http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

CONSERVAR O DEPÓSITO DA FÉ

 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...
 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...

Arquivo do blog

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Jesus não precisa de exércitos para vencer o mal, a sua força é a humildade – Papa Francisco na Missa em Santa Marta

 



RealAudioMP3
Onde está Jesus há humildade, mansidão e amor. Estas as ideias principais que podemos colher da meditação matinal do Papa Francisco na Missa na Capela da Casa de Santa Marta nesta Terça-Feira 3 de Setembro. O Santo Padre deixou claro que Jesus não precisa de exércitos para vencer o mal e partindo das palavras de S. Paulo que se dirige aos discípulos dizendo-lhes que eles não são filhos das trevas mas filhos da luz, o Papa Francisco desenvolveu a sua meditação desta manhã apontando Jesus como a Luz da Paz.
“Si può conoscere tutto, si può avere scienza di tutto e questa luce sulle cose. Ma la luce di Gesù è un’altra cosa. Non è una luce dell’ignoranza, no! E’ una luce di sapienza e di saggezza, ma è un’altra cosa che la luce del mondo...
“Pode-se conhecer tudo, pode-se ter a ciência de tudo e esta luz sobre as coisas. Mas a luz de Jesus é outra coisa. Não é uma luz da ignorância, não! É uma luz de sapiência e de sabedoria, mas é outra coisa do que a luz do mundo. A luz que nos oferece o mundo é uma luz artificial, talvez forte, até mais forte como aquela de Jesus, assim como um fogo de artifício, como um flash de uma fotografia. Ao contrário a luz de Jesus é uma luz mansa, uma luz tranquila, é uma luz de paz, é como a luz da noite de Natal: sem pretensões.”
A identidade cristã é uma identidade da luz e não das trevas – continuou o Papa Francisco – que afirmou ter sido a luz de Jesus mal aceite pelo mundo pois Jesus veio para nos salvar do pecado pois a sua luz salva-nos das trevas e dá-nos a paz. Mas – disse ainda o Santo Padre - muitas vezes o demónio aparece travestido de anjo da luz. Quantos acreditam de viver na luz e afinal vivem nas trevas, porque não querem ver a luz de Jesus que é uma luz humilde, mansa, que não se impõe, uma luz com a força da humildade e da mansidão que nos ajuda a olhar sem medo a Cruz de Cristo. No entanto, se nos deixarmos enganar e aceitamos uma luz que nos faz ser orgulhosos e cheios de soberba essa é a luz do diabo. E para distinguir uma luz da outra – disse o Papa Francisco – basta saber aonde está a humildade, a mansidão, o amor e a cruz, é aí que está Jesus, a verdadeira luz.
“Gesù non ha bisogno di un esercito per scacciare via i demoni, non ha bisogno della superbia, non ha bisogno della forza, dell’orgoglio.
“Jesus não precisa de um exército para expulsar os demónios, nem precisa da soberba, nem da força, nem do orgulho. Que palavra é esta que comanda com autoridade e potência aos espíritos impuros e esses desaparecem? Esta é uma palavra humilde, mansa, com tanto amor; é uma palavra que nos acompanha nos momentos de cruz. Peçamos ao Senhor que nos dê hoje a graça da sua luz e nos ensine a distinguir quando a luz é e vem Dele ou quando é uma luz artificial, feita pelo inimigo para nos enganar.”