BEATO CARLO ACUTIS , A EUCARISTIA É A MINHA AUTO -ESTRADA PARA O CÉU

 


Arquivo do blog

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008



Existe, obviamente, nenhuma questão que - como atesta a Memoriale Domini - que é "verdade que o antigo uso permitia ao fiel de tomar este alimento divino em suas mãos e colocá-lo em sua boca si próprio".

Este facto foi muito falado durante toda a década de 1970, juntamente com o falar sobre o recebimento da Sagrada Comunhão como adultos maduros, e não como crianças. Nós éramos encorajados a regressar à pureza dos primeiros tempos da Igreja primitiva como se tivéssemos adquirido nos séculos supostos corruptos acréscimos na nossa forma de adoração.

No entanto, no nosso entusiasmo igualitário ignorámos os sóbrios factos, que, como atesta o Bispo Schneider, o "desenvolvimento orgânico" da prática de receber a Comunhão na língua não é senão "um fruto da espiritualidade e devoção eucarística decorrentes dos tempos dos Padres da Igreja ", e que a exclusão de ajoelhar-se para a Santa Comunhão foi uma característica da revolta teológica protestante de Calvino e Zwingli.

Na verdade, nada menos do que um erudito Klaus Gamber salienta que o acolhimento da Comunhão na mão "foi, de facto, abandonada ... a partir do quinto ou sexto século em diante".