http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

CONSERVAR O DEPÓSITO DA FÉ

 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...
 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...

Arquivo do blog

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Martín Descalzo comenta o desesenrolar do Concílio Vaticano II

   Capítulo 1: Un Concilio rodeado de esperanzas y temores


Capítulo 2º: Una conciencia litúrgica llena de prejuicios y errores

Capítulo 3º: "Los vientos" anuncian nueve puntos...

Capítulo 4º: La Comisión Preparatoria, el esquema general y la Comisión Litúrgica Conciliar

Capítulo 5º: Un sofisma: buscar lo moderado entre dos extremos

Capítulo 6º: La conferencia de Dom Philibert Schmitz

Capítulo 7º: Ejercicio de santa indiferencia entorno al latín

Capítulo 8º: "Ottobratta" Romana: ¿El deshielo de la liturgia?

Capítulo 9º: Final de Octubre: entre el acuerdo absoluto y las mayores diferencias

Capítulo 10º: ¿Una conferencia divertida del P. Massili? Simplemente un "Flatus Vocis".

Capítulo 11º: ¿Una Misa ecuménica?

 

Capítulo 12: ¿Cambios en la liturgia de los sacramentos?

Capítulo 13: ¿Un nuevo Breviario?Capítulo 14: Acabando el esquema, temas menores.

Capítulo 15: La hora del balance: Tres lecciones, tres descubrimientos
Capítulo 16: Fin de 1962: Ensueños tras una puerta abierta...
Capítulo 17: 2ª Etapa Conciliar: Todo sigue adelante con Pablo VI
Capítulo 18: Octubre 1963: Frenazos y acelerones
Capítulo 19: 22 Noviembre 1963: Una fecha importante
Capítulo 20: Promulgación de la Sacrosantum Concilium
Capítulo 21: La primera golondrina del Concilio
Capítulo 22: Nueva luz y nuevo frenazo
Capítulo 23: Olor a Jueves Santo
Capítulo 24: Se promulga la Reforma Litúrgica
Capítulo 25: 1965, año de tensiones
Capítulo 26: 1965 El año del gran paso litúrgico
Capítulo 27: La batalla final y los últimos preparativos
Capítulo 28: 1967-1969: Nacimiento del Novus Ordo