BEATO CARLO ACUTIS , A EUCARISTIA É A MINHA AUTO -ESTRADA PARA O CÉU

 


Arquivo do blog

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

CATEQUESIA 62: Imitar os sofrimentos do Senhor Por São Teodoro, o Studita

Por São Teodoro, o Studita
[Migne acrescenta: Aos quarenta mártires [9 de março].
Mas parece ter sido administrado após o próprio dia.]
Irmãos e pais, como é bom para nós a separação do mosteiro aqui! Pois por que nossa liberdade deveria estar sujeita ao julgamento da consciência de outra pessoa? (1 Cor. 10:29). E por que ainda nos maltratamos pelo que é inútil? Conseguimos o mais longe possível e o momento permitido; mas agora, porque quando o momento convocado eles não escolheram a perseguição em nome de Cristo, como alguns outros, é necessário ouvir o Profeta quando ele diz: Saia do meio deles e seja separado, (Is 52:11) diz o Senhor. Se outros agirem de outra maneira sobre esses assuntos, prestarão contas ao Senhor no dia do julgamento; pois me parece que ficar sob o poder deles equivale a ser indiferente em relação aos hereges. Você vê que a mesma distinção nos afasta do mundo e nos leva a problemas, angústia, fome, perseguição, prisão e morte; mas em tudo isso devemos ser supremamente vitoriosos através do Deus que nos amou, (Rom. 8:37) quando, sempre que vê uma alma sedenta por Ele, dá-lhe força para poder sofrer sofrimentos em Seu favor. E a isso, os quarenta mártires, cujo memorial acabamos de celebrar, prestam testemunho aos demais; pois não podemos dizer que eles possuíam uma natureza diferente daquela que possuímos. Mas como eles amavam a Deus com um coração verdadeiro, eles foram capacitados em sua fraqueza para derrubar o inimigo invisível pela carne e realizar uma luta de tal qualidade e grandeza que todos os cristãos o elogiam no cântico. E bem-aventurado é aquele que foi concedido a participar dos sofrimentos de Cristo (cf. 1 Pedro 4:13), pelo menos até certo ponto: os perseguidos, porque também foram perseguidos; o preso, porque Ele também foi preso; o injuriado, porque Ele também foi injuriado; o flagelado, porque ele também foi açoitado; o preso, porque Ele também foi preso; veja também porque está escrito,Se morrermos com ele, também viveremos com ele; se perseverarmos, também reinaremos com Ele; se negarmos, Ele também nos negará; se somos infiéis, Ele permanece fiel; Ele não é capaz de negar a si mesmo (2 Tim. 2: 11-13). Você vê as promessas e as ameaças de que tipo e quão grandes são? Quanto ao resto, irmãos, esforcemo-nos, esforçamo-nos pela graça de Cristo para não envergonhar as coisas que foram mencionadas anteriormente: os banimentos, as prisões, os açoites. Podemos não ter sido todos presos, nem todos açoitados; mas, no entanto, a comunhão da vida se torna comunhão de sofrimentos, pois se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro é glorificado, todos os membros se alegram com ele(1 Cor. 12:26). E queremos que fôssemos ainda mais um corpo e um espírito, como fomos chamados em uma esperança de nosso chamado (Ef. 4: 4), tendo Cristo como cabeça, para nos tornarmos agradáveis ​​a Deus, para ganhar o reino do céu, em Cristo Jesus, nosso Senhor, a quem seja glória e poder com o Pai e o Espírito Santo, agora e sempre e para as eras dos séculos. Amém.