Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Bento XVI:Cruz, livro, arado - os três "vínculos" de São Bento, que soube ter presente, juntamente com as exigências divinas, as razões do coração, a


Bento XVI nas Vésperas em Montecassino

De tarde, após um encontro com a comunidade monástica e alguns dos organizadores da visita, Bento XVI presidiu à celebração de Vésperas, na basílica da Abadia, com a participação de Abades beneditinos, monges e monjas vindos de todo o mundo. Na alocução então pronunciada, Bento XVI deteve-se na figura de São Bento, “eminente mestre de vida monástica”, “doutor de sabedoria espiritual no amor à oração e ao trabalho”, “guia irradiante para a luz do Evangelho”, conduzindo os homens de todos os tempos a procurarem a Deus e as riquezas eternas que Ele preparou”.
“Sim, Bento foi luminoso exemplo de santidade, indicando aos monges Cristo como único grande ideal. Foi mestre de civilização que, propondo uma visão adequada e equilibrada das exigências divinas e das finalidades últimas do homem, teve sempre também bem presentes as necessidades e as razões do coração, para que, no conjunto das relações sociais não se perdesse de vista uma unidade de espírito capaz de construir e alimentar sempre a paz”.
Reconstruída depois do “imane desastre da II Guerra mundial, a Abadia de Montecassino – observou o Papa –- ergue-se “como uma silenciosa advertência a rejeitar toda e qualquer forma de violência para construir a paz: nas famílias, nas comunidades, entre os povos e na humanidade inteira”. Seguindo o caminho vivido e traçado por São Bento. “os mosteiros tornaram-se, no decurso dos séculos, fervorosos centros de diálogo, de encontro e de benéfica fusão entre populações diversas, unificadas pela cultura evangélica da paz”.
“Os monges souberam ensinar, com a palavra e o exemplo, a arte da paz, concretizando os três vínculos que Bento indica como necessários para conservar a unidade do Espírito entre os homens: a Cruz, que é a própria lei de Cristo; o livro – ou seja, a cultura; e o arado, que indica o trabalho, o domínio sobre a matéria e sobre o tempo.
Graças à actividade dos mosteiros, articulada no tríplice empenho quotidiano da oração, do estudo e do trabalho, povos inteiros do continente europeu conheceram um autêntico resgate e um benéfico desenvolvimento moral, espiritual e cultural, educando-se ao sentido da continuidade com o passado, à acção concreta a favor do bem comum, à abertura a Deus e à dimensão transcendente”.
O Papa convidou a rezar “para que a Europa saiba valorizar sempre este património de princípios e de ideais cristãos que constitui uma imensa riqueza cultural e espiritual”.