Arquivo do blog

domingo, 9 de agosto de 2020

Como a doença e o sofrimento dão origem a Deus em nós? - Ancião Aimilianos do Mosteiro Simonopetra

https://enidorthodox.org/2019/06/how-does-sickness-and-suffering-birth-god-within-us-elder-aimilianos-of-simonopetra-monastery/

Ficamos doentes e sofremos por diferentes motivos, mas muitas vezes é porque pecamos, voluntariamente ou involuntariamente, ou porque nos afastamos de Deus. Mas, se você estiver doente, não tenha medo e não se preocupe, porque a doença é um grande presente de Deus. Os enfermos são filhos especiais de Deus.

Os enfermos estão sob proteção especial de Deus. Eles têm a bênção especial de Deus. Eles têm o amor de Deus. Eles estão em Seu abraço, ao passo que alguém que tem saúde pode não estar.

O enfermo, o sofredor, o enfermo estão em um lugar privilegiado, ou potencialmente privilegiado, com respeito a Deus. Aqueles que nunca conheceram a doença, e aqueles que nunca conheceram o sofrimento, muitas vezes têm falta de empatia; e muitas vezes seu coração é estreito, pequeno e restrito, e não é capaz de se abrir e abraçar o sofrimento dos outros porque eles simplesmente não sabem disso.

Os enfermos, por outro lado, muitas vezes são as pessoas mais amorosas, compreensivas e compassivas que você já conheceu, e são eles que terão ousadia diante de Deus em suas orações pelos outros.

Portanto, não tenha medo de sua doença. Deixe isso para Deus. Faça o que os médicos dizem. Quando você toma seu remédio, você recebe Cristo. Não é ruim, nem sinal de falta de fé, tomar seu remédio. Quando você toma sua medicação, está recebendo uma bênção, está recebendo o próprio Cristo.

Faça o que os médicos mandarem, tome seus remédios, faça os exames, mas não tenha ansiedade. Às vezes, pior do que ficar doente é ter medo de ficar doente. Deixe isso para Deus. O que quer que Deus lhe dê é melhor para você. Deus nunca lhe dá uma cruz sem primeiro pesá-la e medi-la com muito cuidado para ter certeza de que a cruz resultará em seu crescimento espiritual.

Portanto, não pense que é aleatório, não pense que é um acaso, não pense que é muito. Ele foi pesado e medido com muito cuidado, de modo que resultará em crescimento espiritual e benefício espiritual.

Por mais que o corpo se esgote, a nossa vida em Deus é renovada. Deus não pode nascer dentro de nós sem dores de parto. E o sofrimento que experimentamos, seja ele emocional ou físico, são as dores do parto, as dores de parto, o sofrimento em nossa vida que permitirá que Deus nasça e cresça dentro de nós.

Portanto, devemos sentir pena da pessoa que não experimentou a dor involuntária, porque essa pessoa provavelmente não imporá a si mesma uma quantidade suficiente de dor voluntária. Portanto, sinta pena da pessoa que não conhece a dor involuntária, porque ela não a infligirá a si mesma. Eles vão querer ficar em seus lugares confortáveis, em sua zona de conforto, e vão resistir a todos os tipos de mudança.

A doença é uma visitação de Deus, uma visitação divina. A doença nos humilha, nos ensina, nos remodela, nos desperta para a realidade, nos permite ver o que é realmente importante e tem valor. Não é uma punição, mas uma visitação divina para nossa correção e educação.

—Elder Aimilianos do Mosteiro Simonopetra

De: Uma palestra intitulada, “Bem-aventurados os Puros de Coração: Reflexões sobre a Natureza Espiritual do Sofrimento”, do Padre Maximos Constas, Publicações Patrísticas do Néctar (2017).

=================

A alma tem que fazer uma escolha e o resultado a quebrará em pedaços ou a capacitará a navegar para seu destino em Deus. E a escolha se resume a esta: a alma aceitará ou rejeitará o sofrimento? Irá assumir esse sofrimento ou lutar contra ele, vendo-o como algo estranho a si mesmo?

(…) Se ele escolher aceitar seu sofrimento, deve abraçá-lo com a totalidade de sua vida; ele deve descobrir e aceitar a relação adequada com seu sofrimento. Se ele puder fazer isso, ele terá transformado seu sofrimento de forma que no final sua única realidade será Deus. Mas se ele continuar a resistir ao seu sofrimento, recusando-se a encontrar sua salvação nele, sua angústia continuará inabalável.

A questão é, em última análise: ele se oferecerá como um sacrifício voluntário à vontade de Deus? (…) Ele deve aceitar como sua própria vontade, como seu próprio desejo, a vontade de Deus para sua vida. Se isso acontecer, ele deixará de se preocupar com seus sofrimentos, pois verá que eles também são sinais e sinais da presença de Deus.

Segue-se disso que a salvação [da alma] depende de uma única decisão, a saber, a aceitação ou rejeição de seu sofrimento. Na medida em que ele luta contra seu sofrimento, procurando negá-lo e rejeitá-lo, sua agonia só se intensifica. A evitação do sofrimento serve apenas para aumentar o sofrimento em um ciclo vicioso que nunca termina.

Se, por outro lado, opta por confiar-se a Deus e assim reconhecer no seu sofrimento a misericórdia e o amor de Deus; se ele for capaz de ver seu sofrimento como prova do amor de Deus por ele, então ele passará por outra experiência maior que o abalará até o âmago de seu ser.

Justamente quando ele pensa que sua vida está prestes a acabar, que está prestes a dar o último suspiro, ele sentirá, não simplesmente uma onda ascendente para uma nova vida, mas no fundo de si mesmo a presença da "semente de longa vida" mencionada no Profeta Isaías:

“Era a vontade do Senhor feri-lo; Ele o fez sofrer; contudo, quando ele se faz uma oferta pelo pecado, ele verá sua descendência, uma semente de vida longa, e a vontade do Senhor prosperará em suas mãos; ele verá o fruto do sofrimento de sua alma e ficará satisfeito ”(Isaías 53:10).

A saúde espiritual não é encontrada em evitar o sofrimento, mas em sua alegre aceitação. O dilema [da alma] reside precisamente em aceitar ou não seus sofrimentos ou rejeitá-los, o que é outra forma de dizer que a escolha que deve fazer é aceitar ou negar Deus.

~ Arquimandrita Aimilianos, Salmos e a Vida de Fé, p. 100-102.

=================

Deus está ausente ou presente? Ele está próximo ou distante e retraído? É uma questão de como você encara isso. Quando a alma olha para a realidade apenas através de sua dor e sofrimento, ela não vê as coisas com clareza e, portanto, pensa que Cristo e seus sofrimentos voluntários são algo abstrato, distante e sem significado real.

Mas quando a alma altera sua perspectiva, seu sentido interior e experiência das coisas começarão a mudar, e também a maneira como ela confronta e responde a seus próprios sofrimentos, e então verá que Cristo está realmente muito próximo. Quando entramos no lugar de esperança e confiança, vemos que Deus está perto e O reconhecemos como nosso Senhor ...

Aceitará [a alma] crescimento, mudança e, conseqüentemente, redenção? A redenção segue-se à experiência e aceitação da morte. No momento em que aceitamos a morte, a verdadeira vida pode começar. Somente por meio da morte pode-se “atropelar a morte” e assim alcançar a ressurreição. Assim, dependendo de como a [alma] enfrenta o problema do sofrimento, Deus será seu salvador ou executor.

Novamente, o segredo de sua liberdade não está na rejeição de seus sofrimentos, mas em sua alegre aceitação deles. Ele só será verdadeiramente livre quando deixar de querer ser livre de seus sofrimentos, pois toda liberdade e toda vida dependem de estarmos em uma relação correta com Deus.

Quando ele aceita sua morte; quando ele se permite ouvir o som de seus passos descendo para a sepultura, ele descobrirá que a morte não mais o domina, pois agora ele está com Deus. As trevas desaparecerão e ele verá apenas a luz ... Lutando para encontrar a relação certa com o sofrimento, com a nossa própria morte, iremos simultaneamente encontrar Deus ... [A alma] deve tomar a difícil decisão de se sacrificar voluntariamente a Deus.

Se ele aceitar se tornar um instrumento da vontade de Deus, ele sairá triunfante; mas de outra forma ele falhará. Seu sofrimento está além de seu controle, não é algo que ele desejou para si mesmo, mas todas as coisas começam e terminam com Deus, e nada acontece fora da vontade divina, então ele deve se ver como um instrumento manejado por Deus.

Como já dissemos, ao aceitar ou rejeitar o meu sofrimento, estou aceitando ou rejeitando o próprio Deus ... No começo, Deus e eu estamos separados, de tal forma que meu eu, minha estreita preocupação consigo mesmo, não deixa espaço para Deus . Se “eu” existo, Deus não pode existir, pois não pode haver dois deuses e, portanto, é Deus ou o eu.

Quando alguém vê apenas seu próprio sofrimento, Deus não pode responder a ele, pois é precisamente a atitude errada e negativa em relação ao sofrimento que constitui a separação entre ele e Deus. Mas se “eu” deixar de existir, se minha relação com meu sofrimento mudar, então posso estar unido a Deus. Essa união depende da negação de mim mesmo, para que Deus possa entrar em minha vida ...

Devo aprender a aceitar o sofrimento com alegria, a encontrar alegria em meu sofrimento, a perceber que, mesmo em meus momentos de glória, não sou nada além de “pó e cinzas” (Gênesis 18:27); um “pelicano no deserto” (Salmo 101: 7 LXX), perdido em uma terra deserta, buscando abrigo em uma paisagem de ruínas.

Devo perceber minha pecaminosidade, minha nudez, minha alienação de Deus; Devo perceber que sou “como um pardal sozinho no telhado” (Salmo 101: 8 LXX), não porque tenho algum problema psicológico, mas porque fui separado de Deus. Preciso experimentar meu exílio e minha união com Deus.

Preciso experimentar minha escuridão interior para saber que Deus é minha vida e minha luz, que Ele é minha salvação. Preciso perceber que estou no inferno, na prisão, na solitária, sozinho em uma ilha morrendo de lepra, para entrar no reino dos céus ... tanto nesta vida quanto na por vir.

Minha alma deve clamar, assim como as almas de todos os santos clamaram, e então minha alma será salva, sofrendo junto com Cristo ... Se eu me esforçar, e me comprometer com as lutas da vida espiritual, então eu devo tem o direito de pedir a compreensão do Espírito.

De qualquer forma, vou sofrer. Mas cabe a mim decidir se serei um cervo ferido ofegando por água e nunca encontrando nenhuma (Salmo 41: 1, Provérbios 7:22), ou um cordeiro sacrificado junto com Cristo, e clamando por ele. Neste clamor, neste chamado, existe a esperança de que ouvirei o som de Seus passos, e que estes irão ultrapassar os meus e me conduzir à salvação. Mas antes mesmo de eu gritar, Deus me responderá e dirá: “Estou aqui” (Isaías 58: 9).

~ Archimandrite Aimilianos de Simonopetra, Psalms and the Life of Faith, p. 103-106, 108-109.

=================

Devemos dizer “sim” a tudo que nos acontece, como diríamos “sim” a uma vestimenta real com a qual Deus deseja que nos adornemos para aparecer diante dos Céus em maravilhosa dignidade, seja pobreza, doença, perda, fracasso .

Quando tentamos superar tudo isso: mudar a nós mesmos para sermos melhores a fim de começar uma vida espiritual, quando desejamos mudar nosso ambiente, mudar as pessoas ao nosso redor para inaugurar uma vida mais espiritual, quando queremos os maus para se tornarem bons, os imorais para se tornarem morais, os injustos para serem justos, os mentirosos para se tornarem contadores da verdade, os espirituais carnais, então caímos nas maiores tentações e chegamos ao fim de nossas vidas sem ter conhecido os mistérios do vida celestial, vivendo não como servos de Deus, mas como servos de nós mesmos, iludidos em pensar que estamos servindo a Deus.

Portanto, dizer "sim" às doenças, às dificuldades, aos obstáculos, ... à providência de Deus em qualquer forma que venha a nós ... é a chave.

+ Arquimandrita Aimilianos de Simonopetra, das anotações pessoais de um de seus filhos espirituais, copiadas durante uma palestra do Ancião.

=================

Tudo o que tenho é ... minha “aflição” e meu “clamor” nessa aflição. Minha aflição é meu ascetismo, é minha prática, meu modo de vida, algo que ofereço a Deus. Este é o meu propósito, minha vontade - ou pelo menos meu desejo - de lutar e suportar a aflição, pois este é o clamor do meu coração. Todo o resto pertence a Deus; Eu não posso fazer mais. Mas porque me entreguei a Ele, porque me entreguei a Ele, não tenho medo. Estou a caminho do céu.

~ Arquimandrita Aimilianos, Salmos e a Vida de Fé, p. 320