Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008



A Igreja como ela prossegue através do tempo cresce em sabedoria. A sua Sagrada Liturgia, desenvolvida na tradição, é um repositório privilegiado da mesma. A maioria partidária dos liturgistas hoje reconhece que muitas das decisões precipitadas tomadas em matéria de reforma litúrgica e prática nos anos sessenta e setenta foram infectados na melhor das hipóteses ingénuas e na pior das hipóteses desequilibradas. É tempo de reconsiderar algumas dessas decisões e tomar passos decisivos para corrigi-las onde for necessário. A comunhão na mão é um deles.

A fim de que não estamos em crer que este jovem bispo - cuja conta de sua formação na piedade Eucarística sob perseguição comunista no primeiro capítulo é um tesouro espiritual em si mesma - levanta a voz dele sozinho, sejamos claros em dizer de que o livro traz a aprovação dos superiores da Congregação para o Culto Divino. O Cardeal Arinze, que se aposentou neste mês, afirma: "Eu li o livro inteiro com deleite. É excelente."

E o arcebispo Malcolm Ranjith, um verdadeiro profeta da reforma litúrgica de Bento XVI, escreve no prefácio: "Acho que é hora de se avaliar cuidadosamente a prática da Comunhão na mão e, se necessário, para abandonar aquilo que na realidade nunca foi chamado pelo Vaticano II, no documento Sacrosanctum Concilium, nem pelo Padres Conciliares, mas foi ... "aceite" depois que foi introduzida como um abuso, em alguns países. "