BEATO CARLO ACUTIS , A EUCARISTIA É A MINHA AUTO -ESTRADA PARA O CÉU

 


Arquivo do blog

domingo, 26 de setembro de 2010

Espiritualidade - Reverência e adoração a Eucaristia : A firmeza, claridade e coerência do Magistério transparecem com força no prefácio escrito pelo secretário Emérito da Congregação para o Culto Divino para o livro "Dominus est - Reflexões de um bispo da Ásia Central sobre a Sagrada Comunhão", de Dom Athanasius Schneider, bispo de Karaganda (Casaquistão).



Reverência e adoração a Eucaristia

Dom Malcolm Ranjith Patabendige Don
Secretário da Congregação para o Culto Divino


No livro do Apocalipse, São João narra como, tendo visto e ouvido o que lhe fora revelado, prostrava- se em adoração aos pés do Anjo de Deus (cf. Ap 22, 8). Prostrar-se ou pôr-se de joelhos ante a majestade da presença de Deus, em humilde adoração, era um hábito de reverência que Israel realizava sempre na presença do Senhor. [...] Encontra-se a mesma tradição também no Novo Testamento em que vemos ajoelhar-se diante de Jesus: Pedro (Lc 5, 8); Jairo, para Lhe pedir que cure sua filha (Lc 8, 41); o Samaritano, quando volta para agradecer-Lhe; e Maria, irmã de Lázaro, para pedir-Lhe o favor da vida para seu irmão (Jo 11, 32). No livro do Apocalipse (Ap 5, 8; 5,14; 19, 4), nota-se, em geral, a mesma atitude de prostração diante do assombro causado pela presença e revelação divinas.
Estava intimamente relacionada com esse costume a convicção de que o Templo Santo de Jerusalém era a casa de Deus e, portanto, era necessário adotar nele atitudes corporais que expressassem um profundo sentimento de humildade e reverência na presença do Senhor.
A prática de se ajoelhar em adoração à Eucaristia
Também na Igreja, a convicção profunda de que o Senhor está real e verdadeiramente presente nas Espécies Eucarísticas e o costume de conservar a Santa Comunhão nos tabernáculos contribuíram para o hábito de se ajoelhar em atitude de humilde adoração ao Senhor na Eucaristia .
Com efeito, a respeito da presença real de Cristo nas Espécies Eucarísticas, o Concílio de Trento proclamou: "No augusto Sacramento da Santa Eucaristia, depois da consagração do pão e do vinho, Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, está presente verdadeira, real e substancialmente, sob a aparência destas realidades sensíveis" (DS 1651) .
Além disso, São Tomás de Aquino havia já definido a Eucaristia como latens Deitas (Deus oculto). A Fé na presença real de Cristo nas Espécies Eucarísticas já pertencia, então, à essência da Fé da Igreja e era parte intrínseca da identidade católica. Claro estava que não se podia edificar a Igreja se essa Fé fosse prejudicada, mesmo em algum ponto mínimo.
Portanto, a Eucaristia, pão transubstanciado em Corpo de Cristo, e vinho em Sangue de Cristo, Deus em meio a nós, devia ser acolhida com admiração, máxima reverência e atitude de humilde adoração .
Atitudes que facilitam o recolhimento
Acompanhando esta tradição, é claro que se torna coerente e indispensável adotar gestos e atitudes do corpo e do espírito que facilitem o silêncio, o recolhimento, a humilde aceitação de nossa pobreza diante da infinita grandeza e santidade dAquele que vem ao nosso encontro nas Espécies Eucarísticas. O melhor modo de exprimir nosso sentimento de reverência para com o Senhor Eucarístico é o de seguir o exemplo de Pedro que, como narra o Evangelho, lançou- se de joelhos ante o Senhor e disse: "Afasta-Te de mim, Senhor, porque sou um pecador!" (Lc 5, 8).
Ora, nota-se como em algumas igrejas esse costume torna-se cada vez mais raro, e os responsáveis não só impõem aos fiéis receber em pé a Sagrada Eucaristia, mas, inclusive, tiraram todos os genuflexórios, obrigando os fiéis a permanecer sentados ou em pé, até mesmo durante a elevação das Espécies Eucarísticas, apresentadas para a adoração. É estranho que tais providências tenham sido tomadas pelos responsáveis da liturgia nas dioceses, ou pelos párocos, nas igrejas, sem qualquer consulta aos fiéis, embora hoje se fale mais do que nunca, em certos ambientes, de democracia na Igreja.
O modo de receber a Comunhão
Ao mesmo tempo, falando da Comunhão na mão, é necessário reconhecer reconhecer que se trata de um costume introduzido abusiva e apressadamente em alguns ambientes da Igreja logo após o Concílio, alterando o secular costume anterior e tornando-se, em seguida, prática regular em toda a Igreja.
Justificava-se essa mudança argumentando que ela refletia melhor o Evangelho ou a prática antiga da Igreja. É verdade que se alguém recebe a Comunhão na língua pode também recebê-la na mão, sendo esses órgãos do corpo de igual dignidade.
Alguns, para justificar tal prática, recorrem às palavras de Jesus: "Tomai e comei" (Mc 14, 22; Mt 26, 26). Quaisquer que sejam as razões para sustentar esse costume, não podemos ignorar o que acontece, em nível mundial, onde ele é adotado. Ele contribui para um gradual e crescente enfraquecimento da atitude de reverência para com as sagradas Espécies Eucarísticas.
O costume anterior, pelo contrário, preservava melhor este senso de reverência.
Seguiram-se uma alarmante falta de recolhimento e um espírito de generalizada distração. Vêem-se, agora, comungantes que freqüentemente voltam aos seus lugares como se nada de extraordinário tivesse acontecido. Ainda mais distraídos se mostram as crianças e os adolescentes. Em muitos casos não se nota aquele senso de seriedade e silêncio interior que devem indicar a presença de Deus na alma.
O Papa fala da necessidade, não só de entender o verdadeiro e profundo significado da Eucaristia, mas também de celebrá- La com dignidade e reverência. Diz que é necessário estar consciente "dos gestos e posições, como ajoelhar- se durante os momentos salientes da Oração Eucarística" (Sacramentum Caritatis, 65). Além disso, tratando do recebimento da Sagrada Comunhão, convida todos a "fazer o possível para que o gesto, na sua simplicidade, corresponda ao seu valor de encontro pessoal com o Senhor Jesus Cristo no Sacramento" (Sacramentum Caritatis, 50).
Contributo à atual discussão sobre a Eucaristia

Nesta perspectiva, merece especial apreço o opúsculo escrito por S.Exa. Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Karaganda, no Casaquistão, sob o muito significativo título Dominus est. [...] Ele nos apresenta um excursus histórico-teólogico que esclarece como o costume de receber a Sagrada Comunhão na boca e de joelhos foi acolhido e vigorou na Igreja durante um longo período.
Creio que chegou a hora de avaliar a prática acima mencionada, de reconsiderá-la e, se necessário, abandonar a atual, que de fato não foi indicada nem pela Sacrosanctum Concilium nem pelos Padres Conciliares, mas foi aceita depois de sua introdução abusiva em alguns países. Hoje, mais do que nunca é necessário ajudar os fiéis a renovar uma Fé viva na presença real de Cristo nas Espécies Eucarísticas, para reforçar a própria vida da Igreja e defendê- la em meio às perigosas distorções da Fé que tal situação continua causando.
As razões para tal medida devem ser não tanto as acadêmicas, mas as pastorais - quer espirituais, quer litúrgicas; em suma, aquilo que edifica melhor a Fé. Neste sentido, Dom Schneider mostrou louvável coragem, pois soube entender o verdadeiro significado das palavras de São Paulo: "mas que tudo se faça de modo a edificar" (I Cor 14, 26).

(Revista Arautos do Evangelho, Maio/2008, n. 77, p. 38)

visto em:http://www.movimentoliturgico.com.br