http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

Arquivo do blog

domingo, 23 de outubro de 2011

Bento XVI proclama três novos santos: Guido Conforti, bispo fundador de um Instituto Missionário; Luís Guanella, padre, "apóstolo da caridade"; e Bonifácia de Castro, apóstola do trabalho manual, como em Nazaré

 

(23/10/2011) Três santos solenemente proclamados pelo Papa neste domingo, numa Eucaristia na praça de São Pedro. Dois italianos e uma espanhola, que viveram entre o séc. XIX e XX, dando origem a congregações religiosas: D. Guido Maria Conforti, bispo, que fundou os Missionários Xaverianos; o popular padre Luigi Guanella, fundador dos Servos da Caridade  


Na homilia, comentando o Evangelho em que Jesus recorda que o primeiro mandamento é amar a Deus com todo o coração e todas as forças, Bento XVI observou que, de facto, “a principal exigência para cada um de nós é que Deus esteja presente na nossa vida”. “Como diz a Escritura (Deus) deve penetrar todos os extratos do nosso ser, preenchendo-os completamente: o coração deve saber d’Ele, deixar-se tocar por Ele, e assim também a alma, as energias do nosso querer e decidir , e ainda a inteligência e o pensamento. É um poder dizer, como são Paulo: ‘não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim’.”
“Declarando que o segundo mandamento é semelhante ao primeiro, Jesus dá a entender que a caridade para com o próximo é importante quanto o amor a Deus”.
De facto, o sinal visível que o cristão pode dar para testemunhar ao mundo o amor de Deus é o amor aos irmãos. Como aparece então providencial o facto de que precisamente hoje a igreja indique a todos os seus membros três novos Santos, que se deixaram transformar pela caridade divina e a ela conformaram toda a sua existência. Em diversas situações e com diferentes carismas, eles amaram o Senhor com todo o coração e ao próximo como a sai mesmos, tornando-se modelo para todos os crentes”.

Evocando, um a um, o exemplo particular de cada um dos três santos, o Papa começou por evocar o caso do bispo D. Guido Conforti, que desde novo tomou a firme decisão de seguir a vontade de Deus, correspondendo em tudo àquela “caritas Christi” que contemplava no Crucifixo: “Ele sentiu fortemente a urgência de anunciar este amor a todos os que o não o haviam ainda recebido. O lema ‘Caritas Christi urget nos’ sintetiza o programa do Instituto Missionário a que deu vida: uma família religiosa inteiramente ao serviço da evangelização, sob o patrocínio do grande apóstolo do Oriente, São Francisco Xavier”.

Relativamente ao padre Luigi Guanella, “um novo santo da caridade” (disse), o Papa sublinhou precisamente o imenso amor que o levou a dedicar-se a todos os carenciados, como aqueles de que falava a primeira leitura da missa:
“O testemunho humano e espiritual de São Luigi Guanella é para toda a Igreja um particular dom de graça. Durante a sua existência terrena ele viveu com coragem e determinação o Evangelho da Caridade, o ‘grande mandamento’ que também hoje a Palavra de Deus nos recordou”. “Queremos hoje louvar e dar graças ao Senhor porque em são Luís Guanella nos deu um profeta e um apóstolo da caridade. No seu testemunho, tão denso de humanidade e de atenção aos últimos, reconhecemos um sinal luminoso da presença e da ação benéfica de Deus”. Bento XVI fez votos de que este “novo Santo da caridade” seja para todos “modelo de profunda e fecunda síntese entre contemplação e ação”, tal como ele próprio a viveu. “É o amor de Cristo que ilumina a vida de cada homem, revelando como no dom de si ao outro nada se perde, mas se realiza plenamente a nossa verdadeira felicidade.”.

Finalmente, o exemplo de Santa Bonifácia que soube valorizar a dignidade do trabalho manual, quotidiano, com a humildade e simplicidade da vida de Nazaré. “A nova santa apresenta-se-nos como um modelo acabado em que ressoa o trabalho de Deus, um eco que chama as suas filhas, as Servas de São José, e também a todos nós, a acolher o seu testemunho com a alegria do Espírito Santo, sem temer a contrariedade, difundindo em todas as partes a Boa Notícia do Reino dos céus”.

No final da celebração, já passado o meio-dia, antes da recitação das Ave-Marias, Bento XVI saudou os muitos peregrinos vindos a Roma para participar nestas canonizações. Dirigindo-se às autoridades civis e religiosas e aos fiéis provenientes da Itália, o Papa congratulou-se com mais dois extraordinários exemplos de vida cristã hoje proclamados santos: “Mais uma vez a Itália ofereceu à Igreja e ao mundo luminosos testemunhos do Evangelho. Demos por isso graças a Deus e rezemos para que nesta nação a fé não cesse de renovar-se e de produzir bons frutos”.

Uma saudação também aos peregrinos de língua espanhola: “Que o exemplo e intercessão destas preclaras figuras, preciosos dons para a Igreja, impulsionem todos a renovarem o compromisso de viver de todo o coração a fé em Cristo, testemunhando-O nos diferentes âmbitos da sociedade”.

A concluir, antes das Ave Marias, Bento XVI confiou à intercessão de Nossa Senhora a Jornada de reflexão, diálogo e oração pela justiça e paz no mundo, que terá lugar na próxima quinta-feira, dia 27, em Assis, a 25 anos da que foi convocada por João Paulo II.