Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

don Divo Barsotti, é necessário que a alma também tenha uma confiança absoluta em Deus, que se abandone a Deus, que se entregue a Ele, que se deixe levar por Ele, que acredite neste amor infinito.



português inglês alemão francês espanhol italiano neerlandês polaco russo 

Image result for don Divo Barsotti Quantas mulheres têm de ir trabalhar de manhã cedo e não têm tempo para dormir o suficiente. Você tem que pensar na casa, pensar em uma coisa, pensar em outra, você vai para a cama tarde e se levanta cedo, e não tem mais tempo para conversar, para conversar com seu marido ou seus filhos; mas se você não trabalha você tem dificuldade para sobreviver! Antes, tudo era muito mais simples; não era uma vida luxuosa, mas se vivia mais pacificamente. Hoje estamos ligados, é uma corrente que nos liga; você deve ter cuidado para não esbarrar no seu empregador, mesmo que às vezes a sua maneira de agir não cumpra a lei; é tudo escravidão.


Aqui, então, está o sentimento do nosso pecado e também desta escravidão que vem do pecado, pois sentimos mais a dor, a dor destes condicionamentos do que do próprio pecado; e é deste sentimento que pode surgir a oração que ascende a Deus e invoca misericórdia, e invoca a libertação, e invoca a salvação. Como não sentir estes terríveis condicionamentos que nos calam, nos sufocam, nos prendem em todos os cantos, nos fazem verdadeiros prisioneiros deste mundo de pecado?

Mas será que esta imploração de salvação realmente se levanta de todos nós? O primeiro requisito para ser cristãos - foi dito - é o sentimento de pecado e também desta escravidão resultante do pecado; mas a oração a Deus não pode se levantar se este sentimento de pecado e nossa condição de punição não for seguido pelo reconhecimento de infinita misericórdia. Temos de saber que Deus nos pode libertar. E na verdade, os santos são livres. É uma coisa maravilhosa, se lermos a vida dos santos, ver que especialmente nos últimos anos de vida eles são almas livres, podem viver no sofrimento e viver na alegria. Há uns dias atrás eu estava lendo os cadernos escritos nos seus últimos meses de vida, por Santa Teresa do Menino Jesus. Ainda não tinham sido publicados porque se temia escandalizar; e talvez os bispos e até o Papa, se tivessem lido essas coisas, não a teriam canonizado! Ela estava em tormento, mas o tormento não mais a fechou; ela não fez mais nada além de contar piadas, ela encontrou uma maneira de fazer as pessoas rirem, e mesmo assim foi uma morte terrível para ela. 
Você sabia que no último dia Madre Agnes e Irmã Genovefa não puderam testemunhar sua agonia, ela estava tão angustiada? E mesmo assim, quando estava consciente e livre da dor física, não confortava os outros, mas confortava-os, até os fazia rir! E ela estava a morrer.

Mas isso não é tudo. Pense em São Francisco de Assis, pobre, nu, com a Ordem despovoada em suas mãos, vivendo a alegria de ir em direcção à morte. É a liberdade da alma que se sente agora nas mãos de Deus. Mas é necessário que a alma que conhece verdadeiramente o peso do pecado e a consequência do pecado - que é precisamente esta escravidão, este condicionamento do nosso ser que nunca alcança o que gostaria, que se sente cada vez mais escrava - é necessário que a alma também tenha uma confiança absoluta em Deus, que se abandone a Deus, que se entregue a Ele, que se deixe levar por Ele, que acredite neste amor infinito .

Estas são as duas coisas que devemos ter em mente; e o difícil é ter as duas juntas. Na verdade, podemos esperar sem ter o sentido da nossa miséria, mas depois não esperamos em Deus: esperamos nas nossas virtudes. E quantos de nós, que também vivemos uma vida espiritual, quantos de nós não temos esperança na misericórdia divina! Esperamos porque fazemos bem as nossas orações, esperamos porque acreditadmos que somos pacientes, esperamos porque tentamos ser bons... Mas olhemos realmente um para o outro e quanto mais nos conhecermos, mais saberemos que somos pecadores.