http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

Arquivo do blog

domingo, 4 de março de 2012

Também a nós a transfiguração de Jesus ajuda a enfrentar, na fé, a experiência do mal: Bento XVI, na Missa celebrada numa paróquia

Pope Benedict XVI arrives for a pastoral visit to the parish church of John Baptist de La Salle, in Rome, Sunday, March 4, 2012.



(04/03/2012)
Bento XVI deslocou-se neste domingo a uma paróquia de Roma, de São João Batista de La Salle, onde saudou e dirigiu a palavra às crianças e celebrou a Missa paroquial. Na homilia, comentou naturalmente as leituras do dia, com o episódio da transfiguração de Jesus: “A transfiguração é um momento antecipado de luz que nos ajuda a encarar com o olhar da fé a paixão de Jesus. Esta é, sim, um mistério de sofrimento, mas é também a “bem-aventurada paixão”, porque é um mistério do extraordinário amor de Deus; é o êxodo definitivo que nos abre a porta para a liberdade e novidade da Ressurreição, da salvação do mal. Disso temos bem no nosso caminho quotidiano, muitas vezes marcado também pelo mal”.
A paróquia hoje visitada pelo Papa é de recente formação – criada no ano 2000 e com uma igreja moderna, consagrada em 2009. Congratulando-se com a gradual consolidação do sentido de pertença à comunidade paroquial, observou Bento XVI:
“A fé há-de ser vivida em conjunto e a paróquia é um lugar onde se aprende a viver a própria fé no nós da Igreja. Desejo encorajar-vos para que cresça também a corresponsabilidade pastoral,, num perspetiva de autêntica comunhão entre todas as realidades presentes, que estão chamadas a caminhar conjuntamente, a viver a complementariedade na diversidade, a testemunhar o nós da Igreja, da família de Deus”.

Ao meio dia, na costumada alocução antes da recitação do Angelus, já da janela dos seus aposentos sobre a Praça de São Pedro, Bento XVI comentou de novo o evangelho da transfiguração, recordando que, “no itinerário quaresmal, a liturgia, depois de nos ter convidado (no domingo passado) a seguir Jesus no deserto, para enfrentar e vencer com Ele as tentações, propõe-nos (agora) que subamos juntamente com Ele ao monte da oração , para contemplar no seu rosto humano a luz gloriosa de Deus.”

Jesus quer que esta luz possa iluminar os corações dos Apóstolos quando estes atravessarem as trevas da sua paixão e morte, quando o escândalo da cruz for para eles insuportável. Deus é luz e Jesus quer dar aos seus amigos mais íntimos a experiência desta luz. Mesmo na noite mais obscura, Jesus é a lâmpada que nunca se extingue. Santo Agostinho resume este mistério com uma belíssima expressão: O que para os olhos do corpo é o sol que vemos, é-o (Cristo) para os olhos do coração
. Todos nós temos necessidade de luz interior para superar as provas desta vida. Esta luz vem de Deus e é Cristo que no-la dá, Ele no qual habita a plenitude da divindade. Subamos com Jesus ao monte da oração , contemplando o seu rosto cheio de amor e de verdade, deixemo-nos cumular interiormente da sua luz”.