Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

don Divo Barsotti, O que significa sensualidade? Também significa comer bem, ou ter uma boa casa...

  Há uma verdade profunda que devemos descobrir. Pois tudo pertence a Deus; o que pode escapar ao poder de Deus? Só o que pertence ao mal.

Agora devemos perceber que César, especialmente naquela época, era o "divino César". A idolatria, na época em que Jesus viveu, era do Estado, que já então era um Estado praticamente totalitário. É por isso que os mártires cristãos não morrem apenas para serem fiéis a Cristo, eles morrem pela liberdade da sua consciência; o Estado não tem o poder de intervir na sua consciência interior. E com Hegel o poder do maligno entra no mundo através do Estado, porque na verdade o Estado consegue levá-lo totalmente e fazer o que quer. Você não pode determinar, por exemplo, o preço da fruta ou qualquer outra coisa; você percebe que tudo é realmente determinado? Não há mais espaço para a liberdade nem em pensamento nem em acção.

É a marca de Satanás. "Dá a César o que é de César", o que significa isso? Liberta-nos do poder que o ídolo, não Deus, mas o mundo, não Deus, mas o Maligno tem sobre nós; e todos nós sofremos mais ou menos esta escravidão dos homens. Penso que cada um de nós é muito mais livre do que qualquer homem importante, e quanto mais importante e inserido um homem está neste mundo, mais este homem é um escravo.

Isto também é verdade para os homens da Igreja, porque a Igreja é santa, mas os homens são homens, e os homens da Igreja são também servos do poder econômico, político e cultural. A liberdade de São Francisco? Por isso, aqueles que conheceram Francisco falam dele como do homem novo: porque vêem nele uma nova encarnação de Cristo, porque na sua pobreza e humildade ele se arranca de todos os poderes que o mundo tem sobre o homem: não sabe o que fazer com o dinheiro, não sabe o que fazer com honras. Assim como os homens procuram estima, honra e ambição, assim ele procura humildade e dissimulação, ele procura não ser nada. É todo de Deus e Deus brilha nele, vive nele.

Aqui: o sentimento do nosso pecado, este antes de tudo, não só o pecado actual, mas os efeitos do pecado original, que mostram como somos escravos do mal, não só porque pecamos, mas porque não recuperamos a liberdade que é própria dos filhos de Deus, no amor por Ele que nos liberta de toda essa escravidão dos nossos sentidos, das nossas ambições, do nosso amor próprio, da nossa vaidade, da nossa superficialidade, do nosso conforto, porque através do nosso conforto - aqui está a sensualidade - o mundo nos leva. 
O que significa sensualidade? Também significa comer bem, ou ter uma boa casa... aos poucos você se torna escravo dela; isto também é escravidão, e todos nós somos mais ou menos escravos. A liberdade da alma que vive apenas de Deus... Quando podemos alcançar esta grande liberdade novamente?

Bem, é antes de mais uma questão de ter a sensação da nossa escravidão, de sentir que esta vida humana nos condiciona mais ou menos a todos. O mundo de hoje é tal que a nossa verdadeira libertação será apenas a morte. Mais ou menos estaremos sempre ligados a um mundo que nos domina, que tem hipotecas sobre nós e com as quais devemos comprometer-nos em vestuário, em comer, em amizades, com sindicatos, com festas, com impostos, através de tudo. 
Sentir esta nossa condição que vem do pecado. Certamente também há pecados em nós hoje, mas eles podem ser verdadeiramente uma expressão de uma certa fragilidade que não pode sequer ofender a Deus, não são sérios para si mesmos, objectivamente; mas mais sério é precisamente este condicionamento que vem do pecado.

 Até o Papa fala dele também do pecado do mundo que pesa sobre todos nós. Devemos sentir isso, porque se o sentirmos podemos invocar o Salvador, mas se não o sentirmos, nos colocamos em um plano de escravidão perfeita. E a maioria dos homens vai para a escravidão, escolhem a escravidão, vivem na escravidão sem se darem conta; acreditam que são livres e já nem sequer têm tempo para comer, nem sequer a possibilidade de ouvir a Santa Missa; já não são livres de usar sequer o vosso tempo para pensar em Deus!