Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008




Dominus Est: É o Senhor
Por Mons. Atanásio Schneider


Era 1969. Foi o Papa Paulo VI. A Congregação para o Culto Divino emitiu uma Instrução, Memoriale Domini, sobre a forma de recebimento de Comunhão.

Após ter recordado o desenvolvimento da recepção da Comunhão sobre a língua como um fruto de "um aprofundamento da compreensão da verdade do mistério eucarístico, do seu poder e da presença de Cristo no mesmo", a Instrução declara que "este método de distribuição da Comunhão deve ser mantido ... não apenas porque tem muitos séculos de tradição por trás, mas sobretudo porque exprime a reverência dos fiéis na Eucaristia.

"O costume não diminui, de forma alguma, a partir da dignidade pessoal de quem se aproxima deste grande sacramento: ele faz parte dessa preparação que é necessária para a mais frutuosa recepção do Corpo do Senhor", diz a Instrução.

Ele também advertiu: "A mudança numa matéria em tal momento, baseada numa tradição mais antiga e venerável, não se limita a afectar disciplina. Traz com ela certos perigos que podem surgir a partir da nova forma de administrar Santa Comunhão: o perigo de perda de reverência para com o augusto sacramento do altar, de profanação, de adulterar a verdadeira doutrina. "

E publicou um levantamento dos bispos do mundo, que a levou a concluir: "A imensa maioria dos bispos acreditam que a actual disciplina não deve ser mudada, e que, se fosse, a mudança seria ofensiva para os sentimentos e a cultura espiritual destes bispos e de muitos dos fiéis. "