Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Bento XVI recordou o seu predecessor, Eugénio Pacelli, o último Papa que nasceu em Roma, que guiou a Igreja “numa época marcada pelos totalitarismos: o nazi, o fascista e o comunista soviético”. A todas estas situações, Pio XII reagiu com condenações escritas, nas encíclicas

Bento XVI convidou hoje a rezar “para que prossiga felizmente a causa de beatificação” de Pio XII, Papa que faleceu há 53 anos, no dia 9 de Outubro de 1958, destacando a sua acção durante a II Guerra Mundial.

Pio XII, assegurou o actual Papa, “agiu muitas vezes de forma secreta e silenciosa, porque, à luz das situações concretas daquele complexo momento histórico, ele intuía que só desta forma podia evitar o pior e salvar o maior número possível de judeus”.

O Papa admitiu que “o debate histórico sobre a figura do servo de Deus Pio XII, nem sempre sereno, falhou no que toca a dar relevo a todos os aspectos do seu poliédrico pontificado”.

Numa cerimónia que decorreu na Basílica de São Pedro, no Vaticano, Bento XVI recordou o seu predecessor, Eugénio Pacelli, o último Papa que nasceu em Roma, que guiou a Igreja “numa época marcada pelos totalitarismos: o nazi, o fascista e o comunista soviético”. A todas estas situações, Pio XII reagiu com condenações escritas, nas encíclicas “Non abbiamo bisogno, Mit Brennender Sorge e Divini Redemptoris”.

Estiveram presentes na celebração os Cardeais da Cúria Romana e os delegados dos episcopados católicos de todo o mundo, que participam no Sínodo dos Bispos.

Segundo Bento XVI, o Papa Pacelli percebeu desde o início “o perigo constituído pela monstruosa ideologia nacional socialista (nazi, ndr), com as suas perniciosas raízes antisemitas e anticatólicas”.

O Papa lembrou os “momentos mais duros” do pontificado de Pio XII, que se iniciou “quando de adensavam na Europa e no resto do mundo as nuvens ameaçadoras de um novo conflito mundial, que ele procurou evitar de todas as formas”.

Neste contexto, chamou a atenção para a “intensa obra de caridade que (Pio XII) promoveu em defesa dos perseguidos, sem distinção de religião, de etnia, de nacionalidade ou pertença política”.

“Familiares e outras testemunhas referem as privações quanto a comida, aquecimento, vestuário e outras comodidades a que se submeteu, para partilhar a condição das pessoas duramente provadas pelos bombardeamentos e as consequências da guerra”, acrescentou Bento XVI.

O Papa lembrou uma radiomensagem, no Natal de 1942, em que Pio XII “deplorou a situação de «centenas de milhares de pessoas, as quais, sem nenhuma culpa, são destinadas à morte por causa da sua nacionalidade ou raça”. Para Bento XVI, esta é uma “clara referência à deportação e ao extermínio perpetrado contra os judeus”.

Na sua homilia, Bento XVI citou os “numerosos e unânimes atestados de gratidão” dirigidos a Pio XII no final da guerra e no momento da sua morte, destacando as que chegaram das mais altas autoridades do mundo judaico, como por exemplo de Golda Meir: “Quando o martírio mais terrível se abateu sobre o nosso povo, durante os dez anos do terror nazi, a voz do Pontífice levantou-se em favor das vítimas”.

Concluída a celebração, o Papa dirigiu-se para junto do túmulo de Pio XII, onde ficou durante breves minutos num momento de oração pessoal.