Arquivo do blog

terça-feira, 21 de abril de 2015

Cardeal Burke afirma: “Igreja feminilizada e meninas coroinhas contribuíram para a escassez de padres”


Cardeal Burke afirma: “Igreja feminilizada e meninas coroinhas contribuíram para a escassez de padres”



Garotos novos não querem fazer coisas de meninas. É algo natural. Eu acho que isso tem contribuído para uma perda de vocações sacerdotais”. E também: “Com exceção do padre, o santuário se encheu de mulheres. As atividades da paróquia e até da liturgia se tornaram tão femininas em diversos lugares que os homens não querem mais se envolver”.

Tradução e comentário Associação Cultural Montfort
Por David Gibson | Religion News Service
 


Cardeal Burke
O Cardeal Raymond Burke, um importante clérigo americano em Roma, que tem sido um dos maiores críticos da pressão por reformas do Papa Francisco, está causando barulho mais uma vez, desta vez ao argumentar que a Igreja Católica tornou-se muito “feminilizada”.

Burke, que recentemente foi rebaixado da mais alto tribunal do Vaticano a um posto filantrópico e cerimonial, também apontou a introdução de coroinhas meninas como razão para menos homens aderirem ao sacerdócio.

” Garotos novos não querem fazer coisas de meninas. É algo natural”, disse Burke em uma entrevista publicada nesta segunda-feira (05 de janeiro). “Eu acho que isso tem contribuído para uma perda de vocações sacerdotais”.

“Servir como um coroinha ao lado de um sacerdote requer certa disciplina masculina, e a maioria dos sacerdotes tiveram suas primeiras experiências profundas da liturgia como coroinhas”, disse o ex-arcebispo de St. Louis a Matthew James Christoff, que lidera um movimento de homens católicos chamado “The New Emangelization Project” [um trocadilho de Nova Evangelização com masculinização].

“Se não estamos treinando garotos como coroinhas, dando-lhes uma experiência de servir a Deus na liturgia, não devemos nos surpreender que as vocações tenham caído drasticamente”, disse Burke.

A Igreja Católica retirou a proibição de assistência de meninas aos sacerdotes durante a Missa em 1983, e hoje é comum ver mais meninas do que meninos ajudando no altar. Apenas uma diocese norte-americana, em Lincoln, Nebraska, ainda barra coroinhas meninas, apesar de várias outras paróquias esparsas excluírem-nas também, na esperança de incentivarem mais rapazes e homens a considerar o sacerdócio como exclusivamente masculino.

Na entrevista, Burke também culpou clérigos homossexuais pela crise de abuso sexual na Igreja, dizendo que sacerdotes “que eram efeminados e confusos sobre a sua própria identidade sexual” foram aqueles que molestaram crianças.

Pesquisadores têm contestado essa afirmação, e especialistas notam que o aumento relatado no número de gays a entrar no sacerdócio desde a década de 1980 coincidiu com uma queda acentuada nos casos de abuso.

[A afirmação do Cardeal Burke é corroborada pelo especialista Dr. Richard Fitzgibbons, em entrevista a ACI Digital. Esse psiquiatra de renome somente não menciona o dado do aumento dos padres gays a partir dos anos 80. Tais padres realmente entraram na Igreja em maior número a partir dessa década – talvez pela mesma brecha por onde entrou a “fumaça de Satanás”. Ainda que tardiamente, porém, no pontificado de Bento XVI, foi publicada uma instrução sobre os critérios vocacionais determinando que devem ser obrigatoriamente afastados os candidatos ao sacerdócio  que “praticam o homossexualismo, apresentam tendências homossexuais profundamente radicadas ou defendem a chamada cultura gay ” (Instrução sobre os critérios de discernimento vocacional acerca das pessoas com tendências homossexuais e sua admissão ao seminário e às ordens sacras, n.2 ) Infelizmente pouco se tem visto a aplicação concreta dessa instrução – salvo honrosas exceções – o que nos levar a temer que esses fatos tão lamentáveis possam se repetir].

Burke, 66 anos, falou com Christoff em dezembro, durante uma visita a La Crosse, Wisconsin, onde Burke serviu como bispo na década de 90, antes de ser nomeado arcebispo de St. Louis. Em 2008, o então Papa Bento XVI chamou Burke ao Vaticano para dirigir o tribunal superior da igreja e fez dele cardeal.
Essa posição de prestígio deu peso a suas críticas cada vez mais incisivas e diretas a Francisco, que sucedeu Bento em março de 2013.

Em uma medida incomum, Francisco efetivamente rebaixou Burke em novembro, removendo-o de seu trabalho na Cúria Romana para um cargo em grande parte cerimonial como patrono da Ordem de Malta, uma organização católica global de caridade com sede em Roma.

Observadores do Vaticano suspeitam que essa troca, na verdade, daria mais liberdade a Burke para dizer o que pensa, e nesta última entrevista, o cardeal atacou com mais vigor temas que ele já havia atacado: que mudanças liberalizantes na sociedade e na Igreja, especialmente o “feminismo radical”, tem minado gravemente a fé católica desde os anos 70.

Burke disse se lembrar de “rapazes me dizendo que eles estavam, de certa forma, assustados com o casamento por causa das atitudes radicalizadas e autocentradas das mulheres que estavam surgindo naquela época. Esses jovens estavam preocupados de entrar em um casamento que simplesmente não iria funcionar por causa de uma constante e insistente reivindicação de direitos para as mulheres”.

Ele disse que “o movimento feminista radical influenciou fortemente a Igreja” também.

O foco em questões das mulheres, disse ele, além de “um completo colapso” do ensino religioso e a “experimentação litúrgica galopante”, levaram a Igreja a se tornar “muito feminilizada”. Isso desestimulou homens que “[preferem] responder a rigor, precisão e excelência”, disse Burke.

“Com exceção do padre, o santuário se encheu de mulheres”, disse ele. “As atividades da paróquia e até da liturgia foram influenciadas pelas mulheres e se tornaram tão femininas em diversos lugares que os homens não querem se envolver”.

Burke, um tradicionalista litúrgico, bem como um conservador doutrinário, que é conhecido por usar elaborados paramentos de seda e renda para celebrar a Missa, também disse que “os homens precisam se vestir e agir como homens de uma forma que seja respeitosa a si mesmos, às mulheres e aos filhos”.

Créditos e Tradução: AssociaçãoCultural Montfort