http://4.bp.blogspot.com/_14vrv7ni7HM/TLYyK0PS85I/AAAAAAAABU8/h4xBT0R8kQU/s1600/20101013225550_D0064009.jpg
ABADIA DE NOSSA SENHORA DE FONTGOMBAULT  CELEBRA TODA A LITURGIA  NA REFORMA DO MISSAL FEITA POR SÃO JOÃO XXIII
EM 1962 E LIBERALIZADA POR SUA SANTIDADE BENTO XVI EM 7/7/2007 COM O MOTU PRÓPRIO "SUMMORUM PONTIFICUM".
ACTUALMENTE A COMUNIDADE CONTA COM CERCA DE 60 MONJES E FUNDOU MAIS OUTRAS 5 ABADIAS DE QUE ELA É A CASA-MÃE,
TODAS REZAM O BREVIÁRIO MONÁSTICO EM LATIM E A A SANTA MISSA É SEMPRE CELEBRADA NA FORMA EXTRAORDINÁRIA EM
FORMA SOLENE E CANTADA EM GREGORIANO.


  

Arquivo do blog

Artigos de Agosto

Agosto (43)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

A ESSÊNCIA DO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA Por pe. Martinho de Cochem.






A ESSÊNCIA DO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA

Por pe. Martinho de Cochem.

Na língua sagrada de nossa mãe, a Santa Igreja católica, no latim, a Santa Missa
 é designada pelo nome de "sacrificium", sacrifício.
"Um sacrifício é um dom visível, oferecido, exclusivamente, a Deus, por um
ministro sagrado, para reconhecer a soberania do Altíssimo sobre todas as coisas".
O sacrifício, portanto, é um culto devido, exclusiva e unicamente, a Deus. A nenhuma
 criatura, por mais elevada que seja, compete jamais um sacrifício.
Diz Santo Agostinho: "Quem pensaria jamais, que se pudesse oferecer sacrifício,
senão ao Deus único e verdadeiro?"
Somente à idolatria insana dos Imperadores romanos ficou reservada a presunção
sacrílega de exigir, dos súditos desditosos, sacrifícios de diversas formas.
Indagando a origem do sacrifício, que encontramos entre os povos, sem exceção
 devemos confessar, com S. Tomás de Aquino, que é uma lei natural oferecer
 sacrifícios a Deus, e, por este motivo, é que o homem se sente levado a sacrificar
, sem insinuação ou conselho de alguém.
Com efeito, Caim e Abel, Noé e Abraão, como outros patriarcas, profetas e reis
 do antigo testamento ofereceram a Deus sacrifícios espontaneamente.
Porém não só os que conservaram a fé no Deus verdadeiro, mas também os povos
 que apostataram desta fé, os pobres pagãos, ofereceram sacrifícios a seus ídolos.
 Pois, o sacrifício, como a religião, da qual é a mais elevada manifestação, é, realmente,
 uma necessidade da natureza humana, e, por isso, encontramo-lo entre todos os povos
  de todos os tempos.
Por conveniência imperiosa, Jesus Cristo cuidou de deixar na sua religião,
divinamente perfeita, uma forma de sacrifício, como jamais houve entre povo
 algum; e essa forma de sacrifício é a Santa Missa.
A respeito, ensina o Santo Concílio de Trento:
"Segundo o testemunho de S. Paulo Apóstolo, o sacerdócio levítico do antigo testamento
 não atingiu a perfeição. Assim, desde a origem do mundo, o Deus da Misericórdia
determinara que surgisse um sacerdote podendo aperfeiçoar e completar o sacrifício
. Esse sacerdote era Jesus Cristo, Nosso Senhor que, depois de se ter oferecido
a seu Pai sobre o altar da cruz, não queria deixar extinto o seu sacrifício, e, na
véspera de sua morte, deu a sua esposa mística estremecida, a Santa Igreja, um
sacrifício visível, segundo as exigências da natureza humana."
Este sacrifício devia perpetuar o Sacrifício cruento que Jesus Cristo ia oferecer sobre a Cruz;
devia perpetuar-lhe a memória até o fim dos tempos e, por sua virtude salutar,
 nossos pecados quotidianos deviam ser perdoados. Deste modo, Jesus Cristo declarou-se
sacerdote segundo a ordem de Melquisedec, oferecendo a seu eterno Pai seu Corpo e
 seu Sangue, sob as aparências de pão e vinho, que deu a seus apóstolos também sob
as mesmas espécies, instituindo-os sacerdotes do novo Testamento. E, dizendo as
 palavras: "Fazei isto em memória de mim", ordenou-lhes e aos seus sucessores no
sacerdócio, que os oferecessem em sacrifício.
A Santa Igreja nos ensina que, na última Ceia, Jesus Cristo não só mudou o pão e o vinho
 em seu Corpo e em seu Sangue, mas também ofereceu-os a Deus, seu Pai, e
instituiu e ofereceu pessoalmente o Sacrifício do novo Testamento, a fim de que
 se reconhecesse, nele, este sacerdote de que canta o salmista: "O Senhor jurou e não
se arrependerá de seu juramento. És sacerdote eterno segundo a ordem de
Melquisedec" (Sl. 109, 4).

Muito contrário ao costume de sua época, Melquisedec não imolava animais como faziam
 Abraão e outros patriarcas, mas, por inspiração do Espírito Santo, levantava o pão
 e o vinho para o céu e oferecia-os por meio de cerimônias e orações especiais.
 Assim tornou-se a figura de Jesus Cristo, e seu Sacrifício é o símbolo da nova Lei.

Como tudo que se relaciona com a pessoa do salvador foi objeto de admiráveis profecias
, desde os dias do paraíso até os últimos tempos do antigo testamento, também o sacrifício
 que havia de coroar e perpetuar a obra redentora na cruz, foi predito séculos antes.

 

Escreve o profeta Malaquias:
"Minha afeição não está mais em vós, diz o Senhor dos exércitos, e nunca mais
 receberei ofertas de vossas mãos, porque, desde o oriente até o ocidente, meu
 nome é grande entre as nações e, em toda parte, se sacrifica e oferece uma
 oblação pura".

Esta profecia não se realizou no antigo testamento, como se vê no próprio texto, pois o
próprio Deus declara rejeitar os antigos sacrifícios.
Tão pouco a profecia se refere ao sacrifício da cruz, porque esse sacrifício foi oferecido
somente uma vez e em um lugar.

 
É de um sacrifício novo e puro em que Deus tem as complacências, que o profeta fala.
Esse sacrifício, infinitamente puro, não pode ser outro senão o sacrifício da Missa
. Desde o momento de sua instituição no cenáculo, crêem e confessam isto os apóstolos,
 os evangelistas, todos os primeiros cristãos, e assim ainda crê e confessa a Igreja
católica universalmente, tanto quanto as igrejas cismáticas orientais.
De acordo com o evangelista S. Lucas, a Santa Igreja ensina:
"Na véspera de sua morte, Jesus Cristo tomou o pão e, rendendo
graças a Deus, partiu-o e deu aos discípulos, dizendo: "Isto é o meu
Corpo que será entregue por vós; fazei isto em memória de mim".
Da mesma forma, tomou o cálice depois da ceia, dizendo: "Este cálice é o novo
 Testamento em meu Sangue, que será derramado por vós." (Lc. 22, 19-29).
Ponderemos bem o que diz e faz o Senhor:
Muda o pão em seu Corpo, e o vinho em seu Sangue; e por esta separação
mística de seu Corpo e de seu Sangue, constituiu-se em holocausto. As palavras
que acompanham a transubstanciação, indicam o sacrifício. "Isto é o meu Corpo,
 que será entregue por vós, isto é o meu Sangue, que será derramado por vós". Ainda que se quisesse aplicar estas duas palavras "entregar" e "derramar" ao Sacrifício da Cruz, Jesus Cristo afirm
a, claramente, que estas duas ações se realizam na Ceia, e assim afirma também
 que houve aí sacrifício.
Se os adversários pretendem desvalorizar este ensino de nossa Santa Igreja,
dando outras explicações torcidas e infundadas, como é que explicarão as
palavras claras de S. Paulo Apóstolo, quando escreve aos Hebreus:
"Temos um altar, e uma vítima da qual os que prestam serviços ao Tabernáculo,
 (isto é, os judeus) não têm o direito de comer" (Hb. 13, 10). Ora, não poderia
 existir altar sem oblação, e a palavra "comer" indica, claramente, que não se trata
 do sacrifício da Cruz, mas de um sacrifício (comestível) nutriente, tal qual Jesus Cristo
 o instituiu na Ceia.
Lemos também, na vida do apóstolo S. Mateus, que foi morto no altar, quando celebrava
 os santos mistérios. Na vida de Santo André, refere-se que ele disse ao juiz Egéias:
"Ofereço em sacrifício, diariamente, a Deus todo-poderoso, não a carne de touros,
 nem o sangue dos animais, mas o Cordeiro Imaculado".
É atribuída ainda a S. Tiago e a S. Marcos uma liturgia da Santa Missa. Enfim, atribui-se
também a S. Pedro o "Cânon", isto é, a parte da Santa Missa que vai do "Sanctus" até a
Comunhão.
Tantos testemunhos provam que o Santo Sacrifício do novo Testamento esteve,
desde o começo, em uso na Igreja.
O fato de não se encontrar a palavra "Missa" nas sagradas letras, não pode servir de
argumento contra a doutrina da Igreja. A palavra "Trindade" também não se encontra;
e, não obstante, os adversários aceitam-na. Mas, em 142, encontramos a palavra Missa 
tal qual a empregamos. O Papa Pio I faz uso da palavra de maneira que evidencia 
que o termo era geralmente, adotado e conhecido. Daí em diante, a palavra Missa não
desaparece mais dos escritos dos santos Padres e mais escritores da Igreja católica.
A Igreja grega emprega nomes de significação idêntica. Falam, por exemplo, da mesa
 ou do altar do Senhor, ceia, oferta. Em vista disso, que valem os ataques dos hereges?
Os ataques violentos promovidos, em diversas épocas, contra a Santa Missa,
testemunham-lhes à santidade e importância como também o ódio com que o demônio
a persegue.
No curso dos dez primeiros séculos, quando numerosos hereges afligiam a Santa Igreja,
 nenhum deles ousou atacá-la. Era preciso, para isto, um alto grau de perversidade, uma
 audácia verdadeiramente infernal.
Isto só aconteceu no décimo primeiro século pelo herege Berengar de Cours. Porém,
mal havia disseminado as blasfêmias, o orbe católico recuou de espanto e clamou-lhe
 indignado: "Tornai-vos uma pedra de escândalo para os fiéis, separai-vos de nossa Mãe,
a Santa Igreja, pois perturbais a unidade dos cristãos". Berengar, depois de anatematizado
 por mais de cindo Concílios, por um milagre da misericórdia divina, abjurou os erros,
fez penitência, e morreu em 1088, confessando a doutrina verdadeira.
Infelizmente, a heresia sobreviveu-lhe, sendo pregada, alguns anos depois, pelos albigenses,
 seita perversa que declarava, entre outros erros, o matrimônio como ilícito, e permitia
a impureza. Em particular, atacava a Missa privada, vulgarmente chamada Missa-rezada.
Aos que assistiam a essas Missas, perseguiam com penas horrorosas e, mais ainda,
aos Padres que tinham a coragem de celebrar os santos mistérios.
Após os albigenses, os inimigos mais encarniçados da Santa Missa foram os reformadores
do século décimo sexto. O próprio Lutero confessa, no livro "contra a missa", cap. XIX,
 ter sido impelido por Satanás a abolir a Santa Missa como um ato de idolatria, e que
 fez sabendo, perfeitamente, que o demônio odiava todo o bem e que seus ensinos eram
  mentirosos.

 
Se as trevas infernais não tivessem invadido, inteiramente, toda a inteligência de Lutero,
 não teria antes raciocinado assim: se Satanás considera a Santa Missa como um ato de
 idolatria, para que procura abolí-la, em vez de louvá-la e propagá-la, a fim de insultar 
mais cruelmente o Altíssimo?
Ora, Satanás privou o Santo Sacrifício da Missa a todas as seitas luteranas, causando-lhes
 tão profundo ódio contra este santo mistério, que vomitaram a espantosa blasfêmia:
"A Missa é uma abominável idolatria... aí renuncia-se o sacrifício cruento de Cristo!"
 Assim se exprime o catecismo dos calvinistas de Heidelberg.
Pobres insensatos! Neste caso, como podem admitir que uma alma se tenha salvo
desde Jesus Cristo? Todos os apóstolos, todos os sacerdotes têm celebrado o
 Santo Sacrifício da Missa, os mártires, os confessores assistiram-no com terna devoção.
 Acusarão todo este exército de Cristo de idolatria, e, por conseguinte, digno do inferno?
 O simples bom senso a isso se opõe.
Ah, mais suave é ouvir S. Fulgêncio dizer: "Creio, sem dúvida alguma, que o Filho
 único de Deus, feito homem por nós, ofereceu-se em sacrifício a Deus Altíssimo,
 a quem a Igreja católica oferece, sem cessar, na fé e na caridade, o Sacrifício do
 pão e do vinho".
Tomemos cuidado para não nos acontecer o que aconteceu aos hereges, a quem Satanás
 tirou a Santa Missa. Não podendo privar-nos inteiramente dela, esforça-se, pelo menos,
para cegar-nos sobre o valor infinito do Santo Sacrifício a fim de que, apreciando-o
pouco, deixemos de assisti-lo, ou não tiremos os abundantes frutos de graças que 
poderíamos colher.

Livros católicos

Ebook cattolici

Bibbia, Vangeli, Catechismo della Chiesa Cattolica, Storia della Chiesa

Dizionari

Preghiera

Classici Cristiani

  • L'imitazione di Cristo di Tommaso da KempisEPUB MOBI HTML
  • L'imitazione di Maria di Edoardo CiccodicolaEPUB MOBI HTML
  • Trattato della vera devozione a Maria di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Il segreto ammirabile del Santo Rosario di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Il grande segreto per diventare santi di San Luigi Maria Grignion de MontfortEPUB MOBI HTML
  • Le Glorie di Maria di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • Del Gran mezzo della preghiera di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • La necessità della preghiera di Sant'Alfonso Maria de LiguoriEPUB MOBI HTML
  • I racconti di un pellegrino russoEPUB MOBI HTML
  • Filotea di San Giovanni di SalesEPUB MOBI HTML
  • I fioretti di San FrancescoEPUB MOBI HTML
  • Storia di un anima di Santa Teresa di LisieuxEPUB MOBI HTML
  • Esercizi Spirituali di Sant'IgnazioEPUB MOBI HTML
  • Trattato della vita spirituale di San Vincenzo FerreriEPUB MOBI HTML
  • Il castello interiore di Santa Teresa d'AvilaEPUB MOBI HTML
  • La nuvoletta del Carmelo di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Maria Ausiliatrice col racconto di alcune grazie di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Maraviglie della Madre di Dio di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Specchio (o salutazione) della Beata Vergine Maria di Corrado da SassoniaEPUB MOBI HTML
  • E' Gesù che passa di San Josemaría Escrivá de BalaguerEPUB MOBI HTML
  • Opera Omnia - San Francesco d'AssisiEPUB MOBI HTML
  • Opera Omnia - Santa Chiara d'AssisiEPUB MOBI HTML
  • Meditazioni della Beata Madre Teresa di CalcuttaEPUB MOBI HTML
  • Madre Mia quanto sei bellaEPUB MOBI HTML
  • Con Maria la vita è bellaEPUB MOBI HTML
  • Con Maria verso GesùEPUB MOBI HTML
  • Il mio ideale Gesù figlio di Maria di p. Emilio NeubertEPUB MOBI HTML
  • L'anticristo di Vladimir Sergeevic SolovievEPUB MOBI HTML
  • Salita del Monte Carmelo di San Giovanni della CroceEPUB MOBI HTML
  • Maria e la sua armataEPUB MOBI HTML

Biografie di santi, Visioni, Profezie, Rivelazioni

  • La Misericordia Divina nella mia anima - Diario di Santa suor Faustina KowalskaEPUB MOBI HTML
  • L'Araldo del Divino Amore di Santa Gertrude di HelftaEPUB MOBI HTML
  • La vita di Maria della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • La Passione di Nostro Signore della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • Le visioni della Beata Anna Caterina EmmerickEPUB MOBI HTML
  • La Mistica Città di Dio di Suor Maria d'AgredaEPUB MOBI HTML
  • I sogni di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • Vita di Santa Margherita Maria Alacoque (scritta da lei stessa)EPUB MOBI HTML
  • I primi nove venerdì del mese - la grande promessaEPUB MOBI HTML
  • Diario di Santa Gemma GalganiEPUB MOBI HTML
  • Il diario della Beata Elisabetta Canori MoraEPUB MOBI HTML
  • Il diario mistico di Camilla BraviEPUB MOBI HTML
  • Diario di Louise Marguerite Claret De La ToucheEPUB MOBI HTML
  • Il libro della Grazia speciale - Rivelazioni di Santa Metilde di HackebornEPUB MOBI HTML
  • Le Rivelazioni di Santa Brigida di SveziaEPUB MOBI HTML
  • Amore per amore: diario di Suor Maria Costanza del Sacro CostatoEPUB MOBI HTML
  • Beata Marietta RubattoEPUB MOBI HTML
  • Beato Bartolo LongoEPUB MOBI HTML
  • Colui che parla dal fuoco - Suor Josefa MenendezEPUB MOBI HTML
  • Così lontani, così vicini - Gli angeli nella vita di Santa Gemma GalganiEPUB MOBI HTML
  • Cristo Gesù nella Beata Alexandrina da BalasarEPUB MOBI HTML
  • Il mistero del Sangue di Cristo - Suor Maria Antonietta PrevedelloEPUB MOBI HTML
  • Santa Gertrude Di Helfta di don Giuseppe TomaselliEPUB MOBI HTML
  • Vita della Serva di Dio Edvige CarboniEPUB MOBI HTML
  • Diario di Edvige CarboniEPUB MOBI HTML
  • Rimanete nel mio amore - Suor Benigna Consolata FerreroEPUB MOBI HTML
  • Il Sacro Cuore e il Sacerdozio. Biografia di Madre Luisa Margherita Claret de la ToucheEPUB MOBI HTML
  • Figlia del dolore Madre di amore - Alexandrina Maria da CostaEPUB MOBI HTML
  • Il piccolo nulla - Vita della Beata Maria di Gesu CrocifissoEPUB MOBI HTML
  • Beata Anna Schaffer: Il misterioso quaderno dei sogniEPUB MOBI HTML
  • Beata Chiara bosattaEPUB MOBI HTML
  • Beata Maria Candida dell'EucaristiaEPUB MOBI HTML
  • Fratel Ettore BoschiniEPUB MOBI HTML
  • Il cuore di Gesù al mondo di Suor Maria Consolata BetroneEPUB MOBI HTML
  • Madre Giuseppina BakhitaEPUB MOBI HTML
  • Beata Maria di Gesù Deluil-MartinyEPUB MOBI HTML
  • Serva di Dio Luigina SinapiEPUB MOBI HTML
  • Marie-Julie JahennyEPUB MOBI HTML
  • Marie Le ValleesEPUB MOBI HTML
  • I SS. Cuori di Gesù e di Maria. La salvezza del mondo, le loro apparizioni, promesse e richiesteEPUB MOBI HTML
  • La testimonianza di Gloria PoloEPUB MOBI HTML
  • Chiara Luce BadanoEPUB MOBI HTML
  • Madre Carolina VenturellaEPUB MOBI HTML
  • Madre SperanzaEPUB MOBI HTML

Novissimi

Patristica

  • Scritti dei primi cristiani (Didachè, Lettera a Diogneto, Papia di Gerapoli)EPUB MOBI HTML
  • I padri apostolici (S.Clemente Romano,S.Ignazio di Antiochia,Il Pastore d'Erma, S.Policarpo di Smirne)EPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Scritti di Sant'AgostinoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Sant'Agostino, la città di DioEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Sant'Agostino, le confessioniEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Clemente Alessandrino,Sant'Ambrogio, Sant'Anselmo, San Benedetto,San Cirillo di GerusalemmeEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Giustino, San Leone Magno, Origene, Cirillo d'Alessandria, San Basilio, Atenagora di Atene, Rufino di Aquileia,Guigo il CertosinoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Giovanni CrisostomoEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: San Gregorio di NissaEPUB MOBI HTML
  • I padri della chiesa: Quinto Settimio Fiorente TertullianoEPUB MOBI HTML
  • I padri del deserto: Evagrio Pontico, Sant'Antonio AbateEPUB MOBI HTML
  • I padri esicasti : La preghiera del Cuore,Gregorio il sinaita,Niceforo il solitario, San Barsanufio e Giovanni, Pseudo MacarioEPUB MOBI HTML

Sacramenti e vita cristiana

Altri libri

  • La Divina Commedia (Inferno, Purgatorio, Paradiso) di Dante AlighieriEPUB MOBI HTML
  • La storia d'Italia di San Giovanni BoscoEPUB MOBI HTML
  • I testimoni di Geova di Don Vigilio Covi