Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Don Divo, A NOSSA DEVOÇÃO A MARIA

português inglês alemão francês espanhol italiano neerlandês polaco russo DeepL

Feliz festa da Natividade de Maria
A NOSSA DEVOÇÃO A MARIA
Esta manhã foi dito que é necessário falar de Nossa Senhora: é importante ver o que a Virgem é para nós. Parece-nos que nada caracteriza mais um movimento no meio da Igreja do que a relação que a Virgem tem com ela.
Qual é a relação entre a Virgem e nós? O que é isso para nós?
Cada congregação religiosa tem uma particular devoção à Virgem. Um facto muito preciso distingue-nos. Como os monges do Oriente, também nós não temos uma devoção particular à Virgem - os beneditinos não têm a sua própria festa particular de Nossa Senhora, mas a Ordem monástica celebra e sente a maternidade da Virgem. A relação do monge com Nossa Senhora é diferente, assim como a de uma congregação religiosa que tem uma finalidade apostólica, de serviço.
O que distingue nossa devoção a Maria é o que dissemos no primeiro dia dos Exercícios de La Verna. Vemos nela a alma consagrada. Parece-nos que as festas que mais respondem para celebrar a nossa relação com Ela são o 11 de Outubro (Maternidade de Maria) e a Festa da Apresentação no Templo (21 de Novembro). É claro que ela é também nossa Mãe, a Medianeira de todas as graças, a Co-redentora; e nós, com todos aqueles que a veneram aos pés da Cruz, veneramos e a amamos como cheia de graça.
Mas a maternidade de Maria tem para nós um caráter próprio: o de comunicar-nos  , o de fazer-nos viver a sua mesma relação com Deus. Ela entretanto é Mãe porque faz que  em nós viva  seu mesmo amor.
Parece oportuno sublinhar não o que a separa de nós, mas o que a liga a nós. Como ela é nossa Mãe, ela já nos distingue dos outros; esta é uma relação que nos une, mas também nos distingue: ela  distingue um filho do outro o filho e a mãe, não os separando, mas como termos de uma relação.
Mas queremos honrar Maria como Mãe de Cristo, porque neste mistério ela não está dividida de nós, mas devemos participar neste mistério da maternidade divina. Nossa santidade é também um nascimento de Cristo em nossos corações. É claro que ela sempre nos transcenderá infinitamente ao viver este mistério, mas, vivendo a vida cristã, também nós realizamos esta maternidade, que só nela atinge a sua plenitude final.
É por isso que a nossa festa é a maternidade divina de Maria. Nossa Senhora é Nicopeja: Jesus não está nos seus braços, está no peito de Maria para nos ensinar que até a sua vida íntima se esgota na geração de Cristo.
Cada um de nós deve ser a mãe e esposa de Cristo. Devemos assegurar que Ele nasce em nós. Devemos aceitar as palavras do Anjo: "Ecce concipies et paries..." Devemos viver para lhe dar vida, para conceber o Cristo. Toda a nossa vida só se esgota nas palavras que a Igreja faz o sacerdote dizer no altar: "Hoc est corpus meum".
É claro que nenhum de nós pode alcançar aquela plenitude de graça a que Maria chegou. Nela este mistério é plenamente realizado, em nós é partilhado na medida em que, unidos a ela, aceitamos as palavras do Anjo. Filho do homem, de cada um de nós, Cristo permanece de modo real filho de uma mulher: devemos estar nela para gerar Cristo. Assim vemos nela, acima de tudo, a Mãe de Deus. E a Mãe de Deus como uma Virgem.

A virgindade não é o egoísmo daqueles que estão fechados a todo amor, mas daqueles que se entregam inteiramente a Deus. É neste dom a Deus que consiste a virgindade. A maternidade de Maria importa este dom integral de si a Deus, por isso exige a sua virgindade. Também nós somos "mães" de Deus no dom integral de todos nós a Ele. É neste dom integral que participamos da maternidade divina de Maria.
Que Jesus nasça em nós! Que possamos gerar Cristo! Que a nossa vida seja um sacramento contínuo para que cada um de nós comunique Cristo aos irmãos, para que o levemos em nosso ventre e o geremos em nossas obras! Eu dou à luz continuamente, o que, para nós,  significa doar Cristo aos nossos irmãos e irmãs.
Devemos também ver em Maria o tipo de "mãe" que é "noiva". A alma na sua relação com Deus é mãe para ser noiva, para ter uma relação nupcial com Deus de amor íntimo. Maria é a Mãe Noiva de Cristo. Na iconografia antiga se vê muitas vezes que o Menino que ela carrega em seus braços põe o anel no dedo de Maria.

A união de casamento de Maria é com o Filho de Deus. Ela é a Noiva de Nosso Senhor. Nas bodas de Caná é Maria quem dá o vinho da alegria. No pretório, Pilatos tinha indicado em Jesus o homem: "Ecce homo"; Jesus, da cruz, indicou a mulher. "Mulher"! Ela não é a mãe dele, é a "Mulher". O "Homem" e a "Mulher" encontram-se e devolvem a vida à humanidade. É aos pés da Cruz que se realiza a União: a "Mulher" é Aquela que está aos pés da Cruz, e o "Homem" é Ele, Jesus.
  "Eis o teu filho", diz Jesus. Maria é Mãe de Deus.
 E o acto nupcial que regenera a humanidade realiza-se. "Eis o teu filho", diz Jesus. Maria é Mãe porque é responsável por toda a humanidade. E a nova humanidade curada está em João.
Em Maria é o tipo de alma consagrada que devemos também alcançar; se alguma vez o conseguirmos, devemos lutar por esta santidade. "Ecce ancilla Domini", diz Nossa Senhora. Toda a nossa ocupação deve ser um sacramento de amor;e  nada menos devemos dar aos nossos irmãos e irmãs do que Cristo.

 Enquanto não dermos Jesus ao nosso próximo, enganamo-lo.
Esta é a nossa maternidade divina. Mas esta maternidade está também em função da nossa união nupcial com Cristo. A alma consagrada deve compreender a sua união nupcial - a maternidade divina não pode ser plena se não for integrada pela união nupcial. Para que nossa alma seja mãe e esposa, devemos viver na intimidade com Jesus, viver totalmente para ele em silêncio,  subtraídos de todos os olhos, viver somente com ele, como a Virgem no Templo.
A apresentação da Virgem no Templo é historicamente lendária, mas a Igreja celebra esta festa para nos recordar o mistério da sua união com Cristo. Ela vive uma vida tão profunda e unida a Cristo que é como um jardim fechado, como uma fonte selada. A vida da Virgem! Não sabemos onde o homem acaba e onde Deus começa. Uno é verdadeiramente o espírito, uno é o amor. "Quem adere a Deus é um com Ele" - isto foi realizado pela Virgem. Acreditas que vês a Virgem e, em vez disso, só vês Deus. Cada ato, tanto interno como externo, da Virgem era somente do Espírito Santo. Quem pode dizer o mesmo de nós? No entanto, devemos viver no seio do Pai, como Maria no Templo; viver na oração, e na união nupcial do Filho de Deus.
Não sei se também vos parece que Deus nos deu uma vocação mais elevada; não sei por que nos escolheu, a nós tão pobres, tão mesquinhos.
Só podemos agradecer a Deus. Até a Virgem Maria só podia cantar um hino de ação de graças: o Magnificat.  Nela tudo foi o senhor que realizou - ela não é nada. Mas nós, mais do que um nada, somos um abismo de pecado! E Deus escolheu-nos! Nunca nada será tão grande como o que Ele nos revelou hoje: ser mãe de Cristo para ser com Ele um só espírito e um só corpo.
Porque te digo tudo isto na Assunção de Maria? Porque hoje vemos o mistério de Maria em sua plena manifestação: corpo e alma, tudo o que ela deu a Deus, tudo, nela, foi glorificado e elevado na própria vida de Deus.
Para que também nós, ao vivermos hoje o mistério desta união matrimonial, vivamos amanhã a glória de Deus e sejamos a manifestação eterna da Sua infinita misericórdia.
Louvado seja Deus!"
Don Divo, Homilia na Casa de St. Sergius