Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 15 de julho de 2011

COMPARAÇÃO DOS PRÓPRIOS NOS MISSAIS DE S. PIO V E PAULO VI

 


  Pe. Pietro Leone
                                                                                                                 Tradução: Miguel Frasson
Compararemos os Próprios do rito antigo e no novo, isto é, as orações conhecidas no rito antigo como as Coletas, as Secretas e a Pós-Comunhão; assim como as leituras dos Evangelhos e das Epístolas. Pe. Anthony Cekada, em seu trabalho “Os problemas com as Orações da Missa Moderna” (“The Problems with the Prayers of the Modern Mass”, 1991), escreve que as orações datam em parte desde o século quinto, e que a Tradição data o núcleo das Coletas desde o Papa São Dâmaso (366-384). Ele mostra a extensão das mudanças feitas nas orações: o Missal do rito antigo contém 1.183 orações; 760 delas foram completamente abolidas, e metade das que sobraram foram alteradas de forma que agora não mais que 17% das orações originais sobreviveram. 
No resto desta seção nos concentraremos nas mudanças feitas nas Coletas tendo como base o trabalho Liturgia – Memoria o Istruzioni per l’Uso?, (2002) de Lorenzo Bianchi, ainda que mudanças semelhantes são mostradas nas outras orações, como Pe. Cekada mostra.
As Coletas
Lorenzo Bianchi considera as Coletas dos Domingos e das Festas de Preceito como sendo aquelas orações mais frequentemente ouvidas pelos fiéis (p. 122). Ele explica (particularmente na p. 128-9) que as Coletas do Rito Antigo retratam a condição humana do pecado, dos perigos vindos dos inimigos interiores e exteriores, da compaixão e amor pessoais de Deus; enquanto que as Coletas do Rito Novo retiveram menos de metade nestes temas — em proporção de 122:57, enquanto que dobraram as referências a graça, dom e amor (gratia, donum, dilectio, etc) — na proporção 9:17.
O resultado é que o Rito Novo não mais apresenta uma visão de Graça e pecado como o Rito Antigo, no qual o homem implora a misericórdia de Deus numa luta concreta de vida ou morte; mas antes apresenta a vida do homem como uma situação, “uma condição dada automaticamente”, onde o homem é chamado a empenhar-se (impegno), ao que a ajuda de Deus é pedida, de forma que o homem possa alcançar a salvação.
O Novo Rito não mais se preocupa com os perigos, inimigos, e uma resposta pessoal da parte de Deus, mas meramente busca a ajuda de Deus como uma forma de “universalismo genérico”. Com efeito, os criadores do Rito Novo separaram Graça de pecado, e numa análise final (de um modopelagiano) da condição humana em si, de forma que ela se torna não mais que “um ornamento apenas”. O que tornou-se importante é “compromisso” (impegno), com seu impulso social, ativista, moralista, e em relação a um ideal não dado imediatamente (p. 25).