Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009




Bento XVI

Comentando o episódio dos Magos referido no Evangelho de São Mateus, neste ano 2009 dedicado de modo especial à astronomia, o Papa deteve-se inicialmente sobre o símbolo da estrela. Os “Padres da Igreja”, autores cristãos dos primeiros séculos – observou – viram neste singular episódio evangélico “uma espécie de revolução cosmológica, causada pela entrada no mundo do Filho de Deus”: “ao passo que a teologia pagã divnizava os elementos e as forças do cosmos, a fé cristã, levando a cumprimento a revelação bíblica, contempla um único Deus, Criador e Senhor de todo o universo. É o amor divino, incarnado em Cristo, a lei fundamental e universal de toda a criação”.Como escreve Dante, na conclusão da sua “Divina Comédia”, é Deus “o amor que move o sol e as outras estrelas”.



Bento XVI

“Isto significa que as estrelas, os planeta, o universo no seu conjunto, não são governados por uma força cega, não obedecem às meras dinâmicas da matéria. Não há, portanto, que divinizar os elementos cósmicos. Pelo contrário, em tudo e acima de tudo existe uma vontade pessoal, o Espírito de Deus, que em Cristo se revelou como Amor”. Como escrevia São Paulo aos Colossenses, os homens não são escravos dos “elementos do cosmos”, mas são livres, isto é, capazes de se relacionarem com a liberdade criadora de Deus.




Bento XVI

“É Deus a origem de tudo. Ele tudo governa não como um anónimo e frio motor, mas sim como Pai, Esposo, Amigo, Irmão. Como Logos, Palavra-Razão que se uniu à nossa carne mortal para sempre, partilhando plenamente a nossa condição e manifestando a superabundante potência da sua graça. Existe portanto no cristianismo uma peculiar concepção cosmológica, que encontrou na filosofia e na teologia medievais elevadíssimas expressões”.



Bento XVI

Também no nosso tempo – sublinhou o Papa – se manifesta um novo florescimento dessas reflexões, “graças à paixão e à fé de muitos cientistas que – na esteira de Galileu – não renunciam nem à razão nem fé, mas as valorizam até ao fim, na sua recíproca fecundidade”. “O pensamento cristão - prosseguiu ainda Bento XVI - compara o cósmos a um livro... considerando-o como a obra de um Autor que se exprime mediante a sinfonia da criação.


Bento XVI

No interior desta sinfonia encontra-se, a um certo ponto, aquilo que em linguagem musical se diria um solo, um tema confiado a um só instrumento ou a uma única voz. E é tão importante que daí depende o significado de toda a obra”. “Este solo, este solista é Jesus, ao qual corresponde precisamente um sinal régio: o aparecer de uma nova estrela no firmamento. Os escritores cristãos antigos comparavam Jesus a um novo sol


Bento XVI

Segundo os actuais conhecimentos astrofísicos, deveríamos compará-lo a uma estrela ainda mais central, não só para o sistema solar, mas para todo o universo conhecido”.
Jesus, “o Filho do Homem” – concluiu o Papa – “resume em si a terra e o céu, a criação e o Criador, a carne e o Espírito. É Ele o centro do cosmos e da história, porque n’Ele se unem (sem se confundirem) o Autor e a sua obra”.



Bento XVI

Mas “se no Jesus terreno se encontra o cume da criação e da história” – observou seguidamente Bento XVI – “em Cristo ressuscitado vai-se ainda mais além: a passagem, através da morte, à vida eterna antecipa o ponto da recapitulação de tudo em Cristo”. É esta convicção, esta consciência, que mantém a Igreja, Corpo de Cristo, no seu caminhar ao longo da história: “Não há sombra alguma, por muito tenebrosa que seja, que possa obscurecer a luz de Cristo.



Bento XVI
É por isso que nos que crêem em Cristo nunca se extingue a esperança, nem mesmo hoje em dia, perante a grande crise social e económica que aflige a humanidade, perante o ódio e a violência destruidora que continuam a ensanguentar muitas regiões da terra, perante o egoísmo e a pretensão do homem de arvorar-se em deus de si mesmo, que conduz por vezes a perigosas alterações fundamentais do projecto divino sobre a vida e a dignidade do ser humano, sobre a família e a harmonia da criação”.



Bento XVI
Para o Papa, “mantêm o seu valor e o seu sentido” os esforços “para libertar a vida humana e o mundo daqueles envenenamentos e inquinamentos que poderiam destruir o presente e o futuro”. “Mesmo se aparentemente não somos bem sucedidos ou parecemos impotentes perante a preponderância das forças hostis”, “é a grande esperança que se apoia sobre as promessas de Deus que nos dá coragem e orienta o nosso agir”.



Bento XVI
Orientando-se já para a conclusão da homilia, nesta Missa da Epifania, Bento XVI observou que, se “a Epifania é a manifestação do Senhor”, é-o também, de modo indirecto, “manifestação da Igreja, pois o Corpo é inseparável da Cabeça”. A realidade da Igreja é um "mistério de luz reflectida”.
“A Igreja sabe que a própria humanidade, com seus limites e misérias, põe ainda mais em relevo a obra do Espírito Santo. Ela não se pode vangloriar de nada senão do seu Senhor. Não é dela que provém a luz, não é sua a glória. Mas é precisamente esta a sua alegria, que ninguém lhe poderá arrebatar: ser sinal e instrumento d’Aquele que é lumen gentium, luz dos povos”.