Arquivo do blog

sexta-feira, 6 de março de 2020

FINALMENTE A VOZ DE UM BISPO PARA NOS CONFORTAR. Comunicado de imprensa do Bispo Pascal Roland, Bispo de Ars-Belley

FINALMENTE A VOZ DE UM BISPO PARA NOS CONFORTAR.


Image result for Mgr Pascal Roland, évêque d'Ars-Belley


Comunicado de imprensa do Bispo Pascal Roland, Bispo de Ars-Belley:



Mais do que a epidemia do coronavírus, devemos temer a epidemia do medo. Pela minha parte, recuso-me a ceder ao pânico colectivo e a submeter-me ao princípio da precaução que parece motivar as instituições civis.  Portanto, não pretendo dar instruções específicas para a minha diocese: os cristãos vão deixar de se encontrar para rezar? Será que vão desistir de negociar e ajudar os seus irmãos e irmãs? Para além das precauções elementares que todos tomam espontaneamente para não contaminarem os outros quando estão doentes, não é apropriado acrescentar mais nada.



Devemos lembrar que em situações muito mais graves, as das grandes pragas, e quando os meios de saúde não eram os de hoje, as populações cristãs eram ilustradas com orações coletivas, assim como com ajuda para os doentes, assistência para os moribundos e enterro dos mortos. Em resumo, os discípulos de Cristo não se afastaram de Deus ou se esconderam de seus semelhantes, mas sim o contrário.



O pânico coletivo que estamos testemunhando hoje não revela a nossa relação distorcida com a realidade da morte? Será que não manifesta a ansiedade que causa a perda de Deus? Queremos esconder o fato de que somos mortais e, estando fechados à dimensão espiritual do nosso ser, perdemos terreno. Tendo técnicas cada vez mais sofisticadas e eficientes, queremos dominar tudo e esconder que não somos os senhores da vida.



A propósito, tenhamos em mente que a coincidência desta epidemia com os debates sobre as leis da bioética nos faz lembrar a nossa fragilidade humana. Esta crise global tem pelo menos a vantagem de nos lembrar que vivemos numa casa comum, que somos todos vulneráveis e interdependentes e que a cooperação é mais urgente do que fechar as nossas fronteiras.  Além disso, todos nós parecemos ter perdido a cabeça.



Em todo o caso, estamos a viver em mentiras. Porque é que, de repente, estamos a concentrar a nossa atenção apenas no coronavírus? Por que esconder o fato de que a cada ano na França a trivial gripe sazonal afeta entre 2 e 6 milhões de pessoas e causa cerca de 8.000 mortes? Parece também que eliminámos da nossa memória colectiva o facto de o álcool ser responsável por 41.000 mortes por ano e que se estima que 73.000 sejam causadas pelo tabaco.



Longe de mim, portanto, a idéia de prescrever o fechamento das igrejas, a supressão das missas, o abandono do gesto de paz durante a Eucaristia, a imposição deste ou daquele modo de comunhão considerado mais higiênico (tendo dito isto, todos podem fazê-lo de qualquer forma), porque uma igreja não é um lugar de risco, mas um lugar de salvação. É um espaço onde acolhemos Aquele que é Vida, Jesus Cristo, e onde, através Dele, com Ele e n'Ele, aprendemos a viver juntos. Uma igreja deve permanecer o que ela é: um lugar de esperança.



Devemos mastigar as nossas casas? Devemos atacar o supermercado do bairro e acumular reservas para nos prepararmos para um cerco? Não! Porque um cristão não teme a morte! Ele sabe que é mortal, mas ele sabe em quem está confiado. Ele acredita em Jesus, que o afirma: "Eu sou a ressurreição e a vida". Aquele que acredita em mim, mesmo que morra, viverá; e todos aqueles que vivem e acreditam em mim não morrerão para sempre". (João 11:25-26) Ele sabe que é habitado e encorajado pelo "Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos" (Romanos 8:11).



Além disso, um cristão não pertence a si mesmo, sua vida deve ser oferecida, porque ele segue Jesus, que ensina: "Quem quiser salvar sua vida, perdê-la-á; mas quem perder sua vida por mim e o Evangelho a salvará" (Marcos 8,35). Certamente, ele não está indevidamente exposto, mas também não procura preservar-se a si mesmo. Ao seguir seu Mestre e Senhor crucificado, o cristão aprende a entregar-se generosamente ao serviço de seus irmãos mais frágeis, com vistas à vida eterna.