http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg

 

CONSERVAR O DEPÓSITO DA FÉ

 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...
 [ EN  - ES  - FR  - IT  - LA  - PT ]

CARTA ENCÍCLICA
PASCENDI DOMINICI GREGIS
DO SUMO PONTÍFICE
PIO XAOS PATRIARCAS, PRIMAZES,
ARCEBISPOS, BISPOS
E OUTROS ORDINÁRIOS EM PAZ
E COMUNHÃO COM A SÉ APOSTÓLICA
SOBRE
AS DOUTRINAS MODERNISTAS

Veneráveis Irmãos,
saúde e bênção apostólica
INTRODUÇÃO
A missão, que nos foi divinamente confiada, de apascentar o rebanho do Senhor, entre os principais deveres impostos por Cristo, conta o de guardar com todo o desvelo o depósito da fé transmitida aos Santos, repudiando as profanas novidades de palavras e as oposições de uma ciência enganadora. E, na verdade, esta providência do Supremo Pastor foi em todo o tempo necessária à Igreja Católica; porquanto, devido ao inimigo do gênero humano nunca faltaram homens de perverso dizer (At 20,30), vaníloquos e sedutores (Tit 1,10), que caídos eles em erro arrastam os mais ao erro (2 Tim 3,13). Contudo, há mister confessar que nestes últimos tempos cresceu sobremaneira o número dos inimigos da Cruz de Cristo, os quais, com artifícios de todo ardilosos, se esforçam por baldar a virtude vivificante da Igreja e solapar pelos alicerces, se dado lhes fosse, o mesmo reino de Jesus Cristo. Por isto já não Nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao Nosso santíssimo dever, e para que se Nos não acuse de descuido de nossa obrigação, a benignidade de que, na esperança de melhores disposições, até agora usamos.
E o que exige que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do êrro já não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja, tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos.  LER...

Arquivo do blog

domingo, 12 de outubro de 2014

Arcebispo de Goa e Damão preside à peregrinação internacional de outubro :" Na minha própria diocese, trabalham quase 800 sacerdotes diocesanos e religiosos e tenho cerca de 30 a 35 ordenações por ano”





Arcebispo de Goa e Damão preside à peregrinação internacional de outubro 


Presidente da peregrinação internacional de 12 e 13 de outubro em entrevista
Arcebispo de Goa e Damão trará a Fátima uma mensagem «que não é nova»

2014-10-04


 
Arcebispo de Goa e Damão trará a Fátima uma mensagem “que não é nova”
A poucos dias da peregrinação internacional aniversária de 12 e 13 de outubro, D. Filipe Néri Ferrão, que preside às celebrações, antecipa a mensagem e as intenções de oração que pretende trazer a Fátima, naquela que será a sua segunda vinda a este santuário. Num país em que o Catolicismo é uma minoria religiosa, ainda que os católicos sejam 20 milhões, o arcebispo de Goa e Damão descreve a Índia como uma zona do Mundo em que a religião católica floresce. 
Em entrevista à Sala de Imprensa do Santuário de Fátima, D. Filipe Néri Ferrão afirma ver neste convite, do bispo de Leiria-Fátima, para presidir à peregrinação “a oportunidade de poder ir prestar, em público, a minha homenagem pessoal à Virgem de Fátima, que aprendi a venerar desde pequenino”. 
Interrogado também sobre a atualidade do Mundo, sobretudo sobre a perseguição às minorias religiosas no Médio Oriente e em África, D. Filipe Néri Ferrão é assertivo: “É extremamente doloroso observar a intensidade e a insensatez da violência que está assolando populações inteiras, perseguidas e dizimadas em nome da religião. Esta paixão que leva uma pessoa a eliminar uma outra em nome de Deus é nada menos que diabólica!”. 
Na mesma ENTREVISTAo arcebispo de Goa e Damão sublinha a intemporalidade da mensagem que transmitirá em Fátima aos peregrinos: “A minha mensagem não é nova. É a eloquente e mui típica mensagem de Maria para a humanidade de todos os tempos: Fazei tudo o que Ele, o meu Filho, disser. Tal como Ela fez”. 
Como meio para a concretização deste apelo de Maria, o arcebispo aponta Jesus: “é preciso caminhar com Jesus e crescer na Sua amizade, na Sua intimidade e fazer de Jesus o centro da nossa vida. É necessário construir com Jesus e sobre Jesus, a pedra angular: construir sociedade, igreja, família. E, finalmente, precisamos de proclamar Cristo e viver os valores do Seu Evangelho na nossa vida social, económica, cultural e política”.
Para a Índia, o presidente da peregrinação pedirá uma Igreja capaz de se tornar “evangelizadora, irradiando Cristo e compartilhando-O com os outros povos do Oriente”, uma Igreja que possa “também contribuir para a re-evangelização do Ocidente, e assim poder restituir-lhe a grande dádiva que dele recebeu: a Fé Cristã”.
Ainda sobre as convulsões religiosas e sociais em pontos concretos do Mundo, o arcebispo acrescenta que “nenhuma religião professa fé em um Deus que ama a guerra e a violência”, e pede oração “para que membros de todas as religiões se abram à inspiração divina e busquem o caminho da paz, o respeito pela pessoa e o bem comum, tornando-se agentes de diálogo e de reconciliação”.
D. Filipe Néri António Sebastião do Rosário Ferrão, de 61 anos, é natural de Goa; é arcebispo de Goa e Damão, atual Patriarca das Índias Orientais, Primaz da Índia.
“Os nossos seminários não se fecharam e os nossos sacerdotes estão ajudando muitas igrejas na Europa e nas Américas. Na minha própria diocese, trabalham quase 800 sacerdotes diocesanos e religiosos e tenho cerca de 30 a 35 ordenações por ano”, descreve, acrescentando que “a devoção a Senhora de Fátima é muito popular”, na Índia.