Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Don Divo Barsotti. A Fé: um marco na relação com Deus






Exercícios de Muzzano
(Julho de 1999)
Vocês convidaram a assembléia a rezar e eu estou partindo precisamente de uma invocação, de uma oração que vocês fizeram, para que Deus, isto é, que aumente em nós fé, esperança e caridade.
Falando da experiência de Deus, devemos dizer com firmeza e absoluta certeza que só a fé pode estabelecer uma relação entre nós e Deus, entre Deus e nós.
Assim como não temos uma relação com as estrelas fixas, também não podemos ter uma relação com Deus sem termos recebido o dom da fé.
Se não houvesse fé, estaríamos na absoluta impossibilidade de rezar!
Mesmo se rezássemos, as orações permaneceriam, não se elevariam além das nuvens, porque a nossa força não é suficiente para poder ir além de tudo o que é criado para Deus; portanto, devemos perceber que uma experiência de Deus   exige as virtudes teologais, as exige, porque sem estas virtudes o homem se encontra na impossibilidade de estabelecer qualquer relação com a divindade e o primeiro dom, o primeiro instrumento que o Senhor nos dá para estabelecer uma relação com Ele é a fé.
Se vivemos a vida religiosa, vivemos um certo contato com Deus através da fé, uma fé que nos faz conhecer a Deus, nos faz conhecer suas necessidades. Mas a alma tem medo dela. Somos tão pobres homens, tão fracas criaturas, que relação podemos ter com Deus? Ele nos pede uma santidade que está além das possibilidades do homem de ser alcançada e, no entanto, mesmo que nos sintamos homens pobres, incapazes de tudo, mas sobretudo incapazes de responder às necessidades de Deus, nos sentimos atraídos por Ele e não podemos passar sem Ele e quanto mais o conhecemos, mais sua beleza nos atrai, seu amor nos atrai e nos sentimos como se fôssemos levados embora, como se levados por uma força à qual não podemos resistir, vamos para o Senhor.
A experiência de Deus é antes de mais nada isto!
Nasce da fé e é tanto o medo como a atração do desejo. São dois sentimentos que nunca são um sem o outro! Há sempre um certo medo, você  experimentou antes de fazer a consagração: quantas vezes há pessoas que são aspirantes há mais de um ano, até dois anos e não sabem decidir porque têm medo.
Onde está a força deles? Como é que eles têm a confiança de que então serão fiéis? Não podem ser fiéis nas pequenas coisas! A falta de fidelidade a Deus, uma vez consagrados a Ele, parece tão pecaminosa que faz com que a consagração se afaste e, no entanto, insiste, continua a vir, consegue participar um pouco na vida da Comunidade, porque, como disse antes, há sempre os mesmos dois sentimentos: medo e atração.
Isto distingue a experiência de Deus na vida do cristão. Conheces Deus? Se você não conhece a Deus não há medo nem atração: vive uma vida religiosa, sim, mas só aparentemente:  não vive nada, vive apenas essa vida, vazia, porque esse Deus a quem você deve ter acesso é um Deus de papel, é um Deus que não é um Deus vivo, é um Deus que não teme porque está à sua imagem e semelhança, é um Deus que não o atrai porque mesmo a vida religiosa que se vive para Deus é apenas um preenchimento do vazio da vida. Mas não é enchê-lo de amor, de um desejo vivo de união;  se envelhece, desta maneira, e não se vive nem uma vida humana nem uma vida religiosa.
É o perigo muitas vezes também daqueles que querem viver uma vida religiosa, isto é, que não vivem nem uma vida humana nem uma vida religiosa; arrastam-se dia após dia, ano após ano para uma vida medíocre, uma vida sem luz, sem desejos, sem aspirações, sem mesmo medo, continuam como que por força da inércia.