Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

domingo, 22 de fevereiro de 2009

"TODO O CATÓLICO DEVE SER UM COMBATENTE" DIZ PLÍNIO CORREA

Plinio Corrêa de Oliveira

Assim como as árvores frondosas estendem seus galhos em todas as direcções, assim também a Igreja, na sua imensa sabedoria, estende sua influência em todos os campos da actividade humana.

Passou o tempo dos católicos que se lembravam de Deus para pedir graças quase sempre temporais, e que se esqueciam do Criador, quando, entre amigos, ouviam placidamente as maiores acusações contra a Igreja.

Todo católico deve ser um combatente, e todo combatente um herói
Hoje o católico é, por definição, um combatente. Numa cidade, quando o inimigo está às portas, todos os habitantes se põem em pé de guerra. Combatem todos como podem, e traidor será aquele que, fugindo aos azares da luta, se refugiar covardemente em sua casa.

Quando Santo Agostinho se referia a duas cidades, uma a Cidade de Deus, a outra a do demónio, que se combatiam constantemente, não lançava mão de uma figura senão para pintar melhor a realidade. Protestantes, espíritas, ateus, teosofistas, maçons, ortodoxos, judeus, muçulmanos não são mais que soldados de diversos batalhões pertencentes a um mesmo exército. Realmente, pouco se combatem uns aos outros. Estão, porém, sempre unidos para combater a Igreja.

Ora, neste combate que, hoje mais do que nunca, tende a assumir proporções ciclópicas, todo o católico deverá ser combatente, e todo o combatente deverá ser herói.

E assim como os fidalgos medievais, antes de serem armados cavaleiros, procuravam se destacar no manejo das armas, assim também todo o católico de hoje tem a obrigação de se preparar para as lutas .

Chegou o momento de agir. O dever nos chama à luta. O combate será encarniçado. Por toda a parte se arregimentam os nossos. Batalha! Vitória!


Publicamos, a seguir, a fórmula do compromisso mariano.

[Consagração e] compromisso dos Congregados Marianos

Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, eu, ainda que indigníssimo de ser vosso servo, movido contudo pela vossa admirável piedade e pelo desejo de Vos servir, Vos elejo hoje, em presença de toda a corte celeste, por minha especial Senhora, Advogada e Mãe, e firmemente proponho servir-Vos sempre e fazer quanto puder para que dos mais sejais também fielmente servida e amada.

Suplico-Vos e rogo-Vos, ó Mãe piedosíssima, pelo Sangue de vosso Filho por mim derramado, me recebais por servo perpétuo, no número de vossos devotos. Assisti-me em todas as minhas acções e alcançai-me de vosso Filho graças para que sejam tais, daqui para o futuro, os meus pensamentos, palavras e obras, que nunca mais ofenda os vossos olhos e os de vosso divino Filho. Lembrai-Vos de mim e não me abandoneis na hora da minha morte. Amém.

E como os Sumos Pontífices têm repetidas vezes condenado a Franco-Maçonaria e QUAISQUER OUTRAS SOCIEDADES SECRETAS, eu, obedecendo com amor filial à autoridade do Vigário de Cristo, e nomeadamente aos desejos de Sua Santidade Leão XIII, expressos na Encíclica Humanum Genus, tomo a resolução e compromisso de nunca me afiliar em alguma das sobreditas seitas, sob qualquer denominação que seja, e de, pelo contrário, combater animadaamente, em todo o tempo e lugar, as suas tramas, doutrina e influência. Assim Deus me ajude.

Fonte:Plinio Corrêa de Oliveira