Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sábado, 29 de fevereiro de 2020

don Divo Barsotti , as tentações de Jesus


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020


don Divo Barsotti, é necessário que a alma também tenha uma confiança absoluta em Deus, que se abandone a Deus, que se entregue a Ele, que se deixe levar por Ele, que acredite neste amor infinito.

Image result for don Divo Barsotti

Quantas mulheres têm de ir trabalhar de manhã cedo e não têm tempo para dormir o suficiente. Você tem que pensar na casa, pensar em uma coisa, pensar em outra, você vai para a cama tarde e se levanta cedo, e não tem mais tempo para conversar, para conversar com seu marido ou seus filhos; mas se você não trabalha você tem dificuldade para sobreviver! Antes, tudo era muito mais simples; não era uma vida luxuosa, mas se vivia mais pacificamente. Hoje estamos ligados, é uma corrente que nos liga; você deve ter cuidado para não esbarrar no seu empregador, mesmo que às vezes a sua maneira de agir não cumpra a lei; é tudo escravidão.


Aqui, então, está o sentimento do nosso pecado e também desta escravidão que vem do pecado, pois sentimos mais a dor, a dor destes condicionamentos do que do próprio pecado; e é deste sentimento que pode surgir a oração que ascende a Deus e invoca misericórdia, e invoca a libertação, e invoca a salvação. Como não sentir estes terríveis condicionamentos que nos calam, nos sufocam, nos prendem em todos os cantos, nos fazem verdadeiros prisioneiros deste mundo de pecado?

Mas será que esta imploração de salvação realmente se levanta de todos nós? O primeiro requisito para ser cristãos - foi dito - é o sentimento de pecado e também desta escravidão resultante do pecado; mas a oração a Deus não pode se levantar se este sentimento de pecado e nossa condição de punição não for seguido pelo reconhecimento de infinita misericórdia. Temos de saber que Deus nos pode libertar. E na verdade, os santos são livres. É uma coisa maravilhosa, se lermos a vida dos santos, ver que especialmente nos últimos anos de vida eles são almas livres, podem viver no sofrimento e viver na alegria. Há uns dias atrás eu estava lendo os cadernos escritos nos seus últimos meses de vida, por Santa Teresa do Menino Jesus. Ainda não tinham sido publicados porque se temia escandalizar; e talvez os bispos e até o Papa, se tivessem lido essas coisas, não a teriam canonizado! Ela estava em tormento, mas o tormento não mais a fechou; ela não fez mais nada além de contar piadas, ela encontrou uma maneira de fazer as pessoas rirem, e mesmo assim foi uma morte terrível para ela. 
Você sabia que no último dia Madre Agnes e Irmã Genovefa não puderam testemunhar sua agonia, ela estava tão angustiada? E mesmo assim, quando estava consciente e livre da dor física, não confortava os outros, mas confortava-os, até os fazia rir! E ela estava a morrer.

Mas isso não é tudo. Pense em São Francisco de Assis, pobre, nu, com a Ordem despovoada em suas mãos, vivendo a alegria de ir em direcção à morte. É a liberdade da alma que se sente agora nas mãos de Deus. Mas é necessário que a alma que conhece verdadeiramente o peso do pecado e a consequência do pecado - que é precisamente esta escravidão, este condicionamento do nosso ser que nunca alcança o que gostaria, que se sente cada vez mais escrava - é necessário que a alma também tenha uma confiança absoluta em Deus, que se abandone a Deus, que se entregue a Ele, que se deixe levar por Ele, que acredite neste amor infinito .

Estas são as duas coisas que devemos ter em mente; e o difícil é ter as duas juntas. Na verdade, podemos esperar sem ter o sentido da nossa miséria, mas depois não esperamos em Deus: esperamos nas nossas virtudes. E quantos de nós, que também vivemos uma vida espiritual, quantos de nós não temos esperança na misericórdia divina! Esperamos porque fazemos bem as nossas orações, esperamos porque acreditadmos que somos pacientes, esperamos porque tentamos ser bons... Mas olhemos realmente um para o outro e quanto mais nos conhecermos, mais saberemos que somos pecadores.

 quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020


don Divo Barsotti, O que significa sensualidade? Também significa comer bem, ou ter uma boa casa...

  Há uma verdade profunda que devemos descobrir. Pois tudo pertence a Deus; o que pode escapar ao poder de Deus? Só o que pertence ao mal.

Agora devemos perceber que César, especialmente naquela época, era o "divino César". A idolatria, na época em que Jesus viveu, era do Estado, que já então era um Estado praticamente totalitário. É por isso que os mártires cristãos não morrem apenas para serem fiéis a Cristo, eles morrem pela liberdade da sua consciência; o Estado não tem o poder de intervir na sua consciência interior. E com Hegel o poder do maligno entra no mundo através do Estado, porque na verdade o Estado consegue levá-lo totalmente e fazer o que quer. Você não pode determinar, por exemplo, o preço da fruta ou qualquer outra coisa; você percebe que tudo é realmente determinado? Não há mais espaço para a liberdade nem em pensamento nem em acção.

É a marca de Satanás. "Dá a César o que é de César", o que significa isso? Liberta-nos do poder que o ídolo, não Deus, mas o mundo, não Deus, mas o Maligno tem sobre nós; e todos nós sofremos mais ou menos esta escravidão dos homens. Penso que cada um de nós é muito mais livre do que qualquer homem importante, e quanto mais importante e inserido um homem está neste mundo, mais este homem é um escravo.

Isto também é verdade para os homens da Igreja, porque a Igreja é santa, mas os homens são homens, e os homens da Igreja são também servos do poder econômico, político e cultural. A liberdade de São Francisco? Por isso, aqueles que conheceram Francisco falam dele como do homem novo: porque vêem nele uma nova encarnação de Cristo, porque na sua pobreza e humildade ele se arranca de todos os poderes que o mundo tem sobre o homem: não sabe o que fazer com o dinheiro, não sabe o que fazer com honras. Assim como os homens procuram estima, honra e ambição, assim ele procura humildade e dissimulação, ele procura não ser nada. É todo de Deus e Deus brilha nele, vive nele.

Aqui: o sentimento do nosso pecado, este antes de tudo, não só o pecado actual, mas os efeitos do pecado original, que mostram como somos escravos do mal, não só porque pecamos, mas porque não recuperamos a liberdade que é própria dos filhos de Deus, no amor por Ele que nos liberta de toda essa escravidão dos nossos sentidos, das nossas ambições, do nosso amor próprio, da nossa vaidade, da nossa superficialidade, do nosso conforto, porque através do nosso conforto - aqui está a sensualidade - o mundo nos leva. 
O que significa sensualidade? Também significa comer bem, ou ter uma boa casa... aos poucos você se torna escravo dela; isto também é escravidão, e todos nós somos mais ou menos escravos. A liberdade da alma que vive apenas de Deus... Quando podemos alcançar esta grande liberdade novamente?

Bem, é antes de mais uma questão de ter a sensação da nossa escravidão, de sentir que esta vida humana nos condiciona mais ou menos a todos. O mundo de hoje é tal que a nossa verdadeira libertação será apenas a morte. Mais ou menos estaremos sempre ligados a um mundo que nos domina, que tem hipotecas sobre nós e com as quais devemos comprometer-nos em vestuário, em comer, em amizades, com sindicatos, com festas, com impostos, através de tudo. 
Sentir esta nossa condição que vem do pecado. Certamente também há pecados em nós hoje, mas eles podem ser verdadeiramente uma expressão de uma certa fragilidade que não pode sequer ofender a Deus, não são sérios para si mesmos, objectivamente; mas mais sério é precisamente este condicionamento que vem do pecado.

 Até o Papa fala dele também do pecado do mundo que pesa sobre todos nós. Devemos sentir isso, porque se o sentirmos podemos invocar o Salvador, mas se não o sentirmos, nos colocamos em um plano de escravidão perfeita. E a maioria dos homens vai para a escravidão, escolhem a escravidão, vivem na escravidão sem se darem conta; acreditam que são livres e já nem sequer têm tempo para comer, nem sequer a possibilidade de ouvir a Santa Missa; já não são livres de usar sequer o vosso tempo para pensar em Deus!

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020


don Divo Barsotti, Existem, portanto, duas condições para entrar neste relacionamento com Deus





Retiro 13 de Março 1984 - Biella





homilia de sábado à noite

O Evangelho de hoje é a própria essência do cristianismo: o Evangelho de Jesus é a "boa nova", é o anúncio da misericórdia que se derrama sobre o universo, e é uma misericórdia infinita. Deus é o que Ele é, Ele não muda, e Ele é, portanto, para todos, sempre, misericórdia sem limites. 
Onde está, então, o limite desta misericórdia? Logicamente, no sentimento que temos da necessidade de perdão de Deus: tanto recebemos de Deus quanto acreditamos receber, e nada mais. E esperamos receber apenas na medida em que nos sentimos carentes. A melhor condição do homem é, portanto, a de quem se sente mais pecador e no sentimento de seu próprio pecado se abre com maior confiança a esta misericórdia de Deus.

Existem, portanto, duas condições para entrar neste relacionamento com Deus: o sentimento do nosso pecado; o reconhecimento da Sua misericórdia.

É por isso que todo o povo oriental, especialmente o monaquismo, sintetiza toda a vida espiritual no que se chama a "oração de Jesus": "Jesus Cristo Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador". São os dois abismos que são chamados, como diz o salmo: "O abismo chama o abismo", ou seja, o abismo da nossa pobreza chama o abismo da misericórdia de Deus. Há uma correspondência entre o homem e Deus, mas a correspondência entre o homem e Deus é misericórdia, surge precisamente do vazio que deve ser preenchido pelo Todo divino; e Deus se faz presente a uma alma não segundo o que Ele é, mas segundo o que a alma sente de si mesma e sente de Deus. 
Devemos sentir que somos pecadores; sem o sentimento do nosso pecado somos excluídos da redenção, porque a nossa salvação deve ser a redenção. E o que significa redimir? Em latim significa "para comprar de volta". Nós pertencemos a Deus, mas o mundo tem hipotecas sobre nós. Se temos sentimentos de vaidade, amor-próprio, orgulho, sensualidade, é um sinal de que o mundo tomou posse de nós. Isto é o que Clemente Alexandrian disse no século II: "As paixões do homem são os estigmas do diabo", ele quis dizer que elas são como um sinal de pertencer ao maligno.

Agora, se há esses sentimentos em nós, eles nos dizem o que somos para Deus. E nós devemos senti-lo, e devemos vivê-lo, precisamente porque o sentimento do nosso pecado é a primeira condição para entrar em relação com o Senhor, porque Ele é o Redentor, Ele é Aquele que "nos compra de volta". Nós éramos de Deus, mas agora nos desapegamos Dele, pelo menos em parte, e pertencemos a este mundo; portanto, Deus deve nos afastar do poder que este mundo tem sobre nós, do poder que o Maligno tem sobre nós.

A redenção que o Senhor deve realizar hoje na humanidade é a redenção que exige infinita misericórdia; pois exige que a humanidade se dê conta de quão escravizada está para o Maligno. Há os nossos pecados pessoais conscientes, mas há escravidão inconsciente em todos nós. Você lê o jornal, você vê televisão; você percebe que por todos esses meios, mas também no mercado, mesmo no trabalho, o mundo sempre nos coloca uma certa hipoteca? Somos escravos dos nossos hábitos, escravos dos nossos prazeres, escravos da nossa vontade, escravos acima de tudo do respeito humano, da moda, do tempo... não há mais liberdade para o homem. 
Há 50 anos, o homem era mais homem do que é hoje. Falamos de progresso: o progresso é uma involução assustadora! Vejam que hoje em dia a sociedade, o Estado, tende a limitar cada vez mais a liberdade espiritual do homem. Você não tem a possibilidade de se desfazer da sua vida, nem mesmo como pensionista! O mundo te leva e não te deixa mais sem fôlego: você tem que pensar como o mundo pensa, você tem que se submeter aos modos de sentir, aos modos de viver que são próprios do mundo. 
Uma família pode passar sem televisão? Pode viver sem o jornal? E o que significa tudo isto? Acha que estes são meios para a nossa promoção? É o oposto que é verdade: é o mundo que por todos estes meios te faz seu escravo, te faz seu peão, te move para onde quiser, de acordo com o que quiser. Poucas almas adquirem liberdade, mas a única maneira de ser livre é o cristianismo, a vida cristã vivida, porque é Cristo que nos liberta, é Cristo que nos redime, isto é, que nos compra de volta ao mundo que se apoderou de nós.

Lembra-se das palavras de Jesus àqueles que lhe dizem: "O que você acha, Mestre, devemos ou não dar o tributo a César? O que Jesus responde? "Dá a César o que é de César e a Deus o que é de Deus".

Traduzido com a versão gratuita do tradutor - www.DeepL.com/Translator

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020


don Divo Barsotti, O diabo e as tentações

 O diabo e as tentações
Amanhã, 26 de Fevereiro (primeiro Domingo da Quaresma - Ano "B") vamos reflectir sobre o Evangelho
 tentações. As meditações que proponho abaixo (por Don Divo Barsotti) sobre Jesus
...são textos muito actuais até para nós hoje...

Retiro 13 de Março 1984 - Biella



homilia de sábado à noite
O Evangelho de hoje é a própria essência do cristianismo: o Evangelho de Jesus é a "boa nova", é o anúncio da misericórdia derramada sobre o universo, e é uma misericórdia infinita. Deus é o que Ele é, Ele não muda, e Ele é, portanto, para todos, sempre, misericórdia sem limites. Onde está, então, o limite desta misericórdia? Logicamente, no sentimento que temos da necessidade de perdão de Deus: tanto recebemos de Deus quanto acreditamos receber, e nada mais. E esperamos receber apenas na medida em que nos sentimos carentes. A melhor condição do homem é, portanto, a de quem se sente mais pecador e no sentimento de seu próprio pecado se abre com maior confiança a esta misericórdia de Deus.
Existem, portanto, duas condições para entrar neste relacionamento com Deus: o sentimento do nosso pecado; o reconhecimento da Sua misericórdia.
É por isso que todo o povo oriental, especialmente o monaquismo, sintetiza toda a vida espiritual no que se chama a "oração de Jesus": "Jesus Cristo Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador". São os dois abismos que são chamados, como diz o salmo: "O abismo chama o abismo", ou seja, o abismo da nossa pobreza chama o abismo da misericórdia de Deus. Há uma correspondência entre o homem e Deus, mas a correspondência entre o homem e Deus é misericórdia, surge precisamente do vazio que deve ser preenchido pelo Todo divino; e Deus se faz presente a uma alma não segundo o que Ele é, mas segundo o que a alma sente de si mesma e sente de Deus. Devemos sentir que somos pecadores; sem o sentimento do nosso pecado somos excluídos da redenção, porque a nossa salvação deve ser a redenção. E o que significa redimir? Em latim significa "para comprar de volta". Nós pertencemos a Deus, mas o mundo tem hipotecas sobre nós. Se temos sentimentos de vaidade, amor-próprio, orgulho, sensualidade, é um sinal de que o mundo tomou posse de nós. Isto é o que Clemente Alexandrian disse no século II: "As paixões do homem são os estigmas do diabo", ele quis dizer que elas são como um sinal de pertencer ao maligno.
Agora, se há esses sentimentos em nós, eles nos dizem o que somos para Deus. E nós devemos senti-lo, e devemos vivê-lo, precisamente porque o sentimento do nosso pecado é a primeira condição para entrar em relação com o Senhor, porque Ele é o Redentor, Ele é Aquele que "nos compra de volta". Nós éramos de Deus, mas agora nos desapegamos Dele, pelo menos em parte, e pertencemos a este mundo; portanto, Deus deve nos afastar do poder que este mundo tem sobre nós, do poder que o Maligno t 


Ainda ontem eu estava lendo a vontade de São Leonardo Murialdo; vocês sabem que em sua infância ele cometeu muitos pecados, ele o diz em suas "Confissões", pecados tais que ele renunciou até mesmo ao paraíso. "Manda-me para o inferno, mas eu quero fazer o meu melhor!" disse ele. Bem, ele diz nas últimas linhas da sua vontade: "Não sei, meu Senhor, se esta minha vida morna, na qual nada vos dei, não é pior e mais ímpia do que a minha infância". 

Porque é que ele disse isso? Porque quanto mais santo é, mais ele sabe quão pobre é a sua resposta ao Senhor. E assim, quantas vezes devemos dizer que a nossa esperança é uma falsa esperança, não é uma esperança teológica. Afinal, esperamos, no que fizemos ou fazemos, no que somos ou queremos ser, e não esperamos em Deus. A nossa verdadeira esperança, ao invés, repousa apenas nesta infinita misericórdia, porque quanto mais crescemos verdadeiramente, se crescemos em santidade, mais (e esta é a prova de que realmente crescemos), mais sentimos a nossa miséria, mais conscientes estamos do nosso desamparo.

 Os dois sentimentos devem, portanto, ir sempre juntos: sentir o nosso pecado e reconhecer esta infinita misericórdia, e render-se a esta infinita misericórdia. Se te abandonas à misericórdia sem teres o sentimento do teu pecado já não é abandono: parece que Deus te deve algo, é como esperar por uma recompensa, uma recompensa pelo que fazes ou pelo que és. Não penses numa recompensa! O conceito de recompensa, o conceito de mérito também são conceitos verdadeiros se pensarmos de certa forma, mas são conceitos que desviam verdadeiramente a alma do seu verdadeiro estado de criatura que aceita ser amada por nada e que se rende a esse amor gratuito e imenso de Deus.

Por outro lado, o sentimento de pecado sem o reconhecimento da misericórdia seria o desespero nú. O que o mundo pode esperar hoje? A única coisa que pode esperar é que não haja guerra, como se a guerra fosse o pior dos males; mas uma bomba atómica não causaria tantas mortes como a lei do aborto! No entanto, ninguém pensa quantas mortes esta lei traz. Quem sente o drama de todas estas vidas destruídas? Ninguém. Nós somos totalmente surdos. Mas este é verdadeiramente um dos grandes males do mundo de hoje, e quanto mais continuamos, mais os males parecem crescer: pensa-se na eutanásia; e então, será que vai acabar aí?

 Eu estava lendo outro dia que na China a lei quer que o casal tenha apenas um filho, e como na China persiste a idéia de que é o macho que continua a família, porque é o macho que cuida de honrar os antepassados, o que acontece? Que se o primogénito for uma menina, a família providenciará para a reprimir. Pense um pouco: primeiro o pecado de ter um único filho, e depois o fato desta supressão, que já começa a preocupar os governantes porque estes filhos quando crescerem não terão esposas. Estas são coisas terríveis! Esta é a situação no mundo. Sim, é verdade que não há guerra, mas o que é esta vida no mundo de hoje? Onde vamos parar?

Este é o pecado, o pecado não só dos indivíduos, mas o pecado estrutural de uma sociedade, de um mundo que está tudo sob o maligno. As palavras que São João diz na Primeira Carta, "Todo o mundo está sob o Maligno", nunca foram tão verdadeiras como hoje; no entanto, o mundo não se dá conta disso. Parece mesmo desespero. Como é possível a salvação deste mundo? Quem pode mudar a face de um mundo que é tão dominado pelo mal?

E aqui está o que o Papa escreveu em " Ricos na Misericórdia". Para mim não escreveu uma página mais bela do que o final desta Encíclica, porque há este apelo, esta abertura deste homem que é responsável pela salvação do mundo porque é Vigário de Cristo, esta abertura da sua alma para invocar uma misericórdia divina que finalmente renova a face da terra. Porque o mal do mundo é grande, mas a misericórdia de Deus é infinita, e nós realmente precisamos de uma esperança imensa para que possamos esperar ter salvação, salvação para cada um de nós, salvação para todos os homens, salvação para este mundo; para ter uma visão clara de um mundo que está no mal e, ao mesmo tempo, para ter consciência da infinita misericórdia de Deus. Estes são os dois pontos que devemos ter sempre em mente na nossa vida interior, para nós e para todos. Não minimizemos nosso pecado, nossa responsabilidade, mas também não minimizemos a infinita misericórdia de Deus; não façamos este ultraje a um Deus que, por nosso amor, quis morrer na cruz.

Por isso entendemos as palavras de Jesus que nos diz hoje no Evangelho: "Não vim para os sãos, mas para os doentes". O médico não vai aos sãos, mas aos doentes; se queremos que o Senhor esteja perto de nós, ele deve descer às nossas casas, às nossas almas, tal como desceu à casa de Levi, que mais tarde se tornou seu apóstolo. 

Vamos abrir a nossa casa! Ou seja, num sentimento vivo do nosso pecado, abramo-nos à infinita misericórdia de Deus, para que Deus desça em nós, seja Ele a nossa esperança, seja Ele a nossa paz, seja Ele a nossa salvação, seja Ele a nossa liberdade. Vedes, parece que Deus se compraz em fazer as maiores maravilhas do Seu amor precisamente levantando do abismo mais profundo as almas que Ele prefere: Maria Madalena, Mateus, e depois Paulo, e depois Agostinho. E se isto for verdade para os indivíduos, também será verdade para o mundo. Nós ultrajaríamos a Deus se pensássemos que este mundo deve estar perdido, porque Ele é o Salvador do mundo.

Mas quem pode salvar este mundo se não nós, que tomamos consciência do seu mal e imploramos por este mundo que caiu no mal o perdão divino e a misericórdia de Deus? Compreendamos, isto é, que se somos consagrados numa Comunidade e, ao consagrar-nos, pedimos à Virgem que nos faça "n'Ele e para Ele salvadores do mundo e reveladores do Pai", devemos compreender que devemos levar esta humanidade a Deus, para nos sentirmos responsáveis por esta salvação universal, que será tanto mais real quanto mais clara for a visão deste mal em fúria crescer em nós e, ao mesmo tempo, certa esperança, confiança absoluta, abandono perfeito à misericórdia de Deus.


O que te estou a perguntar de uma determinada forma esta noite? Uma coisa muito simples: levantarei o Corpo de Cristo como quando foi levantado na Cruz pelos judeus; levantarei o Sangue de Cristo derramado para a salvação do mundo: nesse ato que faço, recordemos que Deus salvou o mundo, que com esse ato eu faço, essa salvação se torna real, isto é, é aplicada aos homens. 


 Pois quando Jesus subiu na cruz e derramou o Seu sangue, no primeiro ato Ele redimiu os homens, mas no segundo ato Ele não os redime sem o consentimento deles. Agora cada um de nós, na medida em que está em Cristo, não representa apenas a si mesmo; recordemos que cada um de nós pode verdadeiramente ser a alma do mundo, pode verdadeiramente ser o coração do universo. Olha, Teresa do Menino Jesus conseguiu ser padroeira das missões, mesmo sendo uma freira pobre. Então nós também, mas devemos ser mais do que Santa Teresa, porquê? Porque, salvadores do mundo, devemos acolher toda esta humanidade perdida e levá-la nas nossas mãos a Deus. Enquanto se eleva o cálice, enquanto se eleva o Corpo e o Sangue de Cristo, apresentamos todas as almas, toda a humanidade, os pecadores mais endurecidos, aqueles que estão mais afastados de Deus, aqueles que o traíram, aqueles que apostataram da fé, aqueles que o combatem: levantemo-nos todos para o Pai, para que Deus tenha misericórdia de todos.

A piedade e misericórdia de Deus é tal que, embora Ele não possa dar a essas almas o perdão sem o arrependimento delas, Ele pode dar-lhes o arrependimento. Lembras-te do que Ezequiel disse? "Eu converterei os seus corações e eles arrepender-se-ão." Ele pode, portanto, trabalhar nesta humanidade para que possa voltar para Ele, para que se arrependa e seja perdoado: eis que devemos pedir isto, primeiro para nós, mas depois para todos os nossos irmãos e irmãs, para todo o universo, para toda a humanidade: que o Senhor converta os corações dos homens, os abra ao arrependimento sincero e renove a face da terra: "Renovabis faciem terrae!

Nossa Senhora também prometeu isto; mas será que o Senhor o fará sem nós? O problema é este. Isto é: é possível que Deus agora faça algo sem o homem? Não, já que Deus escolheu a humanidade de Jesus para a salvação da humanidade, esta lei permanece firme para sempre.

Agora a humanidade de Cristo já não sofre, a humanidade de Cristo já não vive esta participação numa paixão; nós a vivemos, em nós a paixão de Cristo continua, em nós a oração de Jesus que disse, morrendo na cruz: "Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que fazem". Agora devemos assumir o pecado dos nossos irmãos para obter de Deus não só o perdão para nós, o arrependimento para nós, mas o arrependimento e o perdão para todos os homens.

E então acontecerá o que Nossa Senhora anunciou na Iugoslávia, porque Nossa Senhora anunciou isto: que a Igreja será renovada e os homens viverão a sua fé cristã e a sua adesão a Deus como nos tempos mais belos da Igreja santa. Parece impossível, parece um facto completamente inimaginável e, no entanto, Nossa Senhora disse-o. Mas ela não o fará sem nós; somos nós que devemos levar estas almas ao Senhor, para que Ele tenha piedade delas. Que o sentimento deste imenso pecado, desta imensa ruína da humanidade esteja verdadeiramente vivo em nós, porque é na mesma medida que teremos este sentimento que então poderemos implorar na esperança e na misericórdia divina este perdão, esta renovação do mundo.

Eis, meus queridos irmãos, o que o Senhor nos pede nesta Quaresma. Cristo assumiu o pecado do mundo, Cristo vive agora em mim para assumir o pecado deste mundo; devo estar verdadeiramente consciente, plenamente consciente deste mal; e porque somos solidários com este mundo, por todo este mundo pedimos misericórdia, por toda esta humanidade imploramos o perdão divino, e estamos certos de que uma gota do sangue de Cristo é suficiente para salvar mil mundos. Lembras-te do "adoro-te devotamente"? Uma gota de sangue pode livrar o mundo de toda a maldade e de todos os pecados. Levantaremos o cálice do sangue de Jesus: que o Pai o veja e tenha piedade dos homens, de nós e de todos os nossos irmãos e irmãs.

Primeira meditação às 9:00 da manhã.

Gostaria de dizer algumas palavras para sublinhar a importância para a Comunidade de Biella da entrada do primeiro casal casado no aspirantado. É um acontecimento importante, porque não só enriquece em número a Comunidade de Biella, mas a enriquece de modo particular, precisamente em relação àquilo que é a verdadeira fisionomia da nossa Comunidade, que deve expressar a capacidade cristã de transfigurar não só todas as situações, mas todos os estados de vida; e o estado de vida que é o mais universal entre os homens é precisamente o matrimônio. Portanto, se não curarmos, se não transfigurarmos este instituto, é inútil esperar uma renovação do mundo, para a salvação dos homens.


É evidente que a vida familiar necessita sempre de apoio e também de um ideal que possa ser encarnado pelas almas que renunciarão à alegria da família, que renunciarão aos instintos fundamentais da nossa natureza para viver a vida contemplativa, a solidão, uma vida de oração; mas depois são os cônjuges, depois são as famílias que verdadeiramente constituem o eixo de toda a humanidade.

Portanto, a santificação da família como tal é imposta à nossa Comunidade como um dos seus objectivos fundamentais. Se vocês fossem apenas pessoas com votos, aqueles que vivem comprometidos com a vida familiar no mundo logo os marginalizariam: "Vocês escolheram uma vida que no fundo os relega às margens da verdadeira vida humana, eles diriam, fiquem em paz e nos deixem em paz". Poder-se-ia viver duas vidas sem qualquer osmose, sem qualquer encontro, enquanto o que sempre dissemos é precisamente isto: vemos uma transfiguração de toda a humanidade, que tende para um único caminho, para esta vida de transfiguração em Deus, para aquilo que é a salvação escatológica que se propõe como meta última para todos. Se isto é verdade, deve haver verdadeiramente uma profunda comunhão entre aqueles que estão mais enraizados na vida da natureza e aqueles que, num esforço contínuo de ascese, se propõem tender directamente para Deus numa renúncia mesmo àquilo que é a raiz da vida humana: a família, o amor sensível, o compromisso social.

Portanto, se queremos que toda esta humanidade se esforce pela perfeição, a Comunidade deve ter em seu seio famílias e almas consagradas em votos, assim como as que viverão em solidão, em contínua oração, o seu dom ao Senhor; e todas estas formas de vida, sem se dividir entre elas, mas numa comunhão profunda, porque a meta de todos permanece sempre una e é Deus, e é a liberdade da alma em perfeita caridade, e é esta transfiguração de todo o universo que Deus, na Encarnação do Verbo, quis assumir para carregá-lo no seu próprio seio.

Dito isto, entendemos porque hoje a Comunidade de Biella também precisava desta presença. E creio que esta presença será boa para todos vós; sentir-vos-eis mais comprometidos com um mundo que parece tão estranho às vossas intenções, à vossa vida, à vossa espiritualidade, enquanto esta presença renovará o vosso compromisso de consagração, não só para a vossa santificação, mas para a salvação de toda a criação de Deus. Para os casais, por outro lado, a sua união contigo é importante precisamente porque aqueles que vivem no matrimónio podem sentir-se mais tentados a ficar por aí; precisamente pela sua beleza e grandeza, a vida familiar tende a tornar-se algo fechado, como se a alma tivesse alcançado o seu bem último na família e pedido a Deus apenas para manter esse bem. Não vai mais longe, e é uma certa idolatria do amor natural, do amor humano, enquanto o amor humano deve ser uma força que empurra o noivo, a noiva e os filhos para um caminho ascendente. Em vez disso, muitas vezes torna-se estático, e de facto é difícil no casamento manter esta tensão para uma ascensão cada vez mais pura da nossa alma para a liberdade divina. Daí a necessidade de que a vida familiar seja sustentada e levada adiante também pelo exemplo da oração, também pela presença de outras rimas que na renúncia a esta mesma vida familiar já não os impedem de ascender ao Senhor.

Era isto que eu queria dizer para sublinhar a importância deste dia para a Comunidade de Biella: a entrada do primeiro casal, duas almas verdadeiramente abertas, verdadeiramente esticadas para um ideal, eu diria estimuladas por uma graça divina que as empurra sempre mais longe, para um Deus que nos transcende sempre verdadeiramente.



E agora começamos o nosso retiro.

Hoje celebramos o primeiro domingo da Quaresma. No primeiro domingo da Quaresma há o Evangelho da tentação, que certamente tem uma importância excepcional na economia de todo o Evangelho. Qual era a vida de Jesus? Qual foi a própria missão que Jesus realizou no mundo? São Paulo o diz na Carta aos Colossenses: a batalha contra os poderes. Hoje você ri para dizer essas coisas, você não acredita mais no diabo, não é? São poucos os que querem acreditar nisso; em vez disso, o Evangelho coloca no centro de todo o mistério cristão precisamente isto: o mistério da batalha de Cristo contra as potências.


Se quiséssemos falar como muitos outros (mesmo os teólogos de certa maneira) diríamos que o diabo é apenas uma figura mítica que representa as tentações próprias da criação humana, aquela força de inércia que traz o homem de volta àquele nada do qual ele foi atraído da palavra de Deus. Mas se pensássemos assim, o Evangelho não faria mais sentido, porque Jesus, que era o Filho de Deus, certamente não tinha que lutar em sua natureza contra forças que se opunham a Deus. Se a vida de Jesus foi realmente uma tentação, uma luta e uma vitória, contra quem Ele lutou? Contra Ele mesmo? Sobre quem Ele viveu uma vitória? Sobre Ele mesmo? 

Então significa que ele não era Deus, significa que também ele, como simples criatura, podia verdadeiramente sentir em sua natureza todo o peso, todos os limites próprios da criatura como tal, que para si, por força da inércia, depende do nada do qual nada foi tirado da omnipotente palavra de Deus. Ou seja, se negássemos a realidade atual do diabo, o Evangelho não faria mais sentido; o Evangelho seria puro moralismo, mais ou menos nobre, mais ou menos habilidoso, mas nada mais.

Mas o estranho é o seguinte: que aqueles que hoje negaram o diabo o reafirmem. Se você tomar certos escritores menos cristãos ou pessoas que nunca professaram o cristianismo ou outros que foram adversários do cristianismo até o fim da vida, como o poeta Alberti, você vê que a presença de anjos - do "anjo negro", por exemplo, em Montale - é dominante. Ou seja, as pessoas de hoje percebem que há como que uma força misteriosa, uma presença misteriosa, arcana e medrosa na vida do mundo.

A história do mundo não se explica apenas por causas naturais, assim como a vida de cada um de nós, as provações, as dificuldades que encontramos, não se explicam por causas naturais. Verdadeiramente, não há explicação no plano da natureza, do que é a nossa vida aqui em baixo, do que é a história da humanidade.

Mas voltemos ao Evangelho de hoje. Vemos que esta presença é dominante não só de Cristo, mas do diabo. No Evangelho isto é concebido como um confronto do poder do bem - Cristo - com o poder do mal: estas obsessões contínuas, estas possessões do diabo que muitos exegetas pensam que devem interpretar como simples doenças. Também são doenças, mas mesmo as doenças são trazidas do Evangelho para uma origem que não é natural. E que a origem da doença não é natural é também afirmada no Quarto Evangelho, onde parece claramente que a doença é um efeito do pecado; e se é o efeito do pecado, não é um facto puramente moral. Na verdade, através do pecado, o homem tornou-se escravo de poderes hostis, de poderes malignos.

Temos de perceber que a natureza não é autónoma. Não há autonomia no homem, o homem é dependente de Deus, é uma criatura; se ele se afasta da dependência de Deus, cai na escravidão do mal, não há neutralidade. E o cristianismo, eu dizia antes, é concebido pelo Evangelho como um confronto entre essas duas forças, e a vida cristã é sempre concebida, na tradição cristã, como uma batalha. Você tem em mente um dos escritos da espiritualidade cristã que foi de grande eficácia em toda a espiritualidade não só da Itália, mas de toda a Igreja, "O Combate Espiritual" por Scrupoli? O tema do combate é sempre dominante, a vida aqui em baixo é sempre um combate. De Jó a Santo Inácio de Lojola e muitos outros, sempre se pode ver este confronto. E este confronto é também o tema dominante do Evangelho.

Dizia-se antes que, se lermos o Evangelho com os olhos de um racionalista, estamos perante uma linguagem completamente ridícula: sempre estes obcecados, o diabo que sai, o diabo que fala... Não é nada disso! Você nunca o encontrou, provavelmente, e ao invés disso ele está sempre aqui, sempre vivo, sempre trabalhando; ele realmente quer que haja essa luta, diz o Evangelho hoje. E devemos colocar este Evangelho em relação ao dos últimos dias de Jesus, da Paixão de Cristo, para compreender que o Evangelho tem uma admirável unidade de desígnio e de doutrina que se exprime precisamente no tema de uma luta: começa-se a luta com tentações e termina com a aparente vitória do Maligno, mas de facto com a vitória do bem através da Morte na Cruz.


Na primeira tentação, o Maligno tenta fazer de si mesmo escravo daquele que, em vez disso, teve que derrotá-lo. A tentação é o início da vida cristã. No final, o que há? Uma paixão e uma morte. É terrível, você sabe! O que é que isso significa? Significa que a nossa vitória significa exclusão num mundo governado pelo mal. No final da vida, porém, Jesus não é mais tentado, ele é como que abandonado ao poder do mal, e o mal se enfurece sobre ele, atingindo-o precisamente naquelas três formas que são as próprias forças da posse do Maligno sobre o homem. Quais são essas três forças com as quais o diabo domina a humanidade? Eles são a tripla concupiscência. Jesus conquista a tripla concupiscência. Primeiro: "Que estas pedras se tornem pão", e é gozo físico, e é o resto do corpo, e é sensualidade, vencida em Jesus flagelado, coroado de espinhos, crucificado. Em ultraje, em humilhação, em Jesus tratado como um rei da zombaria, como um louco, como o último, "eu sou um verme, não um homem", o poder do orgulho, a afirmação do eu, a "luxúria dos olhos" como um poder pelo qual o homem se manifesta mais do que o homem, é superado. 

Ele é vencido na sua recusa aos crucificadores que zombam dele - "Se tu és o Filho de Deus, desce da cruz" - para realizar o milagre, ele vence o abandono a um Deus silencioso; "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?", fidelidade a Deus na suprema desolação do espírito, neste supremo abandono que Ele vive pelo Pai. À tríplice concupiscência responde a recusa total numa fé absoluta em Deus, num abandono total à vontade divina. Vedes, pois, como a tríplice tentação do início da vida pública de Jesus é respondida pela sua paixão; e é esta resposta uma rejeição absoluta de tudo o que a tentação poderia propor à humanidade de Jesus como uma afirmação de si mesmo, como uma vitória do egoísmo humano sobre as exigências de Deus.

Agora vemos como Jesus viveu, porque Ele é a causa exemplar da nossa santificação: o que Ele viveu nos é proposto como modelo, mas se Ele se propõe a nós como modelo, devemos ver como Ele viveu.

Jesus tornou-se homem. Isto não nos preocuparia diretamente, ainda que continue sendo um grande mistério, se Ele não tivesse assumido a nossa natureza humana, que é responsável. O que significa "responsável"? Possível significa que ele pode sofrer uma paixão. A natureza de Jesus era responsável, porque podia ser esbofeteado, porque podia sentir fome, sede; mesmo o desejo de uma certa auto-afirmação, esse instinto pelo qual todos querem ser algo; Ele queria assumir a nossa natureza responsável e precisamente porque era responsável o diabo podia encontrar nele um motivo para o tentar.

E agora Jesus ainda pode ser tentado? Não, porque ele não vive mais em sua natureza passiva; depois que ele ressuscitou dos mortos o diabo não tem mais nenhum poder sobre ele. É terrível o que diz o Evangelho: "o diabo o trouxe..."; o Maligno tem poder sobre a humanidade de Jesus, para que a humanidade de Jesus esteja à mercê desse poder satânico. Certamente, o diabo não entra nas profundezas da sua alma, certamente, o cume da sua alma permanece fiel ao Pai, mas na sua natureza responsável ele poderia ser tentado. Aqui está a primeira coisa que devemos ver em Jesus. Muitas vezes, falando de Nosso Senhor, nós o fazemos muito diferente de nós. Certamente Ele não pecou, mas é certo que Ele foi tentado assim como nós somos tentados, porque tendo uma natureza passiva Ele sentiu não só fome, sede, etc., mas também a necessidade de afeto. Certamente Ele também sentiu a tentação de um amor humano, que também poderia afastá-lo da vontade divina: Ele era um homem como nós, em tudo igual a nós, exceto no pecado.

Tu que és mulher deves ter sentido o desejo de casar, de poder amar outra criatura e encontrar nesse amor a tua plenitude humana, porque o amor humano realmente nos completa e nos aperfeiçoa; se não o sentisses, não serias mulher. Jesus também sentiu isso, sem dúvida. Para Ele foi tentação porque o afastou da sua missão, como seria para um sacerdote, uma freira, um contemplativo, porque evidentemente a resposta a esta missão implica também fugir às exigências da natureza. Jesus não podia nem devia casar-se precisamente porque tinha de estar ao serviço exclusivo da vontade do Pai; mas, se não tivesse sentido esse impulso, não teria sido um homem, não O encontraria igual a mim. Quando o diabo diz "Converta estas pedras em pão", não significa apenas fazer um milagre que pode ser qualquer tipo de disparate; implica realmente a libertação desse instinto que leva o homem a encontrar descanso no amor humano, numa vida que responde à necessidade mais comum da nossa natureza sensível: comer, viver uma relação emocional plena, tudo isto. E é verdade também para nós: é uma tentação, porque quantas pessoas em vez de Deus preferem uma mulher pequena ou talvez duas mulheres pequenas! É assim que as coisas são. Quantos, em vez de Deus, descansam no amor humano, que só deve ser uma ajuda e depois tender para Deus; não nos deve deter, se nos detém é o fim da vida espiritual.

Por isso, disse antes, o casamento destes dois que hoje entram no aspirantado é bonito, porque não se fecharam para se olharem um ao outro, mas vão juntos em direção ao Senhor. Esta é a beleza do casamento: fracos como somos, também precisamos de apoio, porque não podemos fazê-lo sozinhos, mas se o casamento nos fecha, é o fim da vida espiritual. "O que é que o nosso Senhor nos está a fazer? Estamos bem sem Ele". Não é isso que a maioria dos homens pensa? E o que acontece depois? Acontece que quando o casamento já não satisfaz uma pessoa se separa e leva outra mulher ou outro homem.


É a primeira tentação de parar, porque, naturalmente, o instinto é dado por Deus, mas, em obediência a Deus, o próprio instinto se torna uma força que o eleva. Se em vez disso te abandonares ao instinto e não viveres a vida instintiva em ordem de vida.

  Se, por outro lado, você se abandona ao instinto e não vive a vida instintiva para a vida espiritual, a vida espiritual se enfraquece e você descansa no seu instinto. Aqui está então esta humanidade que pára; e aqui está o que está acontecendo constantemente no mundo: os homens não vão mais à igreja, as mulheres têm que pensar na família, há crianças para cuidar, elas não sentem mais a necessidade. É terrível, porque acontece como uma idolatria: o que é um meio de relacionamento, o que é um caminho de purificação, de transfiguração do ser, torna-se antes um fim.

Jesus sentiu isto. Já pensaste que ele o sentiu? Ele era um homem como eu, queria encarnar-se, queria assumir uma natureza humana em tudo igual à minha, exceto no pecado, mas não é pecado sentir a necessidade de afeto, sentir fome, sentir-se bem com a perna para cima e não para baixo. É fácil para a nossa natureza sensível descansar no que é proporcional a ela e não devemos repudiar estas coisas, mas devemos senti-las como um meio, porque o fim da vida permanece sempre Deus, o fim da vida é sempre uma vida após a morte. Estamos todos a caminho, ainda não atingimos a meta; se a tivéssemos atingido seria uma ruína: aos vinte anos de idade tudo teria sido alcançado e então veríamos a vida chegar gradualmente ao fim, e não viveríamos nada além dos arrependimentos indefesos de uma juventude que se aproxima do seu fim. Porque, quando tiveres oitenta anos, já não serás como és agora, mas se for um caminho que não vais em direcção ao mínimo, mas ao máximo. Claro que há uma purificação, claro que haverá uma transfiguração do ser, mas há um caminho para Deus e Deus é o Infinito. Não há parábola descendente para o homem; no nível da natureza humana há uma decadência, mas a decadência da nossa corporeidade é a preparação, é a semente lançada no subsolo que morre, mas deve florescer. A nossa vida tende a um mais, não a um menos, nunca há um menos.

Nosso Senhor também sentiu, como todos nós, essa necessidade de afirmar-nos, de afirmar-nos, porque para cada um de nós o próprio fato de sermos, o próprio fato de vivermos, determina um apego ao ser e ao viver. Apego que implica uma defesa, antes de tudo contra o que ameaça, não só a nossa vida física, mas a nossa grandeza e dignidade moral; queremos afirmar-nos, queremos ser algo, alguém. Sente-se humilhação, muitas vezes, mesmo no trabalho, se não reconheceram o que você fez, se não o promoveram como, segundo a justiça, deveriam tê-lo promovido; é natural para todos, é uma exigência da nossa natureza nos afirmarmos. Mas mesmo aqui há o perigo da idolatria. Jesus também podia sentir isso, tanto mais que a sua missão o levou a ser o salvador do mundo; ele estava consciente de que tinha essa missão do Pai, para poder sentir a necessidade de se afirmar, para que a sua missão fosse mais eficaz.


Conhece o profeta Zacarias? Na última parte de seu livro ele fala do Messias e diz que precisamente ele entraria em Jerusalém sobre uma mula branca, como Jesus entra, porque a mula branca representa o triunfo messiânico. Também Absalão, quando é proclamado rei em Edom, vem com a mula, em triunfo, para ser coroado. Agora, o que dizem os irmãos a Jesus? "Se você é o que diz ser, vá ao banquete." Era a Festa das Cabanas, e naquela ocasião, segundo Zacarias, haveria a proclamação, o reconhecimento do Messias. "Mostra-te publicamente", dizem eles; e Jesus diz: "Esta ainda não é a minha hora". Ele recusa-se. Mas é óbvio, é impossível para o mundo pensar que se pode ser um salvador mundial, um rei messiânico, e viver como um trabalhador, como qualquer mendigo que anda pelas ruas da Palestina sem sequer ter onde colocar a cabeça. Aqui está a tentação de ter esta manifestação de sua grandeza. Jesus teve que senti-lo porque, humanamente falando, para realizar uma grande missão, exige-se também poderes, capacidades que se manifestam na vida social, na vida civil, exige-se o solene reconhecimento público da humanidade. A tentação tinha de estar ali e Jesus sentiu-o, porque Ele não era apenas um rei, era um rei messiânico, isto é, um instrumento de Deus; Deus tinha-o escolhido. Até Hitler se sentiu escolhido pelo destino - Deus não existia para ele - sentiu-se chamado para quem sabe que grandes coisas, para renovar o universo; até César se sentiu chamado pelo destino, sentiu-se predestinado a grandes coisas. Assim Jesus: Jesus estava certo de que o Pai o tinha escolhido e o Pai tinha de o defender. Os judeus dizem aos pés da cruz: "Se tu és o Filho de Deus que desce da cruz, então nós acreditaremos em ti". Mas Jesus não fez Deus servir a sua vida, ele não instrumentalizou Deus. Ele viverá a vontade divina na pura renúncia de toda autodefesa. Não só isso, mas em vez do milagre, o que viverá ele? "Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?"

Que milagre! É a suprema desolação, é a renúncia de toda defesa, toda proteção, para um abandono total a Deus, sem calmante.

Vedes, há uma correspondência entre tentação e paixão, mas na tentação há o rosto do maligno, que crê poder entrar na posse do Senhor como entrou na posse de todos os homens, através do pecado; na paixão, ao invés, vemos como a figura de Cristo emerge em pura vitória. A vitória de Cristo é a rejeição do mal e da tentação, é precisamente esta renúncia, é precisamente esta renúncia a tudo para viver a pura vontade de Deus. "Não o que eu quero, mas o que você quer", essa vontade pura, essa vontade absoluta, essa vontade que para Ele é a verdadeira morte.

Isto é o que o Evangelho nos quer dizer. A vida de Jesus foi este confronto. Ele, o homem perfeito, foi tentado toda a sua vida; toda a sua vida foi tentação. Tentação em todos os níveis do ser humano, de acordo com os instintos próprios da nossa natureza, que são instintos naturais.

É muito importante para nós considerarmos que Jesus não viveu uma vida diferente da nossa; ele viveu uma resposta diferente daquela que damos ao Senhor, mas não uma vida diferente. Devemos perceber que Nosso Senhor é o modelo de vida cristã, não só porque Ele foi tentado, mas também deve ser um modelo para nós porque Ele ganhou; e, portanto, uma meditação sobre a vida de Jesus porque Ele está lutando contra os poderes que se impõe a nós para entender que esta é a nossa vida e como devemos viver e como devemos lutar. Como disse antes, os instintos fundamentais da nossa natureza são sempre os mesmos, e nós, na Comunidade, devemos não só ter consciência destes instintos, mas perceber que para eles são coisas saudáveis, desejadas por Deus como meio de santificação, mas na realidade, depois do pecado, representam sempre um certo perigo. Devemos ter cuidado para que esses instintos não prevaleçam; devem estar a serviço da vontade, não dobrar a vontade a si mesmos; devem ser um meio para o nosso espírito, não escravizar o espírito, porque, como sabeis, o processo da alma para Deus é um processo de espiritualização, não pode ser um processo, como nos ensina Dante no Inferno, de uma imbestação. O que acontece no Dante's Inferno? Precisamente isto: o espírito humano, que se projeta cada vez mais para baixo, torna-se um escravo das potências sensíveis. Em vez disso, na vida espiritual esses instintos são forças que devem dar poder à vontade, que deve ter sempre primazia; mas o espírito humano deve ter primazia porque se submete a Deus; não porque se afirma, mas porque tende a Ele e vive a Sua vontade. Este é o caminho; os instintos servem esta vontade dirigida a Deus.

Os santos são passionais; se não fossem passionais, não seriam santos. Um pai do deserto disse: "Se eu não me tivesse dedicado a Deus, vinte mulheres não teriam sido suficientes para mim". E ele era um pai do deserto! Mas é verdade, o santo não poderia ser um santo se não fosse um passionista; os frígidos - diz Dante também - nem sequer são dignos de estar no inferno porque "nunca estiveram vivos", não podem ir nem para o céu nem para o inferno. O Apocalipse também o diz: "Porque tu não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca". É claro que os santos são seres apaixonados que nunca poderiam contentar-se com nada, mas por isso mesmo eles escolhem a Deus. Viver a vida espiritual não significa viver uma vida menos rica, menos poderosa, menos grande: significa viver uma vida imensamente mais poderosa, mais viva, mais forte do que uma vida humana, incluindo a daqueles que atingem as posições mais importantes na vida.

A vida religiosa não é menos, é mais, é apenas um "mais" que escapa à experiência natural, para que se possa acreditar que ele vive uma vida mais rica se ele tiver uma esposa, depois três ou quatro amantes, então ele vive uma vida desordenada... Não, eu não acredito que ele vive uma vida mais rica. Quão mais rica é a vida de uma verdadeira família cristã, o dom total de si mesmo ao outro que representa o dom de Cristo à Igreja e da Igreja a Cristo! E então, quanto maior, por exemplo, é a vida de Santa Teresa de Jesus! Você sabe que mesmo os ateus, mesmo os homens que eram muito contrários ao cristianismo, eram admirados pela vida desta santa, que viveu uma vida tão consumida pelo amor que não se compreende como ela viveu. Qual é a vida de amor que um homem ou uma mulher poderia viver para com estes santos? Pense em São Francisco que viveu esta dedicação a Deus de tal maneira que já não sentia necessidade de nada, nem de comer nem de dormir, a ponto de ser tomado por este amor. Quando dois cônjuges se amam, não sentem se são pobres ou ricos, no seu amor acham mais verdadeira a sua felicidade e a sua riqueza, e assim em tudo. A vida cristã não é um "menos", é um "mais" no nível espiritual.

Os instintos são, portanto, uma grande coisa, mas se eles respondem a essa vontade divina, se vivemos verdadeiramente na dependência de Deus, porque se não vivemos na dependência de Deus, o abandono aos instintos é uma prostituição da nossa natureza, é uma decadência do nosso ser, é uma humilhação do homem.

É isto que nos diz o Evangelho das tentações de Jesus; devemos sentir que nestes nossos três instintos há sempre uma solicitação para ascender a Deus ou, em vez disso, a tentação de decair, de escolher o bem sensível em vez do bem espiritual, de opor o bem sensível ao bem espiritual, de escolher a si mesmo em vez de Deus, de se afirmar contra Deus, ou de fingir que Deus serve ao seu orgulho. Mas se em vez disso te livras da tentação, que força é a tua violência de amor! A violência do instinto sexual torna-se uma força que te eleva de uma forma admirável para Deus. O instinto não é negado; em vez disso, o que o instinto quer é alcançado através da pura obediência a Deus.

O que Jesus diz no evangelho "Não vim para ser servido, mas para servir" não é apenas sobre os homens, é também sobre Seu Pai: Ele nunca exigiu que o Pai o servisse, nunca pediu milagres para si mesmo, mas serviu ao Pai e serviu a Ele de tal forma que todos os Seus poderes foram tão oprimidos, pisoteados, para servir a essa vontade divina.

Vejam, então, como o evangelho de hoje é importante para a vida cristã: diz-nos o que foi a vida de Jesus, o que Cristo foi como exemplo da nossa vida, e diz-nos também como devemos viver esta mesma vida como um modelo para a nossa própria vida.

Homilia às 11:00 da manhã.

O Evangelho das tentações de Jesus nos diz respeito de uma maneira muito especial, porque se o mistério cristão é a luta de Deus contra os poderes, e dos poderes do maligno contra Deus, é claro que essa luta não acontece no céu - o diabo não pode entrar no céu - mas acontece aqui na terra, e o campo de batalha é o coração do homem, de cada homem, é o mundo humano em geral.

Daí vem que devemos estar conscientes de que a vida cristã não é apenas um compromisso moral para sermos mais bons. Com demasiada frequência a vida religiosa é identificada com um compromisso moral. O compromisso moral está no nível da natureza, mas no nível da graça, no nível sobrenatural, devemos perceber que a realidade é muito diferente, ou pelo menos é mais profunda e dramática: é o choque entre o Maligno e Deus que se dá na pessoa, o lugar do combate, na pessoa do Filho de Deus, do qual somos o corpo. Deus em nós, portanto, continua o que é a essência do cristianismo: o mistério de Cristo, a batalha de Cristo contra o diabo e do diabo contra Deus.

Dito isto, uma nova visão do cristianismo se impõe a nós, porque uma visão moralista pode ser válida para um filósofo que não conhece a verdadeira realidade, mas para nós a verdadeira realidade é tentar escapar à sugestão do Maligno e viver nossa dependência de Deus e do Espírito Santo.

O que significa tudo isto? Significa que devemos ter uma percepção clara, clara, viva e dramática de que vivemos ou uma dependência do Espírito Santo que vive em nós, que nos inspira, que nos guia, que nos conduz, ou é o diabo que tem poder sobre nós, sobre nossa fantasia, nossa imaginação, nossos sentidos e, se permitirmos, também sobre nossa vontade. Se permitirmos, então há pecado; quando a nossa vontade depende do maligno, já há um estado de pecado. Contudo, mesmo quando não há pecado, nossa imaginação nunca é preservada de ser perturbada, influenciada pelo maligno, assim como os outros sentidos internos: fantasia, imaginação, sentimento. Estamos sempre mais ou menos sujeitos à ação do Maligno, e é terrível pensar assim! Nós acreditamos que vivemos as nossas vidas, acreditamos que somos livres, acreditamos que somos autónomos em tudo o que pensamos, em tudo o que sentimos e, em vez disso, nada! Ou dependemos de Deus e sofremos Sua ação, ou sem nos darmos conta, sofremos tantas vezes a ação do Maligno. E quando não nos damos conta, é mais fácil o nosso consentimento, o nosso abandono a certas sugestões, a certas imaginações que permitem não só a sensualidade, mas também o ódio, o ressentimento, a ambição, o orgulho.


Vós compreendeis como a vida cristã é dramática: só podeis agir porque Deus age em vós - abandono a Deus - ou porque o diabo age em vós - abandono ao diabo -. Para nos sentirmos escravos, esta é a situação do homem: escravos do Maligno ou escravos de Deus. Como vedes, fui dar o meu testemunho para a beatificação do Cardeal Dalla Costa: sabeis como se falou deste Cardeal? "O servo de Deus."  

Os instintos são, portanto, uma grande coisa, mas se eles respondem a essa vontade divina, se vivemos verdadeiramente na dependência de Deus, porque se não vivemos na dependência de Deus, o abandono aos instintos é uma prostituição da nossa natureza, é uma decadência do nosso ser, é uma humilhação do homem.

É isto que nos diz o Evangelho das tentações de Jesus; devemos sentir que nestes nossos três instintos há sempre uma solicitação para ascender a Deus ou, em vez disso, a tentação de decair, de escolher o bem sensível em vez do bem espiritual, de opor o bem sensível ao bem espiritual, de escolher a si mesmo em vez de Deus, de se afirmar contra Deus, ou de fingir que Deus serve ao seu orgulho. Mas se em vez disso te livras da tentação, que força é a tua violência de amor! A violência do instinto sexual torna-se uma força que te eleva de uma forma admirável para Deus. O instinto não é negado; em vez disso, o que o instinto quer é alcançado através da pura obediência a Deus.

O que Jesus diz no evangelho "Não vim para ser servido, mas para servir" não é apenas sobre os homens, é também sobre Seu Pai: Ele nunca exigiu que o Pai o servisse, nunca pediu milagres para si mesmo, mas serviu ao Pai e serviu a Ele de tal forma que todos os Seus poderes foram tão oprimidos, pisoteados, para servir a essa vontade divina.

Vejam, então, como o evangelho de hoje é importante para a vida cristã: diz-nos o que foi a vida de Jesus, o que Cristo foi como exemplo da nossa vida, e diz-nos também como devemos viver esta mesma vida como um modelo para a nossa própria vida.

Homilia às 11:00 da manhã.

O Evangelho das tentações de Jesus nos diz respeito de uma maneira muito especial, porque se o mistério cristão é a luta de Deus contra os poderes, e dos poderes do maligno contra Deus, é claro que essa luta não acontece no céu - o diabo não pode entrar no céu - mas acontece aqui na terra, e o campo de batalha é o coração do homem, de cada homem, é o mundo humano em geral.

Daí vem que devemos estar conscientes de que a vida cristã não é apenas um compromisso moral para sermos mais bons. Com demasiada frequência a vida religiosa é identificada com um compromisso moral. O compromisso moral está no nível da natureza, mas no nível da graça, no nível sobrenatural, devemos perceber que a realidade é muito diferente, ou pelo menos é mais profunda e dramática: é o choque entre o Maligno e Deus que se dá na pessoa, o lugar do combate, na pessoa do Filho de Deus, do qual somos o corpo. Deus em nós, portanto, continua o que é a essência do cristianismo: o mistério de Cristo, a batalha de Cristo contra o diabo e do diabo contra Deus.

Dito isto, uma nova visão do cristianismo se impõe a nós, porque uma visão moralista pode ser válida para um filósofo que não conhece a verdadeira realidade, mas para nós a verdadeira realidade é tentar escapar à sugestão do Maligno e viver nossa dependência de Deus e do Espírito Santo.

O que significa tudo isto? Significa que devemos ter uma percepção clara, clara, viva e dramática de que vivemos ou uma dependência do Espírito Santo que vive em nós, que nos inspira, que nos guia, que nos conduz, ou é o diabo que tem poder sobre nós, sobre nossa fantasia, nossa imaginação, nossos sentidos e, se permitirmos, também sobre nossa vontade. Se permitirmos, então há pecado; quando a nossa vontade depende do maligno, já há um estado de pecado. Contudo, mesmo quando não há pecado, nossa imaginação nunca é preservada de ser perturbada, influenciada pelo maligno, assim como os outros sentidos internos: fantasia, imaginação, sentimento. Estamos sempre mais ou menos sujeitos à ação do Maligno, e é terrível pensar assim! Nós acreditamos que vivemos as nossas vidas, acreditamos que somos livres, acreditamos que somos autónomos em tudo o que pensamos, em tudo o que sentimos e, em vez disso, nada! Ou dependemos de Deus e sofremos Sua ação, ou sem nos darmos conta, sofremos tantas vezes a ação do Maligno. E quando não nos damos conta, é mais fácil o nosso consentimento, o nosso abandono a certas sugestões, a certas imaginações que permitem não só a sensualidade, mas também o ódio, o ressentimento, a ambição, o orgulho.


Vós compreendeis como a vida cristã é dramática: só podeis agir porque Deus age em vós - abandono a Deus - ou porque o diabo age em vós - abandono ao diabo -. Para nos sentirmos escravos, esta é a situação do homem: escravos do Maligno ou escravos de Deus. Como vedes, fui dar o meu testemunho para a beatificação do Cardeal Dalla Costa: sabeis como se falou deste Cardeal? "O servo de Deus."   

  Cardeais são cardeais quando estão vivos, mas quando estão mortos o que resta é a sua dependência de Deus: "servos de Deus". Vós sois servos de Deus, eu sou servo de Deus na medida em que escapamos à escravidão do Maligno, porque nunca temos autonomia absoluta: ou estamos ao serviço de Deus ou estamos ao serviço do Maligno.

É o que nos ensina Santo Inácio de Lojola em seus "Exercícios Espirituais": a humanidade está dividida em duas: há o exército daqueles que estão a serviço de Deus, e Santo Inácio também nos diz quem são aqueles que estão a serviço de Deus: os mendigos, os humildes, os pobres, os que não contam para nada no mundo; depois há os que estão a serviço do maligno: os ricos, os poderosos, os orgulhosos, os que estão bem, os que acreditam ter o mundo nas mãos. Aqui entre vocês não há deputados ou presidentes, vocês são pessoas pobres, todos nós somos pessoas pobres. Estar ao serviço de Deus não significa fazer fortuna no mundo, nem no nível da riqueza nem no nível do poder. Sim, alguém talvez surja, mas é mau que surja, porque alguém que também pode ser um santo, se fizer dele um deputado também perde a fé, ou se não perder a fé, chega a compromissos com o poder político, com o poder económico e já não está seguro da sua fé.

O que era Jesus? Ele não era ninguém. Aos olhos dos homens do seu tempo, ele não era sacerdote, nem chefe da organização civil ou legal do Estado... quem era ele? Ele não tinha ninguém, não tinha família própria, tinha abandonado a sua mãe, e por isso estava sozinho. Ele era seguido por muitos, mas nem sequer era um escriba que tinha estado na escola dos sábios. No entanto, eles se perguntavam porque ele falava com autoridade. Aqueles que são verdadeiramente cristãos são mais ou menos sempre assim; no plano social não contam, mas contam no plano de Deus, porque dependem exclusivamente do Senhor. Não devemos acreditar que ser feliz significa ter assegurado a saúde, a vida, a riqueza, nada. Deus mesmo nos assegura: isso é o suficiente para nós. Não acreditamos que estar ao serviço de Deus significa ter um bom salário; nosso Senhor o dá, mas como podemos entender o salário do Senhor nesta humildade da nossa condição humana, neste silêncio em que Ele nos deixa? É compreendido em nossos corações, na alegria de nos sentirmos amados por Ele, em sentir que O estamos seguindo. "Eis que nós abandonamos todas as coisas e te seguimos": estes são os que estão no exército do Senhor. E isto é precisamente o que distingue a vida cristã. Não ser bom, ser bom é uma consequência; o que distingue o cristão é estar no seguimento de Cristo, é comunhão com Ele, sentir-se amado por Ele, é amá-lo e viver com Ele como os apóstolos: vêem-no e abandonam tudo, família, trabalho, são como fascinados, perderam o juízo! Mateus era um cobrador de impostos e, naquela época, os cobradores de impostos eram muito ricos: bem, ele deixou tudo para seguir esse Mestre que nem sequer tinha um lar; tendo seguido Jesus, ele perdeu toda a sua riqueza, não apenas, mas tinha a perspectiva de ser tratado como Jesus havia sido tratado e, de fato, Mateus também morreu como um mártir.

Olha para isto, sendo cristão! Não achas que é um bom cancelamento? Mas é isso que significa estar na companhia do Senhor. A única coisa que o Senhor nos garante é estar com Ele e que Ele está conosco; então Ele nos dará o que precisamos para viver esta comunhão com Ele, mas não mais. Não creia que no plano humano há muito a esperar, há que esperar o necessário, o que é um meio de seguir o Senhor; isto o Senhor nos dá, não o supérfluo e nos impede de caminhar; precisamos do Senhor para nos despir, para que possamos correr para Ele. O que não é um meio é um impedimento; é por isso que seguir Jesus não significa fazer uma fortuna no mundo. O que é que o diabo faz em vez disso? Ele nos tenta; ele nos tenta em riqueza, em prazer, em ambição. Ele é muito esperto em nos tentar: a um jovem bonito que tem muitas esperanças à sua frente promete riqueza, a outro promete sucesso humano, a outro promete uma vida confortável; e na medida em que o diabo promete estas coisas, o que é que o homem faz? Ele já não serve a Deus, mas coloca-se ao serviço da sua própria luxúria, da sua própria ambição, da sua própria ganância pelo poder.


Tens de ter cuidado, porque quando fores tentado e não buscares a Deus, mas estas coisas, o Senhor dar-te-á mais cedo ou mais tarde, porque se realmente o quiseres abandonar, Ele permite que o faças. Deus nos deixou a liberdade e nos pergunta: "O que você quer? "Sigam-me ou vão pela estrada larga que leva à perdição?". E se escolheres o caminho largo, isso leva-te à perdição, porque é uma vida de prazer, de riqueza, de ambição, de poder; e acreditas que és como eras antes, mas já não és como eras antes; acreditas que conseguiste quem sabe o quê, acreditas que a tua vida foi realmente bem sucedida, mas o que é isso?

  Você perdeu Deus, e o que você tem? Um punhado de moscas! Você abre a mão e o que você tem? Nada!

Recordemos o ensinamento de Santo Inácio de Lojola: devemos ter "tanto quanto" precisamos para seguir o Senhor. Evidentemente "tanto quanto" não é o mesmo para todos: para São Francisco significava não possuir nada, mas para São João Bosco "tanto quanto" significava ter todos os palácios porque os colocava a serviço de Deus, usando-os para a educação das crianças; eram um meio. Don Orione também tinha vilas e palácios por toda parte e era sua terrível dor ir e morrer em uma vila que ele havia doado para os nobres caídos; ele fez isso por obediência, mas ele queria morrer entre os pobres e os deserdados; essa teria sido sua alegria. Um dia, recebeu uma carta de um Cardeal amigo, dizendo: "Espero que Don Orione permaneça sempre Don Orione, que não se agarre à riqueza, ao sucesso". O amigo na verdade sabia que todos o queriam, que ele ia aqui e ali e temia que ele se apegasse ao dinheiro. Don Orione leu essa carta e riu e disse: "Sou rico e nem sequer tenho sapatos saudáveis!". E na verdade, ele só tinha um par de sapatos e não os levou para o sapateiro porque não sabia o que usar para sair. O dinheiro que ele recebeu era todo para os pobres.

"Tanto quanto": temos de compreender que esta é a vida cristã. Não se iluda, porque seguir Jesus significa ter Deus e Deus, você sabe bem disso, não é nada. O outro te dá tudo, desde que lhe dês a tua alma; ele te dá riqueza, ele te dá honras, ele te dá poder, mas tu deves dar-lhe a tua alma em troca. E este é o drama da vida aqui na terra: muitos são tentados e permitem-no, porque em nós há uma tripla concupiscência, ou seja, um certo desejo de estar bem, de ser rico, de ser honrado e de ter poder. O Maligno sabe nos levar com Sua arma, e quando, apesar de tudo, nosso Senhor nos preserva dessas tentações, muitas vezes não estamos felizes com isso; lamentamos não ser ricos, não ter poder, e não sabemos que dom Deus nos deu ao não nos dar o que teríamos desejado. Não percebemos isso porque transformamos o cristianismo em um fato moral e não vemos que o choque entre o bem e o mal é um drama. E o pior é que o mal não é mal para tudo, porque assim não o seguiríamos, é mal em relação a Deus, mas é bom, pelo menos um bem parcial, em relação à nossa natureza humana. De fato, no plano humano é melhor ser saudável do que doente, ser rico do que pobre, e é evidente que o maligno se agarra a esses ganchos, porque em nossa natureza há uma proteção natural, a aniquilação de si mesmo que ninguém quer, mas queremos um bem como alternativa a Deus; aqui está a tentação. Quando colocamos Deus e riqueza, Deus e prazer, Deus e poder na balança, nossa luxúria nos leva a escolher essas coisas em vez de Deus, porque somos criaturas humanas, por isso sentimos o instinto de estar bem e de afirmar nossa grandeza. Quantas vezes escolhemos poder em vez de Deus, riqueza em vez de Deus!

Precisamente por causa do pecado original, vivemos esta tríplice concupiscência que nos leva a considerar o sucesso mundano mais do que Deus; mas precisamente por isso devemos compreender que a tentação não é um fato estranho à vida humana, nem um fato pouco freqüente na vida do homem acima da terra. A Sagrada Escritura o diz: a vida do homem aqui na terra é uma luta constante. O Maligno não nos abandona tão facilmente, ele sempre usa seu poder sobre nossa imaginação, nossos desejos, nossos arrependimentos, para nos recuperar.

Meus queridos irmãos, como nos vamos salvar? Devemos perceber o que Jesus disse: "Isto é impossível para os homens, mas tudo é possível para Deus". Mas como vamos nos salvar? Só te peço uma coisa, e isso é o que o Senhor nos pediu: amar a Deus. Porque, veja, quando um menino ama uma menina perde a cabeça, é assim que é quando ele realmente ama a Deus, as outras coisas não contam, elas perdem o seu valor. E peço-vos apenas uma coisa: que Deus esteja vivo para vós, que Deus seja real para vós, para nós, para mim, porque também eu sou tentado, talvez mais do que vós, e preciso de compreender que a única coisa que me pode salvar é amar muito o Senhor. Precisamos do Senhor para cuidar mais de nós do que de todas as outras coisas: mais do que saúde, riqueza, sucesso mundano, mais do que amor humano. Deus, antes de mais nada, Deus acima de tudo.


Devemos aprender a amar a Deus, é tudo; aprender a amar a Deus, a viver verdadeiramente este amor por Ele de tal forma que em Deus encontremos todo o nosso bem, como diz o Salmo 72: "O meu bem é estar perto de Deus". Não tente ter consentimentos, para ser bem sucedido: apenas aderir a Deus, apenas união com Ele, isto é o mais importante, a coisa realmente importante.  

  Che cosa ce ne facciamo di tutte le altre cose quando non amiamo Dio, quando Dio non è il nostro bene? Questo soltanto ci libera dalle tentazioni, perché allora un amore più grande ci spoglia, ci libera dall'attaccamento alle cose presenti che possono sollecitare il nostro orgoglio e la nostra sensibilità, cioè gli istinti propri della concupiscenza, "la concupiscenza della carne, la concupiscenza degli occhi, la superbia della vita", come dice san Giovanni. Allora potremo, come san Francesco d'Assisi, trovare la perfetta letizia anche se ci bastonano, trovare la nostra gioia soltanto nell'essere di Dio, nell'appartenere a Lui, perché nulla potrebbe darci il mondo che possa paragonarsi al dono che Dio ci fa di Se stesso.

Vivere la nostra vita cristiana vuol dire questo, vuol dire vivere nell'intimità con Gesù, sentire che Gesù è con noi, sentire che Egli ci ama e noi a nostra volta riamarlo, vivere questa comunione di amore e non solo per noi ma anche per i nostri figli. Tante volte uno per sé rinunzia a tante cose, ma non vuole che vi rinunzino i figli; magari un genitore può accontentarsi anche di quello che è, ma sente di trionfare nel figlio che ha un buon successo, un buon impiego, un buono stipendio... No, figlioli! Desiderate per voi e per tutti quelli che amate, prima di tutto questa fedeltà al Signore, questo essere in Dio, essere con Lui. Se è vero per noi che il bene massimo è Dio, dobbiamo considerare anche che lo sia per quelli che amiamo, che veramente l'anima nostra trovi nell'amore di Dio l'antidoto ad ogni tentazione, che l'amore di Dio per noi ci salvi dal consentimento al male, e che l'amore di Dio sia talmente grande in noi, da desiderarlo anche per gli altri.

Vedete, vi parlo con semplicità, vi dico delle cose che sapete, però il saperle è una cosa e il viverle è un'altra. Io vi dico questo: non importa che facciate dei grandi discorsi e che ascoltiate tante parole, ma che io e voi siamo sinceri nello scegliere Dio. Infatti l'abbiamo scelto. Che cosa avete detto quando vi siete consacrati al Signore? "Cerco Dio solo". Abbiamo cercato Dio solo? Dio è veramente per noi tutta la ricchezza, tutto l'amore? Se lo è, ringraziamolo e chiediamogli che lo sia sempre di più. Le parole più grandi della Consacrazione sono queste: "Vuoi seguire Gesù fino alla morte di croce? - Lo voglio". Però anche in questo caso bisogna sapere dire di sì. Se lo seguiamo c'è Lui prima. Seguire non vuol dire andare avanti, vuol dire seguirlo, e allora penserà Lui a portarci, penserà Lui a darci la forza. Però che cosa abbiamo detto quando abbiamo detto queste parole? Abbiamo detto questo: che la nostra consacrazione a Dio implica una scelta assoluta di Dio nonostante tutto, attraverso tutto, indipendentemente da ogni successo: Lui solo.

Ecco in che modo noi ci salviamo dalla tentazione, perché quando scegliamo qualche altra cosa non scegliamo più Dio. "Voglio Dio, sì, ma anche quest'altro". Questo "altro" esclude Dio, perché non si può mettere l'Infinito accanto a qualche altra cosa; o la scelta di Dio è una scelta assoluta, o se no, non è la scelta di Dio, perché non puoi scegliere l'Infinito più non so che cosa. Quando si sceglie Dio si sceglie Lui solo. Non è che sia una grande rinunzia dire "scelgo Dio solo": se scegli Dio lo cerchi sempre, perché Egli è l'Unico; "Ascolta, Israele, il Signore e nostro Dio, il Signore è uno solo". Non c'è qualche altra cosa con Lui; in Lui sì, ma con Lui no, perché non si aggiunge mai nessuna cosa a Dio.

Ecco, bisogna vivere questo, viverlo in tutta umiltà, viverlo soprattutto con sincerità, senza illuderci dei propri sentimenti, ma guardando unicamente, sinceramente dentro di sé se veramente siamo sinceri; e se lo siamo ringraziamo il Signore, perché questa è la grazia più grande che Dio ci possa fare. Qualunque cosa il Signore ci doni, se non ci dona questo non ci ha donato nulla, perché non ci ha donato Se stesso. Ecco in che modo noi siamo i servi di Dio, in che modo noi viviamo il combattimento contro le potenze. Diceva san Gregorio Magno: "Se tu devi lottare (pensava ai lottatori antichi) non puoi farlo con i vestiti, i lottatori vanno nudi; bisogna essere liberi nei movimenti". Chi vuole combattere le battaglie di Dio bisogna che sia nudo, libero da tutti gli attaccamenti per attaccarsi a Dio solo.

Questo mi sembra che ci dica il Signore in questo Vangelo delle tentazioni di Gesù; sentire che tutta la nostra vita è questo combattimento, ma sentire che in questo combattimento noi vivremo questa liberazione da tutto quello che Dio non è. Bisogna essere disposti davvero a cercare Lui solo. Di fatto, quand'è che vediamo che Gesù ha riportato una vittoria definitiva sul maligno? Quando è stato spogliato di tutto, dell'affetto dei discepoli, della presenza del Padre, delle sue vesti, di tutto; e, martoriato, crocifisso, vilipeso, abbandonato dal Padre, ha potuto gridare nella sua solitudine estrema: "Dio mio, Dio mio perché mi hai abbandonato?" Allora ha vinto.

Diceva Dante Alighieri che l'unica cosa che ha seguito Gesù fin sulla croce è stata la povertà; l'unica, nemmeno la Madonna, perché la Madonna stette ai piedi della croce, ma la povertà salì con Lui. Ecco in che modo veramente noi possiamo seguire Gesù! attraverso questa povertà. Ed è in questa povertà che Gesù ha vinto, perché ha scelto la volontà di Dio; ed era solo: solo nell'abbandono dei discepoli, solo nell'oltraggio, solo nella morte di croce, solo nell'abbandono del Padre: "Si faccia la tua volontà". Ecco la vittoria.

Noi siamo delle povere anime. Non dobbiamo avere troppa paura, perché Dio ci tratta da quelle povere anime che siamo. Non credo che noi siamo chiamati a vivere la crocifissione come Gesù; però qualche volta questa crocifissione tutti la viviamo, se siamo con Lui, tutti la viviamo e dobbiamo ringraziarne Dio. Non dobbiamo fare tanti piagnistei: è una grazia; eppure tante volte ci si lamenta con Dio mentre dovremmo ringraziarlo se ci conduce per questa via, una via di spogliamento che rende più sincera la nostra adesione al Signore. Di questo ringraziava Dio san Paolo a nome dei fedeli di Corinto. Erano povera gente, insignificante, spregevole nei confronti dei potenti del mondo, ma Dio aveva scelto questa gente spregevole per seguirlo; aveva scelto gli schiavi, non i potenti, gli schiavi che invece di ammazzare accettavano il martirio. Questa è la vera sequela del Cristo, e noi la vivremo se ameremo Dio; in questa povertà estrema noi vivremo la gioia.

La tentazione implica per noi o un consentimento o la vittoria. Il consentimento è abbandonarci al gusto della ricchezza, al piacere, al potere del mondo; la vittoria è cercare Dio solo, è mantenerci fedeli a Lui nella "sequela Christi", ovunque Egli ci porterà. Può portarci dove vuole Lui; comunque non è essere deputato che conta, non è per me essere Papa che conta, quello che conta è essere l'amico di Dio, essere unito a Lui, amare Lui, Lui solo. La nostra ricchezza vera è in Dio. Vivere nell'unione con Dio la nostra gioia più perfetta, vivere nell'unione con Dio la nostra grandezza vera. Ecco, miei cari fratelli, quello che ci insegna oggi il Vangelo. È bello, no? Non abbiate paura, però! Non dobbiamo avere paura: è Dio che ci ha detto di fare questa via, perciò non guardate la via, guardate Lui; e se guardate Lui sarete così affascinati dalla sua bellezza che non vi importerà di camminare anche sui carboni ardenti, non vi parrà vero anche di camminare sull'acqua, purché guardiate Lui; se lo guardate veramente andrete in estasi e non vedrete più dove andate, vivrete soltanto questa ebbrezza e questa gioia di vivere l'amore che vi lega al Signore. Ecco perché san Francesco può dire "Quivi è perfetta letizia": non le bastonate erano cosa piacevole, ma era talmente preso dal Signore e talmente viveva in Lui che tutto si risolveva per lui in pura gioia. Era sempre in unione col Cristo.

Vivere questa unione: Egli è con noi! Lo pensate davvero? Credete davvero che Gesù sia presente sempre nella nostra vita, che Gesù sia davvero la nostra pura e perfetta gioia? No, non ci crediamo! Qui è proprio l'incredibile: non ci crediamo. Effettivamente, dobbiamo rendercene conto, non è che noi dobbiamo rimproverarcene troppo, è che la nostra natura umana, dopo il peccato originale, è quasi invincibilmente tentata, perciò non è detto che ci sia sempre il nostro consenso, perché oltre tutto Dio non ce lo impedisce. Il Signore ti costringe qualche volta, ma la costrizione che il Signore ci impone, diviene per noi un motivo per aderire a Lui; tu fai la sua volontà, non ti ribelli. Dicevo prima che è quasi impossibile salvarci, ma a Dio tutto è possibile. Noi siamo deboli, fragili, siamo tentati continuamente da una vita facile, comoda, da una vita di ricchezza, di consensi umani, di successi umani, ma il Signore non ce ne dà e allora che cosa avviene? Che qualcuno si ribella, sì, ma la maggior parte no: prima pian piano, con rassegnazione, poi con una certa pazienza, con una certa serenità, poi finalmente con una certa gioia ci si arriva: l'anima si adatta e queste cose perdono per noi il loro fulgore, la loro luce.

Ma è una cosa importante, questa, perché sul piano cristiano in fondo non c'è nemmeno rimpianto. Il cristiano ormai accetta la sua vita con tutto ciò che si presenta, accetta con una certa serenità, con una certa pace; dalla pace poi si passa a una certa gioia intima e segreta. La grazia divina deve trasformare gli automatismi della nostra natura, e questo esige un lungo tempo. Ecco perché è una grazia invecchiare: perché veramente, da giovani, se non c'è una grazia potente non c'è questa capacità per noi di saper accettare; invece pian piano il Signore ci trasforma, ci dona la pace e ci dona anche la gioia in questo venir meno di tutto.

Comunque, ricordatelo, non è detto che i beni terreni non siano beni; divengono un male quando divengono una alternativa a Dio, quando cessano di essere un mezzo. Per tutti si impone questo: che nessuna cosa sia alternativa a Dio. La scelta di Dio deve essere la scelta unica e assoluta; poi il Signore ci dà quanto ci è necessario: se uno ha bisogno di essere sano, perché altrimenti perderebbe le staffe, gli dà la sanità; se un altro ha bisogno anche di un certo potere come mezzo per l'esercizio di un apostolato, gli darà i mezzi per farlo. Finché i beni di quaggiù sono un mezzo non è detto che siano un male, perché servono per vivere questa "sequela Christi". Questo è vero anche per i vostri figli: nella misura che sarà un mezzo per loro avere una buona sistemazione sul piano professionale, dovete desiderarlo e chiederlo a Dio, ma solo nella misura che è un mezzo, perché se non è così è meglio che restino come sono. Questo dobbiamo capirlo, altrimenti rimproveriamo Dio perché non ci dà quello che noi chiediamo, perché ci crediamo più sapienti di Lui. Lui solo sa per quale via possiamo giungere a Lui e siccome noi non lo sappiamo, umanamente parlando dobbiamo chiederlo rimettendoci alla sua sapienza, perché nella sua sapienza Dio vede se è bene che noi abbiamo il successo umano oppure no. E molto spesso il Signore non concede ai cristiani il successo, ed è questa una grazia divina; Egli dà quel successo che è necessario per l'esercizio proprio della vita cristiana, perché possano fare del bene, ma se nella sua sapienza infinita il Signore vede che quello che noi giudichiamo un mezzo diviene per noi e per gli altri un impedimento a restar fedeli a Lui, non ce lo dona e noi dobbiamo rimetterci alla sua sapienza infinita. Perché, miei cari fratelli, è una cosa molto semplice: nessuna mamma ama i suoi figli come Dio ama ciascuno di noi, e perciò nessuno potrà amare con maggior amore i propri, figli di quanto non li ami Dio.

Rimettiamoci a Lui per noi e per gli altri. Preghiamo, preghiamo con umiltà, con insistenza, secondo quella luce che il Signore ci dona, ma viviamo questo puro abbandono alla sua volontà che sola conosce le vie perché noi giungiamo alla realizzazione piena del nostro cammino, della nostra vita.

Seconda meditazione ore 15,00

Come vi ho detto stamani, quello di oggi è un Vangelo programmatico: dice tutta la vita di Gesù, tutto il mistero del cristianesimo come affrontamento del maligno che è il "principe di questo mondo". Non è soltanto la prima Lettera di Giovanni che afferma che tutto il mondo è soggetto al maligno, è anche il Vangelo della tentazione. Nel Vangelo di Luca infatti le parole del maligno suonano così: "Tutti questi regni sono miei io li do a chi voglio; se tu prostrato mi adorerai, saranno tuoi". Il mistero cristiano è l'affrontamento del bene e del male, ma il bene e il male non sono dei valori impersonali: si ipostatizzano nella persona di un Dio fatto carne e del maligno.

Nella meditazione precedente noi abbiamo visto che il Vangelo della tentazione non solo è programmatico nei riguardi della vita del Cristo, ma trova il suo compimento nella passione stessa di Gesù. In questo Vangelo che abbiamo letto ora, c'è la proposta di Satana a Cristo, non c'è ancora la risposta piena; la vittoria piena di Gesù sarà proprio nella passione; ed ecco che invece del pane, invece di quello che risponde alla nostra natura sensibile, vi sarà la crocifissione, la flagellazione, la coronazione di spine, i tormenti del suo corpo, calpestato dall'odio del mondo. In risposta all'offerta di un potere sul mondo vi sarà invece l'umiliazione suprema, la morte da schiavo sulla croce, l'oltraggio di tutta la moltitudine che ne vorrà la morte. Nei confronti del miracolo, cioè di un Messia che vuole Dio al suo servizio per la propria gloria, vi sarà invece l'abbandono del Padre. E sembrerà che il maligno abbia vinto, e sembrerà che il maligno veramente abbia il potere totale su di Lui. "Questa è l'ora delle tenebre", dirà Gesù nel Vangelo di Giovanni, ma è anche l'ora del Figlio dell'uomo. Lo scontro avviene precisamente in questo atto in cui sembrerà, sì, vincere il maligno, ma di fatto, invece, sotto l'apparenza della vittoria sua, ci sarà la vittoria del Cristo nella obbedienza assoluta, umile e suprema alla volontà del Padre.

Ma se vi è una corrispondenza fra il Vangelo della tentazione e la passione di Gesù, vi è anche una perfetta corrispondenza fra la pagina della Genesi che si è letta ora e il Vangelo delle tentazioni. Perché? Come si presenta la tentazione di Adamo e come Adamo soccombe? Nello stesso modo come si è presentata a Gesù, perché l'uomo può essere tentato soltanto in quelli che sono gli istinti della sua natura, istinti che possono essere a servizio di una volontà che vive l'obbedienza al Padre, ma possono essere invece a servizio di quell'egoismo metafisico che è proprio della creatura e per il quale la creatura pretende tutto per sé, per la sua natura sensibile e per la sua natura spirituale: per la sua natura sensibile il piacere, per la sua natura spirituale l'affermazione di sé nell'orgoglio. Ora è precisamente questa la tentazione di Adamo: mangiare il frutto che era bello a vedersi, ed anche mangiare il frutto per divenire simile a Dio, l'orgoglio supremo di mettersi come alternativa a Dio stesso. Ed è la stessa tentazione che sarà quella del Cristo, nuovo Adamo. Adamo nel giardino dell'Eden dove Dio lo aveva posto, Gesù nel deserto, perché dopo il peccato la terra darà soltanto triboli e spine. La terra dell'uomo peccatore è un deserto, non è più un giardino, ma la tentazione rimane la stessa. Però il primo Adamo soccombe, il secondo Adamo vince.

Ora notate, la tentazione che cos'è? Nell'uomo la tentazione può essere una sconfitta, perché l'uomo diviene schiavo del maligno, oppure una vittoria e l'uomo diviene servo di Dio. Ma da parte di colui che tenta che cos'è? È il peccato dell'angelo. Non c'è mica un peccato dell'angelo prima della tentazione di Adamo; la tentazione di Adamo è nello stesso tempo il peccato dell'angelo e il peccato dell'uomo: il peccato dell'angelo che nella sua invidia, nella sua gelosia non può sopportare che al termine dei giorni Dio scelga proprio l'uomo per incarnarsi. Questa è la tradizione islamica. La tradizione cristiana ci dice che il peccato dell'angelo non è un andare direttamente contro Dio: sarebbe stato un angelo ben stupido! Nemmeno un uomo va contro Dio: Dio e impassibile. Chi può pretendere di poter offendere Dio direttamente in Lui stesso? Il nostro atto non lo raggiunge; Egli vive una infinita solitudine e non è accessibile né all'odio, né all'amore, in Se medesimo è inaccessibile. Ma il peccato dell'angelo colpisce Dio quando Dio si rende passibile, quando Dio si mette alla portata della creatura nella sua incarnazione.

Voi vedete dunque che l'Incarnazione è voluta da Dio indipendentemente dal peccato di Adamo. E proprio per questo l'angelo non la sopporta. "Come! - dice Satana a Dio - tu vorresti assumere questo sacco di sterco che è l'uomo? Ma io voglio difendere Te contro Te stesso, non lo permetterò mai! Come dovrò adorare Dio in quest'uomo fatto di fango? Questo mai! Io sono troppo grande, sono più perfetto dell'uomo, perché piegarmi ad adorare?". Ecco il rifiuto dell'angelo, adorare un uomo in questa umanità di Dio. È un rifiuto per invidia nei confronti dell'uomo che è stato chiamato ad essere assunto dal Verbo di Dio. È in questo che l'angelo poteva peccare, perché soltanto in questo Dio diveniva passibile facendosi uomo; e infatti tanto diverrà passibile che il Dio-Uomo sarà crocifisso, sarà calpestato, oltraggiato, vilipeso, morirà sulla croce; ma fino dall'inizio del tempo, proprio in previdenza di questa incarnazione, l'angelo rifiuta, non accetta di umiliarsi di fronte all'Uomo-Dio.

Ed ecco la tentazione dell'angelo, è una tentazione puramente spirituale. L'uomo invece può peccare soltanto secondo tutta la sua natura, nella misura che essendo creato dal nulla, l'uomo per sé tende per forza di inerzia a ricadere in questo nulla, cioè a non tendere a Dio. Tendere a Dio è uno sforzo, tendere a Dio è continuare quel cammino che deve riportarlo alla partecipazione alla vita divina. Ecco l'ascesi, ecco il cammino in salita, ecco l'ascensione dell'uomo verso Dio. Ma l'ascensione costa fatica ed ecco il peccato dell'uomo: l'abbandonarsi alla propria natura per discendere. L'uomo sarà sempre tentato per la forza di inerzia, a discendere, a non essere a servizio dello spirito, ma a pretendere invece che tutto l'essere si pieghi soltanto all'istinto del godimento.

Certo, dobbiamo mangiare, e se quello che ci danno da mangiare è buono ringraziamo il Signore; ma non si deve vivere per mangiare. Il mangiare è per alimentare una vita che è umana, ma se si vive solo per questo siamo soltanto delle bestie, non vi sembra? Sì, dobbiamo dire che il mangiare è proprio in ordine a una vita umana, e la vita umana alla vita spirituale; è sempre la volontà, l'intelligenza, quello che determina l'uomo. Si mangia come i gatti, ma il gatto non può vivere una vita spirituale; invece la nostra vita sensibile è in ordine anche alla vita spirituale, (non parlo della vita soltanto religiosa, ma di quella spirituale) e lo spirito dell'uomo è alle dipendenze di Dio. È tutta una ascensione verticale dell'uomo verso Dio. La sensibilità è un mezzo, è uno strumento alla vita spirituale. Vedete anche l'amore umano: quando un ragazzo si innamora di una donna si innamora perché è bella o è giovane, non è vero? poi nel matrimonio avviene un processo veramente di purificazione, di elevazione spirituale. Il vivere assieme è ben altra cosa, non è l'essere insieme soltanto per andare a letto, è il vivere insieme per un cammino insieme; nel lavoro, nella concordia, un cammino insieme che è il dono di sé, un dono oblativo di sé all'altro che si ama. Questo amore è un amore umano, non è più un amore soltanto animale, non è nemmeno un amore soltanto sensibile, anzi è a un grado più alto del grado umano. D'altra parte la vita umana, anche spirituale, non è fine a se stessa: lo spirito è chiamato poi a vivere l'obbedienza a Dio, a trascendere anche se stesso nel tendere verso Dio in un cammino ascensionale; invece il senso si rifiuta di servire allo spirito, e l'uomo ricade. È quello che ci insegna Dante nella Divina Commedia descrivendo l'inferno: quanto più l'uomo si abbandona all'istinto, tanto più diviene bestiale, sempre più perde anche la sua qualità di uomo spirituale.

Ma c'è anche un abbandono alla volontà di potenza, un abbandono a questa affermazione di sé per la quale tutto vogliamo far servire a noi stessi, per erigere un nostro monumento e far di tutte le altre cose un servizio alla nostra grandezza, un servizio alla nostra dignità. "I grandi di questo mondo si fanno servire - dice Gesù - io non sono venuto per essere servito, ma per servire e dare la mia vita per tutti". Ecco la vita spirituale dell'uomo: un amore che è perfettamente oblativo, un amore che si esprime nell'umiltà, ed è veramente non più far servire gli altri a sé, far perfino servire Dio a sé, è far sì che noi diveniamo invece servitori di Dio e servitori degli uomini, come Gesù servo di Jahvè, che è venuto per servire Lui stesso, ed è questa la nostra risposta al maligno. Ma invece è questa anche la tentazione che noi proviamo, non solo la tentazione riguardo al piacere, riguardo al godimento sensibile, ma anche la tentazione di affermare noi stessi cercando di far servire tutto alla nostra gloria, al nostro onore, al nostro nome, all'affermazione di noi stessi anche nella vita religiosa: si vuole diventare superiori, direttori, c'è sempre questa tentazione di voler essere Dio non secondo la volontà del Signore, ma contro questa volontà, come Adamo.

In fondo la vocazione nostra è proprio quella di divenire Dio, Dio per grazia; non è che il demonio potesse suggerire ad Adamo qualche cosa che non rispondesse alla vocazione stessa dell'uomo; non si tratta di scegliere qualche cosa che è contrario alla propria aspirazione, si tratta di sceglierlo contrariamente ai modi scelti da Dio. Noi infatti dobbiamo divenire Dio, ma in obbedienza alla divina volontà, mentre Adamo vuol divenire Dio secondo la tentazione del serpente, contro la volontà divina. È l'affermazione di noi stessi contro la volontà di Dio che è all'origine di tutte le nostre mancanze, o almeno della massima parte delle nostre mancanze.

Il cammino che ha scelto il Cristo è l'umiltà dell'amore, quella umiltà che fa sì che l'uomo viva puramente e semplicemente in dipendenza della volontà del Padre. Così infatti si inizia la passione di Gesù: "Padre, se è possibile passi da me questo calice, ma non la mia volontà sia fatta, ma la tua". E la volonta del Padre è la morte, e la volontà del Padre è l'abbandono, la desolazione suprema, in ordine a un amore che esige da Lui il dono supremo a Dio nell'abbandono della morte.

Miei cari fratelli, vedete, come vi è una corrispondenza perfetta fra la tentazione del serpente ad Adamo e la tentazione del maligno a Cristo; e poi, termine di tutta la storia sacra del mondo, la morte di Croce come risposta vittoriosa alla tentazione, risposta vittoriosa che porta Gesù attraverso l'umiliazione della croce, alla gloria della sua risurrezione. Egli, il servitore vero di Dio, diviene Colui che partecipa ora nella sua umanità alla gloria stessa della Trinità. È quello che chiede Gesù nella preghiera sacerdotale, ricordate? "Glorificami di quella gloria che avevo prima che il mondo fosse". Questa gloria è mai mancata a Gesù? Mai: come Figlio di Dio, nella sua natura divina, Egli non poteva spogliarsi di quella gloria; ma nella sua natura umana sì. Guardatelo vilipeso, oltraggiato, umiliato, calpestato da tutti. Egli è divenuto "verme, non uomo'". Ed ecco invece che ora proprio questa umanità si innalza al di sopra degli angeli, si innalza fino al trono di Dio, fino alla destra del Padre, e con il Cristo che si innalza non solo gli angeli vengono glorificati, ma l'umanità nostra si innalza al di sopra degli angeli.

Che cosa diamo noi alla glorificazione del Cristo? La nostra stessa umanità. Guardate che noi, inferiori agli angeli, siamo più degli angeli nel mistero cristiano, perché Egli ci ha fatto sedere con Lui stesso alla destra del Padre. Dice san Paolo nella Lettera ai Colossesi: "Perché noi stessi partecipiamo di quel nome che è al di sopra di ogni altro nome", perché noi siamo figli di Dio nel Figlio Unigenito. Ecco la glorificazione che ci aspetta attraverso la Quaresima, ecco il significato della Quaresima ed ecco il significato di Pasqua. Non è soltanto la memoria di un mistero che si è compiuto in Cristo, è la partecipazione a questo mistero da parte di tutta la comunità cristiana.

Che cosa vuol dire per noi vivere la Quaresima? Vuol dire vivere la risposta del Cristo alle tentazioni del maligno, vivere cioè una vita sensibile, sì, ma che sia a servizio della nostra vita spirituale, una vita spirituale, sì, ma non per l'affermazione del nostro orgoglio, della nostra grandezza, ma per essere al servizio di Dio nell'umiltà e nell'obbedienza, attraverso questo servizio che abbiamo detto prima, attraverso questo vivere il nostro morire per partecipare poi alla gloriosa risurrezione di Cristo Signore. Noi infatti non viviamo la Quaresima per vivere la Quaresima, viviamo la Quaresima per vivere poi questo trionfo pasquale. Non è vero che la Quaresima è preparazione alla Pasqua, è la preparazione al trionfo; la nostra vita è veramente questa Quaresima, tutti sentiamo di vivere la Quaresima. Nella vita presente siamo condizionati dal nostro corpo, che è soggetto alle malattie, siamo soggetti alle ingiustizie, alle umiliazioni continue da parte della società, da parte anche della nostra famiglia; sempre, tutta la vita presente è una Quaresima. Ma in questa Quaresima se noi facciamo servire veramente la nostra vita sensibile e la nostra vita spirituale al disegno divino, alla volontà di Dio, noi ci prepariamo al trionfo. Ma in fondo non è vero nemmeno questo, perché noi viviamo già una partecipazione alla risurrezione del Cristo.

Che cosa si è letto stamani nella Lettura breve delle Lodi? Che la gioia di Dio è la nostra forza. Noi viviamo già la gioia perché il Cristo risorto è già con noi, già vive nei nostri cuori. Nonostante che viviamo in una condizione mortale, in una condizione passibile, noi viviamo la gioia, la gioia nel servizio dei figli di Dio. La partecipazione alla Risurrezione non è rimandata a domani, noi la viviamo già ora: morte e risurrezione è la condizione propria del cristiano quaggiù.

Miei cari fratelli, nella misura che vivremo l'obbedienza a Dio, nella misura che vivremo questa ascensione dell'anima a Lui, già viviamo anche il trionfo pasquale, ma lo viviamo nella misura che viviamo questo servizio, questa obbedienza alla volontà divina, nella misura che vivremo questo rifiuto di vivere abbandonandoci agli istinti, o piuttosto a questa forza di inerzia che ci riporta nel nulla.

Sant'Agostino e san Tommaso ci dicono che il male è una "mancanza di bene". Non è certamente un peccato per un gatto mangiare una polpetta trovata sulla tavola, ma tu che hai la volontà hai anche la esigenza di una vita morale, di una vita etica. Nel gatto vive soltanto l'istinto, ma gli istinti dell'uomo devono essere ordinati a una volontà etica, e la volontà etica deve essere ordinata all'obbedienza a Dio; è tutto un cammino ascensionale. Se invece tu non ti ordini a Dio tu cadi: ecco il peccato; se tu invece di ordinare la tua vita sensibile alla vita spirituale, ti abbandoni agli istinti sensibili, tu decadi ancora di più. È questa ascensione che devi volere, questo cammino ascensionale. Ma guardate che non si tratta di ascendere il monte della perfezione, si tratta di volare! Bisogna lasciarci portare dallo Spirito, abbandonarci allo Spirito perché lo Spirito possa portarci e sollevarci a Sé: ecco il cammino dell'anima!

Miei cari fratelli, la legge fondamentale del cristiano è la docilità all'azione dello Spirito, l'abbandono all'azione dello spirito. E guardate, la Lettera agli Ebrei ci dice che Gesù vive la sua passione nell'abbandono allo Spirito, e tutti dobbiamo abbandonarci a quello Spirito creatore che, come ci ha sollevato dal nulla all'essere, ora ci solleva dall'essere creato fino alla partecipazione alla vita divina.

Una cosa dunque si impone per noi: questo credere nello Spirito che vive in noi, questo sempre più abbandonarci allo Spirito perché noi possiamo sollevarci oltre noi stessi fino a raggiungere il seno del Padre, perché il cammino dell'uomo non è nemmeno la Salita del monte Carmelo, è l'ascensione nel seno di Dio. Che il Cristo e lo Spirito ci sollevino a Sé fino a far sedere anche noi alla destra del Padre. Ecco il cammino per cui ci ha chiamato il Signore; che noi possiamo davvero vivere questa nostra vita presente con un volo di amore che ci porta direttamente a Dio.