Arquivo do blog

terça-feira, 24 de março de 2020

Festa da Anunciação. Luz sobrenatural do ápice de história humana


português inglês alemão francês espanhol italiano neerlandês polaco russo 


Anunciação, Fra Angelico, Museu del Prado, Madri
Anunciação, Fra Angelico, Museu del Prado, Madri
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A cena famosa da Anunciação do Arcanjo São Gabriel a Nossa Senhora, no retábulo pintado por Fra Angélico, constituiu para a humanidade uma hora da graça.

Abriu-se o Céu que a culpa de Adão e Eva havia cerrado, e dele desceu um espírito de luz e pureza, trazendo consigo mensagem de reconciliação e paz, dirigida à criatura mais formosa, nobre, cândida e benigna que nascera da estirpe de Adão.

Estando o Arcanjo em presença da Santíssima Virgem, o diálogo se estabelece.

Anunciação, Museu do Prado, Madri. Fra Angélico. São GabrielA nobreza própria à natureza angélica, sua fortaleza leve e toda espiritual, sua inteligência e pureza, enfim tudo se espelha admiravelmente na figura altamente expressiva de São Gabriel.

Anunciação, Museu do Prado, Madri. Fra Angélico. Nossa SenhoraNossa Senhora, com razão, aparece na pintura menos etérea e impalpável, pois é uma criatura humana.

Entretanto, um quê de angélico nota-se em toda a compostura d´Aquela que é a Rainha dos anjos.

Sua fisionomia excede em espiritualidade, nobreza e candura à do próprio emissário celeste.

Invisível, Deus entretanto manifesta sua presença na luz sobrenatural que parece irradiar de ambos os personagens, comunicando a toda a natureza o esplendor de uma alegria pura, tranquila, virginal.

Sente-se quase a temperatura suavíssima, a brisa levíssima e aromática, a alegria que perpassa todo o ambiente criado por Nossa Senhora e o Arcanjo.





(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, novembro de 1986. Sem revisão do autor. Em “Catolicismo”.