BEATO CARLO ACUTIS , A EUCARISTIA É A MINHA AUTO -ESTRADA PARA O CÉU

 


Arquivo do blog

domingo, 27 de outubro de 2019

A oração de Jesus , São Teófano, o Recluso


Download pdf
Você leu sobre a oração de Jesus, não leu? E você sabe o que é da experiência prática. Somente com a ajuda desta oração a ordem necessária da alma pode ser mantida firmemente; somente através desta oração podemos preservar nossa ordem interior imperturbável, mesmo quando distraídos pelos cuidados domésticosSomente esta oração torna possível cumprir a ordem dos Padres: as mãos em ação, a mente e o coração com Deus. 
Quando essa oração é enxertada em nosso coração, não há interrupções internas e continua sempre da mesma maneira, fluindo uniformemente.
O caminho para alcançar uma ordem interior sistemática é muito difícil, mas é possível preservar esse estado mental (ou similar) durante as várias e inevitáveis ​​tarefas que você deve executar; e o que torna possível é a oração de Jesus quando é enxertada no coração. Como pode ser tão enxertado? Quem sabe ? Mas isso acontece. Quem se esforça está cada vez mais consciente desse enxerto, sem saber como ele foi alcançado. Para lutar por essa ordem interior, devemos andar sempre na presença de Deus, repetindo a Oração de Jesus o mais rápido possível. Assim que houver um momento livre, comece de novo de uma vez e a criação será alcançada ...
A oração de Jesus e o calor que a acompanhaOrar é estar espiritualmente diante de Deus em nosso coração em glorificação, ação de graças, súplica e penitência contrita. Tudo deve ser espiritual. A raiz de toda oração é o temor devoto a Deus; daí vem a crença em Deus e a fé nEle, submissão de si a Deus, esperança em Deus e apego a Ele com o sentimento de amor, no esquecimento de todas as coisas criadas. Quando a oração é poderosa, todos esses sentimentos e movimentos espirituais estão presentes no coração com o vigor correspondente.
Como a oração de Jesus nos ajuda nisso?
Através da sensação de calor que se desenvolve dentro e ao redor do coração como o efeito desta Oração ...
Quando oramos, devemos permanecer em nossa mente diante de Deus e pensar somente nEle. No entanto, vários pensamentos permanecem na mente e afastam-na de Deus. Para ensinar a mente a descansar em uma coisa, os Santos Padres usaram orações curtas e adquiriram o hábito de recitá-las incessantemente. Essa repetição incessante de uma breve oração manteve a mente no pensamento de Deus e dispersou todos os pensamentos irrelevantes. Eles adotaram várias orações curtas, mas é a oração de Jesus que se tornou particularmente estabelecida entre nós e é geralmente empregada: 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador!'
Então é isso que é a oração de Jesus. É uma entre várias orações curtas, orais como todas as outras. Seu objetivo é manter a mente no único pensamento de Deus. Quem criou o hábito desta oração e a usa adequadamente, realmente se lembra de Deus incessantemente.
Visto que a lembrança de Deus em um coração sinceramente crente é naturalmente acompanhada por um senso de piedade, esperança, ação de graças, devoção à vontade de Deus e por outros sentimentos espirituais, a Oração de Jesus, que produz e preserva essa lembrança de Deus, é chamada de espiritual oração. É justamente assim chamado quando é acompanhado por esses sentimentos espirituais. Mas quando não é acompanhado por eles, permanece oral como qualquer outra oração do mesmo tipo.
Qual é o significado desse calor que acompanha a prática da Oração?
A fim de manter a mente em uma coisa pelo uso de uma oração curta, é necessário preservar a atenção e levá-la ao coração: enquanto a mente permanecer na cabeça, onde os pensamentos se empurram, não há tempo para se concentrar em uma coisa. 

Mas quando a atenção desce para o coração, atrai todos os poderes da alma e do corpo para um ponto ali. Essa concentração de toda a vida humana em um só lugar é imediatamente refletida no coração por uma sensação especial que é o começo do calor futuro. Essa sensação, fraca no início, torna-se gradualmente mais forte, mais firme, mais profunda. A princípio, apenas morno, ele se transforma em um sentimento caloroso e concentra a atenção em si. E assim acontece, enquanto nos estágios iniciais a atenção é mantida no coração por um esforço de vontade, no devido tempo, essa atenção, pelo seu próprio vigor, dá à luz calor no coração. Esse calor então prende a atenção sem esforço especial. A partir disso, os dois continuam se apoiando e devem permanecer inseparáveis; porque a dispersão da atenção esfria o calor e a diminuição do calor enfraquece a atenção.
A partir disso, segue uma regra da vida espiritual: se você mantiver o coração vivo em direção a Deus, estará sempre em lembrança de DeusEsta regra é estabelecida por São João da Escada.
Surge agora a questão de saber se esse calor é espiritual. Não, não é espiritual. É um calor físico comum. Mas, uma vez que mantém a atenção da mente no coração e, portanto, ajuda o desenvolvimento dos movimentos espirituais descritos anteriormente, é chamado de espiritual, desde que não seja acompanhado por prazer sensual, por mais leve que seja, mas mantém o alma e corpo em humor sóbrio.
Daí resulta que, quando o calor que acompanha a Oração de Jesus não inclui sentimentos espirituais, não deve ser chamado de espiritual, mas simplesmente de sangue quente. Não há nada em si ruim nesse sentimento de sangue quente, a menos que esteja conectado ao prazer sensual, por mais leve que seja. Se estiver conectado, é ruim e deve ser suprimido.
As coisas começam a dar errado quando o calor se move em partes do corpo mais baixas que o coração. E as coisas ficam ainda piores quando, no desfrute desse calor, imaginamos que é tudo o que importa, sem nos preocuparmos com sentimentos espirituais ou mesmo com a lembrança de Deus; e assim, dedicamos nosso coração apenas a ter esse calor. Esse caminho errado é ocasionalmente possível, embora não seja para todas as pessoas, nem sempre. Deve ser notado e corrigido, pois, caso contrário, apenas o calor físico permanecerá, e não devemos considerá-lo espiritual ou devido à graça. Esse calor é espiritual somente quando é acompanhado pelo ímpeto espiritual da oração. Quem o chama de espiritual sem esse movimento está enganado. E quem imagina que seja devido à graça ainda está mais errado.
O calor que é cheio de graça é de natureza especial e é apenas isso que é verdadeiramente espiritual. É diferente do calor da carne e não produz alterações visíveis no corpo, mas se manifesta por um sutil sentimento de doçura.
Todos podem identificar e distinguir facilmente o calor espiritual por esse sentimento em particular. Cada um deve fazer por si mesmo: isso não é da conta de alguém de fora.
A maneira mais fácil de adquirir a oração incessanteAdquirir o hábito da Oração de Jesus, de modo que ela se enraíza em nós mesmos, é a maneira mais fácil de ascender à região da oração incessanteOs homens de maior experiência descobriram, através da iluminação de Deus, que esta forma de oração é um meio simples, porém mais eficaz, de estabelecer e fortalecer toda a vida espiritual e ascética; e em suas regras de oração eles deixaram instruções detalhadas sobre o assunto.

Em todos os nossos esforços e lutas ascéticas, o que buscamos é a purificação do coração e a restauração do espírito. Existem duas maneiras para isso:
   a maneira ativa, a prática dos trabalhos ascéticos; e
   o caminho contemplativo, a volta da mente para Deus.
Pela primeira maneira, a alma se purifica e, assim, recebe Deus; pela segunda maneira, o Deus de quem a alma se torna consciente, destrói toda impureza e assim passa a habitar na alma purificada. Todo esse segundo caminho é resumido na única oração de Jesus, como diz 


São Gregório do Sinai:
'Deus é conquistado por atividade e trabalho, ou pela arte de invocar o nome de Jesus'.
Ele acrescenta que o primeiro caminho é mais longo que o segundo, sendo o segundo mais rápido e eficaz. Por esse motivo, alguns dos Santos Padres deram uma importância primordial, entre todos os diferentes tipos de exercícios espirituais, à Oração de Jesus. Ilumina, fortalece e anima; derrota todos os inimigos visíveis e invisíveis e leva diretamente a Deus. Veja como é poderoso e eficaz. O nome do Senhor Jesus é o tesouro de todas as coisas boas, o tesouro da força e da vida no espírito.
Daqui resulta que desde o início devemos dar instruções completas sobre a prática da Oração de Jesus a todos que se arrependem ou começam a buscar o Senhor. Somente depois disso devemos introduzir o iniciante em outras práticas, porque é dessa maneira que ele pode se tornar mais rápido, firme e espiritualmente consciente, e alcançar a paz interior. Pode-se dizer que muitas pessoas, sem saber disso, desperdiçam seu tempo e trabalho, indo além das atividades formais e externas da alma e do corpo.
A prática da oração é chamada de 'arte' e é muito simples. Permanecendo com consciência e atenção no coração, grite incessantemente:
           
'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tenha piedade de mim',
sem ter em mente nenhum conceito ou imagem visual, acreditando que o Senhor o vê e ouve.
É importante manter a consciência no coração e, ao fazê-lo, controlar um pouco a respiração, para acompanhar as palavras da oração. Mas o mais importante é acreditar que Deus está próximo e ouve. Faça a oração apenas pelos ouvidos de Deus.
No início, essa oração permanece por muito tempo apenas uma atividade como qualquer outra, mas com o tempo passa para a mente e finalmente se enraíza no coração.
Existem desvios deste modo correto de orar; portanto, devemos aprender com alguém que sabe tudo sobre isso. Os erros ocorrem principalmente pela atenção estar na cabeça e não no coração. Aquele que mantém sua atenção no coração está seguro. Mais seguro ainda é aquele que sempre se apega a Deus em contrição e ora para ser libertado da ilusão.
'Técnicas' e 'métodos' não importam: apenas uma coisa é essencialA oração: 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tenha piedade de mim' é uma oração oral como qualquer outra. Não há nada de especial nele, mas recebe todo o seu poder do estado mental em que é produzido.
Os vários métodos descritos pelos Padres (sentar-se, prostrar-se e outras técnicas usadas para realizar esta oração) não são adequados para todos: na verdade, sem um diretor pessoal, eles são realmente perigosos. É melhor não experimentá-los. Existe apenas um método obrigatório para todos: permanecer com a atenção no coração. Todas as outras coisas estão fora de questão e não levam ao cerne da questão.
Diz-se do fruto desta oração que não há nada mais alto no mundo. Isto está errado. Como se fosse um talismã! Nada nas palavras da oração e em suas palavras sozinho pode produzir seus frutos. Todos os frutos podem ser recebidos sem essa oração e mesmo sem nenhuma oração oral, mas apenas direcionando a mente e o coração para Deus.

A essência da coisa toda deve ser estabelecida na lembrança de Deus e andar em Sua presençaVocê pode dizer a qualquer um: 'Siga os métodos que desejar - recite a Oração de Jesus, faça reverências e prostrações, vou à Igreja: faça o que quiser, apenas se esforce para estar sempre em constante lembrança de Deus.' Lembro-me de encontrar um homem em Kiev que disse: 'Não usei nenhum método, não conhecia a Oração de Jesus, mas pela misericórdia de Deus ando sempre em Sua presença. Mas como isso aconteceu, eu mesmo não sei, Deus deu!
É mais importante perceber que a oração é sempre dada por Deus: caso contrário, podemos confundir o dom da graça com alguma conquista nossa.
As pessoas dizem: alcançar a oração de Jesus, pois isso é oração interior. Isso não está correto. A oração de Jesus é um bom meio de chegar à oração interior, mas em si não é uma oração interna, mas externa. Aqueles que alcançam o hábito da Oração de Jesus se saem muito bem. Mas se eles param apenas nisso e não vão mais longe, eles param no meio do caminho.
Embora recitemos a Oração de Jesus, ainda é necessário manter o pensamento de Deus; caso contrário, a Oração é comida secaÉ bom que o Nome de Jesus se apegue à sua língua. Mas com isso ainda é possível não lembrar de Deus e nem mesmo abrigar pensamentos que se opõem a Ele. Consequentemente, tudo depende da volta consciente e livre para Deus, e de um esforço equilibrado para manter-se nisto.
Por que a oração de Jesus é mais forte do que outras oraçõesA oração de Jesus é como qualquer outra oração. É mais forte do que todas as outras orações apenas em virtude do todo-poderoso Nome de Jesus, Nosso Senhor e Salvador. Mas é necessário invocar Seu Nome com uma fé plena e inabalável - com uma profunda certeza de que Ele está próximo, vê e ouve, presta toda a atenção à nossa petição e está pronto para cumpri-la e conceder o que buscamosNão há nada para se envergonhar nessa esperança. Se, por vezes, o cumprimento é atrasado, pode ser que o requerente ainda não esteja pronto para receber o que pede.
Não é um talismã
A Oração de Jesus não é um talismã (um anel ou pedra com poderes mágicos). Seu poder vem da fé no Senhor e de uma profunda união da mente e do coração com ele. Com essa disposição, a invocação do Nome do Senhor se torna muito eficaz de várias maneiras. Mas uma mera repetição das palavras não significa nada.
A repetição mecânica não leva a nada.
Não se esqueça que você não deve se limitar a uma repetição mecânica das palavras da Oração de Jesus. Isso levará a nada, exceto o hábito de repetir a oração automaticamente com a língua, sem sequer pensar nisso. É claro que não há nada errado nisso, mas constitui apenas o limite externo extremo do trabalho.
O essencial é permanecer conscientemente na presença do Senhor, com medo, fé e amor.
Oração oral e interior
Pode-se recitar a Oração de Jesus com a mente no coração, sem movimento da língua. Isso é melhor do que a oração oral. Use a oração oral como suporte à oração interior. Às vezes é necessário para fortalecer a oração interior.
Evite conceitos visuaisNão mantenha imagem intermediária entre a mente e o Senhor ao praticar a Oração de Jesus. As palavras pronunciadas são apenas uma ajuda e não são essenciais. O principal é estar diante do Senhor com a mente no coração. Isso, e não as palavras, é uma oração espiritual interior. As palavras aqui são tão ou pouco a parte essencial da oração, como as palavras de qualquer outra oração. 

A parte essencial é habitar em Deus, e esse caminhar diante de Deus significa que você vive com a convicção sempre diante de sua consciência de que Deus está em você, como Ele está em tudo: você vive na firme garantia de que Ele vê tudo o que está dentro você, conhecendo você melhor do que você mesmo. Essa consciência do olho de Deus olhando para o seu ser interior não deve ser acompanhada de nenhum conceito visual, mas deve ser confinada a uma simples convicção ou sentimento. Um homem em uma sala quente sente como o calor o envolve e penetra. O mesmo deve ser o efeito em nossa natureza espiritual da presença abrangente de Deus, que é o fogo na sala do nosso ser.
As palavras 'Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim' são apenas o instrumento e não a essência da obra; mas eles são um instrumento muito forte e eficaz, pois o Nome do Senhor Jesus tem medo dos inimigos de nossa salvação e é uma bênção para todos que O buscam. Não se esqueça de que essa prática é simples e não deve ter nada de fantasia nela. Ore por tudo ao Senhor, à nossa Senhora mais pura, ao seu Anjo da Guarda; e eles vão te ensinar tudo, diretamente ou através dos outros.
Imagens e ilusão
Para não cair na ilusão, enquanto pratica a oração interior, não se permita conceitos, imagens ou visões. Para imaginações vívidas, disparar de um lado para o outro, e vôos de fantasia não cessam mesmo quando a mente está no coração e recita a oração: e ninguém é capaz de dominá-las, exceto aqueles que alcançaram a perfeição pela graça do Santo Espírito, e que adquiriram estabilidade da mente através de Jesus Cristo.
Dissipe todas as imagens da sua mente
Você pergunta sobre a oração. Acho nos escritos dos Santos Padres que, quando você ora, deve dissipar todas as imagens da sua mente. É isso que também tento fazer, forçando-me a perceber que Deus está em toda parte - e assim (entre outros lugares) aqui, onde estão meus pensamentos e sentimentos. Não consigo me libertar inteiramente das imagens, mas gradualmente elas evaporam cada vez mais. Chega um momento em que eles desaparecem completamente.
Extraído para a Arte da Oração: Uma Antologia Ortodoxa , comp. De Igumen Charion of Valamo, trad. E, Kadloubovsky & E. M. Palmer, Faber e Faber, 1966, pp 92-101
Certifique-se de incluir este livro em sua biblioteca espiritual.