http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

Arquivo do blog

terça-feira, 1 de outubro de 2013

A Missa é o sacrifício da Nova Lei, em que Cristo é oferecido e incruentamente imolado

AO PÉ DO ALTAR


AO PÉ DO ALTAR


A santa Missa em geral;
A divisão da Santa Missa;


A Santa Missa em geral.
Grandes preparativos, na verdade, para o ato religioso que se está para começar!
O aparato até aqui apontado e descrito visa só e unicamente a santa Missa. São preparativos remotos, sim, mas intimamente conexos com o ato central da santa Missa. Este ato central, augusto, sublime e cheio de mistérios, é o da consagração; ato em que o pão e o vinho se transubstanciam no Corpo e Sangue de Jesus cristo. É o ato central em torno do qual gravitam a bem dizer os outros atos, desde os mais remotos aos mais próximos.
Descritos e explanados os atos remotos, resta descrever e explanar os próximos. Antes, porém, de entrar nos particulares, convém dar o conceito da Missa, a sua história, e suas partes principais.

* * *

Que se entende por Missa?
Se é só questão de nome, Missa é o que entre os gregos se chama “mistagogia”, que quer dizer, iniciação nos mistérios de uma religião; Hierurgia, isto é, ação sagrada, santa; e liturgia, isto é, rito.
Missa é o que entre os latinos se chama sacrifício, oblação, agenda, ação por excelência, fração dos pães, oferta e comunhão.
Tudo isso significa Missa e tudo se qualifica pelo nome “Missa”.
Mas donde veio semelhante nome a tão augusta ação, de modo a dominar todos os mais que são em si muito mais expressivos e próprios para dar-nos dela uma ideia mais exata?
Veio do fato seguinte: Os catecúmenos eram despedidos da assembleia dos fiéis antes de se iniciarem os santos mistérios. Dizia-se-lhes então: “Ite, Missa est!” – Ide-vos, é a hora de partir! – Outros diziam: - Ide-vos, estais despachados!
Não se perca pela expressão. O pensamento é assaz claro: “Missa” vem do verbo latino “mittere” que quer dizer ação de enviar, despachar, etc., donde a palavra “misso” – envio, despacho, etc.
E porque de ordinário, seguiam à despedida dos catecúmenos os sagrados mistérios, passou-se desde logo a denominar “Missa” o conjunto de todos esses mistérios.
A Igreja continua ainda hoje, na liturgia da Missa, a usar o “Ite, missa est”, com a única diferença de que agora não já despede catecúmenos, a quem era vedado assistir ao santo sacrifício, mas fiéis que acabam de assistir a ele. O “Ite, missa est’ de hoje declara que a Missa acabou, ao passo que o de outrora dizia que a Missa ia começar.
Restaria expender agora o conceito de Missa quanto à sua essência; mas bastará recorda-lo, visto não diferenciar em sua substancia do que se disse acima a respeito do “Sacrifício da Nova Aliança”. Sempre, pois, que ouvimos falar de Missa, devemos, como cristãos católicos, crer o que dela diz o Concílio Tridentino contra os hereges de Lutero, Calvino, etc. quando assim a define:
“A Missa é o sacrifício da Nova Lei, em que Cristo é oferecido e incruentamente imolado, debaixo das espécies de pão e vinho, pelo ministério de um homem, em prol da Igreja, a fim de reconhecer o supremo domínio de Deus e nos aplicar as satisfações (pelos pecados) e os merecimentos de sua paixão”.
A santa Missa é, na verdade, como já acima dissemos, um verdadeiro sacrifício: nela encontram-se os dois elementos essenciais do sacrifício: a oblação e a imolação, como também o elemento integral: a comunhão.
Que isto seja assim, bem se vê pela definição do Concílio Tridentinno, que, anatematizando os inovadores do século XVI, se exprime, a respeito, desta forma:
“Se alguém disser que na Missa não se oferece a Deus um verdadeiro e próprio sacrifício, ou que o que se oferece não é mais que o Cristo que se nos dá a nós em alimento, seja anátema”(Sess. X, XII, can. 1).

* * *

Sabendo o que é a santa Missa, pode-se passar a ver em traços rápidos a sua história, isto é, o seu desenvolvimento quanto às preces e ritos.
Se voltarmos os olhos para a primeira santa Missa, celebrada pelo seu próprio Instituidor, Jesus Cristo, naquela memorável hora da última ceia; e se lermos o que São João Evangelista escreve sobre as cerimônias e orações, nos convenceremos facilmente de que a primeira Santa Missa continha em botão o que em séculos posteriores foi desabrochando nesta formosa flor de sedutoras e impressionantes cerimônias litúrgicas e sublimes e divinas orações rituais.
A santa Missa foi sempre a mesma desde a sua origem até aos nossos tempos, se a considerarmos em sua essência; mas assumiu disposições externas diversas através dos séculos, vindo a dar nas que tem hoje.
Sendo diversos os ritos, cerimônias e composição das orações, sobretudo na Igreja Oriental e Ocidental, e sendo que a nós mais interessam as da Igreja Ocidental, a que pertencemos, nestas nos demoraremos um pouco.

* * *

A flor da liturgia da santa Missa se ostenta formosa e impressionante segundo o rito Romano, que é um dos ritos ocidentais.

(N. B. O rito Oriental tem a liturgia armênia, que supera em majestade e esplendor a liturgia romana. São dignos de nota os ritos antigos, que constituem a Liturgia de S. Jacob, de S. Cirilo de Jerusalém, de S. Basílio e de S. João Crisóstomo).

Outros houve que estiveram em uso na Igreja Ocidental, como o rito galicano (a antiga liturgia da França), o rito milanês ou liturgia ambrosiana e o rito mozarábico na Espanha.
(N. B. Liturgia seguida antigamente na Espanha pelos Mozarábicos, cristãos vencidos e mesclados com mouros desde o século VIII, chamados também Mistarábicos).
Passemos a historiar a origem e a evolução do rito romano antigo,para depois entrar a estudar mais de perto o rito romano novo fixado e prescrito definitivamente para todo o Ocidente pelo Sumo Pontífice, o Papa S. Pio V, no século XVI.

* * *

O cerimonial litúrgico antigo era um e o mesmo para todos os celebrantes (papas, bispos e sacerdotes), existindo a única diferença de que os simples sacerdotes não podiam cantar o "Gloria in excelsis".
Segundo este cerimonial a Missa era celebrada só cantando, e por isso não podia haver numa e mesma igreja duas ou mais Missas ao mesmo tempo.
Com o decorrer dos tempos, porém, cresceu o número de sacerdotes, cresceu o número dos exigentes de Missas, cresceu o número de igrejas, capelas, santuários e altares; e para se poder satisfazer a tudo e a todos, introduziu-se no século VI a Missa lida, costume que se foi generalizando de forma que as Missas cantadas se celebravam só no altar-mor ou principal, onde os diáconos e subdiáconos tinham o ensejo de desempenhar o seu ofício.
Mas nem por isso foram suprimidos os elementos que constituem a Missa solene na Missa lida ou simples, com exceção de uns poucos que se referem à incensação. Assim, pelo que diz respeito às cerimônias rituais, encontramos realmente uma inteira redução na missa lida ou simples; mas, pelo que diz respeito às palavras, nela as encontramos todas. Se há nestas alguma diferença, consiste só nisso: que as palavras ou orações cantadas na Missa solene são proferidas em voz alta na Missa simples.
Há ainda outro importante fator que induziu a que se celebrassem Missas simples: é que até ao sé- culo V as santas Missas eram celebradas só nos domingos; na segunda metade do século quinto o papa S. Leão (460) permitiu a celebração da santa Missa também nas quartas e sextas-feiras das "Quatro Têmporas” na segunda metade do século VIII, o papa S. Gregórío II (731) estendeu esta permissão para todos os dias da Quaresma, com exceção das quintas-feiras.
Pouco depois passou-se a honrar de modo mais público a Virgem, Mãe de Deus, para o que se escolheu de preferência o dia de sábado; e como a santa Missa é o ato por excelência, a fim de honrar e venerar a Mãe de Deus, os santos e devotos obtiveram dos Sumos Pontífices a licença de celebrar todos os sábados do ano.
Finalmente, já por um, já por outro motivo, honraram-se dentro em breve todos os dias da semana com a oblação do santo sacrifício.
O único dia do ano em que é vedada a celebração da santa Missa, e isto ainda hoje, é o dia da sexta-feira santa. Supre-se todavia com a Missa chamada dos Pressantificados. (N. B. Chama-se Missa dos pressantificados a que o sacerdote oferece no altar e comunga com as espécies eucarísticas consagradas na vigília; no dia mesmo não se faz a consagração).
Não satisfeita a .Igreja com esta graça, concedeu a celebração da santa Missa mesmo duas e mais vezes ao dia a cada sacerdote, o queé ainda hoje permitido a alguns sacerdotes em caso de necessidade e com licença prévia do bispo, como seja o binar (dizer duas missas) em festas de guarda, na falta de sacerdotes.
Parece ter sido de uso comum no século IX e seguintes que um só mesmo sacerdote celebrasse mais Missas ao dia. Certo é que opapa S. Leão (795-816) oferecia às vezes sete e mais vezes o santo sacrifício cada dia. E quem não diria provir deste tempo o costume que, a partir de 10- VIII-1915, vigora em toda a Igreja Ocidental de os padres celebrarem ainda hoje três santas Missas na festa do santo Natal e no dia dos Finados?

* * *

Por tudo isto se entende perfeitamente a redução do aparato exterior na celebração da santa Missa; donde se originou a Missa rezada (simples), sem todavia eliminar a cantada, (solene). Diga-se desde já, que é nosso intento descrever logo abaixo a santa Missa solene, visto encontrarem-se nesta os elementos todos que estão numa Missa simples.
Este desenvolvimento tão favorável e a gosto dos sacerdotes teve outra consequência: a de os sacerdotes poderem rezar suas Missas independentemente dos respetivos bispos, porquanto fora primitivamente uso universal que os sacerdotes rezassem a santa Missa juntamente com o próprio bispo, (concelebratío). da mesma forma como hoje os neo-presbíteros, no dia da ordenação, rezam a sua primeira Missa com o bispo consagrante.
Este modo de rezar a santa Missa está ainda em prática na Igreja Oriental.

Baste o dito sobre o desenvolvimento geral da ação externa da santa Missa; porque pelo que diz respeito ao seu desenvolvimento particular assim da ação externa como interna,dir-se-á de passagem e "occasíone data" logo mais, quando descrevermos a santa Missa solene segundo o novo rito romano.

Passemos agora à divisão da santa Missa.




Publicado Anteriormente: