Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Conversão: um terremoto interior (1968) DON DIVO BARSOTTI


Conversão: um terremoto interior (1968) DON DIVO BARSOTTI
A Quaresma chama-nos à penitência. Foi com a penitência que o ministério de Jesus começou.

Mas o que é exactamente a penitência? Apenas o arrependimento do que possamos ter feito de errado seria muito pouco para caracterizar o que a Igreja quer dizer com este termo e o que o Senhor quer dizer. O termo "penitência" é uma tradução muito imperfeita de um termo grego que é usado pelos evangelistas precisamente para descrever o conteúdo da primeira pregação de Jesus quando ele começa seu ministério.

O termo grego é metánoia e você já pode entender o que isso pode significar. Nous é a mente, é o espírito, é a psique, é a alma e meta significa precisamente uma inversão, uma inversão do nosso ser interior.

Por isso você entende que quando pensamos que penitência só significa arrependimento pelos pecados, é muito pouco. Quando pensamos na penitência como o complexo de ações afligentes, mortificando nossa natureza, também dizemos algo, mas quase nada, porque quando pensamos em ações afligentes, em geral pensamos naquelas ações afligentes que não tocam em nada, o espírito, mas tocam o corpo.

É por isso que um dos últimos decretos sobre a reforma da penitência quaresmal parecia quase eliminar o que até agora parecia ser o conteúdo específico próprio da Quaresma. O que poderia parecer o verdadeiro conteúdo da Quaresma tinha sido eliminado, não pela Igreja, mas pelo facto de os cristãos já não acreditarem nela, nada fez nesse sentido. Mas talvez os cristãos, ao não se submeterem mais a essas provas, deram o sinal de terem compreendido mais a penitência verdadeiramente cristã, se nada mais deram a impressão de terem compreendido que essas penitências valiam pouco e que não era sequer apropriado dar-lhes importância.

Qual é então a verdadeira penitência a que o Senhor e a Igreja nos chamam no tempo da Quaresma? Esta penitência chama-nos, entretanto, de volta à consciência da nossa oposição radical a Deus. Se a conversão é imposta, o sinal é que não estamos virando as costas para o Senhor, mas estamos virando as costas para Ele.

Podemos dizer isto? Sim, nós podemos dizer isso! No fundo do nosso espírito permanecemos numa certa oposição a Deus enquanto não formos santos. Só o santo vive, mesmo no seu primeiro acto, mesmo no seu acto mais interior, esta perfeita adesão a Deus, esta perfeita transparência de estar na luz divina. Nós no nosso íntimo somos opacos à luz, no nosso íntimo, sem talvez nem nos apercebermos disso no mínimo, experimentamos uma certa oposição a Ele. E do que deriva esta oposição?

Parece-me tão claro o que diz Santo Agostinho, parece tão evangélico e tão bíblico: "Dois amores fizeram as duas cidades: o amor de Deus até o desprezo de si mesmo, o amor de si mesmo até o desprezo de Deus". A verdadeira conversão é uma conversão que implica precisamente o amor. O amor é a virada do ser, é a ordem do ser: ser amor em que é ordenado. E isso significa que não se pode dividir o ser do amor; praticamente falando, há uma identificação entre o ser e o amor, mas o conteúdo desse amor vem do ordenar-se a si mesmo. Um é ordenado de uma forma ou ordenado de outra. Se você não ama a Deus, não é por isso que você não ama: você se ama a si mesmo. Se amas a Deus, não é por isso que não o és; pelo contrário, realizas-te precisamente como Deus te quis, como seu filho e sua criatura.

Então qual é a conversão a que o Senhor nos chama, a verdadeira penitência? É este terremoto interior, esta agitação do ser, para que tudo em nós seja ordenado a Ele, e para ser ordenado a Ele é arrancado de um amor anterior, escapa, escapa de uma atração que até agora era imposta ao nosso espírito e nos tirou, pelo menos em parte, do próprio Deus.

Se não precisássemos desta conversão, já seríamos santos. Podemos dizer que somos santos? Não: isso significa que precisamos de nos converter. Se a santidade é a nossa ordenação total a Deus, significa que ainda não estamos totalmente ordenados, significa que precisamos de conversão. Mas de quê? Provavelmente, para todos nós, do amor a nós mesmos, como diz Santo Agostinho: "Dois amores fizeram as duas cidades: amor a si mesmo até o desprezo de Deus, amor a Deus até o desprezo de si mesmo".

Impõe-se, portanto, uma libertação do nosso egoísmo, impõe-se que saibamos verdadeiramente renunciar a nós mesmos. Auto-abnegação: isto é o que a conversão do coração implica.

Retiro de 4 de Março de 1968 em Viareggio