Arquivo do blog

domingo, 9 de agosto de 2020

Élder Aimilianos : Além de seu trabalho pastoral, [os padres] também devem prever o grau em que irão falhar no trabalho que fazem.

  


Em Hagia Sophia: estou triste?

Há dois dias, um ex-aluno meu perguntou-me francamente se estou “triste” com o que aconteceu com Hagia Sophia. A questão é mais profunda do que "como você vê isso?" Ele pede uma reação mais profunda. Até ele me perguntar - devo confessar - nem mesmo me fiz essa pergunta. Então eu tive que dar uma resposta, uma resposta do meu coração. Então eu disse a ele: não estou nem um pouco triste. Esta postagem é para explicar por que esse é o caso. Posso estar errado em minha opinião, mas meu coração me diz o que se segue.

Em poucas palavras: não me importo muito com o passado. Ou o futuro, por falar nisso. Parece-me que o espaço é melhor como uma mesquita. Para começar, pelo menos será tratado com mais reverência do que um museu. Mas também - e este é o centro da minha opinião sobre isso - um museu (e também "uma antiga igreja", se é assim que se vê) é um monumento ao passado, e a Igreja é um presente, não uma coleção de vestígios.

Parece-me que nossas dores só podem vir do fato de sermos mundanos - sentimentos pessoais ou coletivos de orgulho, nostalgia, desejos, importância, de sermos oprimidos ou tratados injustamente etc. E isso é tudo mundo.

O que o Élder Aimilianos disse uma vez sobre ser humano se aplica aqui da maneira mais profunda:

Além de seu trabalho pastoral, [os padres] também devem prever o grau em que irão falhar no trabalho que fazem. Fracassar, não porque eles próprios sejam incapazes de triunfar, mas porque - diríamos - o apostolado do trabalhador na Igreja é precisamente falhar, falhar para demonstrar o poder de Deus. Elias, o zelote, foi enviado para testemunhar a verdade e pregar o Deus vivo. Mas que resultados este santo profeta viu de sua missão? A maneira como Deus o arrebatou desta vida foi maravilhosa, certamente, mas também podemos dizer que deve ter sido um golpe: significou sua substituição por outro profeta. No entanto, foi exatamente para a semente de seu testemunho que Deus o enviou. João, o Precursor, deu testemunho da verdade e reprovou os iníquos. No entanto, enquanto a transgressão continuou e parece prevalecer até os dias atuais, ele perdeu sua preciosa cabeça! Ele não teve sucesso. Mais uma vez, ele continua sendo o precursor de Cristo, o ápice dos profetas. Onde está a multidão de igrejas que os apóstolos fundaram no Oriente? Onde estão os feitos e milagres ascéticos realizados por tantos santos? O que aconteceu com a pregação de dez mil arautos da Palavra divina? O mundo continua a chafurdar na lama do pecado. E nossos próprios filhos, nossos próprios rebanhos, nosso próprio povo, pelo qual nos cansamos e por causa do qual agonizamos? Vamos admitir que eles continuarão vivendo nos pecados de seus corações, nas paixões pelas quais vive toda a sociedade. Eles devem, no entanto, sobreviver até a eternidade quando Deus os arrebatar na hora ordenada para cada um deles, e que só Ele conhece. Deus é Aquele que dá a vitória, mesmo enquanto nós mesmos sofremos dificuldades perpétuas.6:13 ) - isto é, o toco de Sião - como se dissesse a ele: 'Você falhará.'. Portanto, admitamos para nós mesmos que somos inúteis e dignos de testemunhas apenas para sermos esmagados sob o pisar daquele dedo do amor de Deus, ser pisados ​​no lagar da vida monástica ascética e que deleita a Cristo, ser derramados como vinho novo para alegrar o Senhor e ser transformado no sacramento do mundo vindouro.

O ponto mais importante que posso fazer sobre Hagia Sophia é o seguinte: nossa única missão é ganhar a Cristo. Tudo o mais na vida segue essa única coisa necessária e tudo o mais vem daí. Em nossa dedicação e serviço a Cristo, podemos colocar muitas coisas à frente dEle, até mesmo nosso serviço a Ele, nosso serviço a nossos semelhantes, nossa vocação, nosso desejo de ser bons, nossas experiências espirituais, nossa oração, nossa igreja, etc. (...) Ouvi-Lo, segui-Lo, desistir de todos os nossos bens materiais por Ele, desistir de tudo para servir aos outros é tudo uma coisa, e Ele próprio é outra. Tudo o que fazemos por Ele ainda pode ser feito sem ter nenhuma experiência real Dele. Eles podem ser feitos por algum sentido Dele, algum sentido de que Ele nos ama, que Ele está certo, que Ele é bom, até mesmo de algum sentido que Ele é Deus. Mas ter tal sensação ainda não é a experiência Dele. Os apóstolos desistiram de tudo por Ele, ouviram-no, seguiram-no, serviram-no e ainda até a descida do Espírito não tiveram experiência real Dele pelo que Ele realmente é. A experiência dEle é baseada em nossa própria morte. Só podemos nos aproximar Dele depois de morrer. A menos que caiamos no chão e morramos, não temos a Vida. À luz dessa morte, todas as coisas que fizemos antes dela revelarão sua humanidade e até que ponto eles - mesmo dedicados a Cristo - são Só podemos nos aproximar Dele depois de morrer. A menos que caiamos no chão e morramos, não temos a Vida. À luz dessa morte, todas as coisas que fizemos antes dela revelarão sua humanidade e até que ponto eles - mesmo dedicados a Cristo - são Só podemos nos aproximar Dele depois de morrer. A menos que caiamos no chão e morramos, não temos a Vida. À luz dessa morte, todas as coisas que fizemos antes dela revelarão sua humanidade e até que ponto eles - mesmo dedicados a Cristo - sãoainda monumentos de nosso egoísmo. Nossa morte em Cristo revelará nossa vida anterior como um tempo de ilusão. É assim que devemos entender as coisas, todas as coisas: Cristo é tudo.

Devemos também entender que a vitória de Cristo é simplesmente Sua vida. Ele não precisa vencer. Ele não precisa pegar em armas. Ele não precisa lutar contra nós ou ninguém ou qualquer coisa, por falar nisso. Tudo é Seu, porque Ele é tudo. Só podemos lamentar nossa vida e o que acontece ao nosso redor e conosco tendo uma percepção limitada Dele - diz São Simeão, o Novo Teólogo. Em outras palavras, o que é necessário para se preocupar com tudo e / ou ficar entristecido por qualquer coisa - mesmo sem se preocupar com as coisas boas como a Igreja, a prevalência do bem etc. - é um senso inflado de quem somos e , correspondentemente, um senso reduzido de quem Ele é.

É claro que nesta vida devemos trabalhar e labutar, mas o fazemos no jardim de outra pessoa. Nossos próprios filhos, por causa dos quais muitas vezes sofremos, são filhos de outra pessoa. Nossa própria família, nossos amigos, nossos companheiros membros da igreja, nossas igrejas, nossas comunidades, nossas vidas inteiras, eles não são nossos de forma alguma. Tudo é de Cristo.

https://apriestoftheorthodoxchurch.wordpress.com/page/4/