Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

quinta-feira, 16 de maio de 2019

DON DIVO BARSOTTI, COMO REZAR A ESTE DEUS ESQUIVO?




DON DIVO BARSOTTI

O TEMA O velho místico, fundador da comunidade dos "Filhos de Deus", reflete sobre a grande
questão da espiritualidade 



COMO REZAR A ESTE DEUS ESQUIVO?

Divo Barsotti: quanto mais o procuramos, mais ele se afasta
"Que tipo de relação podemos estabelecer com o Senhor, transcendência infinita, além do tempo e do espaço?" 

 por Andrea Fagioli 



   FLORENÇA: Nas últimas páginas de um de seus diários, escreveu que não podia rezar. Foi ele, Dom Divo Barsotti, fundador de uma comunidade contemplativa, conhecido por seus estudos de espiritualidade e meditações sobre os mistérios cristãos, que passou horas e horas na capela de seu pequeno eremitério que recebeu o nome da mais alta expressão do monaquismo russo, São Sérgio.
   

   "Quando se quer rezar - o sacerdote idoso, originário de Palaia, na província de Pisa, explica em voz baixa -, parece-lhe sempre que não pode rezar, porque rezar significa entrar em comunhão com Deus. E este Deus escapa-nos. Por um lado, atrai-nos e não podemos deixar de o procurar; por outro lado, quanto mais o procuramos, mais Ele parece afastar-se. É um jogo ao qual Deus nos submete". E para explicar o "jogo" Barsotti recorre a Santo Agostinho, "que em relação à Graça Divina, disse que é como entregar uma noz a uma criança. A criança corre para levá-lo e se nos afastarmos, ele corre.
ainda mais. Assim o Senhor faz conosco: Ele sai porque caminhamos mais rápido para Ele". 

   Mais uma vez subimos a Settignano, à Casa São Sérgio, para escutar "o pai", como "seu" chamado, para escutar este místico que aos 87 anos (fará 25 anos no próximo mês de abril) surpreende pela profundidade e clareza de suas reflexões. E'
desde 1955 que vive aqui, neste oásis de silêncio e oração a dois passos de Florença. Assim o quis desde que fundou a Comunidade dos Filhos de Deus para viver no meio do mundo uma espiritualidade de caráter monástico, baseada no primado do exercício das virtudes teologais.
(fé, esperança, caridade) e sobre o primado dos valores contemplativos do silêncio e da oração. 

   Mas se lhe perguntamos o que é a oração, ele responde que devemos primeiro perguntar-nos se ela existe: "Que relação podemos estabelecer com um Deus que é transcendência infinita, que está além do tempo e do espaço? Por que o homem, apesar de tudo, sempre acreditou que poderia estabelecer esse contato com Deus que parece impossível? A resposta é simples e ao mesmo tempo difícil: "Porque o Deus em quem cremos - diz Barsotti - é o Deus da aliança, que quis estabelecer uma relação, que tornou possível o nosso encontro com Ele. Mas ainda não é uma resposta verdadeira. A oração pressupõe um grande mistério,
o mistério da Encarnação. Deus tornou-se homem. Ao tornar-se um homem, ele pode falar comigo e eu posso falar com Ele. A natureza comum torna possível um contacto, um encontro. E a oração pelos cristãos é precisamente isto: falar a uma pessoa viva".  

   Então, se a oração é possível, o que é? "É esta união com Deus. É viver uma união pela qual nos damos a Ele e Ele se dá a nós. Mas tudo é possível porque foi Deus quem tomou a iniciativa. Então, é ele quem reza. A nossa oração pressupõe Ele. Não poderíamos falar com Ele sem que Ele nos falasse primeiro. E a nossa oração é tanto mais verdadeira quanto mais sentimos que Ele é o primeiro a falar, o primeiro a entrar na nossa vida. E dá-nos esperança, vem em nosso auxílio, conhece-nos e ama-nos. A oração pressupõe, portanto, em primeiro lugar, a fé". 

   É a fé - continua Dom Barsotti - que nos dá a possibilidade de rezar. O dom que o homem faz de si mesmo a Deus é o dom da sua pobreza e dos seus pecados. Ele não pode nos pedir mais nada, também porque a única coisa que ele não tem é pecado. Ele recebe-o de nós. Tornou-se homem.
para colocarmos as nossas dores e os nossos pecados sobre ele. Enquanto tudo em nossas vidas parece cair no vazio, Deus alimenta em nós uma esperança que parece absurda, a esperança de uma vida imortal. A oração é, portanto, uma troca de vida: Deus faz-se homem e toma sobre Si a nossa pobreza, mas nós tiramos d'Ele tudo o que Ele é.
Nem mesmo o Céu nos interessa mais: temos mais do que o Céu se O tivermos".    E se alguém perguntasse a Dom Barsotti "ensina-me a rezar", o que diria o teólogo e poeta sacerdote? Em primeiro lugar, eu diria que Deus está com ele, que ele fala com ele, que o ama. Se alguém pode pensar que existe um Deus que nos ama, a oração nasce sozinha. Uma das maiores coisas para o homem é sentir que há outra criatura que o ama, que pensa nele. Sentir-se pensado, amado, é a maior alegria. Não é por acaso que o noivado é o período mais rico que o homem vive, porque é uma relação de amor que vem da consciência e experiência de amar e ser amado.  

  Portanto, se queremos viver a oração, antes de mais nada devemos pensar que Deus é real, que Ele não é apenas uma imensidão, que não é apenas a verdade, que não é apenas alegria, que não é apenas amor: é uma pessoa. Pede-se à namorada nada mais do que existir".
   "Pede e ser-te-á dado", diz o Evangelho. Então, em oração, pode-se pedir coisas que também são muito terrenas? Podemos pedir tudo", respondeu Barsotti, "Deus vem ao nosso encontro como nós somos e somos de carne, somos pequenos. Deus não esquece nossa pobreza e nossa pequenez. Ele mesmo nos disse para pedirmos pão de cada dia,
que tem tudo a ver com as necessidades básicas do homem. Estamos numa relação de amizade com Deus, ainda que um pouco estranha, porque por um lado há Ele que é tudo e por outro há nós que não somos nada. Mas se Ele nos ama como somos, Ele deve satisfazer as necessidades reais do homem, que são também as do salário, do amor humano, de uma certa felicidade, de um certo sucesso, mesmo a nível social. O Senhor sabe tudo isto. Ele não nos condena pelo facto de sentirmos essas necessidades. Mas se fossemos tomados pelo amor de Deus, estas necessidades cairiam. Mesmo um jovem quando começa a
amar uma rapariga até ele ser amado sente-se inútil: é uma coisa terrível.
   

   Mas quando sente que é amado, sente que tem tudo. Aqueles que estão convencidos de que são amados por Deus podem passar sem tudo. Neste sentido, a oração despoja-nos das nossas necessidades, porque é um dom maior do que as necessidades do homem.
                                                                

                                                                   Andrea Fagioli 




fonte