Arquivo do blog

domingo, 26 de março de 2017

Santo Efrém exclama: "É um prodígio espantoso a dignidade do sacerdócio, é grande, imensa, infinita.


A SELVA




Basta clicar no capítulo desejado que você será redirecionado para a página. 

*O livro ainda não se encontra postado na íntegra*

Boa leitura!

PRIMEIRA PARTE






Parte I
A Dignidade do Padre


Ideia da dignidade sacerdotal

Diz Santo Inácio mártir que a dignidade sacerdotal tem a supremacia entre todas as dignidades criadas. Santo Efrém exclama: "É um prodígio espantoso a dignidade do sacerdócio, é grande, imensa, infinita. Segundo São João Crisóstomo, o sacerdócio, embora se exerça na terra, deve contudo ser contado no número das coisas celestes. Citando Santo Agostinho, diz Bartolomeu Chassing que o sacerdote, alevantado acima de todos os poderes da terra e de todas as grandezas do Céu, só é inferior a Deus. E o Papa Inocêncio III assegura que o sacerdote está colocado entre Deus eo homem; é inferior a Deus, mas maior que o homem.

Segundo São Dionísio, o sacerdócio é uma dignidade angélica, ou antes divina; por isso chama ao padre "um homem divino". Numa palavra, conclúi Santo Efrém, a dignidade sacerdotal sobreleva a tudo quanto se possa conceber. Basta saber-se que, no dizer do próprio Jesus Cristo, os padres devem ser tratados como a sua pessoa: "Quem vos escuta, a mim escuta; e quem voz despreza, a mim despreza" (Lc 10, 16). Foi o que fez dizer ao autor da Obra Imperfeita: "Honrar o sacerdote de Cristo, é honrar o Cristo; e fazer injúria ao sacerdote de Cristo, é fazê-la a Cristo". Considerando a dignidade dos sacerdotes, Maria d'Oignies beijava a terra em que eles unham os pés.



Próximo capítulo >>> (dia 03/06/14)