Don Divo Barsotti

Arquivo do blog

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Don Divo Barsotti, a eternidade não tem amanhã: a vida eterna é Presença


A eternidade não tem amanhã: a vida eterna é Presença1 O reino dos céus é como um tesouro escondido em um campo; o homem o encontra e o esconde novamente, e depois vai, cheio de alegria, vende todos os seus bens e compra aquele campo. O reino dos céus é como um mercador que vai em busca de pérolas preciosas; encontrou uma pérola de grande valor, vai, vende todos os seus bens e compra-os. O reino dos céus é também semelhante a uma rede lançada ao mar, que recolhe toda a espécie de peixes. Quando está cheio, os pescadores levam-no para a costa e depois sentam-se, recolhem os bons peixes nos cestos e deitam fora os maus. (Mateus 13, 44-48) 1)
Divo Barsotti: uma vida como contribuição para voltar aos fundamentos da fé: Dom Divo Barsotti (Palaia 1914 - Florença 2006) é apresentado por muitos como uma personalidade de grande carisma e de grande fé. Na verdade, ele foi definido como um dos maiores homens espirituais do nosso tempo. 2 Exegeta intuitivo mesmo que não enquadrado em qualquer modelo. Escritor místico, ele fundou a comunidade contemplativa dos Filhos de Deus, que tende à santidade possível para todos os homens empenhados num claustro, no trabalho ou na família. 
A peculiaridade de Barsotti é dar à reflexão teológica contemporânea um exemplo de quanto o homem pode combinar pesquisa científica com misticismo. Cataldo Naro: "A sua obra teve uma influência ao longo da segunda metade do século XX que surgirá cada vez mais claramente nos próximos anos, à medida que nos tornarmos mais capazes de um desprendimento crítico. 
Antes do Concílio Vaticano II, Divo Barsotti revelou ao mundo católico sua própria "preguiça" mental e espiritual, seu próprio "cansaço" histórico, como se os católicos não percebessem as ansiedades da sociedade e que depois surgiriam totalmente em 1968; hoje, seu convite a voltar aos fundamentos da fé, aos sacramentos e à missa, à Escritura e à oração litúrgica, a colocar Deus no centro e, sobretudo, parece profético.4

 Depois do Vaticano II, o seu trabalho deparar-se-á com oposição e descuido. Barsotti começou assim a recordar que a missão da Igreja não é resolver as crises mundiais ou locais e restaurar a paz, mas anunciar a salvação de Jesus Cristo e vencê-la através da sua relação com Ele. 1 A ocasião para este relatório surgiu da apresentação da "Tese do Magistério das Ciências Religiosas" (7 de Novembro de 2011, Paróquia Regina Pacis, Caltanissetta) por Liliana Rita Tricoli apoiada, com o Prof. Massimo Naro como orador no ano lectivo 2007-08, na Faculdade de Teologia da Sicília "São João Evangelista". O título da tese é o seguinte: "O mistério do Verbo encarnado, o caminho do conhecimento e da relação com Deus". Uma reflexão sobre a "teologia" de Divo Barsotti". A exposição está estruturada em três partes que seguem, quase fielmente, os capítulos da obra de Liliana Tricoli, e são: 1) Divo Barsotti: uma vida como contribuição para voltar aos fundamentos da fé; 2) O Mistério da Encarnação "contém" toda a história; 3) A eternidade não tem amanhã: a vida eterna é presença. O índice geral da tese é caracterizado por: I capítulos "Quem é Divo Barsotti"; II capítulo "Teologia para Barsotti: o mistério da Encarnação e o conhecimento de Deus"; III capítulo "Deus se dá no Verbo encarnado"; IV capítulo "A realidade última é Deus na Trindade das pessoas". 2 Cf. G. Penco, History of the Church in Italy, vol. II, Jaca Book, Milão 1978, pp. 657-660. 3 C. Naro, Introdução, em AA. VV., Divo Barsotti testemunho de Deus na Itália do século XX, Ed. Paccagnella, S. Lazzaro di Savena 2001, p. 8. 4 Para mais informações, ver as seguintes obras de Barsotti: Il Mistero Cristiano e l'anno liturgico; Il Mistero Cristiano e la Parola di Dio.

2 A produção literária de Divo Barsotti é vasta5 e inclui meditações espirituais sobre livros do Antigo e Novo Testamento, retratos de santos, diários, reflexões feitas durante exercícios espirituais, etc. Nos diários, o autor não se apresenta como profissional de culto ou conhecimento teológico, mas como mensageiro de uma missão de que  é testemunha; ensina que o testemunho não é aquele que fala de Deus, mas aquele através do qual o próprio Deus fala.

 Em "Palavra e Silêncio", escreveu: "Nesta terrível crise que parece ameaçar a sobrevivência da Igreja e do cristianismo, apenas uma palavra é imposta: o testemunho deve, com a sua própria vida, demonstrar a verdade. Certamente, isso compromete o homem a ser mais do que o homem, compromete-se com o mais elevado heroísmo, com a mais brilhante santidade.
 A santidade do testemunho é a prova de que Deus verdadeiramente vive e está presente no coração do mundo. Esta é a missão que recebi e à qual devo responder mesmo correndo o risco de que os homens riam de mim". ler....