Total de visualizações de página

sábado, 22 de outubro de 2011

Address by H.E. Cardinal Alfons Stickler on June 20, 1992 at the Annual General Meeting of the Latin Mass Society

  I have been to Italy, France, Austria, Switzerland. I have been last February also in the United States for the opening of the Institute of Dietrich von Hildebrand, with a great High Mass in St. Agnes Church. I was told that the church was never so full since Fulton Sheen preached his Lenten sermons there. From everywhere people were coming so I could realise that in the United States also, the movement and the consideration for the old Mass are very effective.

http://www.fiuv.org/plaatjes/stickler05.jpg

on June 20, 1992 at the Annual General Meeting
of the Latin Mass Society


Your Movement has Legitimacy in the Church I have accepted, with great pleasure, the invitation of your Chairman and Secretary to come to your Meeting. Now after reaching my 80's I am free from my ordinary work in the Curia so I can more easily accept such invitations and I do it with great pleasure when I can be helpful to so many of the faithful who today have many difficulties. I will communicate with you some ideas which I have found in many countries. I have been to Italy, France, Austria, Switzerland. I have been last February also in the United States for the opening of the Institute of Dietrich von Hildebrand, with a great High Mass in St. Agnes Church. I was told that the church was never so full since Fulton Sheen preached his Lenten sermons there. From everywhere people were coming so I could realise that in the United States also, the movement and the consideration for the old Mass are very effective.Read more...

Cardenal Stickler - El Concilio, el Novus Ordo Missae y las innovaciones litúrgicas sin fin

http://4.bp.blogspot.com/_cQ2xhpZfenk/R5jAB8CumxI/AAAAAAAABv4/aUxqKJwSAnc/s320/stickler.jpg

Pido perdón si comienzo con algunas circunstancias personales, pero lo he considerado necesario para una mejor comprensión del tema que debo abordar. Fui profesor de Derecho Canónico e Historia de las leyes de la Iglesia en la Universidad Salesiana y, durante 8 años, desde 1958 a 1966, su Rector. Como tal actué como consultor de la Sagrada Congregación para los Seminarios y Universidades y, desde las tareas preparatorias para la implementación de los reglamentos conciliares, como miembro de la Comisión Conciliar dirigida por ese dicasterio. Además, fui nombrado perito de la Comisión para el Clero.
Poco antes del comienzo del Concilio, el Cardenal Larraona, de quien yo había sido alumno en la Laterana y que había sido nombrado prefecto de la Comisión Conciliar para la Liturgia, me llamó para decirme que había sugerido mi nombre para perito de esa Comisión. Objeté que ya me hallaba comprometido para otras dos, como perito conciliar, sobre todo para la de seminarios y universidades.LEER ...

Cardinal Alfons Stickler on the changes in the Mass and Vatican II...

  
http://www.fiuv.org/plaatjes/stickler02.jpg
Cardinal Alfons Stickler was prefect emeritus of the Vatican library and archives. He served as a specialist, a peritus, on the Liturgy Commission of the Second Vatican Council. He was elevated to the college of cardinals by Pope John Paul II in 1985. This essay originally appeared in Franz Breid, ed., Die heilige Liturgie (Steyr, Austria: Ennsthaler Verlag, 1997).
*****
My position at the Council--pardon me, please, if I begin with some personal background; it is necessary in order to understand what I have to say. I was Professor of Canon Law and Church Legal History at the Salesian University and for eight years, from 1958 until 1966, I was the university's rector. As such I worked as consultant to the Roman Congregation for Seminaries and Universities; and from the preparatory work to the implementation of Council regulations, I was a member of the Conciliar commission directed by that dicastery. In addition, I was named a peritus of the Commission for the Clergy….
Shortly before the beginning of the Council, Cardinal Laarona, whose student I had been at the Lateran, and who had been named chairman of the Conciliar Commission for the Liturgy, called to say he had suggested me as a peritus of that Commission. I objected that I was already committed to two others, above all the one for seminaries and universities, and as a Council peritus. But he insisted that a canon lawyer had to be called upon on account of the significance of canon law in the requirements of the liturgy. Through an obligation I did not seek, then, I experienced Vatican II from the very beginning.
 

Cardenal Stickler - El atractivo de la Misa Tridentina


http://eucharistiemisericor.free.fr/images/141207_card_stickler_big2.jpg 

EL ATRACTIVO DE LA MISA

TRIDENTINA


por el Cardenal Alfons Stickler *

(tomado de The Latin Mass, verano de 1995)


El sólido erudito austríaco,  fallecido a los 97 años el 12 de diciembre de 2007, fiesta de Nuestra Señora de Guadalupe, Patrona de América, fue un salesiano que actuó como perito en otras dos comisiones del Vaticano II (además de la de Liturgia). Entre sus obras, “La causa del celibato del clero” (Ignatius Press) documenta cómo el celibato sacerdotal fue decretado desde los primeros días de la Iglesia.


La Misa Tridentina es el rito de la Misa fijado por el Papa Pío V a solicitud del Concilio de Trento y promulgado el 5 de diciembre de 1570. Este Misal contiene el antiguo rito Romano, del que fueron eliminados varios agregados y alteraciones. Cuando se la promulgó, se preservaron otros ritos que habían existido por lo menos durante 200 años. Por lo tanto, es más correcto llamar a este Misal la liturgia del Papa San Pío V.

Fe y Liturgia. El sacrificio de la Misa, centro de la liturgia católica.

Desde el comienzo mismo de la Iglesia, la fe y la liturgia han estado íntimamente conectadas. Una clara prueba de esto puede hallarse en el propio Concilio de Trento. Este Concilio declaró solemnemente que el sacrificio de la Misa es el centro de la liturgia Católica, en oposición a la herejía de Martín Lutero, quien negaba que la Misa fuese un sacrificio. Sabemos, a partir de la historia del desarrollo de la Fe, que esta doctrina ha sido fijada con autoridad por el Magisterio en la enseñanza de papas y concilios. También sabemos que en la totalidad de la Iglesia, y especialmente en las iglesias orientales, la Fe fue el factor más importante para el desarrollo y la formación de la liturgia, particularmente en el caso de la Misa. Existen argumentos convincentes en este sentido desde los primeros siglos de la Iglesia. El Papa Celestino I escribió a los obispos de la Galia en el año 422: Legem credendi, lex statuit supplicandi; lo que en adelante se expresó comúnmente por la frase lex orandi, lex credendi (la ley de la oración es la ley de la fe). Las iglesias ortodoxas conservaron la Fe a través de la liturgia. Esto es muy importante porque en la última carta que escribió el Papa hace siete días dijo que la Iglesia Latina debe aprender de las iglesias de Oriente, especialmente sobre la liturgia .
LER MAIS...

A POBREZA E BELEZA NA SANTA MISSA






A Missa é o coração da cristandade, afinal é nesta celebração que meditamos sobre todo o amor de Deus aos homens. No altar os fiéis contemplam a mística da Verdade e conhecem os mais belos dogmas da Igreja. A sua realidade sacrificial nos obrigar a refletir e mergulhar na grandeza imensurável de Cristo.
As normas litúrgicas e o missal refletem, apenas, o entendimento acerca do sentido sobrenatural da Santa Missa. Quando nós compreendemos a profundidade da celebração eucarística, todas as regras emitidas pela Igreja são entendidas como consequência. O centro da Liturgia é o Cristo, um Deus feito homem e que pelos homens morreu para salvá-los. Como Sacrifício, a Missa traduz a entrega de Jesus, o Seu amor infinito, de um Deus humilhado. Não é motivo de perplexidade pensar que o Senhor Todo-Poderoso Se fez nascer numa manjedoura, Se diminuiu ao conviver com pecadores e excluídos e, além disso, Se entregou num perfeito holocausto?
A Santa Missa exprime essa perfeita doação de Deus. Quando os adornos e a beleza, que só servem como caminho e não como fim, se tornam centro da celebração, a Liturgia se distancia drasticamente da sua sobrenaturalidade. A sobriedade, sacralidade e solenidade da Missa traduzem, apenas, o sentido místico da celebração. Por si só a ornamentação é vazia, inócua e ineficiente, mas quando é usada como via pode ser um caminho pedagógico muito saudável, explanando os mistérios e expondo a riqueza do cristianismo.
Como a Igreja cresceu na Europa? Através da beleza das imagens, dos vitrais, das catedrais, mas acima de tudo da Santa Missa. Os povos pagãos se sentiam atraídos por uma força silenciosa que os vivificava. Quando Clóvis, Rei dos Francos, foi se batizar na Catedral de Reims, na França, perguntou a São Remígio, depois de contemplar a riqueza e beleza daquele templo, que parecia resplandecer uma fagulha do esplendor da morada celeste: “Padre, isso já é o céu?” Outro fato histórico interessante é o ocorrido quando da primeira Missa celebrada no Brasil, por Frei Henrique de Coimbra, em Porto Seguro. Os curiosos indígenas se aproximavam do altar e contemplavam aqueles estranhos homens se humilhando em frente a uma Cruz. Quando um segundo grupo de índios se aproximou do local o seu líder questionou o que era aquilo, o chefe do primeiro bando, prontamente, apontou para o céu e apontou para a terra, expondo com perfeição o caráter horizontal da Missa; a ligação do homem com Deus.
Beato Antônio Chevrier, fundador do Instituto do Prado, já dizia no seu grande livro “O Verdadeiro Discípulo” que “quando se constrói uma casa, começa-se sempre pelas paredes grossas e, seguidamente, vai-se ao mais fino e aos ornamentos.” O Apóstolo dos Mendigos se referia ao ensino do catecismo, mas essa sua brilhante explanação vale também para a Liturgia. O que seria a Missa se não estivesse fundamentada sobre Cristo? O centro da celebração é Nosso Senhor, o Deus entregue em Sacrifício. São Leonardo de Porto-Maurício, um dos maiores pregadores da cristandade, afirmava que a todas as Missas celebradas na Igreja tinham a mesma validade, mas diferiam nos efeitos causados na assembléia, e por quê? Quantas vezes vamos a uma celebração e mesmo como todo o esforço não conseguimos nos ligar ao mistério do altar? Quantas vezes saímos até mesmo cansados da Liturgia? Tais efeitos são consequências de uma celebração carregada, normativa, Missas meramente burocratizadas e que se perderam entre a desobediência ao missal e o desrespeito ao espírito litúrgico católico.
Qual fiel não agiria com toda reverência e piedade sabendo que no altar se faz presente Deus com Seu corpo, sangue, alma e divindade? Qual de nós não se prostraria no chão ao contemplar o Senhor? Quem não se desmancharia em lágrimas se fosse visitado por Cristo em pessoa? Mas a Eucaristia é isso em concreto! Deus, não satisfeito em Se entregar em Sacrifício, ainda mostrou Seu imensurável amor ao ficar com o povo com toda a Sua plenitude.
Não poucas vezes a Missa vira um espetáculo, um teatro vazio. Isso ocorre por causa do distanciamento do caráter central da celebração; Cristo e Seu Mistério. O Apóstolo da Santa Missa, São Leonardo, já dizia que o meio mais adequado para assistir a Liturgia “consiste em irdes à igreja como se fôsseis ao Calvário, e de vos comportardes diante do altar como o faríeis diante do Trono de Deus, em companhia dos santos anjos. Vede, por conseguinte, que modéstia, que respeito, que recolhimento são necessários para receber o fruto e as graças que Deus costuma conceder àqueles que honram, com sua piedosa atitude, mistérios tão santos.” Ou seja, devemos mergulhar na santa alegria ao contemplar o Senhor que com o Seu amor veio ao mundo para nos salvar. Isso é motivo de regozijo, entretanto, e ao mesmo tempo, devemos sempre ter em mente o sentido místico e sobrenatural da Liturgia. A celebração não é uma conexão horizontal, ou seja, homem e homem, mas uma conexão vertical, homem e Deus. Ocorre que, infelizmente, certas Missas ficam impregnadas por um certo espírito normativo. Não podemos nos acomodar com o hábito; não é porque vamos todo o Domingo – no mínimo – ao encontro de Cristo na Liturgia que perdemos a constante renovação e surpresa na adoração da Eucaristia! De forma alguma! Toda a Santa Missa, para nós, deve ser motivo de perplexidade, de alegria, de adoração, uma constante e eterna sensibilidade.
Beato Antônio Chevrier dizia que “Um Padre pobre e santo numa igreja de madeira converterá mais pecadores do que um Padre ordinário numa igreja de ouro e de mármore e ornamentada de toda a espécie de belezas exteriores.” O que ele quer nos dizer com isso? Que a beleza por si só, o adorno e a ornamentação, são vazios de sentido se não estão centrados em Cristo. Chevrier continua: “Não seja necessário condenar o culto exterior, não, pois que a Igreja o pede e nós somos compostos dum corpo e de uma alma e as coisas exteriores devem levar-nos a Deus. Mas não nos deixemos levar por esta paixão que existe nos nossos dias e não tomemos o acessório pelo principal (...) Nos ornamentos e nas outras coisas...importa que o pensamento de Deus sobressaia e não o pensamento da arte ou do gosto.” Com isso entendemos que a beleza da Missa é resultado do entendimento do mistério do altar, do Sacrifício de Jesus, Sua doação. A pobreza espiritual se une ao caminho da beleza.
Como não se chocar com o exemplo de Santa Isabel, Rainha da Hungria, que ao entrar na Igreja triunfava como majestade, adornada com a coroa, jóias, anéis e colares, mas que quando do início da celebração retirava todas as pedrarias, ouro e prata para se tornar pobre e deixar que apenas o brilho de Cristo reinasse dentro do templo. A santa vivia na corte, mas não era da corte, assim como nós vivemos no mundo, mas não somos do mundo. Era sobre isso que Pe. Antônio Vieira falava quando escreveu: “Deus comumente desposa-se no deserto, porque não acha no deserto as condições do Paço, hoje desposa-se no Paço, porque achou no Paço as condições do deserto (...) Reis que edificam desertos! Se dissera reis que edificam palácios, bem estava; mas reis que edificam desertos! Os desertos edificam-se? Antes desfazendo edifícios é que se fazem desertos. Pois que reis são estes, que trocam os termos à arquitetura? Que reis são estes que edificam desertos? São aqueles reis (diz S. Gregório Papa) em cujos paços reais de tal maneira se contemporiza com a vaidade da Terra, que se trata principalmente da verdade do Céu: e paços onde se serve a Deus como nos ermos, não são paços, mas desertos” (Sermões Vol.VII Sermão de São João Batista).
A Santa Missa nos pede, então, um aparente paradoxo; a pobreza e simplicidade e a solenidade e beleza. E por que apenas aparente paradoxo? Simplesmente porque o nosso esvaziamento é apenas momentâneo, já que na Liturgia ficamos cheios quando nos aproximamos do Senhor em todo o Seu esplendor eucarístico. Assim, quando melhor nos diminuímos melhor engrandecemos Cristo e Seu sacrifício. Uma celebração bela, adornada e bem cuidada não necessariamente é uma celebração embebida em mística e sobrenaturalidade. Infelizmente a história nos mostra as Missas-Óperas, condenadas com vigor por São Pio X, que servem como a representação máxima da degradação do rito quando norteado apenas por uma estética vazia. Por outro lado, quando compreendemos o esplendor da via pulchritudinis, ou seja, o caminho da beleza – e como o próprio nome diz é caminho e não o fim – mais perfeito é o nosso entendimento do mistério do altar, assim, o adorno, o detalhe, a ornamentação, são consequências imediatas da nossa kénosis.


Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).
Para citar este artigo:
RAVAZZANO, Pedro. Apostolado Veritatis Splendor: A POBREZA E BELEZA NA SANTA MISSA. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/5967. Desde 22/10/2009.
fonte:Veritatis Splendor

A Fraternidade de S.Pedro celebra 23 anos de fundação este ano e são numerosos os frutos ,o que mostra que tem sido abençoada por Deus.


A Fraternidade de S.Pedro celebra 23 anos de fundação este ano e são numerosos os frutos ,o que mostra que tem sido abençoada por Deus.

Origem da Fraternidade

A Fraternidade Sacerdotal São Pedro é uma sociedade clerical de vida apostólica de direito pontifício. Esta comunidade de padres católicos, sem votos religiosos, trabalha por uma missão no mundo. Esta missão é dupla : primeiro, a formação e a santificação dos padres no quadro da liturgia tradicional do rito Romano ; segundo, a ação pastoral destes padres sobre o mundo, ao serviço da Igreja.

A Fraternidade foi fundada no dia 18 de julho de 1988 na abadia de Hauterive (Suiça) por uma dezena de padres e alguns seminaristas. Pouco tempo depois de sua fundação e graças à ajuda do Cardeal Ratzinger, ela foi acolhida por Mons. Joseph Stimpfe, bispo de Augsburgo (Alemanha) em Wigratzbad, santuário mariano bávaro. E lá que se encontra hoje o seminário europeu da Fraternidade São Pedro. Esta Fraternidade hoje conta com 140 padres e 120 seminaristas.
A formação

A Fraternidade São Pedro dispõe de duas casas de formação : a primeira em Wigratzbad, (Alemanha) a segunda em Denton , nos Estados Unidos (estado de Nebraska). Estes dois seminários são organizados segundo as normas em vigor da Igreja concernindo a formação sacerdotal. Os candidatos seguem um ano de preparação espiritual antes de começar o ciclo de filosofia (dois anos), depois o de teologia (quatro anos). Durante estes anos de orações, estudos e de vida comunitária, o candidato ao sacerdócio adquire progressivamente uma maturidade humana, uma disciplina pessoal e uma maior união ao Cristo. A vida espiritual destes dois seminários é centrada sobre o Santo Sacrifício da Missa, realizando assim esta observância fiel das « tradições litúrgicas e espirituais » conforme as observâncias do Motu proprio "Ecclesia Dei adflicta" do dia 2 de julho de 1988, que é a origem da fundação da Fraternidade (constituições,Art. 8).
A acção pastoral

Depois deste tempo de formação, os padres da Fraternidade são enviados - sob a direcção do bispo do lugar e em acordo com as constituições próprias da Fraternidade - para diversos apostolados, na França, na Alemanha, na Suiça, na Áustria, na Itália, na Inglaterra, nos Estados Unidos, no Canada, e depois de algum tempo na Nigéria. Aonde é possível, estes padres vivem em pequenas comunidades ; eles trabalham então para difundir a fé pela predicação, o catecismo, a educação da juventude (escola, escutismo,…) organização de peregrinações e de retiros, etc. Eles administram os sacramentos utilizando os livros litúrgicos de 1962, em pleno acordo com a Santa Sé.

DIFUSÃO DA SANTA MISSA GREGORIANA NO MUNDO.

 

Solemn Pontifical Requiem Mass in Canberra Cathedral

A 1962 Missal Pontifical Requiem Mass at the faldstool was offered on September 7, 2009 at St Christopher’s Cathedral in Canberra, Australia.

The Mass was for the repose of the soul of Mrs Marian Scarrabelotti. The Mass was offered by Bishop Geoffrey Jarrett, Bishop of Lismore, New South Wales, Australia.

Bishop Jarrett was assisted by Fr John Parsons (deacon), Fr Glen Tattersall (subdeacon), Fr William Define FSSP (Assistant Priest) and Fr Dominic Popplewell FSSP (first MC). A number of other clergy assisted in choir. Bishop Jarrett delivered a homily before the commencement of the Mass.

The choir, comprised of singers from the local Choir of Our Lady & St Cecilia and others from elsewhere in Australia sang the chant propers and the ordinary from Victoria’s Requiem. Many of the mourners commented on the beauty of the ceremony and the music, one noting that by the melody and character of these sung texts that Holy Mother Church cradles and comforts us in our grief.
A selection of photographs are displayed here, and a set covering the whole of the liturgy from the reception of the bier to the singing of Sub venite to the commendation at the hearse may be viewed at this photostream.



The altar before the arrival of the bier

Arrival at the foot of the altar
Introibo ad altare Dei
Aufer a nobis
Epistle
Bishop Jarrett says the Gradual, Tract and Sequence
Gospel

Elevation
Holy communion

Absolution: Non intres
Absolution: Conclusion
In paradisum

fonte:rorate caeli




2009 10 04_4374_edited-1
The deacon, Rev Mr Simon Harkins, a Fraternity seminarian who hails from Edinburgh, preached a most interesting sermon on the priesthood, pointing out the link between the day's propers and the Ember Saturday which would originally have preceded it. This link throws into perspective the story of Our Lord curing the man with the palsy by forgiving his sins: this is the Gospel of the day because it is a priestly action.

The Cathedral was restored not long ago and is a magnificent building; it is wonderful to see a Solemn liturgy here. The Mass was well attended and was accompanied by Haydn’s 'Missa Brevis St Johannes de Deo' to mark the 200th anniversary of the composer's death; this was sung by the Cantores Michaelis directed by Keith Davis.
2009 10 04_4389_edited-1
Congratulations to the local LMS Rep, David
Fonte:Oxford events

Solemn Mass in the Presence of a Greater Prelate in Wrocław, Poland


The Institute of the Good Shepherd in Poland sent in some photos to the NLM of a recent Solemn Mass in the presence of a greater prelate, Archbishop Marian Gołębiewski, who assisted in cope and mitre.

The Mass took place in Wrocław in the South of Poland. The Mass of was that of Our Lady of the Most Holy Rosary, with the celebrant of the Mass being Fr. Stanisław Pawlaczek. Fr Jarosław Powąska was deacon, and Fr Grzegorz Śniadoch, IBP, subdeacon. Frs. Zbigniew Chromy of Świdnica and Fr Wojciech Gryglewicz of Wrocław were the Assistant Deacons. Additionally, Fr Wojciech Grygiel, FSSP, was also in attendance.

The NLM is told that the Mass was attended by almost three hundred faithful, clergy and seminarians of the St Pius X diocesan seminary in Wrocław. The servers, inclusive of the MC, were all taken from the parish's regular corps of servers.

When the Archbishop arrives, he will be greeted and offered holy water which he blesses himself with and sprinkles.


The Archbishop wears cappa magna and biretta.


The Archbishop proceeds to the altar and tabernacle, kneels at the faldstool and prays.


The Archbishop proceeds to the throne to prepare to vest.


The Archbishop vested.


The Prayers at the Foot of the Altar: the Archbishop comes before the altar steps and the celebrant of the Mass joins him to his left. The assistant deacons stand a little behind to the right, and the deacon and subdeacon to the left. The bishop and the celebrant say the prayers at the foot of the altar, with the celebrant answering the bishop, while the deacon and subdeacon and assistant deacons say the prayers to one another.


The Subdeacon chants the epistle, not turned directly toward the altar, but half turned toward altar and the Archbishop.


The Deacon chants the Holy Gospel.


Offertory: The Archbishop imposes incense from the throne which the celebrant will use for the incensations at the Offertory. (The Archbishop will also bless the cruet of water from the throne).


Offertory: the celebrant incenses the altar.


The Archbishop proceeds from the throne to the faldstool. The subdeacon with paten and humeral veil moves toward the epistle side of the altar and turns slightly, facing both the altar and the Archbishop.


Consecration


The Last Gospel

fonte:new liturgical movement

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Devolvamos beleza à liturgia!


O site New Liturgical Movement traz neste domingo uma homilia extraordinária do Padre Franklyn M. McAfee sobre a beleza na liturgia, traduzo-a para os leitores de OBLATVS. Espero que agrade aos leitores como agradou-me a mim.

“A thing of beauty is a joy forever
Its loveliness increases;
It will never pass into nothingness.”
John Keats
Quando os enviados de Vladimir, Príncipe de Kiev, retornaram de uma visita a Constantinopla, onde assistiram à Divina Liturgia na Catedral de Santa Sofia no século X, eles fizeram o seguinte relatório: “Não sabíamos se estávamos no céu ou na terra, com certeza não há tal esplendor e beleza em outro lugar sobre a terra. Não somos capazes de descrevê-lo a vós; só isto sabemos, que lá Deus habita entre os homens, e que o seu culto supera o de outros lugares. Porque não podemos esquecer a beleza!”
O Presidente John Adams, numa carta a sua esposa Abigail, contou uma visita a uma “Capela Romanista”, onde diz: “A Música, que consistia em um órgão e um Coro de cantores, tomou toda a Tarde, excetuando-se o Momento do sermão, e a Assembleia cantava – na maioria do tempo suave e agradavelmente. Isto é Tudo que pude captar com um golpe de Visão, Audição e Imaginação. Todas as Coisas que podem seduzir e encantar o simples e ignorante. Eu imagino como Lutero pôde ter quebrado o encantamento.”
Santa Teresa d’Ávila declarou: “Eu sempre sou tocada pela grandeza das cerimônias da Igreja”. O amor à beleza e a expressão desse amor pela obra de arte não é beleza em si mesmo, mas sua expressão é homenagem a Deus porque, segundo São Tomás de Aquino, “beleza é um dos nomes de Deus”. Por conseguinte a Igreja, quando é convocada a celebrar os Divinos Mistérios, utiliza-se de todas as artes que despertam os sentidos porque a beleza é “id quod visum placet”, “aquilo que agrada à visão”. A sobriedade dos cantos, o esplendor dos instrumentos, a festividade dos paramentos, a pompa do incenso, as velas, os vasos, a água benta – todas estas coisas ajudam-nos em nossa adoração ao Deus Triuno que criou a beleza, sustenta a beleza, redimiu a beleza e é a própria Beleza.
A Igreja tradicionalmente revestiu o Santo Sacrifício da Missa com o mistério. Usando as coisas boas criadas, a Igreja em sua terrena transcendência conduz seus filhos a Deus e Deus, pelos mesmos meios, desce até eles. A Igreja às vezes esqueceu-se disto. O Papa Bento XVI (como Cardeal Ratzinger) lamentou: “Desde o Concílio Vaticano [Segundo] a Igreja deu as costas à beleza”. Há alguns anos atrás o Pontifício Conselho para a Cultura em Roma fazia este pedido: “devolvam a beleza aos edifícios eclesiásticos, devolvam a beleza aos objetos litúrgicos!” A Igreja não apenas deu as costas à beleza, como parece se envergonhar dela. Ele que um dia foi a promotora das artes.
Nós nos empobrecemos. Nós, para usar uma frase de Paul Claudel, “vivemos numa época de imaginação escassa”. Segundo o filósofo Plotino, “a alma precisa subir a escada do belo antes de poder encontrar a visão da Beleza Primeira”. Mas o que acontece quando se removem os degraus da escada?
Os cientistas nos dizem que o lado esquerdo do cérebro especializa-se em matemática, análise, ciência e assim por diante. E que o lado direito do cérebro é incuravelmente romântico, sua terreno é poesia, amor, arte, música. É o lado direito do cérebro que é envolvido pela mais elevada forma de Liturgia. Um autor disse certa vez: “Durante um exemplo mais des-ritualizado da Missa vernácula, o cérebro direito, miniatura de Homer ou Shakespeare que há em todos nós, é sufocado até a morte”.
H. L. Menken que escrevia para um jornal de Baltimore, e não era um amigo da religião, pegou-se admirando a Igreja Católica conforme disse em 1923: “A Igreja Latina, à qual eu me pego constantemente admirando, a despeito de suas frequentes incríveis imbecilidades, sempre teve claro diante de si o fato de que a religião não é um silogismo, mas um poema... Roma, de fato, não apenas preservou a poesia original do Cristianismo; ela fez ainda acréscimos capitais àquela poesia – por exemplo, a poesia dos Santos, de Maria, da própria liturgia”. “Uma Missa Solene”, conclui, “deve ser mil vezes mais impressionante que o mais poderoso sermão já ecoado numa nave... diante de tão envolvente beleza não é necessário cansar os fiéis com lógica; eles se convencem mais se deixados em paz.”
Ouçam os inimigos da Igreja. Eles tremem a cada balanço do turíbulo e a cada genuflexão. Em 1888 um adventista ‘do sétimo dia’ publicou um livro sobre a Prostituta da Babilônia. Quando o Juiz Clarence Thomas (católico) foi nomeado para a Suprema Corte o livro foi reimpresso. Eis o que o autor fala sobre o Culto Católico... lembrem-se de que isto foi no século XIX: “Muitos Protestantes supõem que a religião católica não é atrativa e que seu culto é uma série pálida de cerimônias sem sentido. Eis o erro. Embora o Romanismo seja baseado num engano, não é uma impostura grosseira e tosca. O serviço religioso da Igreja Romana é o cerimonial mais impressionante. Seu visual esplêndido e ritos solenes fascinam os sentidos do povo e silenciam a voz da razão e da consciência. O olhar fica encantado. Igrejas magnificentes, procissões imponentes, altares dourados, santuários preciosos, pinturas escolhidas e esculturas refinadas apelam para o amor à beleza. O ouvido também é cativado. A música é insuperável. As ricas notas de um órgão sonoro, misturado à melodia de muitas vozes que sobe pelas majestosas cúpulas e naves de suas grandes catedrais, não podem senão impressionar a mente com admiração e reverência. A pompa e cerimônia do culto católico tem o poder sedutor e encantador pelo qual muitos são enganados; e eles chegam a ver a Igreja Romana como a verdadeira porta do céu”.
Desta forma, muitos corações insensíveis à Igreja e a seus ensinamentos se enterneceram; como foi o caso dos “decadentes” – Baudelaire, Verlaine, Aubrey, Oscar Wilde e outros. “A beleza pode então ser adequadamente chamada evangélica, beleza evangélica, via pulchritudinis, pode abrir o caminho para a busca de Deus e dispor o coração e o espírito para encontrar Cristo que é a beleza da Santidade Encarnada oferecida por Deus ao homem para sua salvação”.
Segundo Santo Tomás de Aquino, para algo ser considerado belo deve ter três qualidades: integridade, harmonia e clareza ou resplendor. Quando o resplendor irrompe e os ensinamentos da Igreja se tornam manifestos, a Igreja Católica é reconhecida como o lugar onde a verdade habita e o lar da beleza. Esta era o caso dos decadentes. Hans Urs von Balthasar escreveu que quando “o bem perdeu seu poder de atração, quando as provas perderam seu caráter conclusivo; então restará a beleza para compelir”.
O Papa Bento XVI, em sua citação da visita dos delegados do Príncipe Vladimir de Kiev à Constantinopla disse que a delegação e o príncipe aceitaram a verdade do Cristianismo não pela persuasão de seus argumentos teológicos mas pela beleza do mistério de sua Liturgia.
O poeta Baudelaire escreveu: “É de imediato através da poesia e pela poesia, através e pela música, que a alma vislumbra o esplendor situado além do túmulo; e quando um poema estupendo traz lágrimas aos olhos, estas lágrimas não são prova de alegria excessiva. Elas são testemunho de uma melancolia impaciente, uma exigência dos nervos, de uma natureza exilada no imperfeito, e agora desejosa de tomar posse daquele mundo”.
Baudelaire foi influenciado significativamente em sua ideia de beleza por um escritor americano que ele muito admirava, Edgar Allan Poe. Poe dizia da beleza: “Nós ainda temos uma sede insaciável, a sede que pertence à imortalidade do homem. Ela é consequência imediata e uma indicação desta natureza perene. É o desejo da mariposa pelas estrelas. Não é mera apreciação da beleza diante de nós, mas um esforço velado para alcançar a beleza acima de nós”.
Por que então a Liturgia deve ser bela? Porque a beleza oferece um veículo para transcender nossas vidas presentes e para tocar as bordas do céu. Quando nós encontramos a beleza finita se engendra um desejo mais ardente pela beleza imortal absoluta da qual a beleza temporal do mundo é apenas uma efêmera epifania.
Na Epístola aos Hebreus, Cristo é chamado o “leiturgos”, o Liturgista que preside todos nossos rituais, Ele próprio oferece a Liturgia. Uma vez que Cristo é o “leiturgos” e Cristo é a Beleza Encarnada, toda beleza deve refleti-Lo e deve fluir d’Ele na Liturgia.
Cristo, o Verbo Feito Carne, é a maior obra-prima. Cristo é a mais perfeita sinfonia. Cristo é a pintura mais preciosa. Cristo é o ritmo cósmico no poema eterno.
São João da Cruz dizia: “Deus passa pelos matagais do mundo e onde Seu olhar recai, ele conduz todas as coisas à beleza”.
São Paulo escreveu a Timóteo: “Ele é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Ele possui a imortalidade e habita em luz inacessível”. Já na Divina Liturgia da Missa nós nos encorajamos a nos aproximarmos d’Ele que vive em luz inacessível.
Como posso descrever a Liturgia? Posso descrever a Liturgia com uma palavra. Nas cortes celestes, entre os coros dos anjos, somente uma palavra é falada, uma palavra solitária que os querubins e os serafins pronunciam diante da majestade da liturgia cósmica do Cordeiro glorificado, outrora morto mas agora ressuscitado, e a palavra é...
Aquela simples palavra...
Aquela gloriosa, triunfante palavra é...
AHHH!
Tradução: OBLATVS

‘Nulla Veritas sine Traditione’: in 2.500 al Pontificale al Trono in rito antico celebrato dal Cardinale Castrillòn a Battipaglia.

 fonte:Fides et forma





Il porporato: “Il ‘Summorum Pontificum’ voluto dallo Spirito Santo”
CITTA’ DEL VATICANO - La profonda e concreta testimonianza del nobile Cardinale Dario Castrillòn Hoyos, unita alla divina operosità dei Francescani dell’Immacolata, ha generato la scorsa Domenica, in quel di Battipaglia (Salerno), un momento unico e sublime di comunione della Chiesa con il suo passato, presente e futuro: in una parola, ha dato forma viva al Corpo Mistico del Signore Gesù Cristo. La Messa Pontificale al Trono in forma straordinaria che si è celebrata presso la Chiesa di ‘Santa Maria della Speranza’ in occasione del conferimento del Premio ‘Nulla Veritas sine Traditione’ da parte dell’Associazione Internazionale ‘Tu es Petrus’ (presieduta dal nostro Direttore Gianluca Barile) all’insigne porporato, resterà certamente nella storia quale esempio luminoso del fulgore della Tradizione vissuta attivamente dal popolo dei fedeli. Più di 2.500 persone hanno infatti partecipato al celeste Sacrificio: gente semplice, cattolici senza pretese teologiche o ideologiche, stupiti e quasi commossi dalla ricchezza spirituale del rito antico. Legge...

Canonizzazione don Guanella in diretta


Domenica 23 Ottobre – Ore 10
Radio Sacro Cuore – Radio Online
Solenne celebrazione per la canonizzazione di don Guanella nel Santuario Sacro Cuore – Como