http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg
ABADIA DE NOSSA SENHORA DE FONTGOMBAULT  CELEBRA TODA A LITURGIA  NA REFORMA DO MISSAL FEITA POR SÃO JOÃO XXIII
EM 1962 E LIBERALIZADA POR SUA SANTIDADE BENTO XVI EM 7/7/2007 COM O MOTU PRÓPRIO "SUMMORUM PONTIFICUM".
ACTUALMENTE A COMUNIDADE CONTA COM CERCA DE 60 MONJES E FUNDOU MAIS OUTRAS 5 ABADIAS DE QUE ELA É A CASA-MÃE,
TODAS REZAM O BREVIÁRIO MONÁSTICO EM LATIM E A A SANTA MISSA É SEMPRE CELEBRADA NA FORMA EXTRAORDINÁRIA EM
FORMA SOLENE E CANTADA EM GREGORIANO.


  

Arquivo do blog

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Hoje 18 de Maio, dia do 97º aniversário do Papa Santo João Paulo II

Resultado de imagem para aniversário natalicio de joão paulo II


Postulador Slawomir Oder descreve a santidade de João Paulo II a partir da sua relação íntima com Deus e Nossa Senhora

O monsenhor aborda ainda a ligação do papa com o Padre Pio, a espiritualidade que o fazia orar noites inteiras e a vontade do pontífice de ir a Medjugorje

Cidade do Vaticano, 31 de Março de 2014 (Zenit.orgSalvatore Cernuzio |

Neste próximo 27 de abril, mais de 5 milhões de pessoas de todo o mundo se comoverão na Praça de São Pedro ao verem cair o pano que descobrirá o retrato de João Paulo II em sua cerimônia de canonização.
O desejo dos muitos fiéis que à sua morte gritavam “Santo subito!” foi realizado: João Paulo II será declarado santo junto com João XXIII. Como Roncalli, também Wojtyla mudou a história através de um papado revolucionário, que semeou os muitos frutos hoje colhidos na Igreja e no mundo.
Mas de onde nascia o segredo da sua força, fé e santidade? De uma relação íntima com Deus, que se realizava na oração incessante, fazendo, muitas vezes, com que o beato deixasse intacta a cama e preferisse passar a noite no chão, imerso em oração. É o que nos confirma o postulador da causa de canonização, mons. Slawomir Oder, nesta entrevista concedida a Zenit.
***
De João Paulo II já foi dito de tudo e escrito de tudo. Mas já sabemos mesmo tudo sobre este “gigante da fé”?
Monsenhor Oder: O próprio João Paulo II nos sugeriu qual era a chave para o conhecermos: “Muitos tentam me conhecer olhando de fora, mas eu só posso ser conhecido de dentro, do coração”. Os processos de beatificação e de canonização me permitiram chegar mais perto do coração dele. Cada experiência e testemunho foi uma pedrinha do mosaico da extraordinária figura desse pontífice. Mas chegar ao coração de uma pessoa como João Paulo II continua sendo um mistério. Podemos dizer que no coração desse papa houve um amor tão grande por Deus e pelo próximo, um amor sempre dinâmico, que ele nunca será um fato definitivo na vida.
O que o senhor encontrou de novo ou de pouco conhecido sobre Wojtyla?
Monsenhor Oder: Há vários aspectos históricos da vida dele que surgiram no processo e que são pouco conhecidos. Um deles é a relação com o Padre Pio, que ele encontrou muitas vezes. Eles mantiveram uma longa relação epistolar. Além de algumas cartas já conhecidas, como aquela em que ele pediu orações pela prof. Poltawska, sua amiga e colaboradora, descobrimos uma correspondência intensa, em que o beato pedia que o santo de Pietrelcina intercedesse pela cura de fiéis. Ou pedia orações para si mesmo, na época em que ele ocupava o cargo de vigário capitular da diocese de Cracóvia, em aguardo da nomeação do novo arcebispo, que viria a ser ele mesmo.
E o que mais?
Monsenhor Oder: Descobrimos muito sobre a espiritualidade de João Paulo II. Foi uma confirmação do que já era perceptível sobre a relação dele com Deus. Um relacionamento íntimo com Cristo vivo, especialmente na Eucaristia, de onde vinha tudo aquilo que vimos nele como fruto de extraordinária caridade, zelo apostólico, paixão pela Igreja, amor pelo corpo místico. Este é o segredo da santidade de João Paulo II.
Então, mais do que as grandes viagens e os grandes discursos, o aspecto espiritual é que é o coração do pontificado de João Paulo II?
Monsenhor Oder: Com certeza. E há um episódio muito emocionante que identifica isso muito bem. O papa doente, no final de uma das últimas viagens apostólicas, foi quase arrastado para o quarto pelos seus colaboradores. Os mesmos colaboradores, na manhã seguinte, encontraram a cama intacta, porque João Paulo II tinha passado toda a noite em oração, de joelhos no chão. Para ele, recolher-se em oração era essencial. Tanto que, nos últimos meses de vida, ele pediu no quarto um espaço para o Santíssimo Sacramento. Sua relação com nosso Senhor era verdadeiramente extraordinária.
O papa também era muito devoto de Maria…
Monsenhor Oder: Sim, e o processo de canonização também nos ajudou a ver isso mais de perto. Nós estudamos a relação profundíssima de João Paulo II com Nossa Senhora. Uma relação que as pessoas de fora às vezes não conseguiam entender e achavam surpreendente. Às vezes, durante a oração mariana, o papa parecia em êxtase, alienado do contexto circundante, como num encontro. Ele vivia uma relação pessoalíssima com Nossa Senhora.
Então também existe uma faceta mística de João Paulo II?
Monsenhor Oder: Sem dúvida! Eu não posso confirmar visões, elevações ou alocuções, que tantas vezes são identificadas com a vida mística, mas com João Paulo II havia um profundo e autêntico misticismo, que se manifestava no ato de estar na presença de Deus. Um verdadeiro místico é aquele que tem a consciência de estar na presença de Deus e que vive tudo a partir do encontro profundo com o Senhor.
Faz anos que o senhor vive em torno da figura desse homem que já era considerado santo em vida. Como é vê-lo agora elevado às honras do altar?
Monsenhor Oder: O processo de canonização foi uma aventura extraordinária. Com certeza ele marca a minha vida sacerdotal. Eu tenho uma grande gratidão a Deus por ter me colocado diante desse mestre da vida e da fé. Para mim, esses nove anos do processo têm sido uma aventura humana e um extraordinário percurso de exercícios espirituais pregados “indiretamente” pela vida dele, pelos escritos, por tudo o que surgiu deste estudo.
O senhor tem lembranças pessoais dele?
Monsenhor Oder: Eu nunca fui um dos colaboradores mais próximos de João Paulo II, mas guardo no coração várias ocasiões em que respirei a santidade do papa. Uma delas é do início do meu sacerdócio, da Quinta-Feira Santa de 1993, o ano em que o papa lavou os pés dos sacerdotes envolvidos na formação dos seminaristas. Eu era um daqueles sacerdotes. Além do valor simbólico ritual, para mim foi o primeiro contato com uma pessoa que, naquele gesto genuinamente humilde, me comunicou o seu amor por Cristo e pelo sacerdócio. Outra oportunidade veio nos últimos meses de vida do papa: ele estava doente e eu participei do jantar com ele, junto com os secretários, colaboradores e outros poucos sacerdotes. Eu me lembro daquela simplicidade e do grande calor humano, da humanidade que era evidente na simplicidade dos gestos dele.
Bento XVI declarou recentemente, em uma entrevista, que sempre soube que estava vivendo ao lado de um santo. E é famosa a ordem dele: “Façam rápido e façam bem feito”, quando autorizou o início do processo de beatificação…
Monsenhor Oder: Eu fiquei muito contente ao ler o testemunho do papa emérito. Foi a confirmação do que ele sempre fez transparecer no decorrer do pontificado dele: sempre que era possível, ele falava do seu predecessor tão querido, em particular e em público, durante as homilias e discursos. Ele sempre deu grande testemunho de afeto por João Paulo II. E, da minha parte, eu posso expressar um forte agradecimento a Bento XVI pela atitude que ele mostrou ao longo desses anos. Eu sempre me senti muito próximo e posso dizer que ele foi determinante na abertura do processo de beatificação logo depois da morte. Olhando para os últimos acontecimentos históricos, eu tenho que dizer que a Providência Divina regeu magnificamente todo o processo.
O senhor vê uma continuidade também com o papa Francisco?
Monsenhor Oder: O Magistério continua, o carisma de Pedro continua. Cada um dos papas dá consistência e forma histórica determinada pela experiência pessoal e pela própria personalidade. Não há como não ver uma continuidade. Nos detalhes, são vários aspectos em que Francisco lembra João Paulo II: o profundo desejo de estar perto das pessoas, a coragem de ir contra certos esquemas, a paixão pelo Cristo presente no seu Corpo Místico, o diálogo com o mundo e com as outras religiões.
Um dos desejos não realizados de Wojtyla era visitar a China e a Rússia. Parece que Francisco está abrindo uma estrada neste sentido…
Monsenhor Oder: É extraordinário ver que os esforços de João Paulo II por uma abertura ao Oriente tenham crescido com os seus sucessores. A estrada aberta por João Paulo II encontrou terreno fértil no pensamento de Bento XVI, e, agora, graças aos acontecimentos históricos que acompanham o pontificado de Francisco, isso vai se realizando na prática. É sempre a dialética da continuidade, de que falamos anteriormente, que é a lógica da Igreja: ninguém começa do zero; a pedra é Cristo, que atuou em Pedro e nos seus sucessores. E hoje estamos vivendo a preparação do que vai acontecer amanhã na Igreja.
Também dizem que João Paulo II tinha o desejo de visitar Medjugorje. O senhor confirma?
Monsenhor Oder: Falando reservadamente com alguns amigos, o papa disse mais de uma vez: “Se fosse possível, eu gostaria de ir”. Mas essas palavras não devem ser interpretadas como um reconhecimento ou como uma oficialidade dos acontecimentos no vilarejo bósnio. O papa sempre foi muito cuidadoso, consciente da importância do seu posto. Não há dúvida, porém, de que acontecem coisas em Medjugorje que transformam o coração das pessoas, especialmente no confessionário. Então o desejo expresso pelo papa deve ser interpretado do ponto de vista da sua paixão sacerdotal, de querer estar em um lugar onde uma alma procura Cristo e o encontra, graças a um sacerdote, através do sacramento da Reconciliação e da Eucaristia.
E por que ele não foi?
Monsenhor Oder: Porque nem tudo é possível na vida…

Foto
Madre Teresa de Calcutá por São João Paulo II
"Quem quiser ser o primeiro entre vós, faça-se servo de todos" (Mc 10, 44). Estas palavras de Jesus aos discípulos, que ressoaram há pouco nesta Praça, indicam qual é o caminho que leva à "grandeza" evangélica. É o caminho que o próprio Cristo percorreu até à Cruz; um itinerário de amor e de serviço, que inverte qualquer lógica humana. Ser o servo de todos!
Madre Teresa de Calcutá, Fundadora dos Missionários e das Missionárias da Caridade, que hoje tenho a alegria de inscrever no Álbum dos Beatos, deixou-se guiar por esta lógica. Estou pessoalmente grato a esta mulher corajosa, que senti sempre ao meu lado. Ícone do Bom Samaritano, ela ia a toda a parte para servir Cristo nos mais pobres entre os pobres. Nem conflitos nem guerras conseguiam ser um impedimento para ela.
De vez em quando vinha falar-me das suas experiências ao serviço dos valores evangélicos. Recordo, por exemplo, as suas intervenções a favor da vida e contra o aborto, também quando lhe foi conferido o prémio Nobel pela paz (Oslo, 10 de dezembro de 1979). Costumava dizer: "Se ouvirdes que alguma mulher não deseja ter o seu menino e pretende abortar, procurai convencê-la a trazer-mo. Eu amá-lo-ei, vendo nele o sinal do amor de Deus".
FotoRaghu Rai/Magnum
Não é significativo que a sua beatificação se realize precisamente no dia em que a Igreja celebra o Dia Missionário Mundial? Com o testemunho da sua vida, Madre Teresa recorda a todos que a missão evangelizadora da Igreja passa através da caridade, alimentada na oração e na escuta da palavra de Deus. É emblemática deste estilo missionário a imagem que mostra a nova Beata que, com uma mão, segura uma criança e, com a outra, desfia o Rosário.
Contemplação e ação, evangelização e promoção humana: Madre Teresa proclama o Evangelho com a sua vida inteiramente doada aos pobres mas, ao mesmo tempo, envolvida pela oração.
FotoRaghu Rai/Magnum
"Quem quiser ser grande entre vós faça-se Vosso servo" (Mc 10, 43). É com particular emoção que hoje recordamos Madre Teresa, grande serva dos pobres, da Igreja e do Mundo inteiro. A sua vida é um testemunho da dignidade e do privilégio do serviço humilde. Ela escolheu ser não apenas a mais pequena, mas a serva dos mais pequeninos.Como mãe autêntica dos pobres, inclinou-se diante dos que sofriam várias formas de pobreza. A sua grandeza reside na sua capacidade de doar sem calcular o custo, de se doar "até doer". A sua vida foi uma vivência radical e uma proclamação audaciosa do Evangelho.
O brado de Jesus na cruz, "Tenho sede" (Jo 19, 28), que exprime a profundidade do desejo que o homem tem de Deus, penetrou no coração de Madre Teresa e encontrou terreno fértil no seu coração. Satisfazer a sede que Jesus tem de amor e de almas, em união com Maria, Sua Mãe, tinha-se tornado a única finalidade da existência de Madre Teresa, e a força interior que a fazia superar-se a si mesma e "ir depressa" de uma parte a outra do mundo, a fim de se comprometer pela salvação e santificação dos mais pobres.
FotoRaghu Rai/Magnum
"Sempre que fizestes isto a um destes Meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes" (Mt 25, 40). Este trecho do Evangelho, tão fundamental para compreender o serviço de Madre Teresa aos pobres, estava na base da sua convicção, cheia de fé, que ao tocar os corpos enfraquecidos dos pobres tocava o corpo de Cristo. O seu serviço destinava-se ao próprio Jesus, escondido sob as vestes angustiantes dos mais pobres. Madre Teresa realça o significado mais profundo do serviço: um gesto de amor feito aos famintos, aos sequiosos, aos estrangeiros, a quem está nu, doente, preso (cf. Mt 25, 34-36), é feito ao próprio Jesus.
Ao reconhecê-l'O servia-O com grande devoção, exprimindo a delicadeza do seu amor esponsal. Assim, no dom total de si a Deus e ao próximo, Madre Teresa encontrou a sua satisfação mais nobre e viveu as qualidades mais elevadas da sua feminilidade. Desejava ser um "sinal do amor de Deus, da presença de Deus, da compaixão de Deus" e, desta forma, recordar a todos o valor e a dignidade de cada filho de Deus "criado para amar e para ser amado". Era assim que Madre Teresa "levava as almas para Deus e Deus às almas", aliviando a sede de Cristo, sobretudo das pessoas mais necessitadas, cuja visão de Deus tinha sido ofuscada pelo sofrimento e pela dor.
FotoRaghu Rai/Magnum
"Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos" (Mc 10, 45). Madre Teresa partilhou a paixão do Crucificado, de modo especial durante longos anos de "obscuridade interior". Aquela foi a prova, por vezes lancinante, acolhida como um singular "dom e privilégio".
Nos momentos mais difíceis ela recorria com mais tenacidade à oração diante do Santíssimo Sacramento. Esta difícil angústia espiritual levou-a a identificar-se cada vez mais com aqueles que servia todos os dias, experimentando o sofrimento e por vezes até a recusa. Gostava de repetir que a maior pobreza é não sermos desejados, não ter ninguém que se ocupe de nós.
"Dai-nos, Senhor, a Vossa graça, em Vós esperamos!". Quantas vezes, como o Salmista, também Madre Teresa, nos momentos de desolação interior, repetiu ao seu Senhor: "Em Vós, meu Deus, em Vós espero!".
FotoRaghu Rai/Magnum
Prestemos honra a esta pequena mulher apaixonada por Deus, humilde mensageira do Evangelho e infatigável benfeitora da nossa época. Aceitemos a sua mensagem e sigamos o seu exemplo.
João Paulo II
Beatificação de Madre Teresa de Calcutá
19.10.2003

Missionária da Caridade: Madre Teresa foi precisamente isto, de nome e de facto. (...)
Antes de mais, missionária. Não há dúvida de que a nova Beata foi uma das maiores missionárias do século XX. Desta mulher simples, proveniente de uma das áreas mais pobres da Europa, o Senhor fez um instrumento eleito (cf. Act 9, 15) para anunciar o Evangelho a todo o mundo não com a pregação, mas com gestos quotidianos de amor em benefício dos mais pobres. Missionária com a linguagem mais universal:  a linguagem da caridade sem limites nem exclusões, sem preferências, a não ser em relação aos mais abandonados.
FotoRaghu Rai/Magnum
Missionária da caridade. Missionária de Deus que é caridade, que prefere os pequeninos e os humildes, que se inclina sobre o homem ferido no corpo e no espírito e derrama nas suas chagas "o óleo do conforto e o vinho da esperança". Deus realizou isto na Pessoa do seu Filho feito homem, Jesus Cristo, bom Samaritano da humanidade. Ele continua a fazê-lo na Igreja, sobretudo através dos Santos da caridade. Madre Teresa brilha de modo especial no meio desta multidão.
Onde foi que Madre Teresa encontrou a força para se dedicar completamente ao serviço do próximo? Encontrou-a na oração e na contemplação silenciosa de Jesus Cristo, do seu Santo Rosto, do seu Sagrado Coração. Ela mesma o disse:  "O fruto do silêncio é a oração; o fruto da oração é a fé; o fruto da fé é o amor; o fruto do amor é o serviço, o fruto do serviço é a paz". A paz, mesmo ao lado dos moribundos, nas nações em guerra, na presença de ataques e de críticas hostis. Era uma oração que enchia o seu coração com a paz de Cristo e lhe permitia irradiar essa paz aos outros.
Foto
Missionária da caridade, missionária da paz, missionária da vida. Madre Teresa era tudo isto. Teresa era todas estas coisas. Pronunciava-se sempre em defesa da vida humana, mesmo quando a sua mensagem não agradava. Toda a existência de Madre Teresa foi um hino à vida. Os seus encontros quotidianos com a morte, a lepra, a Sida e todos os géneros de sofrimento humano fizeram com que ela fosse uma testemunha válida do Evangelho da Vida. Até o seu sorriso era um "sim" à vida, um "sim" jubiloso, que surgia da fé e do amor profundos, um "sim" todas as manhãs, em união com Maria, aos pés da Cruz de Cristo. A "sede" de Jesus crucificado tornou-se a própria sede de Madre Teresa e a inspiração do seu caminho de santidade.
Teresa de Calcutá foi realmente Mãe. Mãe dos pobres, mãe das crianças. Mãe de tanta juventude que a teve como guia espiritual e partilhou a sua missão. De uma pequena semente, o Senhor fez crescer uma árvore frondosa e rica de frutos (cf. Mt 13, 31-32).
João Paulo II
20.10.2003

Madre Teresa de Calcutá nasceu a 26 de agosto de 1910. Fundou as Missionárias da Caridade. Morreu a 5 de setembro de 1997. Foi beatificada por João Paulo II a 19 de outubro de 2003.

© SNPC | 04.09.13
Redes sociais, e-mail, imprimir 

Livros católicos

Ebook cattolici

Bibbia, Vangeli, Catechismo della Chiesa Cattolica, Storia della Chiesa

Dizionari

Preghiera

Classici Cristiani

  • L'imitazione di Cristo di Tommaso da KempisEPUB MOBI HTML
  • L'imitazione di Maria di Edoardo CiccodicolaEPUB MOBI HTML
  • Trattato della vera devozione a Maria di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Il segreto ammirabile del Santo Rosario di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Il grande segreto per diventare santi di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Le Glorie di Maria di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • Del Gran mezzo della preghiera di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • La necessità della preghiera di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • I racconti di un pellegrino russoEPUB MOBI HTML
  • Filotea di San Giovanni di SalesEPUB MOBI HTML
  • I fioretti di San FrancescoEPUB MOBI HTML
  • Storia di un anima di Santa Teresa di LisieuxEPUB MOBI HTML
  • Esercizi Spirituali di Sant'IgnazioEPUB MOBI HTML
  • Trattato della vita spirituale di San Vincenzo FerreriEPUB MOBI HTML
  • Il castello interiore di Santa Teresa d'AvilaEPUB MOBI HTML
  • La nuvoletta del Carmelo di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Maria Ausiliatrice col racconto di alcune grazie di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Maraviglie della Madre di Dio di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Specchio (o salutazione) della Beata Vergine Maria di Corrado da SassoniaEPUB MOBI HTML
  • E' Gesù che passa di San Josemaría Escrivá de BalaguerEPUB MOBI HTML
  • Opera Omnia - San Francesco d'AssisiEPUB MOBI HTML
  • Opera Omnia - Santa Chiara d'AssisiEPUB MOBI HTML
  • Meditazioni della Beata Madre Teresa di CalcuttaEPUB MOBI HTML
  • Madre Mia quanto sei bellaEPUB MOBI HTML
  • Con Maria la vita è bellaEPUB MOBI HTML
  • Con Maria verso GesùEPUB MOBI HTML
  • Il mio ideale Gesù figlio di Maria di p. Emilio NeubertEPUB MOBI HTML
  • L'anticristo di Vladimir Sergeevic SolovievEPUB MOBI HTML
  • Salita del Monte Carmelo di San Giovanni della CroceEPUB MOBI HTML
  • Maria e la sua armataEPUB MOBI HTML

Biografie di santi, Visioni, Profezie, Rivelazioni

  • La Misericordia Divina nella mia anima - Diario di Santa suor Faustina KowalskaEPUB MOBI HTML
  • L'Araldo del Divino Amore di Santa Gertrude di HelftaEPUB MOBI HTML
  • La vita di Maria della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • La Passione di Nostro Signore della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • Le visioni della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • La Mistica Città di Dio di Suor Maria d'AgredaEPUB MOBI HTML
  • I sogni di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Vita di Santa Margherita Maria Alacoque (scritta da lei stessa)EPUB MOBI HTML
  • I primi nove venerdì del mese - la grande promessaEPUB MOBI HTML
  • Diario di Santa Gemma GalganiEPUB MOBI HTML
  • Il diario della Beata Elisabetta Canori MoraEPUB MOBI HTML
  • Il diario mistico di Camilla BraviEPUB MOBI HTML
  • Diario di Louise Marguerite Claret De La ToucheEPUB MOBI HTML
  • Il libro della Grazia speciale - Rivelazioni di Santa Metilde di HackebornEPUB MOBI HTML
  • Le Rivelazioni di Santa Brigida di SveziaEPUB MOBI HTML
  • Amore per amore: diario di Suor Maria Costanza del Sacro CostatoEPUB MOBI HTML
  • Beata Marietta RubattoEPUB MOBI HTML
  • Beato Bartolo LongoEPUB MOBI HTML
  • Colui che parla dal fuoco - Suor Josefa MenendezEPUB MOBI HTML
  • Così lontani, così vicini - Gli angeli nella vita di Santa Gemma GalganiEPUB MOBI HTML
  • Cristo Gesù nella Beata Alexandrina da BalasarEPUB MOBI HTML
  • Il mistero del Sangue di Cristo - Suor Maria Antonietta PrevedelloEPUB MOBI HTML
  • Santa Gertrude Di Helfta di don Giuseppe TomaselliEPUB MOBI HTML
  • Vita della Serva di Dio Edvige CarboniEPUB MOBI HTML
  • Diario di Edvige CarboniEPUB MOBI HTML
  • Rimanete nel mio amore - Suor Benigna Consolata FerreroEPUB MOBI HTML
  • Il Sacro Cuore e il Sacerdozio. Biografia di Madre Luisa Margherita Claret de la ToucheEPUB MOBI HTML
  • Figlia del dolore Madre di amore - Alexandrina Maria da CostaEPUB MOBI HTML
  • Il piccolo nulla - Vita della Beata Maria di Gesu CrocifissoEPUB MOBI HTML
  • Beata Anna Schaffer: Il misterioso quaderno dei sogniEPUB MOBI HTML
  • Beata Chiara bosattaEPUB MOBI HTML
  • Beata Maria Candida dell'EucaristiaEPUB MOBI HTML
  • Fratel Ettore BoschiniEPUB MOBI HTML
  • Il cuore di Gesù al mondo di Suor Maria Consolata BetroneEPUB MOBI HTML
  • Madre Giuseppina BakhitaEPUB MOBI HTML
  • Beata Maria di Gesù Deluil-MartinyEPUB MOBI HTML
  • Serva di Dio Luigina SinapiEPUB MOBI HTML
  • Marie-Julie JahennyEPUB MOBI HTML
  • Marie Le ValleesEPUB MOBI HTML
  • I SS. Cuori di Gesù e di Maria. La salvezza del mondo, le loro apparizioni, promesse e richiesteEPUB MOBI HTML
  • La testimonianza di Gloria PoloEPUB MOBI HTML
  • Chiara Luce BadanoEPUB MOBI HTML
  • Madre Carolina VenturellaEPUB MOBI HTML
  • Madre SperanzaEPUB MOBI HTML

Novissimi

Patristica

  • Scritti dei primi cristiani (Didachè, Lettera a Diogneto, Papia di Gerapoli)EPUB MOBI HTML
  • I padri apostolici (S.Clemente Romano,S.Ignazio di Antiochia,Il Pastore d'Erma, S.Policarpo di Smirne)EPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Scritti di Sant'AgostinoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Sant'Agostino, la città di DioEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Sant'Agostino, le confessioniEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Clemente Alessandrino,Sant'Ambrogio, Sant'Anselmo, San Benedetto,San Cirillo di GerusalemmeEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Giustino, San Leone Magno, Origene, Cirillo d'Alessandria, San Basilio, Atenagora di Atene, Rufino di Aquileia,Guigo il CertosinoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Giovanni CrisostomoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Gregorio di NissaEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Quinto Settimio Fiorente TertullianoEPUB MOBI HTML
  • I padri del deserto: Evagrio Pontico, Sant'Antonio AbateEPUB MOBI HTML
  • I padri esicasti : La preghiera del Cuore,Gregorio il sinaita,Niceforo il solitario, San Barsanufio e Giovanni, Pseudo MacarioEPUB MOBI HTML

Sacramenti e vita cristiana

Altri libri

  • La Divina Commedia (Inferno, Purgatorio, Paradiso) di Dante AlighieriEPUB MOBI HTML
  • La storia d'Italia di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • I testimoni di Geova di Don Vigilio Covi