http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

Arquivo do blog

segunda-feira, 12 de março de 2012

Hoje é Festa de São Gregório Magno

  Pesquisa Local Módulos Complementares

S. Gregório Magno

Papa italiano, pertencente a uma família patrícia romana, nasceu cerca do ano 540.
Foi prefeito de Roma aos trinta anos, tendo-se convertido ao catolicismo ao contactar com a regra de São Bento, levado pela dor que a morte do pai lhe causou.
Fundou seis mosteiros com o produto da venda dos seus bens e começou a viver segundo a regra monástica, que abandonou, contrariado, quando foi eleito papa a 3 de setembro de 590.
Entretanto, no ano de 578, foi ordenado diácono e designado delegado do papa Pelágio II em Constantinopla um ano depois. Nesta estadia redigiu uma obra intitulada Moralia (que consiste num conjunto de observações ao Livro de Job), tendo regressado a Roma em 585. Tornou-se então o principal conselheiro do citado papa Pelágio II, e quando este morreu foi aclamado unanimemente seu sucessor, pela estima e respeito que tinham grangeado a sua inteligência, abnegação e simplicidade.
Este papa destacou-se não pelas eficazes medidas que tomou frente aos horrores da peste e da fome, causadas pelas guerras que assolavam a Itália, como pela forte orientação que deu à vida espiritual da Igreja (tendo convocado três sínodos para o efeito), que em tempos agitados carecia de bases sólidas. Assim, neste âmbito, destacou particularmente o monaquismo, considerando esta forma de vida cristã a mais perfeita. Até aos nossos dias subsistiram oitocentas e cinquenta cartas deste papa, que reforçam a necessidade de seguir o exemplo de Jesus Cristo.
Escreveu também uma Regula pastoralis, na qual recomenda a modéstia aos bispos e a ponderação na prédica, uns Comentários sobre o Livro I de Samuel, diversas homilias, um antifonário e um sacramentário, entre outras obras.
São Gregório, além de conseguir afastar os lombardos de Roma por duas vezes (592 e 593), provia a cidade de trigo, que era abundante e vinha das propriedades que a Igreja possuía na Sicília. Foram também ordenadas as demais propriedades eclesiásticas (denominadas na altura Patrimonium Petri ou "Património de Pedro"), maioritariamente arrendadas a camponeses e geridas por um representante nomeado pela Sede Apostólica, tendo sido instituída a condição de este representante ser eclesiástico, para que não houvesse apropriações indevidas.
O papa tinha-se tornado um alto funcionário imperial com poder efetivo sobre Roma, a todos os níveis.
No seu pontificado foram fortemente incrementadas as missões de conversão dos pagãos, tendo enviado para Inglaterra aquele que seria o primeiro arcebispo de Canterbury, Agostinho.
O seu papado cessou a 12 de março de 604.
SocialTwist Tell-a-Friend

Como referenciar este artigo:S. Gregório Magno. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-03-12].


  • liturgia del giorno

  • S.Gregorio Magno

    In papa Gregorio si ritrovano, in grado eminente, tutte le qualità dell'uomo di governo, il senso del dovere, della misura e della dignità. In lui lo storico protestante Harnack ammira "la saggezza, la giustizia, la mitezza, la forza di iniziativa, la tolleranza", e Bossuet lo ritiene "il modello perfetto di come si governa la Chiesa". S. Gregorio Magno era nato per diventare papa. La famiglia Anicia, cui egli apparteneva, era una delle principali di Roma. Alla morte di suo padre Gordiano, Gregorio, ancor giovanissimo (era nato verso il 540), era già "praefectus urbis". Ammiratore dell'eccezionale figura di S. Benedetto, decise ben presto di trasformare i suoi possedimenti a Roma (sul Celio) e in Sicilia in altrettanti monasteri. Ma egli stesso non vi potè dimorare a lungo, poiché il papa Pelagio Il lo inviò come apocrisario, cioè come nunzio, a Costantinopoli. Rientrato nella quiete del monastero sul Celio, ne godette per pochissimo tempo, chiamato al supremo pontificato dall'entusiasmo del popolo e dalle insistenza del clero e del senato di Roma. Fisicamente non era un colosso e la salute sua fu sempre cagionevole: la sua prima serie di Omelie sul Vangelo la dovette leggere un notaio, per l'impossibilità di tenersi ritto. E tuttavia la sua attività, in quattordici anni scarsi di pontificato (dal 3 settembre 590 al 12 marzo 604), ha dell'incredibile: organizza la difesa di Roma minacciata da Agilulfo, col quale intesse poi rapporti di buon vicinato; amministra la cosa pubblica con puntigliosa equità, supplendo all'incuria dei funzionari imperiali; ha cura degli acquedotti; favorisce l'insediamento dei coloni eliminando ogni residuo di servitù della gleba; animato da zelo, promuove la missione in Inghilterra di S. Agostino di Canterbury. Capace di allargare lo sguardo oltre i confini della cristianità, non sdegnava le cure minute della vita quotidiana. Poco prima di morire trovò il modo di far pervenire al vescovo di Chiusi un mantello per l'inverno. L'epistolario (ci sono pervenute 848 lettere) e le omelie al popolo ci documentano ampiamente sulla sua molteplice attività. Ovunque ha lasciato un'impronta, basti ricordare in campo liturgico la promozione del canto "gregoriano". La sua familiarità con la Sacra Scrittura appare dalle Omelie su Ezechiele e sul Vangelo, mentre i Moralia ne attestano l'ammirazione per S. Agostino. Profondo influsso nella spiritualità ha esercitato, insieme alla Vita di S. Benedetto, il suo Liber regulae pastoralis, stimolante ancor oggi.