http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

Arquivo do blog

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Bento XVI exorta as Autoridades a empenharem-se de modo decidido em relação ao ambiente: discurso a oito novos Embaixadores







No momento em que, em Copenhaga, os mais altos representantes das nações se pronunciam sobre as transformações climáticas, tentando chegar a empenhos concretos, também Bento XVI quis tomar posição e exortar todos a assumirem as suas responsabilidades . Referimo-nos ao discurso pronunciado nesta quinta-feira de manhã, no Vaticano, ao receber as cartas credenciais de Embaixadores de oito países: Dinamarca (onde tem lugar, precisamente, a Cimeira sobre o Clima), Finlândia, Letónia, Uganda, Sudão, Quénia, Bangladesh e Cazaquistão. O Papa sublinhou também as condições para uma “paz universal” e o lugar e responsabilidades das religiões na vida pública.

Bento XVI começou por recordar um aspecto já sublinhado na sua última Encíclica “Caritas in veritate”, isto é, a necessidade de restaurar uma justa relação entre o homem e a criação onde este vive e actua. Perante a criação, dom de Deus aos homens, estes devem assumir a responsabilidade que lhes toca de administrarem no modo melhor a criação. O Papa advertiu que não se pode contrapor esta responsabilidade ambiental à urgência de pôr termo aos escândalos da miséria e da fome. Pelo contrário, as duas questões estão ligadas entre si. Mais ainda: “a contínua degradação do meio ambiente constitui uma ameaça directa para a sobrevivência do homem e para o seu próprio desenvolvimento”, podendo vir a constituir mesmo uma ameaça directa para a paz entre as pessoas e os povos”. Em relação à criação, é preciso, portanto, “assumir, tanto a nível individual como político, compromissos mais decididos e mais partilhados”.

“Encorajo vivamente as Autoridades políticas dos vossos países, e do conjunto das nações, não só a reforçarem a sua acção a favor da salvaguarda do ambiente, mas também – já que o problema não pode ser enfrentado apenas a nível de cada um dos países – a serem uma força de proposta e encorajamento, para chegar a Acordos internacionais impositivos, que sejam úteis e justos para todos”.

Impõe-se mobilizar as inteligências e a criatividade de todos, intensificando a investigação aplicada em vista de uma utilização mais eficaz e sã das energias e dos recursos disponíveis. Esforços que aliás não dispensam uma transformação do actual modelo de desenvolvimento das nossas sociedades.

“A Igreja propõe que esta profunda modificação – a descobrir e a viver - se oriente pela noção de desenvolvimento integral da pessoa humana. De facto, o bem do homem não reside num consumo cada vez mais desenfreado e na acumulação ilimitada de bens – consumo e acumulação reservados a um pequeno número e propostas como modelos de massa”.

Neste aspecto – prosseguiu Bento XVI, neste discurso aos novos Embaixadores junto da Santa Sé – ´”não é só às religiões, mas também ao Estado, que toca a responsabilidade de sublinhar e defender a primazia do homem e do espírito. O Estado há-de cumprir este dever “nomeadamente através de uma política ambiciosa que favoreça para todos os cidadãos – em plano de igualdade – o acesso aos bens do espírito. Na verdade, estes valorizam a riqueza do elo social e encorajam o homem a prosseguir na sua busca espiritual”.

Para além da responsabilidade de autoridades e dos indivíduos em relação ao meio ambiente e ao bem comum de todos os cidadãos, Bento XVI sublinhou a concluir o contributo das religiões a favor da paz, um bem universalmente desejado. Há que tender à paz universal, “sem utopia e sem manipulações” – observou o Papa.

“Todos sabemos que, para se estabelecer, a paz precisa de condições políticas e económicas, culturais e espirituais. É por vezes difícil a coexistência pacífica das diferentes tradições religiosas, no seio de cada nação. Mais do que um problema político, esta coexistência é também um problema religioso que se coloca a cada uma destas tradições, no seu próprio interior. Cada crente está chamado a interrogar Deus sobre a Sua vontade a propósito de cada situação humana”.

Ora – reflectiu o Papa – “reconhecendo Deus como único criador do homem – de todo e qualquer homem, qualquer que seja a sua confissão religiosa, condição social e opiniões políticas – cada um respeitará o outro na sua unicidade e na sua diferença”.

“Perante Deus, não há qualquer categoria ou hierarquia de homem, inferior ou superior, dominador ou protegido. Para Ele não há senão o homem que Ele criou por amor que quer ver viver, em família e em sociedade, em harmonia fraterna”.

O mundo político e económico tem “por vezes dificuldade de dar ao homem o primeiro lugar” – reconheceu Bento XVI, para quem “mais delicado ainda é admitir a importância e a necessidade do religioso, assegurando à religião a sua verdadeira natureza e o seu lugar na dimensão pública”. Ora a paz só poderá surgir de um desejo e acção conjugados dos indivíduos e das autoridades:

“A tão desejada paz só poderá surgir da acção conjunta do indivíduo - que descobre a sua verdadeira natureza em Deus, e dos dirigentes das sociedades civis e religiosas – que, no respeito pela dignidade e pela fé de cada um, souberem reconhecer e dar à religião o seu nobre e autêntico papel de plena realização e aperfeiçoamento da pessoa humana”.

“Trata-se – concluiu o Papa - de uma recomposição global, ao mesmo tempo temporal e espiritual, que permita repartir de novo para a paz universal que Deus deseja”.
fonte:radio vaticano