Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

terça-feira, 7 de abril de 2009

Rito Bracarense é celebrado em Holy Name in Providence, Rhode Island











Sé Catedral de Braga
O rito bracarense consiste num antigo mas não extinto rito litúrgico latino, ou seja, um rito litúrgico ocidental da Igreja Católica. Este rito é utilizado principalmente pela Arquidiocese de Braga em Portugal, daí o nome do rito.

Arquidiocese de Braga
Archidiœcesis Bracarensis Sé da Arquidiocese de Braga
Sé de Braga
País Portugal
Arcebispo Jorge Ferreira da Costa Ortiga
Superfície 2 832 km²
Tipo de jurisdição Arquidiocese Metropolitana
(Sé Primaz das Espanhas)
Criação da diocese Século III
Elevação a arquidiocese 1070
Rito Romano; Bracarense
Dioceses sufragâneas Diocese de Aveiro;
Diocese de Bragança-Miranda;
Diocese de Coimbra;
Diocese de Lamego;
Diocese do Porto;
Diocese de Viana do Castelo;
Diocese de Vila Real;
Diocese de Viseu
Página oficial www.diocese-braga.pt

A diocese de Braga data do século III sendo conhecido do primeiro período da sua história apenas o Bispo Paterno cujo nome figura nas actas do Concílio de Toledo de 400. Não obstante, a tradição faz de São Pedro de Rates o primeiro bispo da cidade, cerca do ano 45 da nossa era.

Já neste primeiro período tinha dignidade metropolítica, com jurisdição sobre todo o noroeste da Península (Galécia), tendo dela dependentes os bispados de Conímbriga, Viseu, Dume, Lamego, Porto e Egitânia. Do período suévico-visigótico conhecem-se os nomes de 12 Prelados bracarenses. Quando da invasão muçulmana, Braga ficou no domínio dos infiéis: e os seus Bispos passaram a residir em Lugo.

Após a reconquista cristã, mesmo antes da fundação da Monarquia, foi definitivamente restaurada a Arquidiocese (1070), tomando o seu arcebispo o título de metropolita de Braga. Depois de contendas com a Sé de Compostela, Pascoal II, em 1103, dá a Braga como sufragâneas as Dioceses de Porto, Coimbra, Lamego e Viseu (em Portugal), e mais cinco em território da Espanha.

Célebre ficou também a contenda com Toledo sobre a primazia — ainda hoje, de resto, o arcebispo de Braga usa o título de Primaz das Espanhas. Nos fins do século XIV, as Dioceses dos reinos de Leão e Galiza deixaram de prestar obediência a Braga. A área da Arquidiocese foi posteriormente reduzida com a criação das Dioceses de Miranda (1545), Bragança (1770), Vila Real (1922) e Viana do Castelo (1977) e ainda pela anexação à de Bragança-Miranda do Arcediagado de Moncorvo (1881). De igual forma, a elevação de Lisboa a arquidiocese em 1394 subtraiu ao seu controlo as antigas sufragâneas do Sul do País.

Entre as particularidades mais notáveis desta Sé, considerada das mais antigas da Península Ibérica, está a de possuir um rito litúrgico próprio (bracarense), semelhante ao romano; quando da reforma litúrgica tridentina, Braga pôde manter os seus livros, por terem mais de 200 anos e pelo cuidado que teve nisso o Arcebispo D. Frei Bartolomeu dos Mártires; depois de algumas tergiversações resultantes da tentativa de introduzir o rito romano, o bracarense foi restaurado pelo Sínodo de 1918: os novos breviário e missal, aprovados por bulas de 1919 e 1924 respectivamente, tomaram-se obrigatórios em toda a Arquidiocese em 1924.

O rito bracarense permanece válido, mesmo depois da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II, mas o seu uso tomou-se facultativo, aquando desta reforma, em 18 de Novembro de 1971.

Fonte:New Liturgical Movement