new] particular law of our [Ukrainian Catholic] Church, the faithful are asked to maintain the fast on Monday, Wednesday and Friday. The Church made that decision [of a fairly lax fast] like a good mother, since at the end of the 20th Century people became for dynamic and people worked more and get tired more.
Friday, however, continues to be an important day for fasting. After all, we Christians remember that it was on a Friday that Jesus Christ was crucified. I always ask people; can they really not give up at least meat for the sake of the Lord - Who gave up His life for us on the cross?
In general, seeking only enjoyment in food - is also not healthy. God gave us food as a divine gift. And we should consume it calmly, not paying it more attention than we do to spiritual things. We eat to physically stay alive.
The early Church Fathers when consuming food were really concerned with provoking God by deriving greater enjoyment from that food than they did from prayer. So, they even did things like - pour sea water over their food and ate it like that. We cannot criticize them for this. They simply loved God so much that they did not want to disappoint Him even by their smallest action.
We can become fasters in our daily life. Do not assault your innards with great volumes of food, but eat half as much, and then later, even less. The human mind and spirit can then be liberated from that physical burden. And, besides, the human organism does not need as much food as people regularly consume.
Hieromonk Fr. Makariy
Abbot of the Dormition Lavra monastery of Univ, Ukraine
(source: news.ugcc.ua)
[BTW - Fr Makariy, besides the spiritual life, also knows something about physical health... he was the 2017 GPF world bench-press champion]

FOTOS DO MOSTEIRO ESCUDITA GRECO -CATÓLICO NA UCRÂNIA




1

1

2

3

4

5

6

7

8

9

2


12

1

2

3

4

5

6

7

8

9


10

11

12

13

14

10

11

12

13

14

15

16

Igreja dos Bem-Aventurados Mártires Clementia e Leontius.




  A idéia de estabelecer uma igreja de madeira em Univsky Lavra surgiu no ano passado. Uma das razões para a construção do novo templo foram as necessidades dos peregrinos. Todos os dias, grupos organizados de peregrinos que desejam orar juntos, participam da Divina Liturgia, visitam a Lavra. Os serviços monásticos seguem suas próprias regras internas, e os peregrinos eram frequentemente forçados a esperar que os monges concluíssem a oração. Agora há outro templo em Lavra para a conveniência dos peregrinos.
  Primeiro, eles queriam se mudar para Unevo, uma antiga igreja de madeira de onde não é mais usada. No entanto, havia vários problemas, por isso foi decidido construir um novo templo. 12 de julho de 2007, na festa de St. os apóstolos Pedro e Paulo colocaram e consagraram a pedra angular do templo dos Santos Mártires, Clemente e Leôncio.
  O arquiteto do templo é Roman Sulik. Este é seu segundo trabalho em mosteiros de estúdios, alguns anos atrás, um templo foi construído em Zarvanytsia para seu projeto. O autor certificou-se de que o edifício sacral se encaixasse na paisagem local. A cúpula da nova igreja é projetada quase idêntica àquelas localizadas no mosteiro. Portanto, a igreja olha harmoniosamente contra o pano de fundo do conjunto arquitetônico da Univ Lavra.
Do lado de fora, o templo parece bem pequeno. Quando você vai no meio, parece ótimo. O teto está localizado muito alto, por isso é visualmente impressionante. Construiu um templo de artesãos habilidosos do distrito de Rozhnyativ, na região de Ivano-Frankivsk, pelo qual ainda não existe uma estrutura de madeira. Em dois meses, surgiram os contornos de uma nova igreja e janelas e portas foram instaladas. Ícones na iconostase - o trabalho de monges-ícone exclusivos.
   Praticamente a igreja foi construída para os sacrifícios dos fiéis. O mosteiro recebeu assistência financeira para sua construção da Alemanha - da Sociedade Missionária de Cirilo e Metódio. Uma grande quantidade de floresta para o templo foi doada pela Diretoria Principal de Florestas da Administração Regional do Estado de Lviv (Chefe do Sr. A. Deinek). A floresta foi trazida das regiões montanhosas da região de Lviv - Skole, Turkovsky. Parte da árvore foi trazida de Yaremche, região de Ivano-Frankivsk.
  Pode-se dizer que o templo combinou a riqueza das florestas de diferentes partes da região dos Cárpatos e se tornou um sinal da generosidade do coração de nosso povo e das mãos hábeis dos artesãos ucranianos. Em 29 de junho de 2008, ocorreu a consagração do templo recém-construído. A cada ano, o feriado do templo é comemorado em 27 de junho, o Dia da Memória dos Mártires Ucranianos.

sábado, 12 de outubro de 2019

Monasticismo estudita.



Monasticismo  estudita.

Os mosteiros de estúdio remontam ao século V. Segundo o professor M. Skabalanovich, de acordo com a lenda registrada na vida de Theodore Studit, há uma menção a um homem nobre e rico chamado Studio, que já havia chegado ao chamado patrício e cônsul, de Roma, e que ele havia construído uma igreja em Constantinopla. São João Batista e estabeleceu-se com um grande número de monges. Já no século IX, o mosteiro era o abade do monastério O reverendo Theodore Studite. Para ele, de fato, o mosteiro de estúdio se tornou um modelo para os mosteiros de todo o Bizâncio.
O reverendo Theodore enviou muitas mensagens contra iconoclastas. Para as obras dogmáticas, bem como os cânones de sua autoria, o reverendo Theodore foi chamado de "o ardente professor da Igreja".
Quando o trono do imperador conquistou Nicephorus, derrubando a devota imperatriz Irina e violando severamente as ordenanças da igreja, Theodore novamente expôs o imperador, pelo qual ele foi enviado para o exílio, onde ficou por mais de dois anos.
O reverendo imperador Michael, que sucedeu ao trono morto na guerra com os bárbaros de Nikifor, o libertou. A fim de evitar conflitos internos, o imperador Michael deu o trono ao seu comandante Leo Armênia. O novo imperador era um iconoclasta. Os santos e mestres da Igreja tentaram persuadir o rei iníquo, mas sem sucesso. O leão proibiu a adoração de ícones e começou a destruir ícones sagrados. Em resposta a essa iniqüidade, o Rev. Theodore fez uma caminhada batismal com a fraternidade ao redor do mosteiro com altos ícones, nos quais o santo foi novamente preso.
O novo imperador Michael II Travlius libertou todos os pais e confessores ortodoxos da prisão, mas proibiu a adoração de ícones na capital. Ele não permitiu que Theodore retornasse ao estúdio. O monge se estabeleceu em Betânia. Apesar de sua doença grave, São Teodoro enviou diariamente a Divina Liturgia e ensinou aos irmãos. O reverendo Theodore foi ao Senhor em 826. Após 18 anos, o Patriarca Metódio encomendou as relíquias de São Teodoro Studita a Constantinopla.
O nome de Theodore Studite é conhecido no mundo cristão principalmente através de Tipikon, isto é, a carta monástica na qual ele adaptou as regras monásticas gerais de São. Basílio, o Grande, para as necessidades do mosteiro no estúdio. Embora naquela época, cada mosteiro tenha criado sua própria carta, mas o estatuto de Theodore Studite começou a adotar outros mosteiros.
Este estatuto foi trazido para a Ucrânia em 1073 pelo monge grego Michael e entregue ao monge. Theodosius Pechersky. Posteriormente, esta carta foi adotada por todos os mosteiros de Kievan Rus. Mas com o tempo, devido a várias circunstâncias, essa tradição monástica se perdeu. Portanto, no final do século 19, o metropolita Andrey Sheptytsky restaurou a vida monástica na Igreja Católica Grega da Ucrânia, sob a antiga Carta dos Estúdios. A causa imediata que deu impulso à formação dos conventos da Carta dos Estúdios no século XIX foi o fato de existirem vocações monásticas entre nosso povo, principalmente entre os camponeses, para quem não havia lugar em nosso monge então existente, com maior probabilidade de aceitar aqueles que precisavam de educação ou algum ofício. . Como resultado dessa situação, pequenos grupos de oração de cristãos devotos, que queriam viver uma vida monástica, surgiram espontaneamente em várias localidades.
 O Metropolitan Andrew cuidou deles e começou a fornecer um design monástico apropriado. Em 1898, os três primeiros estudantes inokit foram blasfemados e, em breve, um mosteiro em estúdio - a preparação de Sknylivska Lavra. Anthony Pechersky. Em 1919, o metropolitano Andrei transmite a residência da Univ dos metropolitanos galegos - um antigo mosteiro antigo - aos reclusos da Studio Charter. Dessa maneira, o Mosteiro da Univ, o antigo centro do monasticismo no oeste da Ucrânia, torna-se a sede principal dos conventos da Carta dos Estúdios e ganha o status de Lavra.
Pela graça de Deus, graças à tutela dos pais de Sheptytsky - Metropolitan Andrew e Abbot Clementia, o mosteiro está se desenvolvendo espiritual e financeiramente. Para as necessidades da fraternidade em rápido crescimento, o Metropolita Andrew e o Abade Clementius estão elaborando as regras da vida monástica, Tipikon. A declaração de abertura para ele dizia que "uma vida monástica tem uma regra - o evangelho de Jesus Cristo e um propósito - a salvação da alma". "Como monges orientais", continua, "buscamos a excelência, seguindo as regras de São Pais e pais do Oriente, e, portanto, queremos preservar todas as tradições monásticas do Oriente. " Já pelo ato monástico, pelo apostolado da vida monástica (e pelos sacerdotes - até mesmo pela pregação), os monges estabelecem o objetivo de "santificar suas próprias almas e espalhar o amor de Jesus Cristo, conhecimento de Sua doutrina, Seus mandamentos, Seus mandamentos, Seus mandamentos em nossas terras e no Oriente." ,
No período pré-guerra, a vida monástica nos mosteiros dos estúdios foi particularmente florescente. O número total de fraternidades naquele tempo era de 221 pessoas, incluindo 117 shimonachs, 22 hieromonks e 13 herodiacons. O princípio da autoconfiança do monaquismo da Carta do Estúdio foi incorporado de maneira mais consistente na Univ Lavra, onde foi criada uma forte economia auto-suficiente. A comunidade monástica manteve-se financeiramente em forma. No mosteiro foi dada muita atenção à caridade: havia um orfanato no mosteiro, onde até 1936 170 jovens foram educados e receberam educação.
O cuidado pastoral da paróquia e peregrinos da Univ, atividades culturais e educacionais entre jovens e idosos, a catequese de crianças não são a lista completa de ações da Irmandade da Univ, cujos frutos abundantes ainda estão sendo colhidos. Os monges também estavam envolvidos em atividades científicas. No mosteiro, havia uma enorme biblioteca, formada por uma compra persistente e proposital de livros. Em 1935, os irmãos abriram uma pequena gráfica, onde foi impressa a "Clear Way" mensal.Com a bênção do Metropolitan Andrew no mosteiro do estúdio, uma oficina icônica começou a operar. A mais importante de suas obras foram as pinturas do interior do mosteiro da Igreja da Santa Dormição e as paredes externas do mosteiro de Unev. Assim, a Univ Lavra se torna um importante centro espiritual, visitado anualmente por dezenas de milhares de peregrinos de todo o país.
Eis como o geromônio Gideon, que 74 (!) Anos atrás, entrou no mosteiro da Univ há 74 anos: “As primeiras impressões quando cheguei ao mosteiro foram fascinantes. Aqueles monges barbudos pareciam muito humildes. A própria aparência do sistema monástico dá origem à oração, apóia o poder de todas as coisas que nos são queridas, queridas, queridas, queridas e nossas. "
Uma série de novos mosteiros foram criados através do trabalho e da exploração dos monges Uniados. Na década de 1920, St. Lavra apareceu em Lviv. João Batista em Monk Mountain (agora Shevchenko Grove). Os mosteiros foram fundados em Zarvanytsya, em Dora em Hutsulschyna, em Florinka em Lemkivschyna. Nas montanhas dos Cárpatos, perto de Osmolod, no trecho de Luzhka, o mosteiro de São André, o primeiro chamado. Em Podlasie, havia três aldeias missionárias em 1924, na festa da Intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, na aldeia. Jaktor perto de Uneva Mitr. Andrey Sheptytsky consagrou o convento da Studio Charter, que em 1939 contava com 75 freiras.
O metropolitano Andrei permaneceu o pai espiritual de todos os mosteiros de estúdio até o final de sua vida. A conduta prática estava nas mãos do abade (e desde 1944 - Arquimandrita) Klimenty Sheptytsky.
A febre comunista interrompeu o desenvolvimento de mosteiros na Ucrânia. Em 1946, após a liquidação do UGCC, um campo de concentração do clero católico, que não reconheceu a ortodoxia russa, foi organizado na Santa Dormição Lavra, em Unawa. Em 1947, o arquimandrita Clementy Sheptytsky foi preso. O homem de 78 anos foi condenado e levado para a prisão de Vladimir, onde morreu em 1 de maio de 1951. Hoje, Clementy Sheptytsky é proclamada abençoada pela Igreja.
A família dos estúdios, espalhada pelos cantos da região, era chefiada pela arquimandrita Nicanor (Deynega) e mais tarde pela arquimandrita Yuri (Makar). Durante esse período, as condições de vida dos monges (com cerca de 150 restantes) foram incrivelmente difíceis. Vivendo em lares comuns, trabalhando em cargos no governo, passando por frequentes buscas, interrogatórios e encarceramentos pela KGB, eles simultaneamente procuraram preservar as ordenanças monásticas e o estado de oração, além de servir as pessoas carentes da Igreja da catacumba no subsolo. Apesar das condições muito difíceis, o treinamento de futuros padres estava em andamento. De 1947 a 1988, foram ordenados 20 eromônicos.
Um pequeno grupo de monges acabou em hostilidades na Europa Ocidental. Através dos esforços do bispo Isidor Boretsky, eles emigraram para o Canadá (1951) e se estabeleceram em Woodstock (Ontário), nomeando seu mosteiro como um Santo Mosteiro em memória da Mãe Laurel em Unawa. cuidando de monges de estúdio fora da Ucrânia. Perto de Roma, ele fundou o mosteiro de São Theodora Studit - Estúdio.
Com o renascimento da UGCC e a restauração do estado ucraniano, os mosteiros levados ao estado miserável pelo estado ateu passaram para as mãos de seus legítimos proprietários. A vida monástica é restaurada em mosteiros ressuscitados. Na véspera de Natal de 1991, sinos solenes tocaram na Univ Lavra após quase meio século de silêncio. Svyatouspenskaya Lavra novamente se torna a casa mãe dos mosteiros de estúdio. No ano anterior, os cultos começaram no primeiro mosteiro oficialmente retornado de St. do profeta Elias em Dori-Yaremche. Em Lviv, o mosteiro de St. Ivan na montanha Chernechia foi devolvido aos seus legítimos proprietários; Em 1992, as autoridades entregaram os monges e o templo do mosteiro carmelita aos monges-estúdio. Hoje o mosteiro Svyatomayhilivsky opera aqui. A Igreja e as instalações do antigo convento beneditino na praça. Vichy. Logo começou o Mosteiro da Santíssima Trindade em Zarvanytsia, que já havia sido completamente destruído. Nas ruínas dos mosteiros destruídos, novos centros monásticos foram instalados em Gorodok e Podkamen, na região de Lviv. O mosteiro de São Andrew no setor de Luzhki, perto da vila. Osmolode. Havia unidades monásticas no exterior: o Mosteiro Borisoglebsky em Polotsk (Bielorrússia) e a Vila Missionária em Vysova (Polônia).
Sempre e em toda parte, a principal tarefa dos monges do estúdio era a oração. Sknylivsky Typikon afirma que "no mosteiro não há assunto mais importante sobre a oração". O patriarca Joseph enfatizou na mensagem acima mencionada que "o primeiro dever de todos os monges, sejam quais forem as circunstâncias, é viver uma vida de oração, uma vida santa, uma vida acima de tudo dedicada a Deus". Quando os monges cumprem seu chamado de levar uma vida de oração em união com Deus, trazem as bênçãos de Deus a todo o povo. De acordo com as antigas ordenanças monásticas, os monges rezam a Regra da Igreja (tarde, tarde, meia-noite, manhã, hora) e a Regra das células (oração particular) diariamente.
"O único objetivo que buscamos é a santidade da vida e a salvação da alma", diz as Universidades Lavrov, Macarius. - Experimentamos Deus e trazemos Sua graça para nossas almas e corações através da oração conjunta e privada, bem como vários exercícios ascéticos, através de boas obras, dando esmolas. Para toda pessoa que deseja ser salva em nossa comunidade monástica, a regra na vida é o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. "
O dia no mosteiro é dividido em três partes (8 horas cada): oração, trabalho e descanso. Cada membro da família monástica tem a oportunidade de fazer o trabalho de acordo com suas habilidades e preferências. Os monges da Univ Lavra estão envolvidos na produção agrícola, pecuária, horticultura e apicultura. Hoje, uma forte economia moderna está emergindo constantemente na Lavra. A fazenda do mosteiro fornece produtos agrícolas, adoça o apiário com mel e fornece pão fresco à padaria. Nos jardins dos irmãos crescem, além de vegetais e ervas, plantas medicinais. A oficina do mosteiro produz artigos da igreja (velas, garçonetes, incenso e carvão).
Muitos monges se reúnem diariamente para a oração das igrejas do mosteiro. Os monges estão catequizando crianças e noivas, orando pelos enfermos e cuidando espiritualmente de congregações que operam em templos.
O mosteiro possui uma rica coleção de arte sacra. Uma escola de pintura de ícones e uma oficina para a restauração dos valores da igreja operam no mosteiro de Lviv. O museu do mosteiro nas Câmaras Metropolitanas da Univ Lavra, juntamente com as antigas obras de arte, representa as conquistas dos artistas contemporâneos.
Muita atenção é dada à educação e educação dos monges. A Casa da Formação está localizada na Santa Dormição Univ Lavra, onde está localizado o noviciado. No estúdio de St. João, o Teólogo, que está na vila. Minério, existem monges que estudam no Seminário Teológico de Lviv. Muitos monges estudam em instituições educacionais na Ucrânia e no exterior, estudando teologia, arte sacra, pintura de ícones, música para igreja, artesanato variado.
A pessoa que deseja ingressar no mosteiro inicia um julgamento de seis meses, permanecendo em suas roupas seculares. Após um teste bem-sucedido de sua vocação, seu irmão recebe seu primeiro voto monástico, suas roupas consistem em um jumper, um cinto de couro e um púlpito. Um ano depois, o Inocente, recebendo os primeiros votos temporários anuais, recebe uma batina e uma camomila. O monge faz votos anuais temporários três vezes e, em seguida, ele é autorizado pelas autoridades do mosteiro a aceitar a "pequena imagem angelical", isto é, o shema (votos eternos). Essas são as promessas de renúncia à paz, restrição, piedade, pobreza, obediência e uma vida ascética constante em jejum. Suas roupas agora são paraman, manto e capuz.
O mais alto grau de dedicação da igreja a Deus é a "grande imagem angélica". O vilão segue para um estágio mais severo da vida monástica: solidão, silêncio, oração contemplativa, jejum. Um monge assim ganha novas peças de roupa: uma boneca com uma cruz vermelha bordada e um anal.
"Tendo vindo à chamada de Deus para o mosteiro", Yerm conta. Sevastiano, - uma pessoa se encontra em um "lugar profético" onde reina a única lei - a lei do amor. E toda situação, todo problema é considerado, avaliado e resolvido nos termos desta lei. O Mosteiro é uma escola de amor onde o Senhor sempre ensina perdão e amor, dando lições de misericórdia e humildade. ”
No Oriente, o monaquismo não era considerado um estado separado, uma categoria especial de cristãos, e sempre foi apresentado como uma imagem modelo para todos os batizados. Segundo São Basílio, o Grande, o monge não é um membro específico da Igreja; ele é simplesmente um cristão perfeito que deseja cumprir os mandamentos do evangelho de amor a Deus e ao próximo de uma maneira perfeita e perfeita. Esta instrução para seguir a Cristo através da santidade de sua vida é conhecida por todos os monges orientais ao longo da história cristã.
“Buscando a excelência, seguindo as tradições do monasticismo oriental, nos esforçamos especialmente por meio da comunicação constante e sincera com Deus, pela purificação de nossos corações, para santificar a nós mesmos e todas as nossas atividades externas. Estamos cientes de que qualquer obra deve se tornar para nós um instrumento de nossa santificação, uma união com Deus. Essa abordagem deve basear-se no entendimento de que nada acontece ou acontece por acidente. Tentamos lembrar que, embora a Santa Igreja ou o mosteiro coloque seus deveres sobre nossos ombros, o Senhor está bem ciente deles. Afinal, eles são dados por Deus para nossa santificação e salvação ”, diz o abade Bento.
A localização do mosteiro, a necessidade e o dom dos monges determinam qual deve ser o tipo de ministério das comunidades dos estúdios. Mas sempre a base da vida da fraternidade são as tradições patrísticas da Igreja Oriental e, em particular, o reavivamento de uma forte família monástica, inspirada nas comunidades cristãs primitivas, para louvar a Deus na oração e no trabalho.